O Pecado e Julgamento de Esterilidade Espiritual

  John Owen (1616-1683)

 

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

"Mas os seus charcos e os seus pântanos não serão feitos saudáveis; serão deixados para o sal." (Ezequiel 47:11)

Esta profecia contém uma visão do estado glorioso, santo e evangélico da igreja, sob a representação de um templo muito glorioso, excelentemente incomparável ao que foi construído no passado por Salomão; uma exposição de que temos, em 2 Coríntios 3: 6-8, etc.

Eis o contexto anterior ao versículo 11 do nosso texto:

1 Depois disto, o homem me fez voltar à entrada do templo, e eis que saíam águas de debaixo do limiar do templo, para o oriente; porque a face da casa dava para o oriente, e as águas vinham de baixo, do lado direito da casa, do lado sul do altar.

2 Ele me levou pela porta do norte e me fez dar uma volta por fora, até à porta exterior, que olha para o oriente; e eis que corriam as águas ao lado direito.

3 Saiu aquele homem para o oriente, tendo na mão um cordel de medir; mediu mil côvados e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos tornozelos.

4 Mediu mais mil e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos joelhos; mediu mais mil e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos lombos.

5 Mediu ainda outros mil, e era já um rio que eu não podia atravessar, porque as águas tinham crescido, águas que se deviam passar a nado, rio pelo qual não se podia passar.

6 E me disse: Viste isto, filho do homem? Então, me levou e me tornou a trazer à margem do rio.

7 Tendo eu voltado, eis que à margem do rio havia grande abundância de árvores, de um e de outro lado.

8 Então, me disse: Estas águas saem para a região oriental, e descem à campina, e entram no mar Morto, cujas águas ficarão saudáveis.

9 Toda criatura vivente que vive em enxames viverá por onde quer que passe este rio, e haverá muitíssimo peixe, e, aonde chegarem estas águas, tornarão saudáveis as do mar, e tudo viverá por onde quer que passe este rio.

10 Junto a ele se acharão pescadores; desde En-Gedi até En-Eglaim haverá lugar para se estenderem redes; o seu peixe, segundo as suas espécies, será como o peixe do mar Grande, em multidão excessiva. (Isaías 47.1-10).

O início deste 47º capítulo de Isaías estabelece o caminho e o meio do chamado e reunião das igrejas do evangelho, cuja adoração deve ser tão gloriosa; e esta está sob uma visão de "águas saindo do santuário", para curar e vivificar todos os lugares aos quais elas vierem.

Pelas águas aqui mencionadas se entende a pregação do evangelho. E podemos observar delas, primeiro, que sua ascensão era do santuário; em segundo lugar, o seu progresso, - aumentaram até se tornarem um rio que ninguém poderia passar; em terceiro lugar, seus efeitos ou eficácia, - curaram todas as águas onde vieram, e vivificaram, ou causaram a vida, dos peixes que estavam nelas.

Não devo insistir nesses detalhes.

Primeiro. A casa, ou templo, de onde essas águas saíam, pode ser tomado de duas maneiras: - 1. Misticamente, denotando apenas a presença de Deus. Deus habitando no seu templo; daí vêm essas águas - da sua presença. Ele envia a palavra do evangelho para a conversão e cura das nações, Salmo 110: 2. Ou, - 2. Figurativamente; e que seja para o lugar onde o templo dos antigos se encontrava (isto é, Jerusalém), como a pregação do evangelho fosse sair de Jerusalém, e o som dele procedesse para todo o mundo, como em Isaías 41: 27, 52: 7; Atos 1: 4,8; ou para a igreja de Cristo e seus apóstolos, o primeiro templo glorioso e espiritual para Deus, de onde estas águas foram emitidas.

Em segundo lugar. Seu progresso; o que é descrito por graus, sendo inicialmente pequeno, - poucos homens que pregam, e alguns, - mas depois aumentaram até preencher a Terra inteira.

Em terceiro lugar. Os efeitos mencionados ou atribuídos a estas águas são dois, - vivificação e cura.

Nas palavras do nosso texto de abertura (verso 11) você tem o estado e a condição dos lugares para onde as águas do santuário vêm, e os efeitos antes atribuídos a elas não são produzidos; para que as palavras sejam lidas, elas "não devem ser curadas".

Temos aqui uma descrição de algumas terras ou lugares para onde as águas sagradas vêm. Primeiro, eles são "charcos e pântanos"; em segundo lugar, o evento das águas que chegam a eles, - eles não são "curados"; em terceiro lugar, a consequência desse evento, eles são "dados ao sal".

Em breve, em algumas palavras, abrir-lhe-ei a alegoria, ou parábola.

Primeiro. Por meio das águas do santuário, eu disse-lhe, quer dizer a pregação do evangelho, - a palavra vivificadora e curadora que o Senhor envia para reunir sua igreja para si mesmo em todo o mundo, para chamar seus santos a esse glorioso evangelho, na adoração espiritual, que é aqui descrita nesta visão de um templo.

Em segundo lugar. Os "charcos e pântanos", onde essas águas vêm, são tais onde as pessoas estão inseparavelmente ​​e incuravelmente em seus desejos e pecados, para que eles não sejam curados pela palavra. A palavra de cura do evangelho vem, mas eles não a recebem; a água flui sobre eles, eles não bebem, não são vivificados nem curados por ela.

Em terceiro lugar. Para ser "dado ao sal", deve ser deixado para a esterilidade, Deuteronômio 29:23; Juízes 9:45; Jeremias 17: 6.

O sentido figurativo da passagem assim explicada nos dará as seguintes observações: - Observação I. Deus se agrada em enviar as águas do santuário para "lugares espinhosos e pantanosos", que "nunca serão curados" nem feitos frutíferos; - ou, Deus, em sua infinita sabedoria, se agrada em enviar a pregação da palavra a alguns lugares em que não apresentará seu poder e virtude vitorioso e santificador sobre as almas dos que o ouvem.

II. Todos os lugares do mundo são estéreis, insípidos e insalubres, antes da chegada das águas do santuário sobre eles; - ou, as almas de todos os homens estão espiritualmente mortas e cheias de terríveis distúrbios, até serem vivificados e curados pela dispensação do evangelho. A palavra deve vir e curá-los.

III. As águas do santuário são águas curativas; - ou, a palavra do evangelho é, em sua própria natureza, uma palavra vivificadora, curativa, santificadora e salvadora, para aqueles que a recebem.

IV. Onde as águas do santuário vêm, e a terra não é curada, essa terra é despojada do Senhor para sal ou esterilidade para sempre; - ou, onde a palavra do evangelho é, pela disposição infinitamente sábia de Deus, pregada a um lugar ou a pessoas, e elas não o recebem para que os seus pecados sejam curados por ele, geralmente são, depois de uma época, abandonadas, pelo juízo justo de Deus, à esterilidade e à ruína eterna.

É essa última proposição, como a designação direta e o escopo do lugar, sobre o que eu pretendo insistir principalmente. Mas ainda falo um pouco sobre o anterior. Deus se agradou muitas vezes, em sua infinita sabedoria, de enviar a pregação da palavra a alguns lugares em que não apresentará seu poder e virtude vitorioso e santificador sobre as almas daqueles que a ouvem. Toda a Escritura e toda a história da providência de Deus ao enviar o evangelho ao exterior no mundo, testemunha essa verdade. Era o caminho dele desde o fundamento do mundo, e continua até o dia de hoje. Daí foi a queixa do profeta, Isaías 53: 1, "Quem creu em nossa pregação? E a quem foi revelado o braço do SENHOR?"- o evangelho é pregado para aqueles que não acreditam na sua pregação; - e o capítulo 49: 4 "Eu mesmo disse: debalde tenho trabalhado, inútil e vãmente gastei as minhas forças; todavia, o meu direito está perante o SENHOR, a minha recompensa, perante o meu Deus." Mas não precisamos de nenhum exemplo maior que o de nosso Salvador, que passou a maior parte de seu ministério na pregação para aqueles que nunca foram curados, nunca se converteram nem se santificaram por sua palavra. Aquele testemunho que ele dá do seu trabalho, em Mateus 11: 21-24: " Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e em Sidom se tivessem operado os milagres que em vós se fizeram, há muito que elas se teriam arrependido com pano de saco e cinza. E, contudo, vos digo: no Dia do Juízo, haverá menos rigor para Tiro e Sidom do que para vós outras. Tu, Cafarnaum, elevar-te-ás, porventura, até ao céu? Descerás até ao inferno; porque, se em Sodoma se tivessem operado os milagres que em ti se fizeram, teria ela permanecido até ao dia de hoje. Digo-vos, porém, que menos rigor haverá, no Dia do Juízo, para com a terra de Sodoma do que para contigo." Agora, embora não haja busca nas profundezas dos conselhos de Deus, ainda existem muitas razões pelas quais a sabedoria dessa dispensação resplandece; como, - 1. Ele o faz principalmente porque, naqueles lugares onde a palavra é rejeitada pela generalidade do povo, ainda pode haver algumas almas secretas e pobres pertencentes à eleição da graça, a quem Deus terá reunido e chamado de casa para ele mesmo. Por causa deles, embora no mundo não sejam avisados, a palavra será pregada às multidões. Amós 9: 9: "Porque eis que darei ordens e sacudirei a casa de Israel entre todas as nações, assim como se sacode trigo no crivo, sem que caia na terra um só grão." Os grãos de Israel devem ser preservados em todas as nações da terra, para que nenhum grão seja perdido. Assim, Paulo prega o evangelho em Filipos, Atos 16: 12,13. E o que o empenho encontrou nisso? Ele e seu companheiro são levados e espancados, e lançados na prisão; versos 22, 23. Por que, então, foi que o evangelho deveria ser pregado lá? Por que havia uma estrangeira naquela cidade, uma pobre mulher chamada Lídia, que morava em Tiatira, e ela deveria se converter, e trazida para a casa de Deus, versículo 14. Então, em Atenas, capítulo 17:34. E o apóstolo afirma que "suportou todas as coisas por amor aos eleitos", 2 Timóteo 2:10. Aqui e ali, uma pessoa desprezada é projetada para ser chamada. 2. Deus faz isso para um testemunho contra aqueles que não o recebem, e deixá-los assim, inexcusáveis ​​no último dia. Marcos 6:11: "Se nalgum lugar não vos receberem nem vos ouvirem, ao sairdes dali, sacudi o pó dos pés, em testemunho contra eles." A palavra deve ser pregada, e testemunhar, por assim dizer, é para ser levada àquele que foi pregada, para que os homens possam ser deixados sem desculpas no último dia. Como nosso Salvador invoca a respeito de sua própria pregação aos fariseus, João 15:22: "Se eu não viera, nem lhes houvera falado, pecado não teriam; mas, agora, não têm desculpa do seu pecado." Deus fará com que os homens estejam sem desculpas, por aquela misericórdia que lhes foi feita no evangelho. Deve ser um testemunho contra eles no último dia. Aplicação. Que os homens não se vangloriem no mero gozo exterior da palavra. seria bom, de fato, se fossem crentes todos a quem a palavra é pregada, - se todas as terras fossem curadas, onde vieram as águas do santuário; mas o Espírito Santo nos diz que não é assim, Hebreus 4: 2, "A palavra pregada não os beneficiou." Cafarnaum foi "exaltado ao céu", no uso de meios; mas "trazido para o inferno" pela negligência deles. Deixe os homens olhar para si mesmos; Deus tem diversos fins ao enviar o evangelho. O Senhor sabe qual será o fim da Inglaterra desfrutando o evangelho enquanto isso acontecer. Os tristes sintomas aparecem de um tremendo problema. Mas devo falar disso depois.

II. As almas de todos os homens estão espiritualmente mortas e cheias de terríveis distúrbios, até serem vivificados e curados pela dispensação do evangelho. As águas do santuário devem vir, para vivificá-los e curá-los. Eles são destruídos, portanto, e com lamentação, antes da chegada dessas águas. Assim, o apóstolo nos informa, em Tito 3: 3-7: "Pois nós também, outrora, éramos néscios, desobedientes, desgarrados, escravos de toda sorte de paixões e prazeres, vivendo em malícia e inveja, odiosos e odiando-nos uns aos outros. Quando, porém, se manifestou a benignidade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com todos, não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo, que ele derramou sobre nós ricamente, por meio de Jesus Cristo, nosso Salvador, a fim de que, justificados por graça, nos tornemos seus herdeiros, segundo a esperança da vida eterna." Antes que a graça do evangelho venha curá-los e purificá-los, esse é o estado e a condição dos homens; como é mais amplamente descrito pelo apóstolo, Romanos 1:18 até o fim. Não devo deixar de mencionar todas as desordens particulares que se enfurecem em alguns, e essa regra e reinado em tudo antes da vinda do evangelho; como a escuridão, a cegueira, a ignorância, a mentalidade mundana, a sensualidade, o ódio de Deus, a inveja e a maldade, que são fixados nas almas dos homens por presunção e justiça pessoal. Não há nada neles da vida espiritual ou da santidade, da pureza ou do zelo, nada que seja aceitável ou agradável a Deus. Mas, para expor isso ao máximo, descreveria toda a condição natural dos homens, o que não é o meu trabalho atual; e, portanto, não vou mais insistir nisso.

III. A palavra do evangelho é, em sua própria natureza, uma palavra vivificadora, curativa, santificadora e salvadora para os que a recebem. Elas [as águas do santuário] trazem Cristo junto com elas, o grande médico das almas, o único que é capaz de curar uma alma doente do pecado. Elas trazem misericórdia com elas para perdoar os pecadores, para que "os habitantes da terra não mais digam que estão doentes, tendo seus pecados perdoados", Isaías 33:24. Elas trazem a graça com elas para curar todas as maldades das concupiscências, Isaías 11: 5-7; Tito 2: 11,12. Essas coisas que eu apenas abordei e seguem agora para a quarta observação. Onde as águas do santuário vierem, e a terra não é curada, essa terra é despojada do Senhor para sal e esterilidade para sempre; - ou, onde a palavra do evangelho é pregada a um lugar, ou a pessoas, e eles não o recebem para que os seus pecados sejam curados por ele, eles são entregues pelo justo juízo de Deus para a esterilidade e a ruína eterna. Para limpar esta proposição, devo mostrar: 1. O que quero dizer com a vinda das águas do santuário, ou a pregação do evangelho, a um lugar ou a pessoas; 2. O que é curar seus distúrbios pecaminosos; 3. O que é ser entregue à esterilidade e à ruína. 1. Pela chegada das águas curativas do santuário, não me refiro à pregação ocasional de um sermão, embora isso seja suficiente para justificar Deus na rejeição de qualquer pessoa. Na primeira pregação do evangelho, a recusa de um sermão perdeu muitas almas durante toda a eternidade. Quando o Senhor Jesus enviou seus discípulos para pregar as novidades da paz eterna, ordenou-lhes que passassem pelas cidades e aldeias e lhes oferecesse paz e misericórdia na palavra da verdade; que se eles não recebessem, eles deveriam sacudir a poeira de seus pés contra eles, Mateus 10: 12-15; Lucas 10: 8-12. Mas há a paciência indescritível de Cristo para muitos no mundo, quando a palavra continua por um tempo muito longo, e a salvação nela é desprezada! Mas isso é o que eu pretendo como a regra da dispensação mencionada, ou seja, quando Deus, por sua providência, faz com que a palavra seja pregada para alguma continuação e para a revelação de todo o seu conselho; como Paulo afirmou ter feito em Éfeso, Atos 20:27, onde ele viveu acima de um ano. Ou eu não quero dizer águas, mas as águas do santuário; nenhuma pregação comum, mas a pregação do evangelho de Jesus Cristo: o que Paulo afirma ser sua obra, Efésios 3: 8. Nem todas as águas não são as águas do santuário; nem toda pregação é a pregação do santuário. Existe a pregação no mundo em que Deus e as almas dos homens não se preocupam mais do que em uma oração de um antigo povo pagão. Muitos se comprometem a ser pregadores que nunca "ficaram no conselho de Deus", como ele se queixa, em Jeremias 23:22, que nunca receberam do Espírito de Cristo, nem conheciam a mente dele, sendo os líderes cegos dos cegos. Aos filhos de Sião é prometido, segundo o evangelho, que "todos serão ensinados de Deus". E temos homens que se comprometem a ser professores daqueles, que nunca aprenderam nada de Cristo; - uma geração perversa de almas assassinas, para cujo trabalho amaldiçoado inventam todos os dias novos motivos, - a quem a alma do Senhor abomina. Veja a sua condição e porção, em Ezequiel 34: 3,4, etc. Quero me referir, portanto, a uma dispensação da palavra de acordo com a mente de Cristo, - o desdobramento do mistério do evangelho. Esta é a vinda que eu pretendo.

2. O que significa que seus transtornos pecaminosos não são curados? Veja o que as águas do santuário chegam a fazer: se isso não for efetuado, eles não são curados. Agora, há dois efeitos aqui atribuídos às águas do santuário: (1.) Elas vivificam e dão nova vida, verso 9. Uma vida natural que eles tiveram antes, mas estas lhes dão outra vida. (2.) Cura, como as das águas de Jericó por Eliseu, 2 Reis 2:21. Onde esses efeitos não são produzidos, essa é a condição descrita, esse é o estado desses "charcos e pântanos", - eles não são curados: - (1.) Os homens não são vivificados; eles não recebem uma nova vida espiritual; eles não são tão trazidos ao conhecimento de Deus. Não é suficiente que os homens tenham afetado suas afeições, ou suas vidas, em certa medida, reformadas; - a menos que sejam vivificados, a menos que recebam uma nova vida espiritual pela palavra, eles são como os lugares não curados, sobre os quais a maldição aqui mencionada paira. (2.) A cura dessas almas vivificadas consiste na cura e mortificação de seus pecados. Um segue o outro. Onde há vida, haverá cura. Que os homens não pretendam viver espiritualmente, se suas concupiscências não forem curadas. Se os homens estão orgulhosos, mundanos, sensuais, estão mortos também; não há efeito das águas do santuário sobre eles. Se os homens não são santos, humildes, crentes e zelosos, se não recebem o espírito de oração e fé, eles não são curados. Esta é a condição dos "charcos e pântanos" aqui mencionados: Deus, em sua infinita sabedoria e bondade, faz com que o evangelho seja dispensado entre um povo, para ser pregado, onde eles deveriam atendê-lo; mas não são convertidos pela palavra, não santificados por ela, mas continuam em seu antigo estado e condição. Ele era imundo e ainda está imundo. aquele que era injusto permanece em seu antigo estado; - aquele que estava na lama do mundo e no pecado está como águas paradas. 3. Qual é a porção dessas pessoas? Elas "serão dadas ao sal", isto é, como mostrei, à esterilidade, à inutilidade e à ruína eterna. Este é o significado da proposição; e é uma palavra terrível, que ainda é verdade, e irá provar isso no último dia. Ai dos "charcos e pântanos" do mundo! Ai das pessoas e dos lugares a quem as águas do santuário vieram e não são curadas! Não precisarei insistir muito na prova da proposição, as Escrituras são muito abundantes com testemunhos disso. Mas eu devo fazer estas três coisas: 1. Nomear alguns textos que claramente falam a mesma verdade; 2. Mostrar os graus em que Deus prossegue geralmente nesta grande obra, ao desistir dos escravos não lucrativos para a ruína; 3. Dar o argumento disso: - 1. Para outras Escrituras que afirmam a mesma verdade, tome Provérbios 1: 24-31, "Mas, porque clamei, e vós recusastes; porque estendi a mão, e não houve quem atendesse; antes, rejeitastes todo o meu conselho e não quisestes a minha repreensão; também eu me rirei na vossa desventura, e, em vindo o vosso terror, eu zombarei, em vindo o vosso terror como a tempestade, em vindo a vossa perdição como o redemoinho, quando vos chegar o aperto e a angústia. Então, me invocarão, mas eu não responderei; procurar-me-ão, porém não me hão de achar. Porquanto aborreceram o conhecimento e não preferiram o temor do SENHOR; não quiseram o meu conselho e desprezaram toda a minha repreensão. Portanto, comerão do fruto do seu procedimento e dos seus próprios conselhos se fartarão."- Provérbios 29:1,"O homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz será quebrantado de repente sem que haja cura."; - Lucas 13: 6, " Então, Jesus proferiu a seguinte parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e, vindo procurar fruto nela, não achou.", etc. Então, Hebreus 10: 28-30: “Sem misericórdia morre pelo depoimento de duas ou três testemunhas quem tiver rejeitado a lei de Moisés. De quanto mais severo castigo julgais vós será considerado digno aquele que calcou aos pés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança com o qual foi santificado, e ultrajou o Espírito da graça? Ora, nós conhecemos aquele que disse: A mim pertence a vingança; eu retribuirei. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo.”; 2 Coríntios 2:15, 16. “Porque nós somos para com Deus o bom perfume de Cristo, tanto nos que são salvos como nos que se perdem. Para com estes, cheiro de morte para morte; para com aqueles, aroma de vida para vida. Quem, porém, é suficiente para estas coisas?”

2. Para os graus de rejeição, veja Ezequiel 10:18, 11:23; Hebreus 6: 8: "mas, se produz espinhos e abrolhos, é rejeitada e perto está da maldição; e o seu fim é ser queimada." Eles são primeiro rejeitados, depois amaldiçoados e finalmente queimados. Mas, - 3. No que eu devo insistir principalmente, é mostrar os caminhos pelos quais Deus geralmente procede a desistir de tais pessoas para a esterilidade e, assim, para a condenação eterna: (1.) Ele os expulsa de seus cuidados. Então, em Hebreus 6: 8, a terra é "rejeitada", o dono não se importará com uma terra tão improdutiva; ele não vai mais investir nela, mas deixá-la para sua própria esterilidade. Deus é o grande fazendeiro, João 15: 1. Então, Ezequiel 24:13, tiveram seu tempo e estação, e "não são purgados", portanto "eles não serão mais purificados". Jeremias 6: 29,30: "O fole bufa, só chumbo resulta do seu fogo; em vão continua o depurador, porque os iníquos não são separados. Prata de refugo lhes chamarão, porque o SENHOR os refugou." Isto, o Senhor Jesus Cristo, declara ser o caminho dele para prosseguir com eles, Zacarias 11: 8,9, "A minha alma os detestava, e sua alma também me abominava. Então disse: Eu não vou te alimentar: que isso morre, deixe-o morrer; e que isso deve ser cortado, deixe-o ser cortado; e deixe o resto comer cada um a carne do outro." Uma triste separação, o Senhor sabe! Eles desistiram de Cristo, - e ele desiste deles; e sua reunião será infinitamente mais triste com eles. Agora, o Senhor faz vários caminhos: - [1.] Ele às vezes removerá completamente o evangelho deles; - afastará o fluxo das águas do santuário, para que não venha mais para eles. Então ele ameaçou a igreja em Éfeso no passado, Apocalipse 2: 5, " Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras", “e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas." Não terá mais a luz da palavra; deve ser removida e retirada deles. Ah! Quantos lugares se encontram sob este juízo pesaroso de Deus neste dia, - esta sentença de ser entregue ao sal para sempre! Locais no mundo que gostaram da palavra na época designada por Deus, e com a oportunidade de apreciá-la; mas continuando não lucrativo sob ela, qual é agora o seu estado e condição? Deus os deixou a esse doloroso julgamento, que eles próprios deveriam ser instruídos para expulsar a palavra de entre eles; como a mulher tola, derrubando a casa com as próprias mãos; e assim eles têm a escuridão para uma visão, e aqueles que não se regozijarão com a verdade, e com a luz, estão agora, através do tremendo julgamento de Deus, vagando na escuridão e em uma coisa de nenhum valor. É verdade, o evangelho pode às vezes ser tomado por um período de um povo para o seu julgamento. Agora, como o Senhor tem muitos fins gloriosos em tal dispensação, pode-se facilmente saber se as pessoas perderam o evangelho apenas por uma temporada, de maneira experimental; ou como um começo de sua entrega ao sal e à esterilidade. Como, - 1º. Os que são privados por uma época de prazeres evangélicos por seu julgamento, são sensíveis ao descontentamento de Deus e se humilham muito por sua conta. Eles dizem que, como a igreja em Miquéias 7: 9, "Sofrerei a ira do SENHOR, porque pequei contra ele, até que julgue a minha causa e execute o meu direito; ele me tirará para a luz, e eu verei a sua justiça." Eles consideram isso como a maior calamidade e julgamento que pode acontecer com eles; considerando que aqueles que sofrem a pena, estão muito pouco preocupados com isso, ou se regozijam demais com isso. A palavra os atormentou, e eles estão felizes por eles serem libertos. Apocalipse 11:10: "Os que habitam sobre a terra se alegram por causa deles, realizarão festas e enviarão presentes uns aos outros, porquanto esses dois profetas atormentaram os que moram sobre a terra." Alguns nunca se regozijam mais do que quando abandonaram o evangelho; e outros são como Gálio. Agora, quando tais como estes têm a palavra tirada deles, e não são sensíveis ao desagrado do Senhor nisto, nem se humilharam diante dele por esse motivo, é uma certa evidência de que Deus os está entregando ao sal; isto é, à esterilidade e ruína eterna. 2º. Os que estão privados disso por uma temporada em uma forma de julgamento não têm descanso, mas são sinceros com o Senhor para o retorno dele. 1 Samuel 7: 2, a arca se foi; e apesar de terem paz e abundância, e todas as coisas em abundância, todavia, nem todas satisfazem; a arca está ausente, essa promessa da presença de Deus, e eles lamentaram a sua ausência. Assim é com isso; - Deixe-os ter paz, ou liberdade, ou prosperidade, tudo é o mesmo; se eles não tiverem a arca, se não tiverem o evangelho e as ordenanças de Deus, eles não podem descansar, mas ainda lamentam a ausência do Senhor, ainda desejam o prazer de sua palavra. Davi expressa excelentemente essa estrutura de coração, no Salmo 63: 1,2, " Ó Deus, tu és o meu Deus forte; eu te busco ansiosamente; a minha alma tem sede de ti; meu corpo te almeja, como terra árida, exausta, sem água. Assim, eu te contemplo no santuário, para ver a tua força e a tua glória." Ele foi expulsado das ordenanças de Deus; as águas do santuário não vieram para ele. Mas agora, de quem a palavra é tomada, não há como se preocupar com isso, nem há muito tempo depois; eles se regozijam no que têm em mãos, - estão extremamente satisfeitos sem isso. Deixe-os ter um aumento de trigo, vinho e óleo, - deixem que eles tenham suas concupiscências e seus esportes, suas formalidades e loucuras atendidos, - eles não se preocupam se já ouviram falar da palavra do evangelho. Tais homens certamente estão entrando em uma condição de sal, de esterilidade e ruína. 3º. Os que estão privados da palavra por uma temporada para a sua provação, têm uma alta estimativa e valor de sua misericórdia e privilégio com que a apreciam. Eles não pensam que o orgulhoso feliz, nem a inveja de uma maldade próspera, não se curvam em seus corações diante dos Hamãs da terra.

Mas há aqueles que se acham abençoados gostam da palavra e da presença de Deus nela. Isto nosso Salvador ensina-os a estimar, Lucas 11:28, "Ele, porém, respondeu: Antes, bem-aventurados são os que ouvem a palavra de Deus e a guardam!" Davi exprime de forma excelente este quadro de coração, no Salmo 84: 4 "Bem-aventurados os que habitam em tua casa; louvam-te perpetuamente." "Eu sou", diz ele," um pobre despedido, privado de sua palavra e ordenanças. Ó a condição abençoada de quem gosta deles! Sejam o que forem sobre o seu estado externo, estão em uma condição abençoada se eles puderem habitar em tua casa, - desfrutando dos privilégios da casa espiritual de Deus e da sua adoração, no evangelho". Este é o quadro de tais pessoas, - aqueles que eles estimam abençoados, que são vivificados com as águas do santuário; mas ninguém é mais desprezado por aqueles de quem o evangelho é removido judicialmente. É o grande, o poderoso, o rico e o sensual, que eles consideram abençoados; aqueles que eles consideram como a sujeira ou a lama. Agora, é que Deus pode ao mesmo tempo remover seu evangelho de um lugar, judicialmente de alguns, e por meio de uma provação dos outros, por meio do que esses efeitos contrários são produzidos: - Alguns são humilhados sob a mão do Senhor, lamentam-se em sua presença e são contados como os abençoados que desfrutam de suas ordenanças; - outros triunfam e se regozijam em sua condição, considerem-na boa e abençoada; pelo menos, estão pouco preocupados com a dispensação de que Deus está lidando com eles. E como o Senhor faz bem ao primeiro por este exercício, preparando-os também para mais mercês, em uma estimativa maior de sua palavra e benefício sob isso quando apreciado; por outro lado, esta é a entrada da sua ruína; - eles são expulsos do cuidado de Deus, e você nunca vê esse povo obter depois misericórdia. [2.] Deus faz isso às vezes, embora ele faça a palavra a ser continuada para eles, - restringindo a eficácia dela, para que não lhes aproveite.

Os homens podem ter vivido a ocasião que Deus lhes deu para serem curados, e, no entanto, Deus trabalha para fazer naquele lugar em que vivem; para que a palavra seja pregada. Algumas almas pobres entre eles devem ser vivificadas ou curadas, chamadas ou edificadas; pelo que ele não desviará o curso destas águas sagradas, mas continuará a dispensação do evangelho. Mas quanto aos que resistiram à sua época de cura e são expulsos do cuidado de Deus, Deus ordenará para que a palavra não tenha poder sobre eles. Agora, embora o juízo justo de Deus tenha uma mão nesse assunto, ainda assim, por sua permissão, suas próprias concupiscências são a causa imediata disso; como, - 1º. Eles terão alguns preconceitos contra aqueles por quem o evangelho é anunciado no poder e na pureza dele, o que os impedirá de atender ou aproveitar a sua mensagem. Assim, nos dias de Acabe, havia quatrocentos pregadores que tinham uma mente para ouvir; mas eram todos falsos profetas, professores de mentiras, idólatras e supersticiosas: somente dois profetas do Senhor, Elias e Micaías, e ambos observados como seus inimigos, para que eles não acreditassem em nada do que eles pregavam. 1 Reis 21:20; 22: 8. Assim acontecerá com muitos a quem Deus deixará ao sal, porque a ocasião de sua cura foi resistida; - embora a palavra seja pregada, eles terão preconceitos contra os seus pregadores, para que eles não se beneficiem com eles. E poucos pensam que esses preconceitos e pensamentos duros são cadeias e grilhões para mantê-los no julgamento do grande dia. E desta natureza também há outros preconceitos que os homens têm. 2º. Ele os sofrerá de forma invariavelmente endurecida no amor de algum pecado ou luxúria, o que impedirá o poder da palavra em seus corações. Então, o terreno aqui que não é curado é dito ser "charco e pantanoso", como tendo uma mistura de imundície incorporada nele suficiente para repelir toda a virtude das águas curativas do santuário. Assim, vemos os homens todos os dias tão furiosamente concentrados em suas concupiscências e sensualidade, que odeiam e estão cheios de loucura e ira, tudo o que os persuadiria para a sobriedade: muito mais a palavra do evangelho os atormenta, para que eles se levantem com fúria contra ele; e isso os impede de lucrar com isso. "Eles são dados ao sal". 3º. Deus retira a eficácia de seu Espírito na dispensação da palavra, para que ela não tenha essa força e poder sobre eles como tem sobre os outros. Deus envia sua palavra em uma aliança; e então é sempre acompanhada com o seu Espírito, Isaías 59:21. E, quando Deus trata dos homens na misericórdia da aliança, estes vão juntos. Mas agora, quando ele expulsa os homens dos seus cuidados, embora a palavra possa ser pregada ao ouvido, por causa de alguns outros a quem ele ainda cuida, ainda assim ele disse sobre eles, para que seu Espírito não mais trabalhe com eles. E daí é que a palavra não faz impressão neles, - e a virtude curativa é retida. E esta é a primeira coisa que o Senhor faz a tão pobres criaturas que ele deixa ao sal, esterilidade e ruína, por terem desprezado a ocasião e os meios de sua cura, - ele os expulsa de seus cuidados, quanto à dispensação da palavra.

Aplicação 1. Não se surpreenda se você vê uma diversidade de sucesso na pregação da palavra. Alguns a recebem com alegria; outros a desprezam como coisa de nenhum valor.  De onde procede essa diferença? As multidões são rejeitadas por Deus, - expulsas de seus cuidados, - terra estéril; ele não os aumentará mais. Um estado amaldiçoado! Não se maravilhe com que muitos se recusem a ouvir a palavra, e que amem a mentira; eles são entregues por Deus às suas concupiscências. Não se maravilhe com o fato de que a palavra que eles ouvem não os afeta mais; - o poder do Espírito é retido neles. As mutações são assim afugentadas dos cuidados de Deus, e os sinais da praga estão sobre eles. Eles gostam de sua condição, regozijam-se e triunfam nela, não pensam que não sejam tão felizes quanto aqueles que amam as águas do santuário, mas os desprezam: tudo o que são sinais desta peste dolorosa. Eles podem expulsar o evangelho de qualquer lugar? eles podem apagar a luz que está nele? eles podem triunfar sobre os caminhos de Deus? - eles supõem terem obtido uma grande vitória. Este não é um juízo comum: eles são criaturas pobres, certamente expulsas do cuidado de Deus; "Eles são dados ao sal", e é um milagre de misericórdia, se algum deles se curar. Oh! É uma coisa lamentável olhar para um lugar ou pessoas que dão evidências de que resistem à ocasião de sua cura, como fazem tantas pessoas nessa nação! Como nosso Salvador apontou isso em referência a Jerusalém, Lucas 19: 41,42 "Quando ia chegando, vendo a cidade, chorou e dizia: Ah! Se conheceras por ti mesma, ainda hoje, o que é devido à paz! Mas isto está agora oculto aos teus olhos." Oh! Se não tivéssemos mais nenhuma medida daquela piedade e compaixão que habitaram em sua alma sagrada, como poderíamos passar pelas cidades, e ver e ouvir, e não lamentar!

Aplicação 2. Pegue o conselho do profeta, Jeremias 13:16 "Dai glória ao SENHOR, vosso Deus, antes que ele faça vir as trevas, e antes que tropecem vossos pés nos montes tenebrosos; antes que, esperando vós luz, ele a mude em sombra de morte e a reduza à escuridão." (2.) A segunda coisa que Deus faz, ao desistir de uma terra não curada para a esterilidade, é o seu endurecimento judicial, ou deixando-os com dureza e impenitência, para que possam preencher a medida dos seus pecados. Hebreus 6: 8: "O que produz cardos e espinhos é rejeitado, e está perto da maldição." Quando o cuidado de Deus já foi tirado deles, eles estão perto da maldição. A próxima coisa que Deus lhes fará, é amaldiçoá-los, como o nosso Salvador fez à figueira estéril. Este julgamento lamentável é em grande parte estabelecido, Isaías 6: 9,10, "Então, disse ele: Vai e dize a este povo: Ouvi, ouvi e não entendais; vede, vede, mas não percebais.

Torna insensível o coração deste povo, endurece-lhe os ouvidos e fecha-lhe os olhos, para que não venha ele a ver com os olhos, a ouvir com os ouvidos e a entender com o coração, e se converta, e seja salvo." Isaías era um pregador do evangelho; "Contudo, isto", diz Deus, "será o efeito de sua pregação para com os que resistiram e não foram curados pela palavra". E João nos diz que isso foi cumprido quando o evangelho foi pregado por nosso próprio Salvador, João 12: 40,41. E certamente a sua condição é muito lamentável, a quem se endurece com a pregação do evangelho, - a quem o único remédio destrói. Agora, há quatro coisas neste juízo espiritual que Deus envia sobre almas não curadas: - [1.] Cegueira da mente e da compreensão. Sua cegueira natural e ignorância devem ser aumentadas e confirmadas; e por duas maneiras: - 1º. Deus lhes enviará um "espírito de sono", Romanos 11: 8; isto é, uma grande negligência quanto às coisas do evangelho que lhes é falado ou pregado. Como os homens que dormem, não conhecem o que lhes é falado ou sobre eles; eles ouvem um barulho e, às vezes, discernem um pouco o que é falado, mas não para nenhum uso ou propósito: assim é com essas pessoas sobre quem Deus envia judicialmente esse espírito de sono; eles ouvem o som da palavra, e às vezes, pode ser, que tomem conhecimento de uma coisa ou outra que é falada; mas receber e entender o seu desígnio, ponderá-la e aplicá-la, isto não podem fazer; - porque estão sob um sono espiritual. Podemos ver multidões nessa condição todos os dias. A palavra não tem vida nem vigor para com eles; eles não percebem a mente de Deus nela; eles não entendem isso. Deus lhes deu um "espírito de sono", e eles morrem sob ele. 2º. Deus lhes envia um espírito de vertigem, fazendo-os errar em seus caminhos, Isaías 19:14. Temos um exemplo notável desse julgamento de Deus, em 2 Tessalonicenses 2: 10-12: “e com todo engano de injustiça aos que perecem, porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos. É por este motivo, pois, que Deus lhes manda a operação do erro, para darem crédito à mentira, a fim de serem julgados todos quantos não deram crédito à verdade; antes, pelo contrário, deleitaram-se com a injustiça.” As águas do santuário vieram a eles, e não foram curados; o evangelho foi pregado para eles, mas eles resistiram a ele. Não receberam o amor da verdade; eles não acreditaram e obedeceram, para que fossem salvos; - porque tinham prazer na injustiça. Como, então, Deus lida com eles? Verso 11, ele lhes enviará um espírito de vertigem ou ilusão, que "eles devem acreditar em uma mentira", falsa doutrina, adoração falsa, superstição e idolatria. Eles crerão e terão prazer; o que terá o fim terrível mencionado, versículo 12. E este julgamento, como já está acontecendo com muitos, então está à porta. Vemos homens todos os dias que durante alguns anos, podem apreciaram a pregação do evangelho; mas não sendo curados, vivificados e santificados por ele, estão agora, com toda ganância, desgastados para seguir as fábulas, por um lado, ou a superstição por outro; - há um espírito de vertigem do Senhor sobre eles. E por esses meios permanecem em trevas. [2.] A obstinação na vontade, ou a dureza do coração propriamente chamado assim, está também neste julgamento de Deus. Deus desistirá de pessoas não curadas com dureza de coração. Assim é, naquele lugar de Isaías 6:10: e é o mesmo com o que o apóstolo chama de "mente reprovável", em Romanos 1:28; isto é, uma mente e um coração que são bons para nada em relação às coisas espirituais, - desprezíveis e totalmente insensíveis a elas. E quando isso acontecer, eles desprezarão abertamente a palavra, e a expulsarão, usando uma falsa pretensão ou outra para fazê-lo; como em Jeremias 44:16, 43: 2. Tantas pessoas, sempre que a palavra é pregada para elas, e estão voltadas para suas imaginações carnais ou afeições ou desejos sensuais, se levantam em seus corações com desprezo e raiva contra ela. Às vezes, eles cortam sua maldade em seus corações por alguma pretensão ou outra: "Isto pode ser pelo humor ou a singularidade do pregador". Ou às vezes sua raiva os carregará diretamente contra a palavra, sem qualquer pretensão, senão porque isso os desagrada. Ou se eles não caem assim em orgulho e ira (o que geralmente é ocasionado por suas tentações), eles se tornam totalmente insensatos, estúpidos e despreocupados quanto às coisas de Deus. Deixe a palavra trovejar do céu contra seus pecados, e eles não consideram isso ; que a voz ainda que pequena do evangelho os persuada para a reconciliação, eles não se interessam por isso; que os juízos de Deus estejam no mundo, se escaparem eles não estão preocupados com eles. Eles alcançam suas próprias pessoas, têm ira, e vexação; mas eles não podem se arrepender ou se voltar para o Senhor. Esta é, aparentemente, a condição da maioria do mundo. [3.] A sensualidade das afeições está também neste julgamento, Romanos 1:26, "Ele os entregou a vis afeições", isto é, colocaram suas afeições sobre coisas vis e sensuais. As pessoas não curadas devem fazê-lo. Nossas ruas, casas, e muitos outros lugares, estão cheios desses cujas afeições são apegadas com loucura em coisas vis; e eles se encaixam nelas, pouco pensando que isso faça parte do julgamento para o qual eles são entregues por Deus por sua inutilidade sob a palavra, - por não serem curados pelas águas do santuário. [4.] Cauterização de consciência. 1 Timóteo 4: 2, "Tendo a consciência cauterizada." Efésios 4:19: " os quais, tendo-se tornado insensíveis, se entregaram à dissolução para, com avidez, cometerem toda sorte de impureza." Qualquer que seja o pecado que cometam, ou a condição em que caírem, a consciência não deve mais cumprir seu dever neles e para eles e esta é a segunda coisa que Deus fará em relação a tais pessoas não curadas. (3.) A terceira coisa considerável é a consequência deste trato de Deus com eles, ou o que se entende por tornar-se sal da terra. Duas coisas, como mostrei antes, são destinadas: - [1.] Esterilidade nesse mundo; [2.] Ruína eterna no mundo por vir: - [1.] Esterilidade. Eles nunca devem dar nenhum fruto para Deus. Esta foi a maldição que nosso Salvador deu à figueira: "Nunca mais cresça fruto de ti". O homem foi feito para dar frutos para Deus; - Isto é tudo a que ele veio para o mundo. Agora, quando Deus deve dizer a alguém: "Vai nos teus caminhos; Você nunca mais fará mais nada enquanto viver neste mundo; você nunca deve me dar nenhum fruto."- em que julgamento mais estranho pode algum homem cair? Eu posso mostrar-lhe a miséria desta condição em muitos detalhes. [2.] A ruína eterna, e isso é irreparável. Provérbios 29: 1: "Aquele que, muitas vezes repreendido, endurece  a sua cerviz, de repente será destruído, e isso sem remédio." João 15: 6: "Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora, à semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam." 2 Tessalonicenses 2:12," a fim de serem julgados todos quantos não deram crédito à verdade; antes, pelo contrário, deleitaram-se com a injustiça." Hebreus 6: 8" Mas o que produz cardos e espinhos é rejeitado, e está perto da maldição; cujo fim é ser queimado." Esta é a consequência inevitável daquela terra que é deixada em sal, porque não foi curada; e das pessoas que, passando a sua ocasião de vivificação e santificação pela palavra, são entregues à esterilidade e à ruína. Não fará bem nem a você ou a mim lisonjeá-lo, e colocá-lo em melhor esperança do que a sua condição irá admitir. Veja Ezequiel 33: 8: "Se eu disser ao perverso: Ó perverso, certamente, morrerás; e tu não falares, para avisar o perverso do seu caminho, morrerá esse perverso na sua iniquidade, mas o seu sangue eu o demandarei de ti." Aplicação 1. Para exortação. Faça uso da sua temporada, para que você não caia sob este julgamento doloroso e inexprimível. Deus dá aos homens uma época, um espaço para se arrependerem, Apocalipse 2:21. Este espaço e época, como mostrei a você antes , não é sempre o tempo todo em que o evangelho é pregado para você. A palavra pode ser pregada, e ainda assim sua eficácia totalmente retida de você, e isso porque seu tempo e temporada se foram. E assim acontece diariamente; e você não sabe quanto tempo isto pode ser sua porção, e você não percebe isso. Portanto, o apóstolo é tão fervoroso em exortar os homens a fazerem uso do seu dia, antes que a ocasião se afaste, Hebreus 3: 12,13: "Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo; pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado." Como se ele dissesse: "Tenha cuidado de si mesmo; mova-se: porque, se o seu dia for passado, já foi para sempre; então, será tarde demais para você cuidar da misericórdia." E, ainda, 2 Coríntios 6: 2," (porque ele diz: Eu te ouvi no tempo da oportunidade e te socorri no dia da salvação; eis, agora, o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação)". Se você precisar de qualquer mercadoria que possa ser obtida senão apenas em uma feira, - naquele dia, naquela época você não negligenciará. Você está necessitado, tenho certeza, de graça, misericórdia, perdão, de Cristo, vida, e salvação; há apenas este dia, nesta temporada, para você obtê-lo. Que você seja persuadido a procurá-lo antes de se esconder de você! Veja Hebreus 10:31: "É uma coisa terrível cair nas mãos do Deus vivo". Então, o mesmo apóstolo diz novamente, em Hebreus 12:15: "atentando, diligentemente, por que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus; nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, vos perturbe, e, por meio dela, muitos sejam contaminados." Use toda a diligência neste assunto. Para incentivá-lo um pouco para isso, considere, - (1.) Que se você não for curado durante sua temporada, você nunca pode ser curado. Se o evangelho não o cura, você deve morrer nos seus pecados. Os homens estão muito enganados, quando se lisonjeiam de que nunca possa ser tão tarde para eles neste mundo, - há tempo suficiente enquanto estão vivos. Ai! você tem apenas sua temporada; e isso pode acontecer com você muitos dias antes de sair do mundo, sim, muitos anos. Nós temos todos os lados, evidentemente, "deixados ao sal", embora ainda não queimados. Use seu dia. (2.) Você não sabe como o seu dia está indo, nem quando ele acabará. O viajante na estrada, que tem uma jornada para ir, sabe como ordenar seus assuntos. "Há", diz ele, "muitas horas até à noite, e eu tenho tempo suficiente diante de mim", - então o homem trabalhador também: mas, infelizmente! não é assim com você; você não sabe quando seu dia pode acabar. Não falo em suas vidas, o que, o Senhor sabe, é incerto; mas o dia do evangelho pode acabar enquanto o dia de suas vidas continuar. Nem pode estar certo do dia da pregação da palavra; mas o seu dia e a sua temporada, podem chegar ao fim neste dia, ou nesta noite, por algo que você ou eu conhecemos: para que sua preocupação seja incrivelmente grande na proposta que é feita para você. Lembre-se das virgens para quem as portas foram fechadas, e seu grito à meia-noite! Você vai dizer, então: "O que devemos fazer para saber quando é a nossa temporada, para que possamos aplicar nossos corações a esta exortação?" Eu respondo: Somente o Senhor, quem é o pesquisador de todos os corações, sabe como é com você. Só posso dizer o que é uma temporada de evangelho; o que você deve cuidar para que você possa ter uma participação e interesse nele: - [1.] É necessário que o evangelho seja pregado no poder e na pureza dele. Isto geralmente faz "o dia aceitável, o tempo da salvação", e, se não houver mais nada concordante, isso é suficiente para que um povo ou pessoa saiba que o dia do Senhor veio sobre eles, - que as águas do santuário vieram a eles. Agora, considere consigo mesmo, se o evangelho é pregado a você ou não, ou se você não pode ou não o tem pregado para você, ou desfrutado da dispensação dele, você não cumpriu seu dever. Se assim for, esta é uma prova de que ainda é o seu dia. [2.] É uma época especial quando as chamadas providenciais se juntam e adquirem chamadas evangélicas; - quando Deus faz com que o evangelho seja dispensado a um povo e, ao mesmo tempo, expõe alguns atos de sua providência, que são adequados para despertar os homens para a consideração de seu estado e condição, então é a época desse povo. Não irei examinar os vários apelos providenciais que vieram sobre nós para inquirir os caminhos de Deus. Todas as alterações que ocorreram entre nós, descobrindo a grande incerteza de todas as coisas que estão aqui embaixo? Não houve indícios da grande injustiça do ano? - Não há chamamento no perigo da perda do evangelho, o que parece estar pronto para seu voo de você? - a grande incerteza sobre quanto tempo você pode desfrutar dessas águas do santuário? É certo, que se você não negligenciou ainda sua temporada, seu dia de graça, você está agora no tempo em que você deve ser alcançado. [3.] Então é a época, quando Deus se move, como faz em algumas ocasiões, mais efetivamente em seus corações e espíritos na dispensação da palavra do que em outros tempos. Somente você pode dar conta de si mesmo; - somente você sabe como está com você. Você pode dizer se não foi movido pela palavra mais do que antigamente, ou convencido por isso; se você não teve propósitos de alteração e reforma realizada em você por ela; se você não tem sido obrigado a amá-la mais do que fez anteriormente; se não gerou às vezes resoluções em você para considerar a  vida e a imortalidade. Se não tiver, há muito a temer que o Senhor não esteja deixando você para o sal, - para uma propriedade de uma ruína perecedora e eterna. Mas se você teve tais efeitos forjados em você, saiba de certo que o reino de Deus veio a você; e se você resistir à sua oportunidade, você será desfeito para sempre, a menos que faça um trabalho minucioso antes que esta dispensação seja superada. [4.] Quando você vê os outros ao seu redor considerarem seriamente a palavra, este é o chamado de Deus e a ordenança para você olhar para sua própria condição. Se agora, por qualquer desses meios, você conhece o dia do Senhor e a ocasião de sua cura está sobre você, oh, que você seja prevalecente para ser sábio por sua própria alma e para fechar com a palavra do evangelho antes que as coisas da sua paz sejam escondidas de seus olhos! Eu pensei, no próximo lugar, em lhe dar os sinais de um dia de evangelho que parte, e as evidências de que os homens haviam sobrevivido à sua temporada e foram entregues ao sal e à esterilidade.

Aplicação 2. Para descobrir a miserável condição das criaturas pobres que, sem terem sido curadas pelas águas do santuário, foram abandonadas pelo Senhor para o sal e esterilidade. Nenhum coração pode conceber, nem língua, expressar, a miséria de tão pobres criaturas. Deixe-me mencionar apenas alguns detalhes: - (1.) Eles não sabem que são tão miseráveis. Eles não percebem, não entendem, o julgamento doloroso em que se encontram. Suas cabeças doem, ou estão cansadas, sentem-no e procuram remédios; mas, neste caso, a maldição de Deus está sobre eles, e eles nem percebem, e não buscam alívio. Oseias 7: 9, " Estrangeiros lhe comem a força, e ele não o sabe; também as cãs já se espalham sobre ele, e ele não o sabe." Eles estão perto de ruína, destruição e não percebem: não tomam conhecimento da miséria que está pronta para devorá-los; ou se, a qualquer momento, começam a fazê-lo, eles desligam o pensamento disso, o que é uma grande parte da sua miséria. (2.) Eles estão satisfeitos com a condição em que estão; "eles dizem paz e segurança, quando a destruição súbita está à mão", 1 Tessalonicenses 5: 3. Eles se agradam em sua condição, quando a vingança do Senhor está pronta para apoderar-se deles. O evangelho foi removido deles, e as correntes de águas do santuário se afastaram? - Estão tão longe de se preocuparem com isso, se regozijam nisso, como foi declarado; eles pensam que agora podem seguir suas concupiscências livremente, e eles desprezam os outros e se abençoam, como se tudo estivesse bem com eles. Ou a palavra continuou, mas eles não se deixaram tocar por ela? - Eles estão satisfeitos com a sua propriedade, admiram aqueles que estão preocupados com a palavra e os desprezam demais. Tudo está bem consigo mesmo; e alguns deles estão prontos para ridicularizar todos os outros que estão sob o trabalho do Senhor. Por esta razão, é que eles não procurarão ajuda ou cura. (3.) Nenhum homem pode ajudá-los ou aliviá-los. Os homens podem ter pena deles, mas não podem ajudá-los. Nem todo o mundo não pode puxar uma pobre criatura para fora da maldição do grande Deus. (4.) Sua eterna ruína é certa, como antes provado. (5) Esta ruína é muito dolorosa em desprezadores do evangelho.

Publicado
Visualizações
439