A Força da Fé

  John Owen (1616-1683)

 

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

 

 

"Ele não duvidou, por incredulidade, da promessa de Deus; mas, pela fé, se fortaleceu, dando glória a Deus.” (Romanos 4:20)

Neste capítulo, o apóstolo apresenta um exemplo, para concluir o que, por diversas demonstrações convincentes, provou no capítulo anterior; a saber, que a justificação de um pecador não pode, de modo algum, ser realizada, senão pela justiça da fé em Cristo. Este exemplo é o de Abraão, e dos testemunhos que lhe foram apresentados e da maneira pela qual ele foi justificado diante de Deus, o apóstolo prova desde o início do capítulo até o final do versículo 17. Desde então até o fim do versículo 22, ele descreve aquela fé de Abraão, por meio da qual obteve a aceitação com Deus; que, em todas as coisas, ele o propõe como um exemplo e um encorajamento para nós.

Entre as muitas excelências que são dadas, na descrição desta sua fé, decorrentes de sua causa, objeto, matéria e maneira, agora não é necessário insistir, isto não é o mínimo que é mencionado no meu texto, "Ele não duvidou".

Há uma contraposição nas palavras, em que, por uma negação, o contrário do que é negado é fortemente afirmado: "Ele não duvidou, por incredulidade", isto é, ele foi firme em acreditar ou, como é exposto no fim do verso, "ele se fortaleceu pela fé".

As palavras podem nos render essas duas observações: - Observação 1. Toda dúvida nas promessas de Deus é pela incredulidade.

Disse o apóstolo: "Ele não duvidou pela incredulidade". Os homens são capazes de fingir muitos outros motivos, e usam outros fundamentos; mas a verdade é que todas as nossas dúvidas são devidas à incredulidade. Mas há outra proposição que reside no texto, e que agora vou me aplicar, a qual é esta: - Observação 2. A firmeza de acreditar nas promessas é muito aceitável a Deus.

Ao tratar sobre este assunto, devo fazer estas duas coisas:

I. Explicar os termos da proposição.

II. Dar a prova disso.

I. Quanto ao primeiro, - 1. Há o objeto sobre o qual a afirmação é estabelecida: "As promessas", as promessas de Deus são a declaração dos propósitos da sua graça para os seus eleitos, de acordo com o teor da aliança. O que tenho apontado no meu texto é a antiga grande promessa de Cristo, que contém nela todos as outras; porque "nele todas as promessas de Deus são sim e amém", 2 Coríntios 1:20. De modo que, embora não existisse nada, senão o que será verdadeiro com referência a todas as promessas de Deus, ainda que eu representei a principal relação às promessas que exibem Cristo e a graça livre de Deus nele para os pecadores; - demanda-se firmeza em acreditar nessas promessas. 2. Existe o ato que é exercido sobre esse objeto; e isto é, acreditar.

É a firmeza de acreditar sobre o que falamos.

Não vou fazer com que meu desígnio insista muito na natureza da fé e para debater as diferenças que existem entre os homens sobre isso. Só que há muito a ser falado sobre isso, como nos pode dar uma familiaridade com o que estamos tratando.

Quantas foram as disputas dos homens sobre a natureza da fé - o assunto, o próprio objeto, a razão formal disso - todos conhecem. E quão pouco a igreja de Deus está contemplando aos homens, que fizeram o seu negócio se envolver em coisas de dever geral e absoluta necessidade para todos os crentes, em conflitos intrincados. Com uma compreensão maior de alguns homens, outros não conseguem nada entender. Aquele que teria as coisas de sua própria experiência espiritual e do dever diário tornado ininteligível para ele, que ele os considere como afirmados nas disputas filosóficas dos homens sobre eles. Assim, em alguns textos a fé é uma faculdade distinta da alma, em outros, alguns dizem que não há coisas como faculdades distintas na alma. Alguns colocam como o principal, - o entendimento e a vontade; e alguns dizem, é impossível que um hábito tenha sua residência em duas faculdades.

Por minha parte, minha intenção é, principalmente, falar como Deus escolher, - aos pobres e tolos do mundo. E os meios pelos quais ele os trará para si não estão, estou certo, acima daquele entendimento que o Filho de Deus lhes deu, 1 João 5:20. E enquanto a maneira geral, no tratamento da fé, é, em sua maior parte, usar o rigor da expressão, para que possa ser entregue em uma exatidão filosófica; o modo constante do Espírito Santo é, por expressões metafóricas, acomodar-se a coisas de sentido e uso diário no pecador, e dar um gosto e percepção a todos os interessados. E assim eu trabalharei para falar, para que todo aquele que crê possa saber o que é acreditar.

Apenas observe isso, por sinal, que falo de fé, e fé em relação a esse fim, e somente para esse propósito, em referência a que Paulo trata aqui da mesma; isto é, em relação à justificação e à nossa aceitação com Deus. Eu digo, então, - (1.) Essa fé, ou acreditar, neste sentido restritivo, não consiste apenas no consentimento da mente na verdade das promessas de Deus ou de qualquer promessa. Quando se afirma alguma coisa para nós, e dizemos que acreditamos nela, isto é, que aquilo que ele fala é verdade, - então, é esse consentimento da mente. Sem isso, não há fé. Mas isso sozinho não é a fé de que falamos. Isso é somente os que os demônios têm, e não podem escolher, senão ter, Tiago 2:19. Eles acreditam no que os faz tremer, com a autoridade de Deus que o revela. Mas você dirá: "O diabo acredita, apenas nas ameaças de Deus, - o que o faz tremer; e assim sua crença não é um consenso geral, mas parcial; - e é assim distinguido do nosso consentimento; que é para tudo o que Deus revelou, e especialmente as promessas." Eu respondo: O diabo acredita nas promessas não menos do que nas ameaças de Deus; isto é, que elas são verdadeiras e devem ser cumpridas. É parte de sua miséria, que ele não pode deixar de acreditar nelas. E as promessas de Deus são tão adequadas para fazê-lo tremer como as suas ameaças. A primeira promessa a nós foi expressada em uma ameaça para ele, Gênesis 3:15. E não há nenhuma promessa em que uma ameaça para ele não seja formulada. Toda palavra a respeito de Cristo, ou graça por ele, fala da queda e ruína do diabo. De fato, sua destruição está mais em promessas do que em ameaças. As promessas são o que o enfraquece diariamente e dá-lhe uma antecipação contínua de sua destruição que se aproxima. Nesta consideração, é evidente que acreditar ou ter fé não pode ser apenas um consentimento à verdade dessas promessas sobre a fidelidade do promissor; mas isso também é, ou originalmente. Daí se chama "o recebimento do testemunho de Deus", e, ali, "colocando no nosso selo que Deus é verdadeiro", João 3:33. Mas, no entanto, acho que há um pouco mais em receber o testemunho de Deus, e estabelecer o nosso selo (concordando, como nos contratos, que assim é, e assim deve ser), do que o consentimento da mente para a verdade das promessas; embora, no discurso comum, para receber o testemunho de um homem, não é mais do que acreditar no que o que ele diz, daquilo sobre o qual ele fala, ser verdade. Mas parece, além disso, na expressão anexada de "estabelecer o nosso selo", que inclui o que ele fala de Jó, em Jó 5:27, "assim é; ouve-o e medita nisso para teu bem." Há um recebimento para nós mesmos, nessas expressões; o que acrescenta muito a um assentimento. Digo, então, que esse consentimento é de fé, embora não seja ainda a fé. E ao dizer que não é a fé que justifica, não a negamos, mas afirmamos que é fé em geral. A adição de um assentimento peculiar não destrói a natureza de uma coisa. Agora, a fé em geral é um assentimento tal como foi descrito. (2.) Não é no consentimento exclusivo da vontade de fechar com a promessa, como contendo o que é bom e adequado. Há a questão da promessa de ser considerada na crença, bem como a própria promessa. Cristo, com sua justiça e benefícios, é, por assim dizer, oferecido para nós. Por isso, acreditamos e dizemos que aceitamos, para "receber a expiação", Romanos 5:11. Agora, para consentir que o assunto da promessa - o que é exibido na palavra - é bom e desejável, e que é para nós, e escolher isso, é necessário acreditar também; e é corretamente o recebimento de Cristo, João 1:12. Mas, no entanto, não é apenas precisamente e exclusivamente isso. A fé de Sara, Hebreus 11:11, é descrita por isso, que "julgou fiel o que prometeu". E esta é a natureza da fé, como foi dito antes, julgando fiel o que promete e concorda com a verdade de suas promessas nessa conta. Agora, o primeiro deles pode ser sem o segundo, - nosso consentimento pode ser sem o consentimento da vontade; mas o último não pode existir sem o primeiro. Mas, no entanto, há um assentimento tão certo que irá produzir essa escolha também, (3). Suponho que não preciso dizer, que não é inteiramente o bom gosto das afeições que abraça as coisas prometidas. O solo pedregoso recebeu a palavra presentemente e com alegria, Mateus 13:20. Diz-se, no versículo 5, que a semente germinou imediatamente, porque não tinha profundidade de terra. Onde os homens têm afeições calorosas, mas não mentes e corações bem preparados, eles atualmente fogem da palavra e professam grandes assuntos disso; mas onde é colocado profundamente, é mais comum não germinar. Quando um homem recebe a palavra apenas nas afeições, o primeiro toque dela não pode ser escondido; em um instante ele estará falando sobre isso, derretendo-se sob ela e declarando como ele está afetado com ela: "Oh, este sermão me fez bem de verdade!" Mas, porém, isso não é fé, quando está sozinho. Eles recebem a palavra com alegria, mas não têm raiz em si mesmos, versículos 20, 21. Quando Cristo prometeu "o pão da vida", isto é, ele mesmo - João 6, quantos foram instantaneamente afetados e isto levou-os a desejos fortes! "Senhor", dizem eles, "nos dê sempre esse pão", versículo 34. Eles gostam, eles desejam, naquela ocasião; suas afeições são voltadas para ele: mas ainda assim eram "temporãos", não verdadeiros crentes; pois depois de uma temporada "eles recuaram e nunca mais caminharam com Cristo", versículo 66. Aqueles que "conhecem o dom celestial", Hebreus 6: 4, você pensa que eles não gostaram do que provaram e que não foram afetados por isto? Há, de fato, inúmeros enganados nesse negócio. Posso mostrar em quantas contas falsas e corruptas, em quais bases arenosas, muitas afeições de homens podem ser extremamente tomadas com a palavra da promessa, pregada ou considerada; de modo que não há conclusão de acreditar em tal coisa. Quando as afeições vão antes de acreditar, são de pouco valor; mas quando o seguem, elas são extremamente aceitáveis ​​e preciosos à vista de Deus. (4.) Não é apenas "fiducia", uma confiança. Existe uma dupla confiança fiducial; - uma por meio da qual confiamos em Cristo para o perdão do pecado; que você pode chamar de adesão. É uma entrega pessoal a Cristo, porque confiamos nele para o perdão dos pecados e para a aceitação com Deus. E tanto quanto confiamos, tanto aderimos e não mais. Há também uma confiança de que nossos pecados nos são perdoados; nós confiamos ou descansamos sobre isso. Agora, não pode ser que qualquer um desses deva ser a fé inteiramente, e que o conjunto deve ser incluído neles. Há algo mais em acreditar do que em confiar; e algo mais em confiar do que é absolutamente necessário para preservar toda a noção de crer: para que possamos acreditar naquilo em que não confiamos. Mas ainda assim eu concedo, que, quando houver crença em Cristo, haverá confiança nele, mais ou menos. E quando a fé é aumentada para uma boa estatura, força e firmeza, ela é ocupada principalmente em confiança, João 14: 1. Então, para acreditar em libertar nossos corações de problemas e inquietação, em qualquer conta, devemos confiar corretamente; e os que duvidam, e se assombram e temem, que nas Escrituras achamos condenadas como opostas à fé, são diretamente opostas a essa confiança fiduciária que retém nossa alma em Cristo. Então, o apóstolo descreve sua fé ou crença, 2 Timóteo 1:12. Então, para acreditar em ser persuadido de que Deus é capaz de guardar o que temos encomendado a ele, é confiar nele. (5.) Tendo falado tanto desses detalhes, renunciando a todas as determinações arbitrárias dos escolásticos, e a exatidão das palavras, quanto a regras e termos filosóficos, eu lhe darei uma descrição tão geral da fé, ou crer, como possa responder em certa medida, às próprias expressões metafóricas nas Escrituras; onde é denominado, olhando ou vendo, ouvindo, saboreando, descansando, rolando, voando para o refúgio, confiando e outros. [1.] Deve haver, em primeiro lugar, o que falei, um assentimento a toda a verdade das promessas de Deus, sobre este fundamento, - de que ele é capaz e fiel de realizá-los. Isso certamente está incluído, se não é tudo, em receber o testemunho de Deus, João 3:33. Sara, de quem falamos antes, recebeu o testemunho de Deus. Como ela fez isso? Ela "julgou fiel o que havia prometido", Hebreus 11:11. Este Deus nos propõe em primeiro lugar. A vida eterna é prometida por Deus, que não pode mentir, Tito 1: 2; isto é, quem é tão fiel, que é totalmente impossível ele deva enganar qualquer um. Então, Hebreus 6: 17,18: "Por isso, Deus, quando quis mostrar mais firmemente aos herdeiros da promessa a imutabilidade do seu propósito, se interpôs com juramento, para que, mediante duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, forte alento tenhamos nós que já corremos para o refúgio, a fim de lançar mão da esperança proposta." O desígnio de Deus é que possamos receber incentivo em nosso voo para o refúgio para a esperança colocada diante de nós, isto é, em acreditar. O que ele propõe para esse fim? A sua própria fidelidade e imutabilidade, por conta do engajamento de sua palavra e juramento. A fé de Abraão falada, em Romanos 4, compreende isso, sim, é em louvor dele, versículo 21. A Escritura, de fato, menciona diversas propriedades de Deus, no crédito do qual, se eu puder assim falar, nossas almas devem dar à verdade de suas promessas, e concordar com elas. Dois, especialmente, costumam ser nomeados: - 1º. Seu poder: "Ele é capaz". Então, Romanos 4:21, 11:23. 2º. Sua fidelidade: como nos lugares antes mencionados, e vários outros. A soma é que, por conta da fidelidade e do poder de Deus, isto devemos fazer, se quisermos acreditar; - devemos concordar com a verdade de suas promessas e com a certeza de sua realização. Se isso não for feito, é inútil avançar. Deixe, então, aqueles que pretendem receber alguma vantagem pelo que depois será falado, refletirem aqui um pouco e considerarem como eles devem estabelecer esse fundamento. Há muitos que nunca chegam a qualquer estabilidade durante todos os dias, e ainda não conseguem fixar nem ao menos qual seja a causa de seu tremor e dúvida. A base foi colocada desordenadamente. Este primeiro fechamento com a fidelidade e o poder de Deus nas promessas, nunca foi atuado de forma distinta em e por suas almas. E se o fundamento for fraco, o edifício nunca será glorioso, e ele irá cair. Olhe, então, para este começo de sua confiança, para que isso não falhe com você. E quando todas as outras coisas falharem, isso irá ajudá-lo a livrar-se do naufrágio absoluto, se, em qualquer momento, você for reduzido a essa condição em que não tenha mais nada. [2.] Além disso, a fé, nas Escrituras, é expressa (e a encontramos por experiência) para ser o consentimento da vontade e a aceitação do Senhor Jesus Cristo como mediador, o qual realizou seu trabalho como a única maneira de ir ao Pai, como a única e suficiente causa de nossa aceitação com ele, como nossa justificação diante dele. Foi dito que a fé é o recebimento de Cristo como sacerdote e um senhor para ser salvo por ele e governado por ele. Isso parece muito bem. Quem é tão vil que, tentando acreditar, não está disposto a ser governado por Cristo, assim como salvo por ele? Uma fé que não teria Cristo para ser o Senhor para nos governar, é a única fé que Tiago rejeita. Aquele que seria salvo por Cristo, e não governado por ele, não será salvo por ele. Devemos receber um Cristo inteiro, não pelo metade; - em relação a todos os seus ofícios, não um ou outro. Isso soa bem, faz uma exibição justa, e há, em algum aspecto, a verdade no que é falado; mas "Latet anguis in herba", - Que os homens se expliquem, e é isso: o recebimento de Cristo como um rei, é a obediência dada a ele. Mas essa sujeição não é um fruto da fé em que somos justificados, mas uma parte essencial dela; de modo que não há diferença entre a fé, as obras ou a obediência, no negócio da justificação, sendo ambos uma condição disso. Quando eu li recentemente uma frase dizendo: "Esse foi um princípio que a Igreja da Inglaterra prosseguiu, na Reforma, que a fé e as obras têm a mesma consideração no negócio da justificação": Eu não pude deixar de ficar espantado e concluir que ele ou eu estávamos adormecidos desde o nascimento; ou que havia duas igrejas da Inglaterra, uma que eu nunca conheci, e outra que nunca conheceria; ou então esse preconceito é poderoso e torna os homens confiantes. É essa a doutrina da Igreja da Inglaterra, como eles a chamam? Quando, por onde, por quem foi ensinado, senão por papistas e socinianos, até dentro de poucos anos, na Inglaterra? Que lugar tem em confissões, homilias, liturgias, escritores de controvérsia ou qualquer outra reputação para aprender a religião na Inglaterra? Mas este não é um lugar para contestar. Por outro lado, outros são minuciosos e dizem que a fé e as obras têm os mesmos aspectos da nossa justificação, que será pública e solene no último dia, no dia do julgamento. E é tudo o que eles pretenderam? Como eles se justificarão no dia do julgamento por ter perturbado a paz dos santos de Deus, e agitando os grandes artigos fundamentais da Reforma, eu não sei. É verdade, então, reconhecemos que a fé recebe Cristo como um senhor, como um rei; e não é uma fé verdadeira a que não o fará, e colocará a alma em toda aquela obediência que ele, como o capitão de nossa salvação, exige de nós. Mas a fé, como justifica, fecha com Cristo para a justiça e aceitação com Deus. E é afirmado que esse ato de fé somente é exclusivo para fecharmos com Cristo, o qual é a nossa justiça, e pelo qual somos justificados. Mas você dirá: "Isto não faz de você um solifídio?" Eu digo: assim Paulo foi um Solifidiano, cujas epístolas vão confundir todos os formalistas e autojustos do mundo. Somos solifídios quanto à justificação: - Cristo, graça e fé são todos. Nós não somos solifídios quanto à salvação nem à conduta evangélica, nem a declaração da eficácia de nossa crença. Tais solifídios que excluem tudo de uma influência em nossa justificação, senão a nossa aceitação pela graça de Deus, na fé de receber Cristo para justiça e salvação, foram todos os apóstolos de Jesus Cristo. Tais solifídios que excluem ou negam a necessidade das obras e da obediência ao evangelho por parte do que é justificado, ou, assim, uma fé verdadeira e justificadora pode consistir sem santidade, obras e obediência, - são condenados por todos os apóstolos e Tiago em particular. Isto, então, eu digo, é obrigado pela fé, ou acreditar, - que recebemos Cristo. João 1:11, "Os seus não o receberam". O não recebimento de Cristo para os propósitos que nos foi enviado pelo Pai, é devidamente a incredulidade; e, portanto, como se segue, o ato de recebê-lo é devido à fé, ou crer, versículo 12. Assim, na pregação do evangelho, diz-se que fazemos uma proposta ou oferta de Cristo, como diz a Escritura, Apocalipse 22: 17. Agora, o que responde a oferta , é a aceitação dela. A aceitação voluntária da alma do Senhor Jesus Cristo para ser nossa justiça diante de Deus, nos sendo oferecido nas promessas do evangelho para esse fim e propósito, do amor do Pai, é o principal dessa crença que é tão aceitável para Deus. [3.] Acrescente-se aqui aquilo que eu não posso afirmar que é absolutamente da natureza da fé, mas que em algum grau ou outro (secreto ou mais conhecido da alma) é algo concomitantemente necessário a isto; e que é assim, que o descanso e sossego da alma ocorre, e suas afeições são satisfeitas, no seu interesse e desfrute de um Salvador doce e desejável. Isto é chamado, "apegar-se ao Senhor", Josué 23: 8, -    fixando nossas afeições a Deus, como nosso em aliança. Esta é a alma que descansa em Deus, é a sua afeição e confiança nele. 3. Há, em seguida, a qualificação desta crença, conforme estabelecido na proposição; e isto é, firmeza, - firmeza de acreditar. Isso está incluído no negativo. Diz-se de Abraão que "ele não duvidou", isto é, ele era firme. Para aclarar um pouco, tome estas poucas observações: - (1.) A fé, ou crer, consiste em um quadro de coração habitual, e tais atuações da alma, capazes de graus de estreitamento ou ampliação, de força e fraqueza. Por isso, é mencionado na Escritura ser de grande fé: "Ó mulher, grande é a tua fé", e de pouca fé, "vós, de pouca fé;" - de fé forte, Abraão "era forte na fé" e de fraca fé, ou sendo fraco na fé, "aquele que é fraco na fé recebe"; - de fé com dúvidas: "Oh, homem de pouca fé, por que duvidaste?" e de fé, sem duvidar de que, “sendo forte na fé, ele não duvidou". (2.) Que a fé em todos os aspectos é igual à sinceridade, e difere apenas em graus; sim, é igual em relação aos principais efeitos e avanço, - na justificação, perseverança e salvação. Um pouco de fé não é menos fé do que uma grande fé; sim, uma pequena fé levará um homem de forma segura para o céu, embora não tão confortavelmente, nem tão fecundamente, como uma grande fé. Agora, - (3.) A firmeza diz respeito a esses diferentes graus de fé. Não é da natureza da fé, mas revela tal grau de aceitabilidade para Deus que devemos ter, e todos os caminhos vantajosos para nós mesmos. É mencionado por Pedro, 2 Pedro 3:17: "Vós, pois, amados, prevenidos como estais de antemão, acautelai-vos; não suceda que, arrastados pelo erro desses insubordinados, descaiais da vossa própria firmeza.", e por Paulo, Colossenses 2: 5. Porque, - (4.) Pode haver uma fé verdadeira, que ainda pode ter muitas dúvidas incômodas e desconcertantes que a acompanham, muitos assaltos pecadores e vacilantes que a acompanham; e ainda não seja derrubada, mas continue fé ainda. Os homens podem ser verdadeiros crentes, e ainda não crentes fortes. Uma criança que bebe leite tem a verdadeira natureza de um homem, como aquele que, sendo crescido, vive com alimento sólido. Agora, a firmeza denota a estabilidade na crença, em relação às três coisas antes mencionadas, e por ela a fé é denominada forte e eficaz. E argumenta, - [1.] Um assentimento bem fundamentado, firme e inabalável à verdade das promessas; e assim se opõe a vacilar, Tiago 1: 5,6. [2.] Um consentimento resolvido e claro para receber e fechar com Cristo, como oferecido na promessa, para a vida; e assim se opõe a duvidar, isto é, a dúvidas problemáticas, inquietantes e desconcertantes. [3.] A aquiescência estabelecida da alma na escolha feita e o fim consentido; e assim se opõe a problemas permanentes, João 14: 1. Esta firmeza na crença não exclui todas as tentações de fora. Quando dizemos que uma árvore está firmemente enraizada, não dizemos que o vento nunca sopre sobre ela. A casa construída sobre a rocha não está livre de assaltos e tempestades. O capitão da nossa salvação, o autor e o consumador da nossa fé, foi tentado; e seremos assim, se o seguirmos. Nem exclui todos as dúvidas interiores. Enquanto estivermos neste corpo de carne, embora a fé seja firme, teremos incredulidade; e essa raiz amarga produzirá alguns frutos, mais ou menos, de acordo com o fato de Satanás ter vantagem em regá-lo. Mas exclui uma queda sob a tentação e, consequentemente, o problema e a inquietação que se seguem: também as dúvidas desconcertantes e permanentes que nos fazem subir e percorrer a esperança e o medo, questionando se fechamos com Cristo ou não, - temos algum interesse na promessa ou não; e é assistido com desconsolação e abatimento de espírito, com verdadeira incerteza do evento. Este é, então, o que pretendo pela firmeza em acreditar, - o estabelecimento de nossos corações no recebimento de Cristo, oferecido pelo amor do Pai, para a paz e a edificação de nossas almas e consciências. E que nossos corações devem ser assim fixados, resolvidos e estabelecidos - para que possamos viver no sentido e poder dele - é, eu digo, muito aceitável para Deus. Há um duplo mal e aborto entre nós, no grande fundamento de fechar com Cristo na promessa. Alguns passam todos os dias em muita escuridão e desconsolação, disputando-os de um lado para o outro em seus próprios pensamentos, se a sua porção e interesse estão nele ou não. Eles estão fora e ligando, vivendo e morrendo, esperando e temendo, e comumente temem a maioria quando eles são os melhores, porque é a natureza do duvidar. Quando eles estão bastante derrubados, então eles se estabelecem num trabalho para se levantar; e quando estão à altura de qualquer persuasão confortável, imediatamente eles temem que tudo não está bem e certo, - não é assim com eles como deveria ser: e assim eles cambaleiam de um lado para o outro durante toda a vida, para a tristeza do Espírito de Deus e o desconforto de suas próprias almas. Outros, começando um fechamento sério com Cristo, em terras permanentes, e encontrando-se num trabalho de dificuldade e aborrecimento de carne e sangue, recaem em generalidades e não oram mais, mas apegam-se àquilo em que trabalham tanto quanto esteja neles o poder de realizar; e assim crescem formalmente e em falsa segurança. Para evitar esses dois males, devo confirmar a proposição estabelecida; mas antes de prosseguir com isso, vou descrever alguns corolários que surgem do que foi falado na explicação da proposição já apresentada: - Corolário 1. Embora uma fé fraca, onde a firmeza esteja faltando, levará um homem a Cristo no céu, contudo, nunca o levará confortavelmente nem agradavelmente para lá. O que tem uma fé fraca será colocado em muitos abismos desesperados; toda explosão de tentação o derrubará do seu consolo, se não o afastar de sua obediência. Na melhor das hipóteses, ele é como um homem preso em uma corrente no topo de uma torre alta; embora ele não possa cair, mas ele não pode deixar de temer. No entanto, terá um grande problema. Corolário 2. A fé menos verdadeira fará seu trabalho de forma segura, embora não tão docemente. A verdadeira fé no menor grau, dá à alma uma parte na primeira ressurreição. É do princípio vital que recebemos quando somos vivificados. Agora, embora seja uma vida tão fraca, mas é uma vida que nunca deve falhar. É da semente de Deus, que permanece, semente incorruptível que não morre. Um crente é espírito, - é vivificado dentre os mortos; seja ele tão jovem, tão doente, tão fraco, ele ainda está vivo, e a segunda morte não terá poder sobre ele. Uma pequena fé dá um Cristo inteiro. Aquele que tem menos fé tem um verdadeiro interesse, embora não seja tão claro, tem a justiça de Cristo como o crente mais firme. Outros podem ser mais santos do que ele, mas nenhum do mundo é mais justo do que ele; porque ele é justo com a justiça de Cristo. Ele pode senão ser baixo em santificação, pois um pouco de fé produzirá pouca ou baixa obediência; se a raiz for fraca, o fruto não será ótimo. A fé mais imperfeita dará justificação presente, porque interessa a alma em um Cristo presente. O grau mais baixo da fé verdadeira dá a mais alta integridade da justiça, Colossenses 2: 10. Vocês, que têm uma fé fraca, têm ainda um Cristo forte. Então, embora todo o mundo se estabeleça contra sua pouca fé, não deve prevalecer. Não pode fazê-lo; Satanás não pode fazê-lo; - o inferno não pode fazê-lo, embora você tome, senão fracamente, ainda segura em Cristo, e ele garante, sendo forte e invencível. Você nunca se perguntou, que essa centelha de fogo celestial deveria permanecer viva no meio do mar? É eterna; uma fagulha que não pode ser apagada, - uma gota dessa fonte que nunca pode ser completamente seca. Jesus Cristo cuida especialmente dos que são fracos na fé, Isaías 40:11. Com relação aos que estão doentes, fracos e incapazes, esse bom Pastor cuida deles. Ele governará, e eles permanecerão, Miquéias 5: 4. Corolário 3. Pode haver fé, um pouco de fé, onde falte firmeza, e onde há muita dúvida. A confiabilidade é uma qualificação eminente, que nem todos alcançam; porque pode haver fé onde há dúvidas, embora eu não diga que deve existir. Duvidar em si é oposto a acreditar. Eles são, se assim posso dizer, incrédulos. Um homem dificilmente pode acreditar em todos os seus dias, e nunca duvidar; mas um homem pode duvidar em todos os seus dias, e nunca acreditar. Se eu vejo um campo coberto de cardos e ervas daninhas, posso dizer: pode haver trigo lá; mas ainda assim os cardos e as ervas daninhas não são trigo. Eu falo isso, porque alguns não têm um melhor fundo para o seu silêncio, do que eles foram inquietados, - eles duvidaram. Duvidar pode ser onde há a fé; mas não podemos concluir que, quando há dúvidas, há fé; pois pode surgir contra a presunção e segurança, bem como contra acreditar. No entanto, observe, há dúvidas: - (1.) Do fim. Os homens questionam o que será deles no fim; eles flutuam sobre o que será seu último fim. Balaão não fez isso quando ele clamou: "Deixe-me morrer a morte dos justos, e deixe meu último fim ser como o deles"? Esse homem miserável foi jogado para cima e para baixo entre esperanças e medos. Isso é comum à pessoa mais vil do mundo. É só para a agitação de sua segurança, se eles estiverem sozinhos. (2.) Sobre os meios. A alma duvida se ama Cristo, e se Cristo o ama ou não. Isso é muito mais genuíno do que o anterior. Descobre, pelo menos, que tal alma está convencida da excelência e utilidade de Cristo, e que ela tem uma avaliação para ele; sim, talvez isso possa se referir ao zelo e fervor do amor às vezes, e nem sempre à fraqueza da fé. Mas, no entanto, com essas dúvidas, a fé, pelo menos um pouco de fé, pode ser consistente. Assim foi com o pobre homem que clamou: "Senhor, eu acredito; ajude a minha incredulidade." Há crença e incredulidade, fé e dúvida, tanto no trabalho, quanto na mesma pessoa, ao mesmo tempo - Jacó e Esaú estão lutando no mesmo ventre.

Aplicação: Não deixe que os homens de dúvida concluam a sua crença. Aquele que se satisfaz de si mesmo que o seu campo tem trigo porque tem cardos, pode descer de uma colheita. Se os teus medos são mais sobre o fim do que os meios, - mais sobre a felicidade futura do que a comunhão atual com Deus, - você pode ter um argumento mais claro de um quadro de coração falso e corrupto. Alguns se admoestaram com isso, que duvidaram e tremiam; mas agora eles agradecem a Deus que estão sossegados e em repouso em suas almas. Como eles vieram a ser assim, eles não podem dizer; enquanto eles estavam perturbados, agora tudo está bem com eles. Quantos desse tipo eu conheci, quem, enquanto as convicções foram calorosas sobre eles, tiveram muitos pensamentos perplexos sobre seu estado e condição; depois de um tempo, suas convicções desapareceram, e suas dúvidas surgiram, e eles caíram em um quadro frio e sem vida. Este é um fundo miserável de silêncio. Se não houvesse nenhuma maneira de expulsar dúvidas e medos, senão acreditando, isso era um pouco; mas a presunção e a segurança também o farão, pelo menos por uma temporada. Mas essas coisas se enquadram apenas no caminho, em referência ao que foi falado antes.

II. Eu procedo agora a confirmar a proposição estabelecida, de acordo com a explicação dada antes disso: - 1. E isto devo fazer primeiro dos testemunhos das Escrituras: (1.) Pegue o próprio texto: "Ele era forte na fé, dando Glória a Deus." Tudo o que Deus requer de algum dos filhos dos homens é para a sua glória; - que ele não dará a outro, Isaías 42: 8. Que Deus tenha a sua glória, e possamos tomar livremente o que quisermos; - pegue Cristo, aproveite, tome o céu, tome tudo. A grande glória que ele nos dará, consiste em dar-lhe a sua glória, e vê-la. Agora, se isso for o grande, o único que Deus exige de nossas mãos, se este for o que ele reservou para si mesmo, que ele seja glorificado como Deus, como nosso Deus, - aquele que lhe dá isso , dá-lhe o que é aceitável para ele. Assim, Abraão agradou a Deus por ser forte ou firme em acreditar. Ele era forte na fé e deu glória a Deus. A glória de Deus é falada em vários sentidos na Escritura: - [1.] A palavra glória no hebraico significa "peso", a que o apóstolo faz alusão quando fala de "um eterno peso de glória", 2 Coríntios 4:17. Esta é a glória da própria coisa. Também significa esplendor, ou brilho, onde o apóstolo, da mesma maneira, fala do "brilho da glória", Hebreus 1: 3; que é a grandeza e excelência da beleza em todas as perfeições. Nesse sentido, a infinita excelência de Deus, em suas inconcebíveis perfeições, levantadas com tal brilho que supera todas as nossas apreensões, é chamada de "glória". E ele é "Deus de glória", Atos 7: 2, ou o Deus mais glorioso; e nosso Salvador é chamado "O Senhor da glória", 1 Coríntios 2: 8, no mesmo sentido. A este respeito, não podemos dar glória a Deus; não podemos acrescentar nada às suas excelências, nem o brilho infinito e inconcebível dele por qualquer coisa que fazemos. [2.] Glória se relaciona não apenas com a coisa em si que é gloriosa, mas com a estimativa e a opinião que temos, isto é, quando aquilo que é em si glorioso é estimado assim. O filósofo diz: "Gloria est frequens de aliquo fama cum laude", ou "Consentiens laus bonorum, incorrupta vox bene judicantium de excelenti virtute". E, a este respeito, o que é infinitamente glorioso em si mesmo pode ser mais ou menos glorioso em sua manifestação e a estimativa disso. Portanto, a glória não é nenhuma das excelências ou perfeições de Deus; mas é a estima e manifestação deles entre os outros e para os outros. Isto Deus declara ser a sua glória, Êxodo 33:19. Moisés deseja ver a "glória" de Deus. E Deus chama seu "rosto", isto é, a glória de Deus em si mesmo. "Isto", diz Deus, "você não pode ver:" Você não pode ver meu rosto, ou o brilho da minha glória essencial, o esplendor das minhas excelências e perfeições." Bem, o que é então? Ele não terá conhecimento disso? Depois que Deus o coloca em uma rocha, e diz a ele que irá mostrar-lhe a sua glória. Agora, essa Rocha que os seguiu foi Cristo, 1 Coríntios 10: 4. O Senhor coloca Moisés naquela rocha para mostrar-lhe a sua glória; insinuando que não há vislumbres para ser obtido, mas apenas por aqueles que são colocados em Cristo Jesus. Agora, qual é essa glória de Deus que ele assim mostrou a Moisés? Que ele declara, em Êxodo 34: 6; - causando a sua majestade, ou alguns sinais visíveis de sua presença, "passar diante dele", ele proclama o nome de Deus, com muitas propriedades graciosas de sua natureza e bem-aventurança. Como se ele dissesse: "Moisés, você desejaria ver a  minha glória? Isto é, para que eu seja conhecido como o Senhor, o Deus de amor, longânimo e misericordioso, - ser conhecido assim - esta é a glória que eu procuro dos filhos dos homens." Veja, agora, quanto a firmeza em acreditar dá glória a Deus. Ele avança e magnifica todas essas propriedades de Deus, e dá todos os seus atributos a sua justa exaltação. Uma excelente estimativa deles está incluída nela. Não há nenhuma propriedade de Deus, pela qual ele se deu a conhecer, mas a firmeza na fé dá-lhe a glória que, em certa medida, se deve a ele. Foi fácil mostrar como isso dá a Deus a glória de sua fidelidade, verdade, poder, justiça, graça, misericórdia, bondade, amor, paciência e tudo o que Deus revelou ser. Isso é, então, a força desse primeiro testemunho: se a glória de Deus é tudo o que ele exige de nossas mãos, e esta firmeza de acreditar dá-lhe essa glória, e só isso, deve ser aceitável para ele. (2.) Um testemunho da mesma importância é o de Hebreus 6: 17,18. "Os herdeiros da promessa", aqueles a quem é feita (a grande promessa de Cristo) são crentes; é dito aqui que eles "fugiram para o refúgio". A expressão é evidentemente metafórica. A alusão, por exemplo, é tirada daqueles que correram uma corrida por um prêmio. Isso, eles dizem, a palavra krathsai que segue, (o que significa "assumir rapidamente"). Os homens que correm em uma corrida, quando alcançam o fim, se apoderam e se apegam ao prêmio. Nossos tradutores, ao traduzirem a palavra "fugiram para o refúgio", manifestam que diz respeito aos homens que fugiam para a cidade de refúgio sob o Antigo Testamento. E estou inclinado a esta aceitação da metáfora sobre uma dupla conta: - [1.] Porque penso que o apóstolo alude mais voluntariamente a um costume hebraico, escrevendo aos hebreus tocando uma instituição de Deus, e que é diretamente típico do assunto que ele tinha na mão, do que um costume dos gregos e dos romanos nas suas corridas. [2.] Porque o desígnio do texto evidentemente se refere à fuga de algo, bem como uma fuga para algo; em que se diz, que há "consolo" previsto para eles; ou seja, na sua libertação do mal que eles temiam e do qual fugiram. Agora, em uma corrida, há um prêmio proposto, mas não há nenhum mal evitado. Foi com aquele que se refugiou; pois, como ele tinha uma cidade de segurança diante dele, então ele tinha o vingador de sangue atrás dele; e ele fugiu com rapidez e diligência para que ele pudesse evitar o outro. Agora, essas cidades de refúgio foram providenciadas para o homicida, que, tendo matado um homem de forma acidental, e ficando assim surpreso com uma apreensão de perigo - isso sendo legal para o vingador de sangue matá-lo - fugiu com todas as suas forças para uma dessas cidades, onde ele deveria gozar de imunidade e segurança. Assim, um pobre pecador, encontrando-se em uma condição de culpa, surpreendido com esta sensação, vendo a morte e a destruição prontas para se apoderar dele, foge com todas as suas forças para o seio do Senhor Jesus, - a única cidade de refúgio da justiça vingadora de Deus e da maldição da lei. Agora, este fugir para o seio de Cristo, - a esperança que está diante de nós para alívio e segurança, - é acreditar. Aqui é chamado de fugir pelo Espírito Santo, para expressar a natureza do sentido espiritual dos crentes. E agora; ele se declara afetado com o seu "fugir para o refúgio", isto é, acreditar? Por que ele tomou todos os meios possíveis para mostrar-se abundantemente disposto a recebê-los. Ele envolveu a sua palavra e promessa, para que eles não duvidem, mas saibam que está pronto para recebê-los e dar-lhes "forte consolo". E o que é esse consolo? Por que pode surgir? De onde surgiu o consolo, que, tendo matado um homem de forma acidental, deve fugir para uma cidade de refúgio. Não deve ser assim, - as portas da cidade certamente estarão abertas para ele, para que ele possa encontrar proteção lá, e ser salvo do vingador? De onde, então, deve ser nosso forte consolo, se assim voamos para o refúgio crendo? Não deve ser daí que Deus esteja livremente pronto para nos receber, - que ele não nos afastará, mas que lhe seremos bem-vindos; e quanto maior for a velocidade com que viermos, mais bem-vindos devemos ser? Isso ele nos convence, pelo envolvimento de sua palavra e juramento para esse propósito. E quanto mais testemunhos teríamos para que nossa fé seja aceitável para ele? É dito em Hebreus 10:38: "Se alguém recuar, minha alma não terá prazer nele". O que é voltar as costas? É recusar-se de sua firmeza de acreditar. Então, o apóstolo interpreta isso, no versículo 39: "Não somos daqueles que recuam para a perdição; mas daqueles que acreditam." A alegria do Senhor está naqueles que são firmes em aderir às promessas; neles, sua alma se deleita. Quando os judeus trataram com o Salvador sobre a salvação, eles lhe perguntaram: "O que devemos fazer, para que possamos fazer a obra de Deus?" João 6:28, a obra de Deus pela qual, eles pudessem ser aceitos por ele; que é o clamor de todas as pessoas convencidas. A resposta do nosso Salvador está no versículo 29: "Esta é a obra de Deus, que creiais naquele a quem ele enviou". "Conhecerão a grande obra, em que Deus está tão encantado?" "É isto", diz ele, "que você" acredite, e seja firme nisso." Portanto, também há muitas exortações que o Espírito Santo nos ofereceu para chegar aqui; como Hebreus 12:12; Isaías 35. Mas não devo insistir mais em testemunhos, que abundam demais para este propósito. As mais longas demonstrações do ponto se seguem: - 2. O próximo deve consistir na melhoria do primeiro testemunho sobre a glória de Deus, decorrente do nosso ser firme em acreditar. Isto é concedido por todos, que o fim último de Deus em todas as coisas ele faz dele mesmo, e em tudo o que ele exige que façamos, é a sua própria glória. Não pode ser de outra forma, se ele for o primeiro, único ser independente, e principal causa de todas as coisas, e seu principal bem. Deus, então, colocou sua glória no que não pode ser alcançado e realizado sem acreditar, em resposta à sua constituição atual das coisas, deve ser aceitável para ele; como é um meio adequado para um fim concebido para qualquer um agindo em sabedoria e justiça. Crer é receber o Senhor Jesus, que nos foi oferecido na verdade e pelo amor do Pai, para o perdão dos pecados e a aceitação de nossas pessoas diante de Deus. Isto, digo, de acordo com a constituição de Deus das coisas na aliança da graça, é necessário trazer esse fim da glória a si mesmo, que ele pretende. Por isso, ele resume todo o seu desígnio ser "o louvor de sua graça gloriosa", Efésios 1: 6. Em Provérbios 25: 2, se eu não me engano, isso é claramente afirmado: "É a glória de Deus esconder uma coisa" ou "encobrir um assunto". Eu lhe disse antes qual é a glória de Deus. Não é o esplendor e a majestade de suas perfeições infinitas e excelentes, que não surgem de nada que ele faça, mas do que ele é; mas é a exaltação, manifestação e essência dessas excelências. Quando Deus é recebido, pela fé, é conhecido como ele se declara, - ele é glorificado; essa é a sua glória. Esta glória, diz o Espírito Santo, surge da cobertura de um assunto. O que é esse assunto? Não é a glória de Deus cobrir todos os assuntos, tudo o que quer que seja; sim, é a sua glória "trazer à luz as coisas ocultas das trevas". A manifestação de suas próprias obras "declara a sua glória", Salmo 19: 1. Então, a manifestação das boas obras de seu povo, Mateus 5:16. São, então, coisas de algum tipo peculiar que se destinam aqui. A seguinte oposição descobre isso: "A honra dos reis é procurar um assunto." O que é que é a glória do rei descobrir? Não são faltas e ofensas contra a lei? Não é a glória dos magistrados descobrir transgressões, para que os transgressores sejam punidos? Esta é a glória do magistrado, para indagar, descobrir e punir ofensas, e transgressões da lei. É, então, em resposta aqui, a coisa pecaminosa, o pecado em si, que é o assunto ou coisa que é a glória de Deus cobrir. Mas o que é cobrir um assunto pecaminoso? É o seu esconder o pecado do poder de condenação da lei. A palavra usada aqui é a mesma que a de Davi, Salmos 32: 1: "Bem-aventurado o homem cujo pecado é coberto". E em diversos outros lugares é usado para o mesmo propósito; que é expresso, Miqueias 7:19, "lançando todos os nossos pecados no fundo do mar". O que está tão descartado e está totalmente coberto pela visão dos homens. Então, Deus exprime a cobertura dos pecados de seu povo, quanto à sua não aparência para a sua condenação, - eles serão "lançados no fundo do mar". Assim, de nossos pecados, no Novo Testamento, é dito que são realmente "perdoados", em vinte lugares. A palavra significa apropriadamente "remover" ou "demitir", "para enviar ou remover nossos pecados fora da vista", o mesmo em substância com o que aqui é chamado de "cobrir". E também é a palavra usada em outro sentido, como em Mateus 23:23 - "Você omitiu as coisas mais importantes da lei;" isto é, você as colocou de lado, por assim dizer, fora de visão, não cuidando delas. Agora, o fundo de todas essas expressões de remover, esconder, cobrir e ocultar o pecado, é o que dá vida e significância aos que creem, fazendo-os importar o perdão do pecado, é a alusão que está naqueles no propiciatório sob a lei. A fabricação e o uso que temos, Êxodo 25: 17,18. Era um prato de ouro puro, deitado na arca, chamado tr,PoKæ, ou "uma cobertura". Na arca estava a lei, escrita em tábuas de pedra. Sobre o propiciatório, entre os querubins, o oráculo representava a presença de Deus. Pelo qual o Espírito Santo dá a entender que o propiciatório deveria cobrir a lei, e o poder de condenação dela, por assim dizer, dos olhos da justiça de Deus, para que não sejamos consumidos. Por isso, Deus disse que cobre o pecado, porque, pelo propiciatório, ele esconde o que é a força e poder do pecado, quanto à sua culpa e tendência ao castigo. O apóstolo chama esse "lugar de misericórdia", Hebreus 9: 5. Essa palavra é usada, mais de uma vez no Novo Testamento, e então Cristo é chamado assim, Romanos 3:25, ou o que é o propósito de um propiciatório. "Cristo", que Deus propôs como um propiciatório. "Cristo somente é aquele propiciatório pelo qual o pecado e a lei da qual o pecado tem sua força, são escondidos. E dessa instituição típica é essa expressão no Antigo Testamento: "Esconda-me debaixo das tuas asas", as asas dos querubins, onde estava o propiciatório; isto é, no seio de Cristo. Agora, o Espírito Santo, para esconder, cobrir, perdoar o pecado por Cristo, é a glória de Deus, em que ele será exaltado e admirado, e pelo qual ele será louvado. Dê-lhe isso, e você lhe dá seu grande objetivo e desígnio. Acredite nele, confie, como Deus em Cristo perdoando a iniquidade, a transgressão e o pecado, - reconciliando assim o mundo consigo mesmo, e manifestando as suas propriedades gloriosas, e ele tem o seu fim. Devo agora mostrar o que? Deus fez, o que ele faz, e fará, para criar a sua glória, tornar-se evidente, de fato, que ele apontou para isso. Seu eterno amor eletivo está na parte inferior deste desígnio. Esta é a tendência disso, - que Deus seja glorificado no perdão do pecado. O envio de seu Filho, - um mistério de sabedoria, bondade e justiça a se descobrir, - com tudo isso, por sua autoridade e comissão, ele fez; sofreu e foi, para que seu nome pudesse ser glorificado nessa coisa. A nova aliança da graça tem alguma outra finalidade? Deus não propôs, criou e estabeleceu essa aliança no sangue de seu Filho; que enquanto ele, por meio de suas obras de criação e providência, pela antiga aliança e lei, desse glória a si mesmo em outros aspectos, para que ele pudesse, por isso, glorificar-se no esconder a iniquidade? A dispensação do Espírito para a conversão dos pecadores, com todas as obras poderosas que se seguem, é para o mesmo e nenhum outro propósito. Por que Deus exerce paciência, tolerância, longanimidade para conosco, - como ele será admirado pela eternidade -, como nossas almas ficam maravilhadas com a ideia? É somente que ele pode trazer essa glória dele, a cobertura da iniquidade e o perdão do pecado. Agora, o que é necessário de nossa parte, que este grande desígnio de Deus para a sua glória possa ser realizado e através de nós? Não é nossa crença e firmeza nela? 3. Para a última demonstração do ponto, acrescentarei a consideração de um particular que Deus usa na busca da sua glória, antes mencionado; e isto é, sua instituição e comando de pregar o evangelho a todas as nações, e o grande cuidado que ele tomou para fornecer instrumentos para sua propagação e promulgação da palavra da sua graça, Mateus 28:19, "Ide e pregai o evangelho a todas as nações", "a toda criatura", Marcos 16:15. Qual é este evangelho, que deve ser pregado e declarado? Não é senão uma declaração de sua mente e vontade em relação à sua graciosa aceitação de crer e à firmeza nisso? Este Deus declara de seu propósito, sua vontade eterna e imutável, - que há, por sua nomeação, uma conexão infalível, inviolável entre acreditar em Jesus Cristo, recebê-lo e a fruição eterna de si mesmo. Isto ele declara a todos; mas seu propósito de conferir fé efetivamente se relaciona apenas com alguns: aqueles que "creem que são ordenados para a vida eterna".

Publicado
Visualizações
258