Escolhas

ESCOLHAS

O que é ser idoso?

 Para a sociedade é considerado idoso, uma pessoa a partir do 50 anos. Mas ser idoso é muito mais que isso, é olhar para trás e fazer uma comparação entre a sua vida passada e a de hoje e entender as consequências que as suas escolhas tiveram ao longo dela.

Devemos ter sempre em mente de que todas as vezes que fizermos uma escolha , ela poderá ter uma consequência, boa ou má.

Reflexão

Vamos agora esquecer os nossos problemas e pensar somente em nós. Mentalizemos a nossa vida como ela está  hoje e nos imaginemos lá na frente, idosos, como seremos todos um dia.

Bem vamos lá então:

Quantas vezes vocês ouviram esta frase: “Se eu pudesse voltar no tempo, faria tudo diferente”.

Será que faria mesmo? Vamos pensar sobre isto.

Quantas vezes, sentimos uma dorzinha chata e não procuramos o médico? Quantas vezes o nosso filho nos pediu colo e nem demos bola? Quantas vezes preferimos desabafar com pessoas estranhas as nossas queixas e mágoas ao invés de procurar as causas do problema e tentar resolver? Quantas vezes procuramos fugir dos problemas através das drogas, bebidas, com violência física, xingamentos, abandonos, com separações mudando de parceiros, sem sequer nos preocuparmos com o sentimento do outro, deixando filhos aos cuidados de qualquer pessoa para não termos trabalho? Quantas vezes chegamos  do trabalho e começamos a xingar o patrão, reclamar do salário, nos esquecendo que o nosso filho está ouvindo, ele pode ser criança, mas ele está ouvindo e um dia quando chegar a idade dele trabalhar pode não querer e repetir a sua atitude e achar um meio mais fácil de ganhar dinheiro e aí se tornar um filho-problema. Quantas vezes deixamos o nosso filho sozinho ou com qualquer pessoa só para curtir a vida? Quantas vezes o nosso filho

 chegou chorando da escola, e nem procuramos saber o que aconteceu? Ou então vamos correndo na escola cheio de raiva e chegamos falando alto já na defensiva, sem nem saber o que aconteceu? Quantas vezes o nosso filho demonstrou medo de alguma pessoa e não quer ficar com ela de jeito nenhum e ao invés de procurarmos saber o motivo, dizemos que é manha e o forçamos a ficar com esta pessoa? Não paramos para pensar sobre isso, deve ter algum motivo, muitas vezes pode ser um abuso em todos os sentidos, violência física ou verbal.

Reflexões e Posicionamentos:

Continuando nesta linha de pensamento, quero que pensem que toda vez que eu usar a minha liberdade de escolha, posso estar invadindo a liberdade de escolha do outro e toda escolha tem consequências. Voces já ouviram esta frase: Tudo posso, mas nem tudo, me convém? Esta frase é bíblica. Como pode ser isso? Existem dois tipos de perda da liberdade.

  1. Quando ficamos presos dentro de uma cela.
  2. Quando perdemos a liberdade de nos expressarmos.

Vamos analisar o primeiro íten.

Não fazemos idéia de como é difícil ficar trancado durante anos, muitas vezes por um motivo, que poderia ser resolvido com uma conversa, engolindo o orgulho e saindo de perto, se afastando de ambientes violentos, ou simplesmente segurando o impulso de revidar. Famílias inteiras são destruídas por um momento de bobeira. Crianças crescem e são geradas neste meio e sofrem muito com isto. Crianças carregam um peso que não é dela, são obrigadas a visitar os pais, irmãos na prisão, não entendem o que está acontecendo, se sentem discriminadas, sozinhas, tristes, e o porquê do pai, mãe, irmão,... não poderem sair dali.  Quando crescem existem dois caminhos que ela, provavelmente, tomará se não lhe for explicado que os pais, irmãos, fizeram algo ilegal, mas são seus pais, irmãos e os amam, mas que estão ali para aprenderem a não errar mais. Se não houver essa explicação as crianças, adolescentes, passarão a achar tudo normal, pois é o mundo que eles conhecem e poderão repetir os mesmos erros dos pais, irmãos. Agora se houver explicação mostrando a verdade dos fatos, eles

 poderão tentar fazer diferente e não se tornarão um filho(a) problema no futuro. Pensem nisso, se vocês estiverem vivendo este tipo de problema , tem alguém da família preso ou conhecem alguém que esteja passando por este momento difícil, tentem explicar para as crianças ou adolescentes que houve um erro e que eles estão ali para aprender, a usarem com sabedoria a sua liberdade de escolha.

Agora vamos ao segundo íten-

 Perda da liberdade de expressão-

Quando passamos uma vida inteira sempre ouvindo frases: Voce é burro.

Voce não presta para nada. Menino retardado. Que arrependimento de ter tido você. Voce é igual seu pai , um inútil. Cala a boca, não pedi sua opinião.

Moleque gordo só pensa em comer.

As palavras tem um poder muito forte, elas tanto podem fazer a pessoa crescer em todos os sentidos como jogar essa pessoa lá no chão. Lembrem-se que o bulling começa em casa, as crianças repetem o que ouvem.

Exemplo: Quando nos referimos a uma pessoa e não falamos o nome dela e sim usamos rótulos como: aquele gordo, aquele manco, aquele retardado, aquele negro, aquele sujo, bêbado e assim vai.... Quando a criança for para a escola ela vai repetir, virar adolescente, ela tratará as pessoas como foi tratada a vida inteira, também usando rótulos para os que a rodeiam. Isto deixa marcas  que ela vai levar pelo resto da vida.

Agora vou citar pra vocês o que nós fazemos dentro de nossa casa e não percebemos e depois mais prá frente, nos perguntaremos. Onde foi que eu errei? Exemplo-

Da mulher que merecia apanhar. Quando a pessoa está com a autoestima em baixa, ela se sente responsável por todas as atitudes negativas do companheiro, até a achar que merece apanhar para que ele desafogue as suas contrariedades.

Criança de doze anos que acha normal o pai resolver os problemas com uma faca e ainda o acha o máximo e diz: igual o meu pai  não existe.

Criança de sete anos que diz que sua vida não tem mais sentido, pois está carregando nas costas, problemas da família toda, vendo todos os dias pais drogados, ouvindo xingamentos e violência em todos os âmbitos.

Nunca devemos nos esquecer que sempre seremos exemplo para alguém, que os filhos estão sempre nos observando, são crianças mas guardam no coração o que veem ou escutam e podem repetir os nossos atos e depois nos perguntaremos: Onde foi que errei? Mimo demais ou falta dele, passar a mão na cabeça. Filho reclama de alguém ou algo, vai lá tomar satisfação, já para brigar ao invés de procurar saber o que aconteceu. Quantos pais, avós não se enchem de dívidas para dar ao filho, neto tudo que eles querem? Cadê o limite? Crianças chegam a ficar doentes quando não conseguem o que querem. Que adultos serão?

Bem agora depois de tudo que foi exposto, façamos uma reflexão da nossa vida e vejamos se não somos responsáveis pelos problemas que estamos passando e que nos deixam desesperados.

Como enfrentá-los? Ninguém deve viver a vida do outro, cada um é responsável pelas suas escolhas.

O que eu posso fazer para resolver? O ideal seria que não houvesse o problema, mas se houver e não conseguirmos conversar com a pessoa, sempre há alguém na família ou alguém próximo que ele goste e que você pode pedir ajuda. Não passar a mão na cabeça. Não ceder a chantagens, dando o que quer só para parar de chorar, gritar, ou quebrar coisas. Não se endividar para ajudá-lo. Não criar o filho de seus filhos adolescentes, ajude-os, mas deixe que eles sejam os pais, para aprender e pensar sobre os prós e os contras de uma gravidez na adolecência.

Agora vamos  novamente a exemplos práticos.

Quantas vezes ouvimos alguém dizer, quando idosos, ou nós mesmos já dissemos:

Hoje estou sózinho, abandonado e ninguém tem paciência comigo. Estou preso e ninguém me ajuda. Sou deficiente e sou maltratado pela minha família. Não consigo mais falar, mas vejo a falta de paciência comigo e irritação a minha volta. Faço as minhas necessidades na roupa e fico sujo um tempão. Os meus filhos são uns ingratos, não vem me visitar. Fiz tudo por ele e virou bandido.

Vamos lá. Lembram-se da frase: “Se eu pudesse voltar no tempo, faria tudo diferente”.

Pois então ainda dá tempo. Peçam ajuda sempre que precisarem, não tenham vergonha disso, mas que isso não se torne um vício, trabalhem, estudem. Observem mais seus filhos, olhem os seus materiais escolares, vejam se não há nada diferente ali, vejam se seus filhos apresentam alguma mudança de comportamento. Por ex. mesmo com calor, está de mangas compridas, vive de olhos escuros, nariz sempre fungando e dilatado, some coisas em casa, podem ser sinais de uso de drogas. Tenham tempo para seus filhos, senão alguém vai ter e pode não terminar bem. Respeitem a escolha do outro, mas sempre que puderem deem bons exemplos e bons conselhos. Tenham paciência com seus filhos, mas imponham limites, para mais prá frente não se arrependerem. Orientem sempre os adolescentes que estiverem sob os seus cuidados principalmente a respeito dos cuidados de uma gravidez não planejada. Tenham paciência com seus idosos, doentes, crianças, lembrem-se de que um dia você também vai precisar de cuidados. Sempre que cuidarem de um idoso, doente, deficiente físico na frente do seu filho, faça com paciência, lembrem-se de que um dia poderemos também precisar da ajuda dos nossos filhos e eles poderão nos tratar igual nós tratamos os nossos idosos, acamados, deficientes,.. enfim, repetirem o que nos viram fazendo.

Muitas vezes, hoje nos sentimos tristes sem motivo, angustiados, vivemos com dores no corpo, depressivos.  E muitas vezes bastaria um simples olhar para dentro de nós mesmos que poderia nos ajudar a ficarmos melhor. Problemas mal resolvidos, mágoas, escolhas mal feitas, oportunidades perdidas...

Para refletir:

Existe má companhia? Não existe. Talvez você seja uma má companhia e vice-versa, o que existe são afinidades de tendências, tenho vontade mas não sei como realizar, então encontro pessoas e caminhos, aí consigo por em prática os meus intentos. Isto pode ocorrer com você ou com o outro. Reflitam sobre isto.

Posicionamentos

Ninguém faz com você o que você não quer, em algum momento você abriu uma brecha para que isto acontecesse.

Publicado
Visualizações
50