A DIFÍCIL DECISÃO DE OPERAR PESSOAS IDOSAS

A população está envelhecendo bastante e qualquer cirurgia em idosos envolve um aumento do risco de complicações e subsequentes mudanças na qualidade de vida. Com isso, a decisão sobre operar ou não essa parte da sociedade não é fácil.

Decisão do paciente

Antes de decidir sobre se submeter a uma operação, os pacientes devem estabelecer prioridades relacionadas à assistência médica, como a importância de prolongar a vida, preservar a independência ou manter a qualidade de vida.

Uma vez determinados, eles devem discutir com o cirurgião como a operação proposta influenciará essas prioridades. Por exemplo, um paciente que considera a cirurgia de substituição do joelho, cujo objetivo é melhorar a dor e a função, pode decidir prosseguir com a operação para atingir essa meta. Ou então, os pacientes com câncer de intestino que necessitam de ressecção cirúrgica devem considerar os riscos de complicações pós-operatórias e não poder cuidar de si mesmos em casa por um tempo muito longo.

Se a prioridade pessoal é manter uma certa qualidade de vida e ser independente (por exemplo, morar em casa) em vez de viver mais, mas dependendo dos outros, é possível decidir não prosseguir com a cirurgia.

“As pessoas idosas demoram mais tempo para se recuperar e precisam de mais apoio em comparação às pessoas mais jovens. Alguns pacientes vão diretamente para casa após a cirurgia e são capazes de se recuperar sem assistência ou com a ajuda mínima de um amigo ou membro da família. Mais comumente, é necessário algum tipo de assistência para ajudar na recuperação, como visitas domiciliares de enfermeiras ou fisioterapeutas. Tudo isso deve ser levado em conta antes de decidir algum procedimento cirúrgico. É fundamental perguntar o que provavelmente acontecerá no seu caso quando você sair do hospital”, orienta o Dr. Daniel Benitti cirurgião vascular que atende em São Paulo e em Campinas.

Instruções médicas

Embora um cirurgião possa não ser capaz de fornecer uma resposta definitiva para tudo, ele considerará o estado físico pré-operatório do paciente e o tipo de operação necessária para avaliar como o processo de recuperação pode ser.

Após a conclusão do processo de recuperação, o retorno do paciente ao estado anterior de saúde depende de muitos fatores, como a força física e a importância da operação. Novos auxiliares de mobilidade ou tratamentos, como andador, oxigênio suplementar ou medicamentos podem ser necessários.

Mesmo que você consiga retornar à função de referência após a cirurgia, certos aspectos da vida diária podem ser diferentes. É importante perguntar ao cirurgião sobre essas informações antes de uma cirurgia para equilibrar com precisão os riscos e os benefícios do procedimento e determinar o efeito da cirurgia na vida diária.

É importante lembrar que cada paciente é diferente e o cirurgião usará o melhor julgamento para aconselhá-lo sobre as mudanças de vida após a cirurgia.

A decisão de fazer uma cirurgia é pessoal e deve sempre ser individualizada. É necessário reunir o máximo de informações possíveis sobre o procedimento proposto, quem vai operar e como isso afetará a sua vida. Pergunte aos médicos sobre todos os aspectos do cuidado pós-operatório e exponha as preocupações que você tiver. Você também deve conversar com os seus familiares e entes queridos para ajudar a tomar essa decisão.

Apesar de não haver resposta certa ou errada, três perguntas são primordiais:

Se as respostas forem positivas, você estará dando o primeiro passo para uma sábia decisão!

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Site: https://www.ocirurgiaovascular.com.br

Publicado
Visualizações
170
Votos
1