O Uso da Fé Sob Reprovações e Perseguições e em Tempos de Declínio Geral da Religião

  John Owen (1616-1683)

 

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

 

O Uso da Fé Sob Reprovações e Perseguições

"O justo viverá por sua fé." (Habacuque 2: 4)

Você pode se lembrar, eu falo ocasionalmente do salmista, no Salmo 97: 2: "Nuvens e escuridão estão ao redor dele; justiça e equidade são a base do seu trono.", e daí tomou ocasião de considerar qual é o nosso dever especial quando as nuvens e a escuridão estão ao redor de nós, como estão neste dia. E alguns de vocês sabem que tive uma grande persuasão de que as nuvens que estão se reunindo, pelo menos em sua primeira tempestade, cairão sobre o povo de Deus. Devo repeti-lo várias vezes; eu tenho avisado você por alguns anos, e dizendo que seria assim. O quadro atual com o qual eu tenho que entrar em conflito no meu próprio espírito, e esse quadro de espírito que eu observei nos outros, o estado e condição de todas as igrejas e professantes, até onde eu sei, é que eles tiveram uma terrível falsa segurança. Eu falo com o meu coração e o que eu conheço com referência ao nosso estado atual e da causa de Deus; nós nos entregamos a uma verdadeira segurança: o que ainda me confirma que a tempestade virá sobre nós, e que não demorará muito antes de senti-la. Meu desígnio é, portanto, mostrar-lhe como devemos nos comportar sob as perplexidades e dificuldades com as quais devemos entrar em conflito neste mundo. E eu não me sentei estudando para que as coisas falem, mas apenas lhe digo a experiência do meu coração e do que eu estou trabalhando. Eu já mostrei no que nosso dever está sob a abordagem desses tempos angustiantes e calamitosos que estão chegando sobre nós, e o que a fé fará em uma ocasião desse tipo.

II. Eu agora, em segundo lugar, devo mostrar-lhe como a fé o levará sob outras perplexidades, que estão presentes ou estão vindo sobre nós.

E aqui vou mostrar-lhe: 1. O modo como podemos viver pela fé, sob todas as censuras e perseguições que nos acontecem ou podem acontecer, por conta daquela ordem e comunhão do evangelho, dessa maneira de adoração de Deus, que nós professamos. 2. Como podemos viver pela fé sob uma apreensão de grandes e pesarosos decaimentos nas igrejas, nos membros da igreja, nos professantes de todos os tipos e nas retiradas graduais da glória de Deus de nós por essa conta.

1. Como podemos viver pela fé, com referência à reprovação e desprezo, que são lançados nos caminhos de Deus que professamos, que adoramos a Deus em quem nos comprometemos e na ordem do evangelho que praticamos, com as perseguições que nos acontecerão em sua conta? Verdadeiramente, posso dizer isso como os judeus disseram a Paulo sobre o Cristianismo, Atos 28:22: " No entanto bem quiséramos ouvir de ti o que pensas; porque, quanto a esta seita, notório nos é que em toda parte é impugnada." O mundo inteiro parece ter combinado, que o nome de Israel, em existir deste modo, não pode mais ter lembrança.

Há poucos que estão preocupados com essas coisas, enquanto está bem com eles, suas famílias, suas relações, propriedades, heranças. Que os caminhos de Deus sejam censurados, o que é isso para eles? Eles não estão preocupados com isso.

Eles não podem dizer, como diz o salmista, quando fala na pessoa de Cristo, Salmo 69:9, "Pois o zelo da tua casa me devorou, e as afrontas dos que te afrontam caíram sobre mim." Talvez alguns de nós sejam mais sensíveis do que outros dessas reprovações que são continuamente lançadas sobre os caminhos de Deus, visto que elas são mais particularmente sobre nós; mas para aqueles que não estão preocupados com esse desprezo e censura, eu diria três coisas: - Primeiro. Que evidências você tem de ter uma preocupação com a glória de Deus?

Porque estas são aquelas coisas em que Deus é glorificado neste mundo; e se você não estiver preocupado quando há tantas reflexões sobre ele, ore, e considere quais evidências você tem em si mesmo de qualquer interesse na glória de Deus.

Em segundo lugar. Que evidências você tem de ter amor por essas coisas santas, que pode ouvi-las sendo repreendidas, desprezadas, censuradas e nunca se mexer com isso? Um homem honesto e bom se acharia preocupado se sua esposa ou filhos fossem censurados por mentiras e coisas vergonhosas, por causa de seu interesse por eles; mas para aqueles que podem ouvir os caminhos de Deus que são censurados todos os dias, e, desde que esteja bem com eles e os seus, não estão preocupados com isso, - eles não podem ter provas de que eles tenham um amor a tais caminhos. Neemias clama por tal ocasião, Neemias 4: 4: " Ouve, ó nosso Deus, pois somos tão desprezados; faze recair o opróbrio deles sobre as suas cabeças, e faze com que eles sejam um despojo numa terra de cativeiro."

Deus fez promessas especiais a respeito dos que estão assim preocupados: Sofonias 3:18, "eu os reunirei", diz ele. A quem ele irá reunir? "esses para os quais era um opróbrio o peso que estava sobre ela – (a assembleia solene)." As assembleias solenes foram censuradas e zombadas; e havia alguns deles (nem todos) para quem essa censura era um fardo. "Estes", diz Deus, "eu vou reunir" - "os congregarei sob minha proteção graciosa". Em terceiro lugar. Para adicionar uma palavra mais: Se você não está preocupado com as reprovações que são lançadas sobre os caminhos de Deus, a perseguição deve despertá-lo, e quer torná-lo preocupado ou pôr fim a toda a sua profissão. Agora, o inquérito é como, sob essas dificuldades, em que temos de entrar em conflito com as coisas, devemos glorificar a Deus e passá-las sem perda, - para nossa vantagem espiritual? O apóstolo, no capítulo 10 aos Hebreus, onde ele descreve essa condição de que eu tenho falado, nos direciona completamente. "Lembrai-vos, porém, dos dias passados, em que, depois de serdes iluminados, suportastes grande combate de aflições; pois por um lado fostes feitos espetáculo tanto por vitupérios como por tribulações, e por outro vos tornastes companheiros dos que assim foram tratados. Pois não só vos compadecestes dos que estavam nas prisões, mas também com gozo aceitastes a espoliação dos vossos bens, sabendo que vós tendes uma possessão melhor e permanente.", versículos 32-34. Mas como devemos nos transportar sob esta condição aqui descrita? "Agora", diz ele, no versículo 38, "o justo viverá pela fé". Qual é o trabalho da fé nesta condição, para que possamos glorificar a Deus e levar isto a uma questão boa e confortável para nós mesmos? Chame seu próprio coração para uma conta e veja como a fé funcionará para dar-lhe suporte e provisão. Eu direi o que estou trabalhando em meu próprio coração; e o Senhor o dirigirá para descobrir o que será mais útil! O que a fé fará nesse caso? Eu respondo: (1.) A fé nos dará tal experiência do poder, da eficácia, da doçura e do benefício das ordenanças do evangelho e da adoração do evangelho, o que nos levará a desprezar tudo o que o mundo possa fazer em oposição a nós. Aqui eu lançaria minha âncora, e exorto você a não confiar em vocês mesmos; pois nada mais irá mantê-lo e preservá-lo. Uma opinião bem-fundamentada e um julgamento, não o preservarão; amor com este ou aquele ministério do homem, não o preservará; que você seja capaz de disputar por seus caminhos, não irá preservá-lo (eu posso dar-lhe instâncias em que todos eles falharam); - resoluções que, se todos os homens deveriam deixá-las, você não faria, não seria suficiente. Nada pode preservá-lo senão um sentido e experiência da utilidade e da doçura das administrações do evangelho, de acordo com a mente de Jesus Cristo. Só essa fé pode lhe dar. "Desejo", diz o apóstolo Pedro, "o leite sincero da palavra", 1 Pedro 2: 2; - "Desejo e trabalho para continuar, nas ordenanças do evangelho e na adoração de Deus sob a administração da palavra". Como? "Se assim for, provaram que o Senhor é gracioso", versículo 3; caso contrário, você nunca vai desejar. Eu espero que, através da graça de Deus (e, de outra forma, não espero), eu ainda poderia continuar (se, de fato, eu pudesse manter viva) uma experiência que, na dispensação da palavra, encontro um exercício constante de fé em Deus, deleite nele, e amor por ele; - se eu achar que eu venho à palavra como esperando receber de Deus um sentido de seu amor e oferta de sua graça; devo então, digo, ter uma boa esperança, através da graça, que dez mil dificuldades nunca devem me abalar na minha continuação dessa maneira. Mas se for de outra forma, não haverá continuidade nem permanência. Eu menciono essas coisas, porque, para a melhor observação, como um maldito verme, o que eu posso fazer, há uma grande frieza e indiferença em relação aos espíritos dos homens em atendimento ao culto de Deus. Não existe aquela vida, espírito, coragem e prazer nela, como aconteceu nos tempos passados; e, em caso afirmativo, onde pode terminar, somente Deus sabe. Isto, digo, é a primeira coisa que a fé fará nesse estado, se o configurarmos no trabalho. Se quisermos, porém, trabalhar para despertar a fé para encontrar os suprimentos de vida e força espirituais nos caminhos de sua adoração e ordenanças, - se trabalhássemos para superar os preconceitos e nos prepararmos contra a preguiça e a negligência, - devemos encontrar-nos como outros homens, e muito em liberdade quanto ao que o mundo pode fazer conosco. Isto é o que a fé pode fazer por nós em tal estado de coisas; E isso é o que eu trabalharia para levar meu próprio coração. (2.) A fé, em tal época, trará a alma a um sentido tão experimental da autoridade de Jesus Cristo, para que despreze todas as outras coisas. Eu protesto, se não fosse pela autoridade de Cristo, eu renunciaria a todas as suas assembleias; elas não teriam nenhuma forma nem beleza nelas porque deveriam ser desejadas. Mas um profundo respeito à autoridade de Cristo (a menos que nossos corações malignos sejam traídos pela incredulidade e fraqueza) é o que nos levará através de tudo o que nos acontecerá. A fé trabalhará neste duplo respeito com a autoridade de Cristo: - [1.] Como ele é o grande chefe e legislador da igreja, quem sozinho recebeu todo o poder do Pai para instituir toda adoração; e quem impõe a si mesmo aqui, usurpa sua coroa e dignidade. Todo o poder para instituir adoração espiritual é dado a Cristo no céu e na terra. O que então? "Vá, portanto," diz ele "e ensine os homens a observar todas as coisas que eu lhe ordenei", Mateus 28: 18-20. Traga suas almas para este exercício de fé, que as coisas que fazemos são comandadas por Cristo, que é o Senhor soberano de nossas consciências, que tem autoridade soberana sobre nossas almas. Todos devemos comparecer diante de seu tribunal, que exigirá de nós se fizemos e observamos o que ele nos ordenou ou não. Não diga apenas estas coisas, mas trabalhe muito pela fé para afetar suas consciências com esta autoridade de Cristo, e você achará que todas as outras autoridades chegarão a nada, no entanto, você pode sofrer por isso. [2.] A fé respeita a autoridade de Cristo, como ele é "Senhor dos senhores e Rei dos reis", enquanto ele fica à direita de Deus, esperando que todos os seus inimigos se tornem o escabelo de seus pés; como ele somente tem um cetro de ouro na mão, "um cetro de justiça", com o qual ele governa a igreja, mas também uma vara de ferro, para quebrar todos os seus inimigos em pedaços como um vaso de oleiro. Se a fé se exercita sobre esse poder e autoridade de Cristo sobre seus inimigos, derramará desprezo sobre tudo o que o mundo possa fazer. Você não pode ser levado diante de qualquer magistrado, mas Cristo está presente, maior do que todos eles, - quem tem o fôlego das suas vidas e seus caminhos à sua disposição, e pode fazer o que quiser com eles. A fé trará a presença de Cristo em tal ocasião; quando de outra forma o seu coração falharia por medo, e você seria deixado para sua própria sabedoria, que é loucura e sua própria força, que é apenas fraqueza. Mas se você tiver, senão a fé trabalhando no sentido desta autoridade, fará você gostar dessas pessoas bem sucedidas no 3º capítulo de Daniel. Não se pergunte sobre a grandeza de sua resposta e a compaixão de seus espíritos quando olhavam para a fornalha ardente, por um lado, e o semblante reluzente de terrível majestade do outro. "Eis que o nosso Deus a quem nós servimos pode nos livrar da fornalha de fogo ardente; e ele nos livrará da tua mão, ó rei. Mas se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste.", versículos 17, 18. A fé nos dará a mesma compostura de espírito e a mesma resolução; e com essas coisas devemos nos aliviar sob o pior que possa acontecer conosco. (3.) A fé, em tal caso e condição, trará à mente e tornará efetivo sobre nossas almas, os exemplos que nos precederam em dar o mesmo testemunho que damos e nos sofrimentos que sofremos sobre essa conta. Quando o apóstolo havia dito aos crentes hebreus que, por meio de todas as suas provações, tribulações e sofrimentos, eles devem viver pela fé, Hebreus 10, "Que encorajamento", eles poderiam dizer, "devemos receber pela fé?" Por que, diz ele "A fé irá lembrar todos os exemplos que foram antes de você, dos que sofreram, foram afligidos e angustiados como você está sendo agora"; - qual conta ocupa todo o capítulo 11 e boa parte do início do 12. É uma grande coisa quando a fé revive um exemplo. Deixe-nos, então, pela fé, levar em nossas mentes os exemplos que são registrados na Escritura. Há o exemplo de Moisés, que o apóstolo nos dá; e é um exemplo eminente: "Ele preferiu sofrer aflição com o povo de Deus, do que desfrutar os prazeres do pecado por uma temporada; estimando o opróbrio de Cristo por maior riqueza do que os tesouros no Egito." Ele, com a promessa sobre a qual ele tinha que viver, suportou o opróbrio de Cristo. Meus irmãos, tomem os profetas como um exemplo daqueles que sofreram; e considere como os apóstolos viveram antes de nós: mas não para eles; pois é maior do que Moisés, os profetas e os apóstolos, maior do que uma nuvem de testemunhas; e isso não temos em outra pessoa, senão no Senhor Jesus Cristo. Hebreus 12: 2, "Olhando para Jesus, o autor e finalizador de nossa fé; que para a alegria que estava diante dele suportou a cruz, desprezando a vergonha." Ele sofreu a contradição dos pecadores contra si mesmo," e agora está posto à mão direita de Deus". A fé, lembrando esses grandes exemplos, nos daria um grande apoio sob todas as provações a que pudermos ser trazidas, e a entrar em conflito com elas. Para onde vamos? O que esperamos? Nós estaríamos onde Moisés está, e onde estão os profetas; mas como eles chegaram lá? Eles não chegaram lá através do aumento de riquezas, e multiplicando-se em senhorios no mundo; mas pelos sofrimentos e pela cruz. Através de muitas tribulações, eles entraram no reino dos céus. (4.) A fé receberá das provisões que Cristo guardou para o seu povo, em tal época. Cristo fez provisões peculiares para os santos sofredores. E consistem em duas coisas: - Primeiro, na sua presença especial com eles. Ele estará com eles no fogo e na água. Em segundo lugar, na comunicação do sentido do amor de Deus para eles. "E não somente isso, mas também gloriemo-nos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a perseverança, e a perseverança a experiência, e a experiência a esperança; e a esperança não desaponta, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.", Romanos 5: 3-5. A fé trará todas essas coisas para a alma. Mas suas mentes devem ser espirituais, ou você não pode apresentar um ato de fé para trazer essa provisão especial que é guardada para os santos sofredores; - e muito poucos alcançam esse quadro espiritual, onde a fé busca essas consolações espirituais que Cristo preparou para essas almas. Esta é uma maneira pela qual podemos viver pela fé em tal época. Procure, portanto, e faça inquérito em sua entrada em problemas, que sentido a fé lhe dá do amor de Deus, para levá-lo através dessas dificuldades. (5.) É somente a fé que pode nos aliviar com respeito à recompensa. Moisés "escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus do que ter por algum tempo o gozo do pecado, tendo por maiores riquezas o opróbrio de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa.", Hebreus 11: 25,26. A aflição leve e momentânea que sofremos neste mundo, "trabalha para nós um peso de glória muito maior e eterno", 2 Coríntios 4: 17. Quem sabe, senão em alguns dias alguns de nós podem ser levados a essa incompreensível glória, onde admiraremos eternamente que sempre colocamos qualquer tipo de peso nas coisas aqui embaixo? A fé fixará seus olhos sobre a eterna recompensa. Nós temos, de fato, uma fé agora no trabalho, que conserta as mentes dos homens sobre esse modo de libertação, e este e aquele estranho acidente; mas acharemos que a fé verdadeira queimará tudo isso como restolho. (6.) E, finalmente, a fé funcionará com paciência. O apóstolo nos diz: "Precisamos de paciência, para que, depois de ter feito a vontade de Deus, possamos receber a promessa", e devemos ser "seguidores daqueles que através da fé e da paciência herdam as promessas", Hebreus 10 : 36, 6: 12. Isto é algo do que eu tenho que oferecer para você, e, espero, seja sazonal e útil. No entanto, é o que posso alcançar nesses tempos de censura e desprezo, que são lançados sobre nós e as perseguições se aproximam. Eu digo, a fé nos revelará essa eficácia, doçura, poder e vantagem nas ordenanças espirituais, para nos fazer querer submeter-se a qualquer coisa por elas. A fé trará nossas almas em sujeição à autoridade de Cristo, como Cabeça da igreja e Senhor sobre toda a criação, para que não se assuste com o que o homem possa fazer conosco. A fé nos fornecerá exemplos dos santos de Deus, a quem ele ajudou a sofrer sofrimentos, e que agora estão coroados e em repouso no céu. A fé nos ajudará a manter o olho fixo, não nas coisas deste mundo, mas na recompensa eterna de outro mundo, e a glória nele. E a fé também funcionará com paciência, quando as dificuldades serão multiplicadas sobre nós.

O Uso da Fé em Tempos de Declínio Geral da Religião

"O justo viverá pela sua fé." (Habacuque 2: 4)

Como podemos viver pela fé, sob uma apreensão de grandes e perversos decaimentos nas igrejas, nos membros da igreja, nos professantes de todos os tipos e na retirada gradual da glória de Deus de todos nós por causa disso. Falaria três coisas: - (1) Que este é um momento de decadência entre nós, entre igrejas, entre membros da igreja e professantes de todos os tipos e caminhos por toda a nação; sim, e outras nações também, onde há quem tema a Deus. (2) Que isto é, e deveria ser, uma causa de grande dificuldade e provação para todos os que são verdadeiros crentes. E então, - (3.) Devo mostrar-lhe como podemos viver pela fé em tal época, - o que a fé fará para sustentar a alma em tal momento. (1.) Que é agora um momento de decadência, há muitas evidências disso. Eu irei citar algumas coisas: - [1.] Uma sensação é impressa nas mentes de todos os mais judiciosos e diligentes cristãos, que abundam mais no autoexame, ou se mostram mais conscientes dos caminhos de Deus. Muitas multidões eu ouvi testificar disso; reclamações são recebidas de muitos nesta nação, e nas nações vizinhas, que há uma grande decadência, quanto ao poder da graça e da vida de fé, entre todos os tipos de professantes. E alguns deles irão mais longe na sua evidência, e nos dizem que eles acham os efeitos disso em si mesmos; que eles acham que é uma questão de grande dificuldade, exigindo grande vigilância e grande diligência, em qualquer medida para se manterem em seus moldes anteriores; e quando eles fizeram tudo, eles não alcançaram seus desejos. E, para aumentar essa evidência, todos estamos convencidos disso, ou então somos hipócritas notórios; pois não sei com que frequência ouvi dizer isto neste mesmo lugar. De modo que é enviado de Deus uma convicção sobre os corações e as mentes dos crentes espirituais, autoexaminadores, que igrejas, membros da igreja, professores e eles mesmos estão sob decadência espiritual. Esta é a primeira prova; e, portanto, em tal temporada, foi a melhor parte da igreja que fez essa triste queixa, em Isaías 63:17: "Por que, ó Senhor, nos fazes errar dos teus caminhos? Por que endureces o nosso coração, para te não temermos?" Eles eram sensíveis que havia um julgamento da mão de Deus sobre eles. [2.] A falta aberta de amor que está entre as igrejas, entre os membros das igrejas, entre outros professores, é outra evidência de decadência. Não falarei sobre a falta de amor entre as igrejas de uma para a outra; mas quanto ao amor entre os membros da igreja, temos escassamente a sombra dele ficando entre nós. Quando os homens têm parentes, quando eles se conhecem, quando foram velhos amigos, quando eles concordam em humor e conversa, - há uma aparência do amor; e quando eles concordam em um partido e uma facção, há uma aparência de amor: mas, no puro relato espiritual do cristianismo e da igreja, nós temos, digo, escassamente a sombra dele deixada entre nós. Lembro-me de como foi conosco, quando foi uma alegria de coração ver o rosto um do outro; - onde havia amor sem dissimulação, em sinceridade; amor atendido com piedade, compaixão, condescendência; sim, o amor assistido com prazer. Mas está morto nas igrejas, morto entre os professantes. [3.] Outra evidência dessa decadência é a falta de prazer e diligência nas ordenanças da adoração do evangelho. Essas ordenanças costumavam ser uma alegria de coração para todos os que temiam a Deus; mas agora há tanta infelicidade, frieza e indiferença, tanto subvalorização da palavra, alegria, orgulho e tanta apreensão que conhecemos em tudo, - tão pouco esforço para tremer em toda verdade, por que significa isso será trazido para nós, - como dá uma evidência manifesta de decepções lamentáveis ​​que caíram sobre nós. Pregadores mortos! Ouvintes mortos! - Todas as coisas agora vão para baixo entre as igrejas de Deus e professantes nestas nações. E isso é acompanhado de dois males desesperados; um dos quais eu ouvi falar, senão ultimamente (mas, após a indagação, considero que isso é um mal muito maior do que eu entendi), ou seja, homens - sob uma apreensão de que eles não veem os outros animados nem vivificados como não deveriam estar de acordo com as ordenanças do culto divino, e não encontrando tal coisa em seus próprios corações (com toda probabilidade encontrando-se para se tornarem mortos e inúteis) - caíram em uma opinião de que há um fim deles e que eles deveriam não atenda mais a eles. E isso acontece com alguns que há muito andaram com sobriedade e com grande diligência no uso das ordenanças: alguns nesta cidade e em outros lugares são conduzidos por delírios tolos, porque não encontram o espírito e a vida, e poder da Palavra e das ordenanças em si e, como pensam, em outros. Um ministro piedoso e sábio, que me mostrou um sermão escrito sobre este assunto, em defesa das ordenanças, me familiarizou com tão grande número caindo nesta abominação, que não pensei que fosse possível. Este é um dos males. O outro mal que o acompanha é esse, - que esta morte e indiferença às ordenanças, e a falta de trazer nossos pescoços para o jugo de Cristo nele, contra todas as disputas e discussões de carne e osso, tomou tal lugar entre nós, e procedeu até agora, que todos os caminhos da reforma são inúteis. Os homens podem fazer divisões e não sei o que; mas isso eu sei, não há maneira de obter qualquer reforma), mas o véu envolve seus corações para não retornarem a Deus com maior prazer em seu serviço. Alguns abandonam completamente as assembleias; alguns vêm com grande indiferença, - usando sua liberdade, de uma vez e outra, por seu agrado. Não são essas coisas evidências de grandes decadências entre nós? Para mim, elas são. Não falo em particular sobre essa congregação, mas quanto ao estado de todas as igrejas que eu conheço ou posso ouvir nessas nações. [4.] A última evidência que devo mencionar sobre estes decaimentos entre nós é a nossa mentalidade mundana, a conformidade com o mundo e a falsa segurança. Essas coisas foram tão frequentemente faladas a você, e nenhuma reforma ocorreu, que agora elas são vistas como palavras, é claro; e estou desanimado de falar delas. Mas assegure-se, esta conformidade com o mundo, e esta segurança que ainda é encontrada entre nós, é uma grande evidência de que a glória de Deus está se afastando de nós. Os ministros pregam contra a mentalidade mundana, a segurança, etc., mas isto não faz impressão nas mentes dos homens; pois não podemos dar um exemplo de qualquer reforma, da menor que seja. Essas coisas demonstram claramente que todos estamos sob grandes decadências. (2.) Um senso desta decadência geral entre igrejas, membros da igreja e professores, deve ser um exercício e preocupação para nossas mentes. Se pensarmos que tudo está bem conosco, e estamos satisfeitos, enquanto estamos livres de problemas externos e não nos preocupamos com nossa decadência, não vou dizer que somos hipócritas, mas, verdadeiramente, somos pobres, baixos, cristãos mortos, carnais e não espirituais. Eu pensei falar dessas três cabeças, para mostrar-lhe, - [1.] Como Deus é desonrado por esta decadência geral; [2.] Como o mundo é ofendido e escandalizado com ela; [3.] Como a ruína das igrejas é apressada por ela; - o que acontecerá com certeza, a menos que Deus nos recupere desse mau estado. (3.) Suponha que seja assim (e nos queixamos disso um ao outro, sem saber o que a questão será), - como devemos viver pela fé sob essa consideração? Qual é o trabalho da fé neste estado? Se as coisas são assim (e eu desejo que alguém possa provar que elas não são, mas suponha, por uma vez, que elas são assim), e nossas almas estão sobrecarregadas com uma apreensão de que são assim, então, o que a fé fará para nos permitir para passar por este exercício, e para viver para Deus? Vou contar-lhe algo do que encontro. E se Deus o ajude a melhorar as coisas, faça uso disto e melhore-as, para que você possa dar glória a Deus, acreditando nesta condição também: - [1.] A fé se importará com a alma que, apesar disso também, Cristo construiu sua igreja sobre aquela rocha, para que não se impusesse completamente. "A promessa", diz a fé, "se estende também aos adversários conspiradores de nossas próprias almas, incredulidades, morte e todas essas coisas, quanto aos nossos inimigos externos". Mateus 16:18: "Sobre esta rocha, vou construir minha igreja; e os portões do inferno não prevalecerão contra ela." Embora todos nós estivéssemos mortos, impotentes, sem vida, pobres criaturas, - embora não tivéssemos mantido quase nada além da ordem externa, e houvéssemos perdido o próprio vigor e essência da fé e da obediência, contudo, a igreja de Cristo deve permanecer e ficar de pé, e os que pertencem a ele serão preservados. "Os tais se desviaram da verdade", diz o apóstolo, em 2 Timóteo 2:18, e acrescenta "no entanto, o fundamento de Deus está seguro, tendo este selo, o Senhor conhece os que são seus.", verso 19. Aqui está o meu fundamento de esperança, apesar de tudo isso, embora um caia após outro, embora um se desintegre após outro, - "No entanto, o fundamento de Deus está seguro", e tem um selo sobre ele, "O Senhor conhece os que são dele". Todo aquele a quem chamou efetivamente , e edificou sobre a rocha, Jesus Cristo, será preservado, o que quer que seja o resto do mundo. Para ver uma confluência de todo tipo de perigos perigosos de fora, como acontece hoje em dia na igreja de Deus; e para ver, entretanto, tantas evidências de um estado espiritual decadente nos próprios crentes; isso fará  fé se exercer sobre essa promessa de Cristo, - "Sobre esta rocha, construirei minha igreja; e os portões do inferno não prevalecerão contra ela." Se você achar seu espírito em qualquer momento pressionado com essas coisas, se nada melhor acontecer, exerça fé nessa promessa de Cristo e na firme posição do fundamento de Deus , que ele conhece quem é dele, e os carregará por todas essas dificuldades, e os encorajará na eternidade. [2.] A fé também se importará com a alma de que Deus tem ainda a plenitude e o remanescente do Espírito, e pode derramar-se quando quiser, para nos recuperar deste estado e condição perversa, e renovar-nos na santa obediência a Si mesmo. Há mais promessas de dar provisões de Deus de seu Espírito para nos livrar de decadências internas, do que há para fazer avançar os atos de seu poder para nos livrar de nossos inimigos externos. E Deus é capaz de fazer o trabalho interior, - reavivar e renovar um espírito de fé, amor e santidade, de mansidão, humildade, abnegação e prontidão para a cruz: ele é capaz, com uma palavra e ação de sua graça, para renová-lo; como ele pode, por um ato de seu poder, destruir todos os seus inimigos, e torná-los o escabelo de Cristo, quando quiser. Viva na fé disto. O salmista diz, no Salmo 147: 16,17, "Ele dá a neve como lã, esparge a geada como cinza, e lança o seu gelo em pedaços; quem pode resistir ao seu frio?", e a questão é que a terra está congelada; ele traz uma morte sobre ela. Mas disse ele, no Salmo 104: 30: "Envias o teu Espírito; e renovas a face da terra ". Da mesma forma, há todas as igrejas e professantes, de alguma forma, neste momento; - mas Deus, que tem a plenitude do Espírito, pode enviá-lo e renovar a face da alma, - pode dar aos professantes outra face; não desfigurada, como agora, muitas vezes é feito; não tão alto e arrogante, não tão terrestre e mundano, como agora é visto; mas humilde, manso, santo, de coração quebrantado e contrito. Deus pode enviar seu Espírito quando quiser, e dar a todas as nossas igrejas e professantes um rosto novo, no verdor e florescimento de sua graça neles. Quando Deus fará isso, não sei; mas acredito que Deus pode fazer isso; ele é capaz de fazê-lo, - capaz de renovar todas as suas igrejas, enviando suprimentos do Espírito, cuja plenitude está com ele, para recuperá-los no tempo devido e determinado. E mais; Creio verdadeiramente que, quando Deus tiver realizado alguns fins sobre nós, e manchado a glória de toda carne, ele renovará o poder e a glória da religião entre nós novamente, mesmo nessa nação. Eu acredito verdadeiramente, porque Cristo construiu sua igreja sobre uma rocha, e que nada jamais prevalecerá contra ela; e que Deus tem a plenitude e o poder do Espírito para nos renovar de novo para toda a glória da profissão e da santa obediência. Estas eu proponho como verdades infalíveis, que não falharão em você, e sobre as quais você pode aventurar sua alma até a eternidade. E se a sua fé nessas coisas não lhe dará apoio e conforto, eu não sei o que mais dará. [3.] Quando sua alma está perplexa dentro de você sobre essas coisas, sua fé irá dizer-lhe: "Ó minha alma, por que você está abatida? Não são todas estas as coisas que te anunciaram, - 1 Timóteo 4: 1, "que, nos últimos tempos, muitos se afastarão da fé", 2 Timóteo 3: 1-5, "que nos últimos dias serão tempos trabalhosos, porque os homens terão "uma forma de piedade, mas negando-lhe o poder?" Não foi predito que as igrejas decairão, e perderão sua primeira fé e amor, em exemplos que foram estabelecidos diante de você?" "Por que você está surpreso?", disse nosso Salvador, João 16: 4: "Estas coisas vos tenho dito que, quando chegar o tempo, lembrem-se de que eu lhes falei sobre elas." Nunca mais me surpreendi com essa coisa, como poderia possivelmente ser que, depois de tantas instruções, depois de tantas misericórdias, provações, medos, depois de tantos anos levando a nossa vida em nossas mãos e tantas libertações gloriosos, ainda deva haver decadências entre nós, e tais retrocessos. É uma grande surpresa para aquele que o considere correto. Mas ver que isso é predito que assim será: "vivamos pela fé": Deus tem um grande fim para cumprir com isso; e então tudo ficará bem. "Por isso acontecerá que, havendo o Senhor acabado toda a sua obra no monte Sião e em Jerusalém, então..."etc, Isaías 10:12. [4.] E, por último, a fé, se estiver em exercício, colocará toda alma em quem está, sobre uma participação especial naquela santidade a que Deus o chama em tal ocasião. Isso realiza e completa nosso viver pela fé sob uma provação como esta. Se a fé estiver em nós, e em exercício, ela nos colocará em todos esses deveres que Deus exige de nós em tal ocasião: - 1º. Isso nos colocará no autoexame, para ver até que ponto nós mesmos estamos envolvidos nessas decadências, e contraímos a culpa delas. 2º. Isso nos colocará em um grande luto, por causa de Deus se retirar de nós. 3º. Isso nos colocará sobre a vigilância sobre nós mesmos, e um sobre o outro, para que não sejamos ultrapassados ​​pelos meios e as causas dessas decadências. 4º. Isso nos colocará no zelo por Deus e pela honra do evangelho, para que não possa sofrer em razão de nossos erros. Em uma palavra, a fé fará algo; mas por nossas partes, fazemos pouco ou nada. A fé fará algo, digo, onde quer que esteja, quando é movida para o exercício; mas quanto a esses deveres especiais, em referência a estas decadências em que todos os professantes estão caídos, - quão pouco temos feito! Poderíamos nos aconselhar uns aos outros quanto ao que fazer sob estas decadências, - se aprofundar mutuamente para nos recuperarmos delas! Isso é, então, ao que somos chamados e é exigido de nós, a saber, a fé na fidelidade de Cristo, que construiu a sua igreja sobre a rocha, assim que, sejam as coisas tão ruins, não prevalecerão contra ela; - por causa da fé na plenitude do Espírito, e sua promessa de enviá-lo para renovar a face da igreja; fé em apreender a verdade de Deus, que previu essas coisas; e a fé colocando-nos sobre os deveres especiais que Deus exige de nossas mãos em tal ocasião.

Publicado
Visualizações
252