Marcio Domeneguetti

Sobre o Autor

Marcio Domeneguetti

Marcio Domeneguetti

Formado em Licenciatura e Bacharelado em Geografia, pelo Centro Universitário Fundação Santo André, Pós Graduado especialista em Educação Especial na perspectiva da escola inclusiva, pela UNESP, Universidade Julio de Mesquita, e Psicopedagogia clinica e institucional, pela ESAB ES, atua como Professor Coordenador na rede publica da Educação do Estado de São Paulo e Professor de Geografia no Ensino Médio. Consultor Educacional, palestrante e escritor. Participa do "GEPAE", Grupo de Estudos de Administração Escolar da USP, coordenado por Prof. Dr.Vitor Henrique Paro.

Membro desde 29/08/2009 com 5498 acessos ao perfil.
Pormarciodomeneguetti, June 11, 2017
O texto é muito raso, bem como as provocações nos comentários, portanto, discutir o que não conhece é vergonhoso. Em primeiro lugar, ser crente significa crer, portanto, é fundamental a inspiração divina. Nas escrituras é bem claro que único intercessor é Cristo (O verbo se fez carne, o verbo era Deus), que por fim, é Deus, portanto, a intercessão divina só pode ser feita por Cristo. Veja bem, intercessão significa alteração, modificação, intervir. Entrar no meio dos processo e provocar mudanças. Não um anjo,arcanjo, profeta pode e nem poderá contra a vontade de Deus, somente o próprio Deus, por isso a citação, O verbo se fez Carne o Verbo era Deus. Cristo venho de Deus, era o verbo, o verbo era Deus, somente ele poderá intervir. Outros deuses, "santos" ou qualquer INVENÇÃO QUE CRIEM PARA JUSTIFICAR AS CONSEQUÊNCIAS INSTITUCIONAIS RELIGIOSAS, não é Deus, portanto, não podem interceder. Agora, se alguém quiser, pode consultar a história das religiões, irão perceber que não são as alterações no texto bíblico, mas sim consequências políticas da igreja e das religiões ao longo dos tempos que prejudicam criam distinções no comportamento egocêntrico das pessoas, como o de vocês discutindo bobagem.