Perseverança dos Santos Capítulo 6 – Promessas Particulares Ilustradas

  John Owen (1616-1683)

 

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

 

A primeira promessa particular que eu comentarei é a de Josué 1: 5: "Ninguém te poderá resistir todos os dias da tua vida. Como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei, nem te desampararei."

Esta promessa é uma concessão a uma única pessoa que entra em um emprego peculiar; mas o Espírito Santo ensinou eminentemente os santos de Deus para pleiteá-la e aplicá-la em todas as gerações para seu próprio benefício, e que não apenas no relato do governo geral do estabelecimento de todas as promessas em Jesus Cristo para a glória de Deus por nós, (2 Coríntios 1:20), mas também pela aplicação que ele próprio faz para eles, e todas as suas ocasiões em que eles necessitam da fidelidade de Deus neles. Hebreus 13: 5: "Seja a vossa vida isenta de ganância, contentando-vos com o que tendes; porque ele mesmo disse: Não te deixarei, nem te desampararei." O apóstolo fez uma exortação no começo do verso contra o desejo desmedido das coisas do mundo, que são trabalhadas nesta vida presente. Para dar poder e eficácia a sua exortação, ele manifesta todos esses desejos como sendo completamente desnecessários, considerando a Sua suficiência que prometeu nunca abandoná-los; que ele manifesta por uma instância nesta promessa dada a Josué, dando-nos uma regra para a aplicação de todas as promessas do Antigo Testamento que foram feitas à igreja e ao povo de Deus. Alguns trabalham muito para roubar os crentes do consolo que lhes foi destinado nas promessas evangélicas do Antigo Testamento, embora, em geral, tenham sido feitas à igreja, sobre este relato, que foram feitas aos judeus, sendo elas peculiares, sua preocupação agora não está nelas. Se esse argumento puder ser admitido, não conheço nenhuma promessa que, mais evidentemente, ficará sob o poder do que isso, que agora temos em consideração. Foi feito para uma pessoa peculiar, e em uma ocasião peculiar, - feita a um general ou capitão de exércitos, em relação às grandes guerras que ele teria que empreender sob o comando especial de Deus. Pode ser que um crente pobre e com fome diga: "O que é isso em a ver comigo? Eu não sou um general de um exército, não tenho guerras para lutar sob o comando de Deus. A virtude, sem dúvida, dessa promessa expirou com a conquista de Canaã, e morreu com aquele a quem foi feita." Para manifestar a semelhança do amor que há em todas as promessas, com o estabelecimento em um Mediador e o interesse geral dos crentes em todas elas, no entanto, e em que ocasião seja dada a qualquer um, essa promessa a Josué é aqui aplicada à condição dos mais fracos, e dos mais pobres dos santos de Deus, para todos eles. E, sem dúvida, os crentes não estão um pouco com vontade de si mesmos e seu próprio consolo de que eles não se aproximam mais particularmente com as palavras de verdade, graça e fidelidade que, em diversas ocasiões e em diversos tempos, foram entregues ao santos antigos, até Abraão, Isaque, Jacó, Davi, e os demais que caminharam com Deus nas suas gerações. Estas coisas, de maneira especial, são registradas para nossa consolação, "que, através da paciência e conforto das Escrituras, possamos ter esperança", Romanos 15: 4. Agora, o Espírito Santo, conhecendo a fraqueza da nossa fé, e como podemos ser espancados em fechar com as promessas, e de misturá-las com fé, com o menor desânimo que possa surgir (como, de fato, isso não é o de menos: "Que a promessa não é feita para nós, foi feita aos outros, e eles podem colher a doçura dela, Deus pode ser fiel nela, embora nunca desfrutem da misericórdia pretendida por ela"), nas próximas palavras que ele leva os crentes para fazer a mesma conclusão com ousadia e confiança, com estas e promessas semelhantes, como Davi fez de antigas, com as muitas graciosas garantias que ele havia recebido da presença de Deus com ele: Hebreus 13: 6 "Então," diz ele (por conta daquela promessa) "podemos dizer corajosamente" (sem assombrá-lo pela incredulidade): "O Senhor é meu ajudador". Esta é uma conclusão de fé: Porque Deus disse a Josué, um crente: "Nunca te deixarei, nem te abandonarei", todo crente pode dizer com ousadia: "Ele é meu ajudador". É verdade, a aplicação das promessas aqui parece imediatamente ser ao que é temporal, mas ainda assim, sendo retirada do testemunho da continuação da presença de Deus com seus santos, conclui muito mais poderosamente aos espíritos; sim, a promessa em si é de um favor espiritual, e o que diz respeito ao que é temporal é somente daqui extraído. Deixe-nos, então, pesar um pouco a importância desta promessa, que o apóstolo salvou do sofrimento sob qualquer privada interpretação e liberdade para o uso de todos os crentes. Para todos eles, então, Deus diz, de forma direta e clara, que ele "nunca os deixará nem os abandonará". Se houver alguma dúvida se ele deve ser tomado na sua palavra ou não, deve ser o diabo que deve ser entretido como defensor contra ele. (Gênesis 3: 1). A incredulidade, de fato, tem muitas súplicas, e terá, nos seios dos santos, contra fechar com a fidelidade de Deus nesta promessa, e a questão da confiança nele que, a partir de uma conclusão devida com ela certamente fluirá. Mas nossa incredulidade tornará a verdade de Deus sem efeito? Ele nos disse que "ele nunca nos deixará, nem nos abandonará". A velha serpente e alguns argumentos dela aqui estão prontos para dizer: "Sim, Deus realmente disse isso?" A verdade não deve certamente ser assim. Pode ser de outra forma; porque Deus, sabe que em muitos casos pode cair, para que você possa ser totalmente rejeitado por ele e expulso de sua presença. Você pode ter tais oposições se levantando contra você em sua caminhada com ele, como certamente o vencerão, e você terá paciência com ele, ou você pode se afastar completamente dele." E muitos desses, como argumentos, Satanás fornecerá para a incredulidade dos crentes. Se eles não são suficientemente ensinados pela experiência do que é dar crédito a Satanás, tentando prejudicar e questionar, com qualquer pretensão, a fidelidade de Deus e sua verdade, quando eles aprenderão? Certamente eles têm pouca necessidade de se juntarem aos seus adversários para o enfraquecimento de seus apoios ou prejudicar suas consolações. Na medida em que há um esforço para fazer homens acreditarem que negar qualquer promessa absolutamente imutável de Deus aos crentes faz muito por seu conforto e refrigério, depois deve ser considerado em comum, em referência também às outras demonstrações da perseverança dos santos que, se Deus quiser, sejam produzidas. Será excluído que "Deus não os abandonará enquanto forem crentes; mas se eles o abandonarem e caírem dele, ele tem a liberdade de renunciar a eles também." Mas que o abandono de Deus de qualquer um não é mais que uma mera não-rejeição deles depois será refutado. A quem ele não abandona como um Deus em aliança, para eles ele continua a sua presença, e para com eles ele exerce seu poder e toda suficiência para o bem. E se ele não pode, por meio de seu Espírito, e o poder de sua graça, manter a quem ele não abandona em um estado e condição de não abandoná-lo, ele os abandonará antes que eles o abandonem, sim, antes que dele seja dito abandoná-los. Os crentes que não são abandonados por Deus são efetivamente prevenidos quanto a este estado e são condicionados na conta do que é afirmado que ele não pode abandoná-los. 1 Samuel 12:22, a verdade que temos em consideração é confirmada pelo profeta em nome e autoridade do próprio Deus; e as palavras em que é feito têm a força de uma promessa, sendo declarativas da boa vontade de Deus para o seu povo em Cristo: "Porque o Senhor não abandonará o seu povo por causa do seu grande nome; porque agradou ao Senhor fazer-lhe o seu povo". A expressão é a mesma coisa com aquilo que o Senhor dá ao seu povo a sua boa vontade na aliança da graça; de que já falei antes. (Gênesis 17: 1, Jeremias 32: 38,39.) Muitos podem ter suas calamidades e aflições, muitos suas provações e tentações, muitos suas deserções e trevas, mas Deus não os abandonará; ele não os expulsará para sempre. Para que seu povo seja seu povo em aliança, seus segredos, sua igreja espiritual, o "remanescente segundo a eleição da graça", tem sido declarado antes, no tratamento de textos semelhantes da Escritura. É para vindicar esta e outras promessas semelhantes de todas as surpresas de falha e falta de realização que o apóstolo diz: "Deus não expulsou o seu povo que conheceu antes", Romanos 11: 2; isto é, ele tem feito boas as suas promessas para eles, mesmo para aqueles entre os judeus que ele assim, conheceu antes, para também "predestiná-los a se conformarem com a imagem de seu Filho", cap. 8:29: assim, fora de todo Israel salvo "todo o Israel", mesmo todo o Israel de Deus. Que um propósito discriminatório de Deus se destina a essa expressão já foi declarado, e o Senhor ajudando, será mais manifestado. A promessa como aqui mencionada tem um duplo uso: - 1. É oferecida como um incentivo à obediência a esse povo inteiro; em referência a que ele disse a eles que "se, porém, perseverardes em fazer o mal, perecereis, assim vós como o vosso rei.", 1 Samuel 12:25. Nas ameaças terríveis que Deus faz contra os ímpios e os impenitentes, ele tem um fim para cumprir em referência aos seus santos, para os seus próprios, para que eles conheçam o seu terror e conheçam a abominação do pecado. E, em suas promessas, destinadas diretamente a eles, ele se propõe a realizar sobre os mais ímpios, até descobrir sua aprovação daquilo que é bom, para que possam ser deixados inexcusáveis. 2. Foi um testemunho de sua boa vontade para o seu remanescente, para o seu povo chamado de acordo com o seu propósito eterno, no meio de seu povo por profissão externa, e de sua presença com eles, sob a realização da ameaça mencionada sobre a generalidade dessa nação. Ele não os abandonou quando as pessoas em geral e seu rei foram destruídos. Seja qual for a dispensação externa que ele traga sobre o todo, o amor e a graça da promessa certamente serão reservados para eles; como, Isaías 4: 2-4, o "remanescente", os que "escaparam em Israel", os que foram "escritos para a vida", obterão, quando os demais forem destruídos ou endurecidos. Assim, o Salmo 89: 30-37, "Se os seus filhos deixarem a minha lei, e não andarem nas minhas ordenanças, se profanarem os meus preceitos, e não guardarem os meus mandamentos, então visitarei com vara a sua transgressão, e com açoites a sua iniquidade. Mas não lhe retirarei totalmente a minha benignidade, nem faltarei com a minha fidelidade. Não violarei o meu pacto, nem alterarei o que saiu dos meus lábios. Uma vez para sempre jurei por minha santidade; não mentirei a Davi. A sua descendência subsistirá para sempre, e o seu trono será como o sol diante de mim; será estabelecido para sempre como a lua, e ficará firme enquanto o céu durar." Uma suposição é feita de tais caminhadas na semente espiritual e prole do Senhor Jesus Cristo (que no salmo é digitado por Davi), que o Senhor será como se fosse obrigado a lidar com eles por suas iniquidades e transgressões: ainda a sua "bondade amorosa", que deve permanecer com Cristo em referência à preservação de sua semente; sua "fidelidade", que não falhará; sua aliança e seu juramento serão feitos bem ao máximo. É suposto (o que é o pior que se pode supor) que, em certo grau, pelo menos por algum período, eles podem abandonar a lei, não guardar os mandamentos e profanar os estatutos de Deus (que continua sendo o fardo dos pobres crentes até hoje); no entanto, o pior com que o Senhor os ameaça com essa conta, quando eles poderiam ter esperado que ele descartasse totalmente tais pobres criaturas, é só isso: "Eu os visitarei com uma vara e com açoites", eles terão o que quer que esteja dentro da direção de correção ou aflição; a vara e os açoites devem estar sobre eles, e que seja um corretor externo ou uma deserção interna. Mas o Senhor não prosseguirá mais? Será que ele não vai expulsá-los para sempre e se livrar de uma geração tão provocadora? "Não", diz o Senhor; "Há cinco coisas no caminho, de cuja conta eu não posso lidar assim com elas". Todos consideram as mesmas pessoas, como é evidente a partir da antítese que está no discurso. 1. Existe a minha bondade amorosa, diz Deus, que é eterno e imutável; pois "eu os amo com um amor eterno", Jeremias 31: 3. Isso não posso tirar completamente. Embora possa estar escondido e eclipsado quanto à aparência e influências dele, ainda que não seja removido sobre a realidade. Embora eu os elimine e os corrija, a minha misericórdia continuará com eles. E então, diz ele, - 2. Há minha fidelidade, que eu tenho engajado neles; que, o que quer que façam (isto é, que eu os sofra por fazerem, ou que eles façam mediante a suposição da graça da aliança (Isaías 43: 22-26) com a qual eles são fornecidos), embora eles se comportem muito tolamente e com dureza, ainda assim devo cuidar deles, - e isso não deve falhar. 2 Timóteo 2:13: "Ele permanece fiel; ele não pode negar a si mesmo." E nesta fidelidade, diz Deus, tenho me envolvido em três coisas: (1.) Na minha aliança que eu fiz com eles para ser seu Deus, e em que eu prometi que eles serão meu povo; em que também fiz uma abundante provisão de misericórdia e graça por todas as suas falhas. E isso não deve ser quebrado; minha fidelidade está nele, e deve obedecer. O meu pacto de paz que faço com eles é uma aliança eterna; é "uma aliança eterna, ordenada em todas as coisas e segura", 2 Samuel 23: 5; Ezequiel 37:26; É uma aliança de paz, uma aliança eterna. (2.) "Na coisa que saiu dos meus lábios", ou a graça e o amor que eu falei na promessa. Aqui também sou fiel, e isso não deve ser alterado. Todas as minhas promessas são sim e amém em Cristo Jesus, 2 Coríntios 1:20. E, - (3) Por fim, tudo isso, eu confirmei com um juramento: "Tenho jurado por minha santidade", e "Não vou mentir". Então, em todas essas coisas imutáveis, em que é "impossível para Deus para mentir", ele tem um grande consolo para aqueles que acreditam. (Hebreus 6:18). Embora, então, a semente de Cristo, que ele deve ver no relato de seu sofrimento por eles (Isaías 53:10), cometa o pecado e transgrida, mas Deus impôs todas essas obrigações graciosas sobre ele próprio para reduzi-los por correção e aflição, mas nunca para a sentença final de rejeição total para este propósito, eu digo, são as palavras no texto de Samuel agora mencionadas: 1. A questão da promessa, ou o que ele promete ao povo, é: "ele não vai abandoná-los". Deus não abandona. Não está despreocupado em afastá-los, mas ter uma continuação ativa com eles no amor e na misericórdia. Ele não exerce um puro ato negativo de sua vontade em relação a qualquer pessoa. A quem ele não odeia, ele ama. Então, em Hebreus 13: 5, estas palavras: "Eu não vou abandonar você", mantêm um suprimento contínuo de todas aquelas necessidades em que estamos expostos, e o que de sua presença recebemos. "Eu não vou abandoná-los" é: "Eu continuarei minha presença com eles, um Deus em aliança". Então, ele expressa sua presença com eles, Isaías 27: 3: "Eu, o Senhor, o guardo; eu vou regá-lo a cada momento: para que ninguém magoe-o, eu vou guardá-lo de noite e de dia." Ele permanece com sua vinha, de modo a mantê-la e a preservar de ser destruída. Mas pode não ser surpreendido, em um momento ou outro, na desolação? Não; disse ele: "Vou mantê-lo de noite e de dia." Mas e se essa vinha se revelar estéril? O que ele fará então? Não, mas ele irá lidar com isso para que nunca seja tão estéril que a faça ser arrancada. Sua presença é acompanhada de graça e bondade. "Vou regá-lo", diz ele; e isso não de vez em quando, mas "a cada momento". Ele derrama fontes frescas de seu Espírito sobre isso para torná-lo frutífero. Daí se torna "uma vinha de vinho tinto", versículo 2; o melhor vinho, o mais delicioso, o mais precioso, para alegrar o próprio coração de Deus, como em Sofonias 3:17: "O Senhor teu Deus está no meio de ti, poderoso para te salvar; ele se deleitará em ti com alegria; renovar-te-á no seu amor, regozijar-se-á em ti com júbilo." Ele os faz assim, que saem de Jacó para enraizar-se; ele faz florescer e brotar Israel, e enche a face do mundo com frutos. Isto é o que Deus promete ao seu povo: ele não os abandonará, ele sempre lhes dará sua presença, na bondade e nas provisões de um Deus em aliança, para protegê-los dos outros, para torná-los frutíferos para si mesmo. Este é o seu não abandoná-los. Ele os preservará dos outros; quem os tirará da mão dele? "Ele vai trabalhar, e quem o impedirá?" 2. A razão pela qual o Senhor não abandonará o seu povo, por que ele continuará fazendo-lhes bem, é expressado com estas palavras: "Por causa do seu grande nome". Aqui duas coisas são consideráveis: - (1.) Uma exclusão tácita de qualquer coisa em si, para a qual, ou em consideração de que, Deus continuará constantemente com eles. Não é por causa deles, por qualquer coisa neles, ou pelo que eles fizeram, pode ou pode fazer, não é por conta de qualquer condição ou qualificação qualquer que possa ou não ser encontrada neles, - mas apenas pelo amor de seu nome; o que, segundo o caso, ele expressa plenamente, Ezequiel 36:32: "Não é por amor de vós que eu faço isto, diz o Senhor Deus, notório vos seja; envergonhai-vos, e confundi-vos por causa dos vossos caminhos, ó casa de Israel." A verdade é que eles podem provar como, em todos os relatos, merecem ser rejeitados, - que nada em aparência, ou em seu próprio sentido, assim como outros, embora a raiz do assunto esteja neles, pode ser encontrado sobre eles, quando Deus se deleita com eles; como aqueles que descreveu em geral, Isaías 43: 22-25: "Contudo tu não me invocaste a mim, ó Jacó; mas te cansaste de mim, ó Israel. Não me trouxeste o gado miúdo dos teus holocaustos, nem me honraste com os teus sacrifícios; não te fiz servir com ofertas, nem te fatiguei com incenso. Não me compraste por dinheiro cana aromática, nem com a gordura dos teus sacrifícios me satisfizeste; mas me deste trabalho com os teus pecados, e me cansaste com as tuas iniquidades. Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim, e dos teus pecados não me lembro." Parece impossível quase qualquer criatura apreender que Deus não os desconsidere para a confusão eterna. Sim, talvez eles possam estar afligidos em suas loucuras e lutar contra Deus quando ele for curá-los. Isaías 57:17: "Por causa da iniquidade da sua avareza me indignei e o feri; escondi-me, e indignei-me; mas, rebelando-se, ele seguiu o caminho do seu coração." A iniquidade é sobre eles, uma iniquidade vil, "a iniquidade da avareza", Deus se irrita com eles, e fere, e se esconde, e eles continuam furiosamente. E, no entanto, por tudo isso, ele "não os abandona para sempre", ele permanece para ser seu Deus; e isso porque o fato dele não é ter em consideração aquilo que eles são, foi ou será, mas ele o faz pelo amor de seu nome, e em relação àquilo que ele fará por eles. E sobre este relato, essa promessa de que Deus permanece e continua com a dele, deixe a graça nunca ser tão fraca, a corrupção nunca tão forte, tentativas nunca tão violentas, podem ser invocadas; e o Senhor se alegra de se lembrar do santo ou crente mais fraco, mais frágil e pecador do mundo. (2.) A causa ou razão é expressa positivamente por que Deus não os abandonará: é "por causa de seu grande nome". Seu grande nome é tudo o que ele consulta com relação à sua continuação com seu povo. Ele se chama, Isaías 43:25: "Eu sou aquele que afasta as tuas transgressões por causa de mim mesmo", isto é, "por nenhuma outra causa no mundo que possa ser encontrada em ti ou sobre ti". O "nome" de Deus é tudo o que para nós é conhecido; todos os seus atributos, toda a sua vontade, - toda a sua glória. Quando Deus diz que faz qualquer coisa por seu nome, é a causa e o fim do que ele faz, ou o princípio de onde com o motivo, por isso ele o faz, que é por ele pretendido. No primeiro sentido, fazer uma coisa por causa do seu nome é fazê-lo pela manifestação de sua glória, para que ele possa ser conhecido por ser Deus na excelência dessas perfeições, pelas quais ele se revela, e com mais frequência em especial em relação à sua fidelidade e graça. É nessas propriedades que se dá a conhecer, e é exaltado nos seus corações. Então, todas as suas dispensações em Jesus Cristo são para "o louvor da glória da sua graça", Efésios 1: 6, para que ele seja exaltado, levantado, feito conhecer, acreditar e receber como um Deus que perdoa a iniquidade no Filho de seu amor. E, neste sentido, seja dito que o Senhor permanece com seu povo "por amor de seu nome", pela exaltação de sua glória, para que ele seja conhecido por ser Deus fiel em aliança e imutável em seu amor, que não "rejeita para sempre" aqueles a quem ele recebeu uma vez em favor. Não entrará no coração dos crentes, por vezes, por que o Senhor deve lidar com eles como ele faz, e não expulsá-los. Suas almas podem descansar quanto a isso. Ele mesmo é glorioso aqui; ele é exaltado, e faz isso com essa conta. Se, por seu "nome", você entender o princípio de onde ele trabalha, e seu motivo para isso, pois compreende a natureza inteira, graciosa, terna e imutável de Deus, conforme ele se revelou em Jesus Cristo, em quem seu nome está, Êxodo 23:21, e que ele encarregou a ele manifestar, João 17: 6; então, evidentemente, duas coisas em Deus estão comprometidas, quando ele promete trabalhar pelo amor de seu nome, ou de acordo com o seu grande nome: - [1.] Seu poder ou suficiência. Ao engajar o nome de Deus no nome de seu povo, Moisés invoca com cuidado este último ou parte dele, Números 14: 17-19. Deus deu o seu nome ao seu povo; e isso está envolvido naquela misericórdia, que ele proferirá o seu poder para perdoar, curar e fazer-lhes bem, na sua preservação: Deixe o poder de meu Senhor ser grande, de acordo com o que você tem falado, dizendo: "O Senhor é longânimo", etc. E como, quando ele trabalha por seu nome, o caminho pelo qual ele o fará é de acordo com a grandeza de seu poder, então a fonte e o aumento de onde fará é, - [2.] Sua bondade, amor, paciência, misericórdia, graça, fidelidade, em Jesus Cristo. E assim, sob o título de seu "nome", ele chama criaturas pobres, aflitas, sem esperança e desamparadas (sobre qualquer outra conta no mundo), pessoas prontas para serem engolidas em desconsolação e tristeza, para descansar sobre ele: Isaías 50:10: "Quem há entre vós que tema ao Senhor? ouça ele a voz do seu servo. Aquele que anda em trevas, e não tem luz, confie no nome do Senhor, e firme-se sobre o seu Deus.", (João 17: 6,26; salmo 22:22, 63: 4, 69:30). Quando todas as outras prisões desapareceram, quando a carne falha e o coração falha, então Deus chama almas pobres a descansar sobre este nome dele. Assim, o salmista, Salmo 73:26, "A minha carne e o meu coração falham", toda força, natural e espiritual, falha e se foi: "Mas Deus é a força do meu coração", diz ele, "e minha porção para sempre". "Agora, este é o único motivo também da continuação de Deus com o dele: ele o fará porque ele mesmo é bom, gracioso, misericordioso, amoroso, terno; e ele apresentará essas propriedades ao máximo em seu favor, para que esteja bem com elas, levantando, exaltando e fazendo graça ao fazê-lo. Isto expressa enfaticamente cinco vezes em um versículo: Isaías 46: 4 - "Até a vossa velhice eu sou o mesmo, e ainda até as cãs eu vos carregarei; eu vos criei, e vos levarei; sim, eu vos carregarei e vos livrarei." Isto, então, eu digo, é o motivo e o fundamento, este é o principal objetivo e fim, no qual o Senhor "não abandonará o seu povo". 3. O aumento de toda essa bondade, longanimidade e fidelidade de Deus ao seu povo, quanto ao seu exercício, também é expressado, e esse é o seu bom prazer: "Por ter agradado ao Senhor fazer-lhe o seu povo". Esta é a fonte de todos os bens mencionados. Deus é essencialmente em si mesmo de uma natureza boa, graciosa e amorosa; mas ele age todas estas propriedades, quanto às suas obras que são exteriores, "segundo o conselho de sua própria vontade", Efésios 1:11, de acordo com o propósito que ele propõe em si mesmo, e seus propósitos, todos eles, não têm outra causa, senão a sua própria vontade. Por que o Senhor nos fez o seu povo, para quem ele pudesse agir de acordo com as propriedades graciosas de sua natureza, sim, e exercitá-las ao máximo em nosso favor? Foi porque nós éramos melhores do que outros? Porque fizemos sua vontade? Andamos com ele? Ele declarou que deveríamos ser seu povo sob a condição de que fizemos isso e aquilo? Em nenhum desses ou motivos semelhantes de proceder, ele faz isso, mas simplesmente porque "isso lhe agrada, que nos faça seu povo", Mateus 11:26. E devemos lembrar que aquele que nos levou a ser seu povo, apesar da nossa alienação universal dele, o fez por conta de seu próprio prazer, o que o levou a fazer com que ele fosse seu povo (isto é, obediente, crendo, separado do mundo). Assim é a misericórdia de Deus em não abandonar seu povo resolvido em seu princípio original, ou seja, seu próprio prazer na escolha deles, prosseguido pela bondade e imutabilidade de sua própria natureza para a questão designada. Esta é, portanto, a soma deste argumento: que trabalho ou desígnio, o Senhor entende apenas por seu próprio prazer ou apenas em resposta ao propósito que ele propõe em si mesmo e compromete-se a prosseguir com piedade pelo amor de seu nome, levando-o assim a remover ou impedir qualquer coisa que possa dificultar o cumprimento desse propósito, trabalho ou desígnio, que ele permanecerá inalterável até o fim; mas este é o estado da companhia do Senhor, para permanecer, com o seu povo, manifestado como sendo grande. Deixe-nos adicionar no próximo lugar o do salmista: Salmo 23: 4-6, "Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam. Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos; unges com óleo a minha cabeça, o meu cálice transborda. Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida, e habitarei na casa do Senhor por longos dias." O salmista expressa uma grande confiança no meio de problemas e pressões inexplicáveis. Ele supõe "caminhar pelo vale da sombra da morte". Como "a morte" é o pior dos males e abrangente de todos eles, então a "sombra" da morte é a representação mais sombria desses males para a alma e o "vale" daquela sombra, o mais terrível fundo e profundidade dessa representação. Portanto, o profeta supôs que ele poderia ser trazido para dentro disto. Uma condição em que ele pode estar sobrecarregado com grandes apreensões da chegada de uma confluência de todo tipo de males sobre ele, e não por uma curta temporada, mas pode ser necessário caminhar neles, o que denota um estado de alguma continuidade, um conflito com os males mais sombrios, e em sua própria natureza tendendo à morte, - é o suposto. O que, então, ele faria se ele fosse trazido para esta condição? Ele disse: "Mesmo nessa condição, em tal angústia, em que eu estou, para mim e para os olhos dos outros, sem esperança, desamparado, ido e perdido, não temerei nenhum mal." Uma resolução nobre, e um bom fundamento suficiente para isso, para que não haja a incerteza e a confiança infundada, mas a verdadeira coragem espiritual e a santa resolução. Disse ele: "É porque o Senhor está comigo". Mas, infelizmente! e se o Senhor agora te abandonar nesta condição e te entregar ao poder dos teus inimigos, e te fazer sofrer, pela força das tuas tentações, com que estás acossado, para que se afaste dele? Certamente, você seria engolido para sempre; as águas iriam cobrir a sua alma, e você deve se deitar sempre nas sombras da morte. "Sim", diz ele, "mas tenho a certeza do contrário; a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida". "Mas isso," dizem alguns, "é uma persuasão muito desesperada. Se você tem certeza de que a bondade e a misericórdia lhe seguirão todos os dias da sua vida, então viva como lhe agrade, tão vagamente quanto a carne possa desejar, como Satanás pode pedir-lhe. Certamente, essa persuasão é adequada apenas para induzir em você um alto desprezo de uma caminhada humilde e íntima com Deus. Que outra conclusão possivelmente faça dessa presunção, senão apenas isso: "Posso, então, fazer o que eu quiser, o que eu quero; que a carne tome o seu alcance em todas as abominações, não importa, a bondade e a misericórdia me seguirão." Infelizmente! diz o salmista, "esses pensamentos nunca entraram no meu coração. Eu acho essa persuasão, através da graça dAquele em quem é eficaz, para gerar resoluções contrárias. Isto é o que eu sou, segundo o presente testemunho, determinado em: "Eu habitarei na casa do Senhor para sempre. Vendo que a bondade e a misericórdia seguir-me-ão todos os dias da minha vida, vou habitar em sua casa para sempre." Há, então, estas duas coisas neste último verso gravadas para o propósito em mãos: 1. A garantia do salmista da presença de Deus com ele "para sempre", e que, com bondade e misericórdia perdoadora, por conta de sua promessa para ele. "Bondade ou benignidade", diz ele, "me seguirão em todas as condições, para me ajudar e libertar minha alma, mesmo do vale da sombra da morte". Uma conclusão como a de Paulo, em 2 Timóteo 4:18, "E o Senhor me livrará de toda má obra, e me levará salvo para o seu reino celestial; a quem seja glória para todo o sempre. Amém." Tendo o versículo 17, dado testemunho da presença de Deus com ele na sua grande prova, quando ele foi levado diante desse monstro devastador, Nero, dando-lhe a libertação, ele manifesta no versículo 18 que a presença de Deus com ele não só era eficaz para uma libertação, mas que o guardaria "de todas as obras malignas", não só da imprudência, crueldade e opressão de outros, mas também de qualquer conduta ou trabalho próprio, que deve colocar uma barreira contra o seu gozo e a preservação completa para o reino celestial para o qual ele foi designado. Por que razão, agora, pode-se imaginar por que outros santos de Deus, que têm as mesmas promessas de Davi e Paulo, estas que lhes são providas na mão do mesmo Mediador, sendo igualmente levados na mesma aliança de misericórdia e paz com eles, não façam a mesma conclusão de misericórdia com eles, ou seja, "que a misericórdia e a bondade de Deus os seguirão" todos os dias de suas vidas; para que sejam libertados de todas as obras do mal e sejam preservados no reino celestial de Deus? 2 Coríntios 1:20 – “Pois, tantas quantas forem as promessas de Deus, nele está o sim; portanto é por ele o amém, para glória de Deus por nosso intermédio.” Para voar daqui para a revelação imediata, como se Deus tivesse assegurado de forma particular e imediata algumas pessoas de sua perseverança, o que gerou neles uma confiança em que outros não podem compartilhar com eles, além de que é destrutivo todo o vigor e a força da diversidade, se nem todos os argumentos produzidos contra a perseverança dos santos, não é neste lugar de qualquer peso, ou em parte relativo ao negócio em mãos; pois é evidente que um deles, o próprio Davi, está confiado no testemunho comum da relação de Deus com todos os seus santos, como ele é seu pastor, aquele que cuida deles, e verá, não só enquanto permaneça com eles, que eles terão pastagem e refrigério, mas também os encontrarão em suas andanças, e não sofrerão que nenhum deles seja completamente perdido. E ele é um pastor com igual cuidado e amor para todos os seus santos como ele era para Davi. Ele lhes dá a todos "as fieis misericórdias de Davi", a mesma misericórdia contida e envolvida na promessa que lhe foi dada, e que, em virtude disso, ele desfrutava, com o que ele recebeu de Deus na relação da aliança em que ele se encontrava, Isaías 55: 3. E para Paulo, é mais evidente que ele estabeleceu sua confiança e consolo apenas na promessa geral da presença de Deus com ele, de que ele "nunca os abandonará nem desamparará",  mas será seu Deus e "guiará até a morte", nem há a menor indicação de qualquer outro fundamento de sua consolação aqui. Agora, estas são coisas em que cada crente, mesmo o mais fraco do mundo, tem uma participação e interesse iguais com Paulo, Davi ou qualquer um dos santos em suas gerações, o que deve estar no seu caminho, mas que eles também podem crescer até essa garantia, sendo chamados a isso? Eu digo, eles podem crescer até ele. Não digo que todos os crentes possam, com a mesma garantia de espírito, se gloriarem no Senhor e na continuação de sua bondade para com ele, - o Senhor sabe que somos muitas vezes fracos e sombrios, e sem uma pequena perda, mesmo quanto ao principal interesse em promessas de Deus; - mas há uma garantia igual nas próprias coisas de que falamos, sendo tão certo que a bondade e a misericórdia de Deus os seguirão todos os dias, como fez a Davi, e como é  certo de que Deus os livrará de toda obra maligna e preservá-los-á para o seu reino celestial, como fez com Paulo, eles também podem crescer, e deve prover segurança e consolo para eles. A quem a misericórdia e a bondade seguirão todos os dias, e quem será de Deus preservado de todas as obras malignas, nunca poderá cair totalmente e, finalmente, fora do favor de Deus. Que este é o estado e a condição dos crentes é manifestado a partir dos exemplos dados de Davi e Paulo, testemunhando sua plena persuasão e segurança sobre essa condição em motivos comuns a eles com todos os crentes. 2. A conclusão e a inferência que o salmista faz com ele, a partir da certeza que ele teve da continuidade da bondade e misericórdia de Deus, segue as palavras: "Todos os dias da sua vida ele habitaria na casa do Senhor." Ele sempre estaria em sua adoração e serviço. “Vendo que isso, é o caso da minha alma, que Deus nunca me abandonará, deixe-me responder a este amor de Deus na minha constante obediência". Agora, essa conclusão decorre do princípio anterior em uma dupla razão - (1.) Como é um motivo para isso. A continuação da bondade e misericórdia de Deus para com uma alma é um motivo restritivo para aquela alma para continuar com ele em amor, serviço e obediência; ele funciona poderosamente sobre um coração de uma forma nobre com a graça para fazer um retorno adequado, na medida do possível, a uma misericórdia e bondade tão eminentes. Eu professo que não sei o que esses homens pensam que os santos de Deus sejam, que pensam que eles podem fazer conclusões de indignação e rebelião em relação à firmeza do amor e da bondade de Deus para eles. Não julgarei quanto a seu estado e condição; no entanto, não posso deixar de pensar que os preconceitos e a plenitude desses homens de suas próprias persuasões se interpõem extremamente em seus espíritos de receber essa impressão desta graça de Deus que, em sua própria natureza, é capaz de dar, ou seria impossível imaginar uma vez isso, pois é por si só, capaz de atrair os espíritos dos homens para uma negligência e desprezo de Deus. (2.) Como o fim de Deus, destinado a dar essa garantia, ao fato de que é extremamente operacional e efetivo. Então você tem, Lucas 1: 74,75. Esta é a intenção de Deus em confirmar o seu juramento que nos prometeu: "de conceder-nos que, libertados da mão de nossos inimigos, o servíssemos sem temor, em santidade e justiça perante ele, todos os dias da nossa vida." Agora, embora estes acima mencionados, com muitos outros textos da Escritura, são claros, evidentes e cheios para o negócio que temos em mãos.

Todo o Salmo 125 pode, no próximo lugar, ser trazido para testemunhar a verdade em mãos. Só tomarei uma prova dos dois primeiros versículos: "Aqueles que confiam no Senhor são como o monte Sião, que não pode ser abalado, mas permanece para sempre. Como estão os montes ao redor de Jerusalém, assim o Senhor está ao redor do seu povo, desde agora e para sempre." Ao que responde o Salmo 37:28: "Pois o Senhor ama a justiça e não desampara os seus santos. Eles serão preservados para sempre, mas a descendência dos ímpios será exterminada.", como também Deuteronômio 33: 3, "sim, ele ama o seu povo; todos os seus santos estão na sua mão". Nos versos mencionados, comentarei as duas coisas que conduzem ao nosso propósito, que evidentemente estão contidas neles: 1. Uma promessa da presença eterna de Deus com seus santos, crentes, aqueles que confiam nele, e a firmeza deles: "Serão como o monte de Sião, que não pode ser removido", e isso porque "O Senhor está ao  redor deles", e "para sempre". 2. Uma comparação alusiva de ambos, tanto a sua estabilidade como a presença de Deus com eles, dados para encorajar os crentes fracos, com especial atenção aos dias em que a promessa foi feita pela primeira vez, que também pertence àqueles a quem os fins dos tempos são chegados. Levantam os olhos com o salmista e olhem para o monte Sião e para as colinas que estavam ao redor de Jerusalém, e dizem que Deus com certeza e seguramente continuará com eles e lhes dará o estabelecimento como as colinas e montanhas que eles contemplaram permanecendo em seus lugares; de modo que seja tão impossível para todos os poderes do inferno expulsá-los do favor de Deus, como para que um homem arranque o monte de Sião pelas raízes, ou para derrubar os alicerces das montanhas que se aproximam de Jerusalém. É verdade, o Espírito Santo tem especial atenção para as oposições e tentações que eles devem sofrer com os homens, mas também tem igual respeito a todos os outros meios de separá-los de seu Deus. Seria uma questão de pequena consolação para eles que os homens não prevalecessem sobre eles para sempre, se, entretanto, houver outros adversários mais próximos e poderosos, que podem derrubá-los com uma destruição perpétua. Algumas poucas considerações da intenção do lugar servirão para fazer cumprir o nosso argumento a partir desta porção da Escritura: - 1. O que aqui é prometido aos santos é uma preservação perpétua deles na condição em que estão; tanto por parte de Deus, "ele está ao redor deles desde então e para sempre", e em suas partes, "eles não devem ser removidos", isto é, do estado e condição de aceitação com ele, onde eles devem estar, e permanecer para sempre, e continuar nele imóvel no final. É, digo, uma promessa simples de sua continuidade naquela condição em que estão, com a segurança deles, daí, e não uma promessa de algum outro bem desde que continuem nessa condição. Eles estão sendo comparados às montanhas e sua estabilidade, que consiste no seu ser e continuação assim, que não admitirá nenhum outro sentido. Como o monte Sião permanece em sua condição, eles também devem; e, à medida que as montanhas sobre Jerusalém continuarem, assim o Senhor e a sua presença para eles. 2. Essa expressão que é usada, no versículo 2, é pesada e usada para este propósito: "O Senhor está ao redor do seu povo, desde agora e para sempre." O que pode ser falado mais plenamente? Qualquer expressão de homens pode indicar a verdade que temos em mãos? O Senhor está ao redor deles, não para salvá-los dessa ou daquela incursão, mas de todas; não de um ou dois males, mas de todos. Ele está com eles, e se moverá por todos os lados, para que nenhum mal venha a prevalecer sobre eles. É uma expressão mais completa da preservação universal, ou de Deus guardando seus santos em seu amor e favor, em todos os relatos de qualquer tipo; e isso não por uma temporada apenas, mas é "doravante", desde que ele dá essa promessa às suas almas em particular, espere seu recebimento de todas as gerações, de acordo com seus tempos marcados, "para sempre". Algumas exceções, com um grande excesso de palavras e frases, para fazê-los parecer outras coisas do que antes insistiam repetidamente, são avançadas pelo Sr. John Goodwin (Nota do tradutor: foi contemporâneo do autor, tendo vivido de 1594–1665), para derrubar este monte Sião e para derrubar as montanhas que estão ao redor de Jerusalém, cap. 11 seita. 9, pp. 230-232. A soma do nosso argumento, portanto, a partir da intenção deste lugar, é esta: Aqueles a quem o Senhor certamente conservará para sempre no estado e condição de confiar nele, nunca serão abandonados dele nem separados dele. A última frase desta proposição é aquilo que defendemos, a totalidade daquilo cuja prova nos incumbe. Com isso, a parte anterior é uma base e fundamento suficientes, sendo abrangente de tudo o que é ou pode ser requerido para o estabelecimento inquestionável do que, do texto, assumimos. Mas Deus seguramente preservará para sempre todos os seus santos que confiaram nele, ao fazê-lo, para que não sejam alterados ou derrubados desse estado e condição. Mude, senão as expressões figurativas no texto e as alusões usadas para acomodar sua fé em particular a quem esta promessa foi dada pela primeira vez, em outros termos de uma significância direta e apropriada, e o texto e a assunção do nosso argumento aparecerão ser o mesmo; de onde a conclusão pretendida seguirá indubitavelmente. Com esta dedução clara da verdade defendida por este lugar da Escritura, o discurso que se segue, no lugar mencionado, é oposto: 1. “A promessa assegura aos que confiam no Senhor que eles devem ser preservados, mas nada em que os que confiam nele devam necessariamente fazê-lo ainda. Então, Paulo disse: "Estava em meu coração viver e morrer com os Coríntios", mas, sem dúvida, com essa condição, que eles continuaram sempre como eram, ou quando ele os apreendeu, quando ele assim escreveu para eles." Resposta: Devo ser forçado a golpear essa evasão uma e outra vez por ser tão frequentemente usada por nosso adversário. Esta é a substância de tudo o que é cem vezes utilizado: "A promessa é condicional e feita àqueles que confiam no Senhor, e deve ser feita apenas na conta de continuarem a fazê-lo; mas que eles devem fazê-lo, para que continuem a confiar no Senhor, que são inteiramente deixados para si mesmos, e não no mínimo empreendido na promessa." E isso é chamado de" descarregar ou destituir textos da Escritura do serviço ao qual, contrariamente ao seu senso e significado apropriados. Para falar na unicidade do nosso espírito, não podemos ver nenhum dos soldados que retornaram do campo, onde há muito serviram para a segurança e consolo daqueles que acreditam. Particularmente, esta Escritura assegura-lhes isso. Confiem no Senhor para que sejam preservados nessa condição até o fim; que, na condição de confiar e depender de Deus, serão como Sião, e o favor de Deus para eles é como os montes inabaláveis; ele estará para sempre com eles e sobre eles; e que tudo isso certamente acontecerá. Cristo não diz que eles serão como montanhas estabelecidas se continuarem a confiar no Senhor, mas serão tão confiantes, permanecendo lá para sempre, através da salvaguarda da presença de Deus. Para continuarem confiando no Senhor, não há nada no texto, nem no nosso argumento a partir daí, nem na doutrina que mantemos, que exige ou irá admitir qualquer processo desse tipo da parte de Deus, como por essa expressão é propriamente significado. Na verdade, há uma contradição em termos, se eles são usados ​​para o mesmo propósito. Confiar no Senhor é o ato voluntário e gratuito da criatura. E ser necessário para este ato e na sua realização, para que ele seja feito necessariamente quanto à maneira de fazer, é totalmente destrutivo para a natureza e o ser dele. Que Deus possa efetivamente e infalivelmente quanto ao evento fazer com que seus santos continuem confiando nele sem o menor resgate de sua liberdade, sim, que ele seja tão eminente aumentando e avançando sua liberdade espiritual, depois será declarado. Se, por "Necessitarem de continuar confiando", não é o modo de operação de Deus com eles e para eles para a aproximação do fim proposto, e a eficácia de sua graça, por meio da qual o faz (comumente denunciado sob esses termos) mas apenas a certeza do problema, rejeitando a impropriedade da expressão, a própria coisa que afirmamos estar aqui prometida por Deus. Mas é instado, - 2. Ainda diz o Sr. Goodwin: "Que essa promessa não é feita às pessoas de ninguém, mas apenas a suas qualificações; assim, "aquele que crer será salvo", é feito para a graça da confiança, da obediência e da caminhada com Deus; porque as ameaças são feitas às más condições dos homens". Isso parece, então, chegamos (e quanto mais o progresso pode ser feito, o Senhor sabe) às graciosas promessas de Deus, feitas à sua igreja, ao seu povo, no sangue de Jesus, sobre o qual se envolveram com Segurança nas suas várias gerações, não são senão declarações nulas da vontade de Deus, o que ele permite e o que ele rejeita, com a concatenação firme entre fé e salvação, obediência e recompensa. E isso, ao que parece, é o único uso deles: o que, se for assim, me atrevo a dizer com ousadia que todos os santos de Deus desde a fundação do mundo abusaram terrivelmente de suas promessas e as forçaram a outros fins do que nunca Deus os pretendia. Porventura, todas aquelas almas abençoadas que adormeceram na fé de Jesus Cristo, tendo tirado o refresco desses seios de consolação, poderiam ser convocadas para dar em sua experiência do que encontraram nesse tipo, com uma boca professando que eles encontraram muito mais nelas do que simples declarações condicionais da vontade de Deus; sim, que eles as receberam na fé como o compromisso de seu coração e boa vontade com eles, e que ele nunca falhou na realização e no desempenho de todos os bens mencionados nelas. Nem a expressão enfática na dose do segundo verso (que é um pouco difícil para o autor de lidar com ele, deixa-o completamente fora) tem qualquer sentido. Que as promessas da aliança são feitas originalmente para pessoas, e não para qualificações, já foi provado em parte, e serão mais evidenciadas, o que ajudará Deus, como ocasião deve ser oferecida, no discurso que se segue. As promessas são para Abraão e sua semente; e algumas delas, como foi declarado, são as origens de todas as qualificações que sejam aceitáveis ​​para Deus. Quais são as qualificações das promessas de abrir os olhos aos cegos, tirar corações pedregosos, etc, ainda não foi declarado. Mas é mais discutido, - 3. "Que essas e outras promessas semelhantes sejam interpretadas de acordo com o domínio que Deus deu para a interpretação e compreensão de suas ameaças às nações sobre coisas temporais e suas promessas que são da mesma forma de importação, que temos, em Jeremias 18: 7,8, afirmando claramente que toda a sua realização depende de algumas condições nas pessoas ou nações contra as quais são denunciadas." Deus proíba! Todas as promessas que são ramos da aliança eterna da graça, chamadas "melhores promessas" do que as da antiga aliança, por conta de sua realização infalível, ratificada no sangue de Cristo, são "sim e amém" (Hebreus 8 : 6, 2 Coríntios 1:20) nelas, o testemunho da fidelidade de Deus à sua igreja e grande defensor da nossa fé, "grande e precioso" (2 Pedro 1: 4) - devem ser pensados ser de nenhum outro sentido e interpretação, para não nos fazer outra revelação do Pai, mas desse tipo que é comum às ameaças de julgamentos (expressamente condicionais) para dissuadir os homens de seus cursos ímpios e destrutivos? Eu digo, Deus não permita! Para dizer isso, então, para uma questão: Deus prometeu que aqueles que têm confiança nele nunca serão removidos. O que eu pretendo é a condição em que essa promessa depende? "É", dizem os que nos opõem nisso, "se continuarem confiando nele". Ou seja, se não forem removidos; porque continuam confiando nele não devem ser removidos! E essa é a mente do Espírito Santo? Não. Ao longo de toda a retórica do mundo, essa promessa resistirá, para a consolação daqueles que acreditam, como as montanhas sobre Jerusalém, que nunca serão removidas. Por alguns é dito ser "uma promessa de permanecer na felicidade, não em fé." Mas parece ser uma promessa de permanecer em confiança no Senhor, que compreende nossa fé e nossa felicidade. "Não se prometeu que aqueles que confiarem no Senhor permanecerão felizes, embora deixem de confiar nele". É uma promessa de que eles não devem deixar de confiar nele. "Não se diz que será necessário permanecer confiantes nele". Não; mas é que eles serão tão bem assistidos e eficazmente operados para certamente fazê-lo. 2. Paulo amava os coríntios enquanto eles eram como ele mencionou. Deus prometeu a sua graça aos crentes, para que continuem sendo aqueles aos quais ele ama. Objeção do Sr. Goodwin: "Todas as promessas são feitas para qualificações, não para pessoas." Resposta: Isto abaixa a igreja no chão, não tendo nenhuma promessa, por essa razão, feita para ela, como constituída pela semente de Abraão. E, portanto, este testemunho também é libertado de todas as exceções colocadas contra ele e aparece com confiança para dar seu testemunho da imutabilidade de Deus aos crentes. Devo, no próximo lugar, juntar outra parte da Escritura, da mesma importação com os anteriores, em que a verdade na mão não é menos clara e um pouco mais convincente, expressando o que foi mencionado por último. É Isaías 54: 7-10: "Por um breve momento te deixei, mas com grande compaixão te recolherei; num ímpeto de indignação escondi de ti por um momento o meu rosto; mas com benignidade eterna me compadecerei de ti, diz o Senhor, o teu Redentor. Porque isso será para mim como as águas de Noé; como jurei que as águas de Noé não inundariam mais a terra, assim também jurei que não me irarei mais contra ti, nem te repreenderei. Pois as montanhas se retirarão, e os outeiros serão removidos; porém a minha benignidade não se apartará de ti, nem será removido ao pacto da minha paz, diz o Senhor, que se compadece de ti." Este lugar que mencionei antes, mas apenas quanto a uma inferência especial de uma passagem nas palavras; agora vou usar o todo para confirmar a verdade geral deste assunto. As palavras são cheias, simples, adequadas ao negócio em mãos. Nenhuma expressão de nossa descoberta pode alcançar tão plenamente a verdade que afirmamos, muito menos tão trabalhar sobre as afeições dos crentes, ou tão efetivamente prevalecer sobre seus entendimentos para receber a verdade contida neles, como essas palavras do próprio Deus, nos são entregues para estes fins, são adequados para fazer. Vá para homens cujas mentes são, em qualquer medida, livres de preconceitos, não são antecipadas com uma persuasão contrária ou são fornecidas com evasões para a defesa de suas opiniões e perguntam se Deus não está nessas palavras promete direta e positivamente a quem ele fala, que Ele sempre continuará com a sua benignidade até o fim, e que, para os dias da eternidade, seu amor será fixado sobre eles; e eu não tenho dúvida, que eles responderão prontamente: "É mesmo assim; não pode ser negado."

Mas vendo que temos que lidar, com corações não crentes, com os homens que viraram todas as pedras para adulterar este testemunho de Deus, as palavras devem ser consideradas um pouco mais estreitamente e a mente do Espírito Santo declarada.

O verso 7 (“Por um breve momento te deixei, mas com grande compaixão te recolherei”) menciona a deserção da igreja pelo eclipsar dos feixes do semblante de Deus e uma grande aflição por uma temporada; em oposição a cuja deserção momentânea, no início do versículo 8, ele se consolou na segurança das grandes misericórdias e da bondade eterna em que permanece para fazer-lhes bem: "com benignidade eterna me compadecerei de ti"- "Eu vou perdoar e curar-te com essa misericórdia que brota do amor, que nunca teve início, que nunca terá fim, que não pode ser cortada, "bondade eterna". Tenha paciência na sua deserção atual, suas provas presentes, seja o que for que acontecer com você; eles são apenas por uma temporada, mas "por um momento", e estes também são consistentes com essa misericórdia e bondade que é eterna e não se afasta. "Se essa misericórdia e bondade dependem de qualquer coisa em nós, e é resolvida por fim, o que pode alterar e mudar a cada momento, - como a nossa caminhada com Deus, em si mesma, considerada, não relacionada com a falta de mudança de seu propósito e a eficácia de sua graça prometida, é capaz de fazer, - que oposição pode haver entre essa deserção com a qual eles são exercidos e a bondade com que eles são abraçados, como para a sua continuação?

Como isso é dito por um tempo, por "um momento", então isso também pode não ser mais morar. Pode ser como a aboboreira de Jonas, que cresceu pela manhã, e antes da noite estava murcha. O que, então, se tornará o fundamento desse consolo com que Deus renova as almas do seu povo, consistindo na continuação de sua bondade em uma antítese à momentaneidade da sua deserção?

Para que ninguém possa chamar isso de questionário (como nossos corações incrédulos são muito aptos e habilidosos para argumentar contra a verdade das promessas de Deus e sua realização em relação a nós), no versículo 9, o Senhor confirma a garantia anteriormente dada e retira essas objeções às quais, através do sofisma de Satanás e da pureza de nossos próprios corações, pode parecer responsável. "Isto é", diz ele, "como as águas de Noé". O enfrentamento de Deus com eles naquela misericórdia que flui de sua bondade eterna é como tratar com o mundo em matéria das águas de Noé, ou o dilúvio com que foi afogado e destruído, quando ele, com os dele, foi salvo na arca. Ele pediu aos seus filhos que considerassem seus tratos com o mundo em relação ao dilúvio: "Tenho jurado", diz ele (isto é, "eu entrei em uma aliança para esse fim", o que costumava ser confirmado com um juramento de Deus, que é absolutamente fiel em sua aliança, é dito que jura por isso, embora não haja menção expressa de tal juramento), "que o mundo não deveria mais ser afogado como foi. Agora", diz Deus, "veja aqui a minha fidelidade; nunca mais será afogado. Com fidelidade igual eu tenho me comprometido, mesmo em aliança, que essa bondade que eu mencionei a você continuará sempre, para que eu não me induza a repreender-te", isto é, de modo a destruí-lo totalmente, como o mundo foi quando se afogou. "Mas”, alguns podem dizer: "Antes do dilúvio, a terra estava cheia de violência e pecado; e se fosse assim de novo, isso não traria mais uma inundação sobre a terra? Ele disse que não o afogará, apesar de qualquer interposição do pecado, da maldade ou de qualquer rebelião?” Sim, "diz ele", “tal é a minha aliança. Eu tomei conta no meu primeiro compromisso, que a "imaginação do coração do homem é má continuamente", Gênesis 8:21, e, no entanto, entrei naquele pacto solene. Para que esta isenção do mundo de um dilúvio universal não seja um apêndice à obediência do mundo, que tem sido, em alguns relatos, mais perverso do que antes (como na crucificação de Cristo, o Senhor da glória e em rejeitando-o sendo pregado por eles), mas apenas se apoia na minha fidelidade em manter a aliança, e minha verdade na realização do juramento em que eu entrei solenemente. Então é minha bondade para você. Eu fiz provisão expressa para seus pecados e falhas; de modo que eu vou preservá-lo de maneira consistente com a minha bondade com você, e assim eu perdoarei." Quando você vir um dilúvio universal cobrindo a face da terra (isto é, Deus sendo infiel ao seu juramento e aliança ), então, e até então, poderá supor que a Sua bondade possa ser desviada dos crentes.

Algo está excluído contra este testemunho, cap. 11 sec. 4, p. 227, mas de tão pouca importância que não vale a pena deixar de lado a consideração. A soma é que "este lugar fala apenas da fidelidade de Deus em sua aliança; mas que este deve ser o teor da aliança, para que aqueles que crerem verdadeiramente em Deus infalivelmente, e por uma mão forte, contra todas as interposições do pecado, maldade ou rebelião, sejam preservados por tal fé, não é, por meio de qualquer palavra, sílaba ou jota, intimados."

Resposta: Isso é o que é repetido "usque ad nauseam", e não fosse por uma variedade de expressões, com que alguns homens abundassem, para adorná-lo, parece extremamente mendicante e subjugado. Mas uma desculpa (como dizem) é melhor do que nenhuma, ou, sem dúvida, nesse lugar, que não tinha sido usado; porque, - 1. Este testemunho não é chamado a falar imediatamente para a continuação dos crentes na sua fé, mas para a continuação e a inalterabilidade do amor de Deus para com eles e, consequentemente, apenas para a sua preservação na fé sobre essa conta. 2. Não é apenas assumido a uma taxa ou preço barato e muito baixo, mas sim claramente suposto gratuitamente, para que os crentes façam tais "interposições de pecado, maldade e rebelião", em sua caminhada com Deus, como deve ser inconsistente com a continuação de seu favor e bondade para eles, de acordo com o teor da aliança da graça. Agora, quando Deus diz que ele continuará sua bondade para conosco para sempre, apesar do demérito do pecado, como é claramente insinuado nessa alusão às águas de Noé, para que alguém possa dizer que eles podem cair em tais pecados e rebeliões que ele não pode deixar de atrapalhar a sua bondade, é uma tentativa ousada pela violação de sua bondade e fidelidade, e uma simples mendicância da coisa em questão. Certamente, não é um trabalho piedoso, empurrar com violência tais suposições para as promessas de Deus, que impedirá que esses seios deem qualquer consolo, quando nenhum lugar ou espaço para eles aparecem, Não há uma palavra, sílaba, jota ou til, de tais supostos neles. 3. A exposição que é dada a estas palavras, a saber: "Com a condição de sua fidelidade e obediência, que, apesar de qualquer coisa nesta ou qualquer outra promessa, podem se afastar, ele se envolverá para ser um Deus para eles"- é como nenhum santo de Deus, sem a ajuda de Satanás e sua própria incredulidade, poderia afixar-se ao lugar. 4. Nem aquilo que se afronta, a saber: "Que em todos os pactos, - e a promessa dele contenha uma aliança, - deve haver uma condição de ambos os lados:" pois, de bom grado, concedemos isso em sua aliança de a graça de Deus prometer algo para nós e requer algo de nós, e que esses dois têm dependência mútua um sobre o outro; mas também afirmamos que, na própria aliança, Deus comprometeu-se graciosamente a trabalhar efetivamente em nós as coisas que ele exige de nós, e que aqui se distingue principalmente da aliança das obras, que ele aboliu. Mas uma aliança como a que em que Deus deve prometer ser um Deus para nós com uma condição por nós e em nossa própria força para ser cumprido, e no mesmo relato continuar até o fim, não reconhecemos nem podemos, enquanto nossos corações têm algum sentido do amor do Pai, do sangue do Filho, ou da graça do Espírito Santo, e das suas fontes. Não obstante, qualquer coisa que tenha sido desencadeada em oposição a ele, a fé triunfa, do amor de Deus em Cristo, realizado nesta promessa, com toda a certeza de uma aceitação eterna com ele; porque Deus, também, disposto, ainda mais abundantemente, a dar consolo neste lugar ao leme da promessa, assegura a estabilidade de seu amor e bondade a eles por outra alusão: Versículo 10: "As montanhas, diz ele, "partirão", e as colinas serão removidas; mas a minha bondade não se afastará de ti, nem a aliança da minha paz será removida, diz o Senhor, que tem piedade de ti." Ele lhes pede que considerem os montes e as montanhas, e suporem que sejam removidos e partam. "Suponha que as coisas mais improváveis ​​do mundo acontecerão, cuja realização ninguém pode julgar possível enquanto o mundo persistir, mas minha bondade para você é tal que não cairá dentro desses supostos que dizem respeito a tal impossibilidade". Estou extremamente consciente de que toda a exposição das palavras que podem ser usadas, para a sua acomodação à verdade que comentamos, não obscurece e eclipsa a luz e a glória que tem em si mesma, para uma alma crente, lançar-se sobre ela. Agora, para que ninguém pense que haja menor tendência em promessas como estas, tal como são oferecidas aos crentes, para afastá-los de caminhar de perto com Deus. A verdadeira influência que as promessas têm sobre as almas dos santos, é poderosa para movê-los e ajudá-los a responder, o que está nele, aquele amor inexplicável e bondade que o seu Deus e Pai em Jesus Cristo mantém em seus corações. Isto o apóstolo diz a eles, 2 Coríntios 7: 1, "tendo estas promessas" (isto é, aqueles especialmente mencionadas nas palavras que precedem a conclusão e a inferência que o apóstolo faz aqui, capítulo 6:16, 18, "Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo." Portanto, diz: "Purifiquemos-nos de toda a poluição da carne e do espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus." A pureza universal, a santidade e a caminhada íntima com Deus são aquilo que essas promessas exercem e promovem naturalmente nos corações dos crentes. E em 2 Pedro 1: 3-6, esse apóstolo persegue o mesmo: "visto como o seu divino poder nos tem dado tudo o que diz respeito à vida e à piedade, pelo pleno conhecimento daquele que nos chamou por sua própria glória e virtude; pelas quais ele nos tem dado as suas preciosas e grandíssimas promessas, para que por elas vos torneis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo. E por isso mesmo vós, empregando toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude, e à virtude a ciência, e à ciência o domínio próprio, e ao domínio próprio a perseverança, e à perseverança a piedade." As promessas grandiosas e preciosas que nos são dadas em nosso chamado são concedidas para este fim, que "por elas possamos ser feitos participantes da natureza divina". Elas não têm tendência a nos comunicar a natureza do diabo e a nos agitar à rebelião, impureza e ódio ao Deus de todo aquele amor que existe neles; mas repousar, de fato, no fundo, a raiz e o fundamento da prática e exercício de todas as graças que ele enumera e, do recebimento dessas promessas, nos exorta nos seguintes versos. Alguns, eu confesso, podem "transformar a graça de Deus em lascívia", isto é, a doutrina da graça e do perdão do pecado no sangue de Jesus Cristo, - e assim a misericórdia mencionada em promessas como estas, apenas como elas são mencionadas; a graça e a misericórdia comunicadas não podem ser transformadas em indecentes. Mas o que eles fazem? "Homens ímpios, homens ordenados para condenação", Judas 4. Paulo rejeita qualquer pensamento dos corações dos crentes: Romanos 6: 1,2, "Devemos continuar no pecado, para que a graça abunde? Deus proíba!" Não, suponha que essa corrupção natural, aquela carne e sangue, que está nos crentes, seja capaz de fazer uma conclusão como essa, "porque Deus certamente permanecerá conosco para sempre, então, caminhemos descuidadamente e façamos tudo o que podemos fazer", estas promessas não sendo feitas para o uso e exaltação da carne, mas sendo dadas para serem misturadas com a fé, que é cuidadosamente para vigiar contra todo abuso ou corrupção desse amor e misericórdia que é oferecido a nós,  a carne e o sangue não podem ter nenhuma vantagem dada a ela; como deve ser demonstrado de forma mais completa e clara. A conclusão é, então, que a fé deve realizar essas promessas de Deus, e não o que o abuso da carne fará delas. Deixe, então, a fé mais fraca em todo o mundo que é verdadeira e salvadora falar por si mesma, se há alguma coisa na natureza dela que seja capaz de tirar conclusões como estas: "Meu Deus e Pai, em Jesus Cristo, tem graciosamente prometido, em seu infinito amor e misericórdia para mim, através dele em quem ele está satisfeito, que ele será meu Deus e guia para sempre, que ele nunca me abandonará, nem tirará sua bondade de mim para a eternidade. E ele fez isso apesar de que ele viu e sabia que eu iria lidar de forma tola e traiçoeira, que eu precisaria de toda a sua bondade, paciência e misericórdia, para me poupar e me curar, prometendo também me manter fora de tal destruição perversa dele, como para sempre alienar minha alma dele: então, venha, deixe-me continuar com o pecado; deixe-me praticá-lo com toda a desonra. Isto é toda a sensação de que eu tenho de seu amor infinito, esta é toda a impressão de que ele deixa em mim, que eu não preciso amar ele de novo, mas estudo para ser tão vil e tão abominável à sua vista como pode ser imaginado. "Certamente, não há "pavio fumegante", ou qualquer "cana machucada", não há uma alma no mundo que Deus em Cristo alguma vez tenha brilhado, ou tenha deixado cair o menor grão da graça em seu coração, que chegará a uma conclusão como essa como uma explosão do poço sem fundo, um dardo detestável de Satanás, que é tão apropriado para a fé apagar como qualquer outra abominação que seja. Deixe, então, a fé em referência a essas promessas ter o seu trabalho perfeito, não respeitando a uma contemplação delas, mas misturando-se consigo mesma, e sem dúvida haverá a aplicação antes mencionada para a realização da piedade e obediência evangélica no coração dos crentes. Mas eu terei ocasião de falar mais disso depois. “13 Castigá-la-ei pelos dias dos baalins, nos quais elas lhes queimava incenso, e se adornava com as suas arrecadas e as suas joias, e, indo atrás dos seus amantes, se esquecia de mim, diz o Senhor.

14 Portanto, eis que eu a atrairei, e a levarei para o deserto, e lhe falarei ao coração.

15 E lhe darei as suas vinhas dali, e o vale de Acor por porta de esperança; e ali responderá, como nos dias da sua mocidade, e como no dia em que subiu da terra do Egito.

16 E naquele dia, diz o Senhor, ela me chamará meu marido; e não me chamará mais meu Baal.

17 Pois da sua boca tirarei os nomes dos baalins, e não mais se fará menção desses nomes.

18 Naquele dia farei por eles aliança com as feras do campo, e com as aves do céu, e com os répteis da terra; e da terra tirarei o arco, e a espada, e a guerra, e os farei deitar em segurança.

19 E desposar-te-ei comigo para sempre; sim, desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em amorável benignidade, e em misericórdias;

20 e desposar-te-ei comigo em fidelidade, e conhecerás ao Senhor.

21 Naquele dia responderei, diz o Senhor; responderei aos céus, e estes responderão a terra;

22 a terra responderá ao trigo, e ao vinho, e ao azeite, e estes responderão a Jizreel.

23 E semeá-lo-ei para mim na terra, e compadecer-me-ei de Lo-Ruama; e a e Lo-Ami direi: Tu és meu povo; e ele dirá: Tu és o meu Deus.” (Oseias 2.13-23)

Oséias 2: 19,20, também é pertinente para o mesmo propósito: "E desposar-te-ei comigo para sempre; sim, desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em amorável benignidade, e em misericórdias; e desposar-te-ei comigo em fidelidade, e conhecerás ao Senhor." As próprias palavras como elas estão gravadas no texto confirmam diretamente nossa afirmação. A relação em que a Deus aqui expressa que ele fará e levará o seu povo é uma das mais próximas e eminentes que ele lhes oferece, uma relação conjugal, - ele é e será seu marido; que é tão alta expressão da aliança entre Deus e seus santos como qualquer que seja ou possa ser usada. De todos os pactos que estão entre várias pessoas, o que há entre homem e mulher é o mais forte e o mais inviolável. Então, esta aliança é expressada em Isaías 54: 5: "O teu criador é o teu marido; o Senhor dos exércitos é o nome dele." E esta relação que ele afirma, continuará para sempre, com base nas propriedades daqueles que estão envolvidos neste compromisso gracioso para levá-los para si. Ele faz isso "na justiça e no juízo, na bondade amorosa e nas misericórdias e na fidelidade". De modo que, se não houver algo no contexto ou palavras adjacentes, o que, com uma mão alta, nos afastará do primeiro sentido, imediato, aberto e pleno dessas palavras, o caso é, sem dúvida, concluído nelas. Isso, então, devemos considerar, e, portanto, devemos voltar um pouco para o projeto geral de todo o capítulo, pois a evasão de "qualificações" não servirá aqui; Deus desposou as pessoas, não as qualificações. Há duas partes do capítulo: - 1. Que, desde o início, até o versículo 14 contenha a mais terrível cominação e ameaça dos julgamentos do Senhor contra toda a igreja e a comunidade dos judeus, por sua apostasia, idolatria e rebelião contra ele. Não é uma aflição ou um julgamento, ou alguma menor desolação, que Deus aqui os ameaça, mas destruição total e rejeição quanto a todas as igrejas. Ele não os deixará nem em substância, nem em ornamento, estado nem adoração, descrevendo a condição que veio sobre eles em sua rejeição ao Senhor Jesus Cristo. Eles devem ser como no dia em que Deus primeiro olhou para eles, - pobre, nu, em seu sangue, sem pacto, não se formou nem na igreja, nem na comunidade. "Então eu os farei", diz o Senhor. E esta dispensação de Deus, o profeta, expressa com grande temor e terror até o final do versículo 13. 2. A segunda parte do capítulo é retomada e passada, do versículo 14 até o fim, nas promessas celestiais e graciosas da conversão dos verdadeiros israelitas, a semente de acordo com a promessa de Deus, da renovação da aliança com eles, e abençoando-os com todas as bênçãos espirituais em Jesus Cristo até o fim. E aqui estão estas quatro partes: - (1.) Uma promessa celestial de sua conversão pelo evangelho; que ele demonstrou e mostrou comparando a libertação espiritual nele para a libertação que eles tiveram do Egito por uma mão forte, versículos 14, 15. (2.) O livramento deles assim convertidos de idolatria, adoração falsa e todas essas formas por meio das quais Deus foi provocado a expulsar seus antepassados, atendido por sua obediência em estreita caminhada com Deus para sempre, versículos 16, 17. (3.) O sossego e a paz que eles gozam, sendo chamados e purgados de seus pecados antes mencionados; que o Senhor expressa por fazer uma aliança com toda a criação em seu favor, versículo 18. (4.) Uma descoberta da fonte das misericórdias antes mencionadas, com as que também foram insistidas, a saber, a aliança eterna de graça, através da qual Deus fará com toda a fidelidade e misericórdia, trazendo-os a si mesmo, versículos 19, 20, até o fim. Antes de abrirmos mais esses detalhes, algumas objeções devem ser removidas para impedir a inferência pretendida por essas palavras do Sr. Goodwin, cap. seção 8, p. 229. É objetado, - 1. "A promessa do dilema aqui especificada é feita para todo o corpo e a nação dos judeus, bem como os incrédulos como crentes, como aparece no corpo de todo o capítulo". Esta atribuição ao capítulo como um todo é uma prova fraca dessa afirmação. Nem todo o capítulo intima qualquer coisa como tal, senão que expressa o contrário. É a desolação universal e a total rejeição que é atribuída como a porção de incrédulos como tal ao longo deste capítulo. Esta promessa é feita a eles, que "Deus atrai para o deserto, e fala-lhes confortavelmente", que, o que importa, será depois considerado. Sim, e o que é mais, as palavras do versículo 23, que correm no mesmo teor com as promessas particularmente insistidas, e além de todas as exceções são faladas e das mesmas pessoas, são aplicadas pelo apóstolo Paulo, não para toda a nação dos judeus, idólatras e incrédulos, mas para os que foram trazidos ao Senhor Jesus Cristo, e obtiveram a justiça da fé, quando os demais foram endurecidos, Romanos 9:26. Do versículo 24 ao versículo 29, o apóstolo, por vários casos das Escrituras do Antigo Testamento, manifesta que era um remanescente de Israel "de acordo com a eleição da graça" a quem a promessa foi feita: "A nós, a quem Deus chamou, não somente aos judeus, mas também aos gentios; pois assim", diz ele, "está em Oseias" (instância na passagem em que insistimos): "Chamarei meu povo o que não era meu povo; e meu amado o que não era amado. E acontecerá que, no lugar onde lhes foi dito: Não sois meu povo, serão chamados filhos do Deus vivo", o que ele confirma por um testemunho de Isaías 10: 22,23, manifestando que é apenas "um remanescente" a que se destina. Por isso, é contestado, - 2. "Que a promessa é condicional, e a sua realização e das misericórdias mencionadas nela suspendidas sobre o arrependimento desse povo, especialmente de sua idolatria, para o verdadeiro e puro culto de Deus, como aparece nos versos 14, 16, 17; que claramente mostra que também foi feito, e não para aqueles que foram ímpios e idólatras entre esse povo e os outros, como sendo levados a eles principalmente para este fim, para expulsá-los de seus ídolos a Deus." Resposta: Espero que o povo de Deus apenas respeite firmemente seu interesse na doçura, utilidade e consolo dessa promessa, do que para atirar-se sobre flores tão leves e não teológicas; porque, - 1. Existe algum til, jota ou palavra, em todo o texto, para intimidar que essa promessa é condicional e depende do fato de as pessoas abandonarem sua idolatria? Os versículos 14, 16 e 17 são instados a comprovar isso. Deus, de fato, nesses versículos promete graciosamente que, das riquezas da mesma graça de onde ele pronuncia livremente que "ele os engajará para si mesmo", ele os converterá e eles ficarão longe de sua idolatria e de todos os seus pecados; mas que isso deve ser exigido deles como uma condição em que Deus entrará em aliança com eles, não há nada em todo o contexto, a partir do verso 14 e para baixo, que o intime, pelo menos, ou irá aguardar, ele arruinou qualquer sentido , mantendo vários atos distintos da mesma graça livre para o seu povo. 2. Que esta é uma promessa de entrar em aliança com eles não pode ser negado. Agora, que Deus exigiria seu arrependimento como uma prévia e anterior qualificação para recebê-los na aliança, e no entanto, na aliança, compromete-se a dar-lhes esse arrependimento, como ele promete a eles tirar seus corações de pedra e dar-lhes novos corações de carne, é uma contradição direta, cabe apenas para uma parte daquela divindade que é, no todo, uma contradição expressa à palavra e à mente de Deus. 3. Nem pode ser suposto como uma promessa condicional, que lhes é oferecida como um motivo para tirá-los por sua idolatria, quando, antecipadamente, Deus prometeu expressamente fazer isso por eles (versículos 16, 17) com uma poderosa mão e a eficácia da graça, como pode ser bem expressado. Portanto, estas são exceções expressamente contra o alcance do todo, que é objetado, conforme diz o Sr. Goodwin - 3. "Que não se pode comprovar que essa promessa visa adequadamente ou diretamente o agrupamento do bem espiritual ou celestial de coisas para eles, de modo temporal; sim, a situação entre as promessas temporais imediatamente, por trás e antes, persuadem o contrário. Leia o contexto do versículo 8 até o final do capítulo." Resposta: Os outros fortes sendo derrubados, este último é muito fracamente defendido, "não se pode comprovar que seja tão apropriado ou diretamente." Mas se quiser espiritualizar corretamente e diretamente, o caso é claro. E que ele deseja adequadamente os espirituais, e, secundariamente e indiretamente, os temporais, quanto a diversas limitações, são mais evidentes; porque, - 1. A própria expressão conjugal do amor de Deus, aqui usada, manifesta que, além de toda contradição, é uma promessa da aliança: "Eu vou me casar contigo"; "Eu te tomarei para mim em uma aliança de casamento." O que! em misericórdia temporal? É o teor da aliança de Deus? Deus proíba! 2. Os fundamentos dessas misericórdias e os princípios de onde fluem são "bondade amorosa" e "misericórdias" e "fidelidade" em Deus, que são consertados sobre eles e comprometidos com aqueles a quem ele toma em aliança; e certamente são misericórdias espirituais. (Como Deus poderia se casar com judeus ímpios e incrédulos que não se convertessem desta condição, a pretexto de estar casado com eles apenas no que diz respeito às coisas temporais? Nada há mais absurdo para se pensar pois Deus sequer pode estar sujeito ao que é temporal. – nota do tradutor). 3. As misericórdias mencionadas são tais que nunca tiveram uma conquista literal para os judeus quanto ao que é temporal, nem podem ter; e quando as coisas prometidas excedem toda a realização quanto à parte externa e temporal, é o espiritual que é principalmente destinado. E tais são estes, verso 18, "e da terra tirarei o arco, e a espada, e a guerra, e os farei deitar em segurança." Isso foi cumprido com eles, enquanto viviam sob o poder dos impérios persa, grego e romano, para sua total desolação? E o versículo 23, ele diz que ele "os semeará na terra e terá piedade deles", o que, como eu disse antes, o próprio Paulo interpreta e aplica à fé e justificação no sangue de Cristo. De modo que tanto os versículos que antecedem quanto os que se seguem, para a consideração de que somos enviados, contêm diretamente e corretamente as misericórdias espirituais, embora expressas em palavras e termos de coisas de importância temporal. Assim, não obstante qualquer exceção ao contrário, o contexto é claro, como foi proposto pela primeira vez. Deixe-nos, então, no próximo lugar, considerar a intenção de Deus nesta promessa, com essa influência da demonstração que tem sobre a verdade em que estamos em consideração, e depois liberte as palavras desse brilho corruptor que o Sr. Goodwin se esforça para colocar sobre elas. Em primeiro lugar eu considerarei, - 1. As pessoas a quem essa promessa é feita; 2. A natureza da própria promessa; 3. O grande compromisso e o engajamento das propriedades de Deus para o cumprimento de sua promessa. 1. As pessoas aqui intimadas são tais que estão sob o poder e o gozo da graça e bondade mencionadas nos versículos 14-15. Agora, porque uma compreensão correta da graça dessas promessas acrescenta muito à apreensão da bondade desses detalhes insistidos, a abertura dessas palavras pode ser considerada necessária. Verso 14, eles são aqueles a quem Deus "atrai para o deserto e fala confortavelmente com eles", ele os persuade. Há uma alusão nas palavras à grande promessa original da conversão dos gentios e ao modo como deve ser feito. Gênesis 9:27, Deus convida Jafé a habitar nas tendas de Sem. Seu fascínio é pela persuasão poderosa e doce do evangelho; que aqui se chama assim para começar a alegoria de casamento, que é depois possuído. É o começo de Deus conquistar a alma por seus embaixadores. Deus os faz perseverar no deserto, persuade-os, mas ainda com poderoso poder, como ele os tirou para fora do Egito; ao que ele evidentemente alude, como no versículo seguinte é mais plenamente expresso. Agora, a condição do deserto em que são atraídos ou persuadidos pelo evangelho compreende duas coisas: - (1.) Separação; (2.) Emaranhamento. (1.) Separação. Como os israelitas no deserto foram separados dos demais do mundo e dos seus prazeres, "o povo habitando sozinho, não sendo contado entre as nações", sem ter nada a ver com eles, então Deus os separa para o amor do evangelho de seus contentamentos carnais e todas as satisfações que antes receberam em suas concupiscências, até que eles lhes digam: "Levem você, portanto, o que devemos fazer mais com você?" Eles estão separados da prática deles e se mostraram dispostos a oferecer-lhes um adeus eterno. Eles veem suas soberbas egípcias mortas, ou pelo menos morrendo, pela cruz de Cristo, e não desejam nunca mais vê-las. (2.) Emaranhamento, como os israelitas estavam no deserto. Eles não sabiam o que fazer, nem qual jeito de dar um passo, mas apenas como Deus foi diante deles, como ele os pegou pela mão e ensinou-os a ir. Deus os traz em uma condição perdida; eles não sabem o que fazer, nem a qual caminho tomar, nem o curso a seguir. E, no entanto, neste estado da região selvagem, Deus geralmente agita tão graciosas disposições de alma neles como ele é extremamente deleitado: por isso, ele chama especialmente este tempo "um tempo de amor", o qual ele se lembra com muita alegria. Todo o tempo que os santos estão caminhando com ele, ele não se agrada mais em uma alma, quando vem à sua paz mais elevada e a toda a certeza, do que quando está procurando por ele em sua peregrinação no deserto. Então ele expressa isso, Jeremias 2: 2: "Assim diz o Senhor: Lembro-me, a favor de ti, da devoção da tua mocidade, do amor dos teus desposórios, de como me seguiste no deserto, numa terra não semeada." E o que aqui afirma a sua proporção. O tempo de estar no deserto foi o tempo do seu desposório, e assim é aqui o tempo de mover o Senhor a alma para si mesmo, as palavras curiosas pelas quais ele está sendo intimidado no próximo verso; porque, - [1.] Ele "fala confortavelmente com eles", fala ao seu coração boas palavras, que podem satisfazer seus espíritos e dar-lhes descanso e libertação dessa condição. O que é que Deus fala, quando ele fala confortavelmente com os corações das almas pobres, ele lhe diz, Isaías 40: 1,2, "Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Deus. Falai benignamente a Jerusalém, e bradai-lhe que já a sua malícia é acabada, que a sua iniquidade está expiada e que já recebeu em dobro da mão do Senhor, por todos os seus pecados." É o perdão da iniquidade que desencadeia toda a consolação de que uma pobre alma do deserto, separada e enredada, é capaz de desejar. E esta é a primeira descrição das pessoas a quem esta promessa é dada: são tais que Deus os humilhou e perdoou, como ele converteu e justificou, a quem atraiu ao deserto, e falou confortavelmente com ele. [2.] Versículo 15, o Senhor promete a este povo chamado e justificado a muita espiritualidade, misericórdia evangélica, que ele soa com expressões típicas de coisas temporais, e que, com alusão à sua libertação do antigo Egito, em três partes: 1º. Em geral, ele lhes dará "vinhas daqui" (isto é, do deserto), como ele fez com eles em Canaã, quando os tirou do deserto. Este Deus, muitas vezes, os conscientiza que ele lhes deu "vinhas que não plantaram, Deuteronômio 6:11; e ele aqui mostra a abundância da graça do evangelho, para a qual eles nunca trabalharam, o que ele havia providenciado, sob essa noção. Ele lhes dá do vinho do evangelho, seu Espírito Santo. 2º. Em particular, ele compara seus tratos com eles a seus negócios no vale de Acor, um vale muito agradável e frutífero que estava perto de Jericó, sendo o primeiro que os israelitas entraram quando saíram do deserto, que é mencionado como lugar frutífero, Isaías 65:10. E, portanto, isso é dito para eles "uma porta de esperança", ou uma entrada para aquilo que eles esperavam, sendo o primeiro lugar gordo, frutífero e fértil que os israelitas entraram na terra de Canaã, e assim uma entrada na boa terra que eles esperavam, respondendo à sua expectativa ao máximo. Na promessa da abundância de misericórdia e graça espirituais que Deus preparou para os que são seus, ele reveste em suas mentes a consideração do refúgio que os israelitas, depois de tão longa morada no "deserto", tomaram e entraram no "vale de Acor" frutífero e abundante. Tal é a provisão espiritual que Deus fez para o entretenimento das almas pobres que ele atraiu para o deserto, e lá falou confortavelmente com eles. Sendo chamado e perdoado, ele os conduz a pastos doces e agradáveis, tesouros de graça e misericórdia, que ele guardou para eles em Jesus Cristo. Ele lhes dá das primícias do céu, que é uma porta de esperança para a total possessão, Romanos 8:23. 3º. Ele alude às canções e alegrias que a igreja teve quando cantaram com a destruição dos egípcios, no seu livramento da escravidão do Egito. Então, eles cantaram de alegria, Êxodo 15: 1-21, sobre a sensação da grande e maravilhosa libertação que Deus havia forjado para eles, assim seus corações se afetam com a misericórdia do evangelho, perdão, cura, purificação e graça reconfortante, que em Jesus Cristo ele cederá a eles. Estas são, então, as três coisas que são prometidas aos que saem do deserto: (1.) Refrigério do evangelho, derramando o Espírito sobre eles; (2.) As primícias do céu, uma porta da esperança; (3.) Alegria espiritual, na destruição e conquista do pecado. Esta é, então, a soma desta segunda parte dessa descrição que temos das pessoas a quem a promessa em consideração é dada: são como sendo chamados e perdoados, são admitidos naquela porção da maravilhosa provisão de misericórdia e graça do evangelho que Jesus Cristo lhes providenciou, com aquela alegria e consolo que ele produz. Nos seguintes versículos, você tem uma descrição mais completa dessas pessoas, com um duplo relato: - Primeiro, por seu livramento da idolatria e da falsa adoração, versículos 16, 17, que é particularmente e peculiarmente insistido, porque esse foi eminentemente o pecado pelo qual aqueles mencionados no início do capítulo 2 de Oseias foram totalmente rejeitados. Deus preservará estes, do pecado da idolatria, de qualquer outro que procure sua total rejeição e desolação, como a idolatria anteriormente feita em relação aos judeus carnais. Em segundo lugar, por sua proteção contra seus inimigos, versículo 18. E estas são as pessoas a quem esta promessa é feita, pessoas convertidas, justificadas, santificadas e purificadas. 2. Podemos ter uma pequena visão da natureza da promessa em si: "Eu vou", diz o Senhor, "prometer para sempre". Há, nesta promessa, uma dupla oposição a essa rejeição que Deus havia denunciado antes dos judeus carnais e rebeldes: - (1.) Na natureza da coisa em si, para o divórcio que Deus lhes deu: Versículo 2: "Ela não é minha esposa; nem eu sou o seu marido. "Mas a estes Deus diz: "Eu os entrego a mim mesmo"; "Eles se tornarão uma esposa para mim, e eu serei um marido para eles". E isso também demonstra que eles não são as mesmas pessoas a quem essa ameaça foi dada que se destinam principalmente a esta promessa; pois, se Deus apenas os tomasse de novo, a quem ele havia guardado uma vez, não haveria necessidade de nenhum dos outros. Não são necessárias novos "patrocínios" para tal ação. (2.) Na continuação da rejeição do primeiro, e o estabelecimento da recepção deste último, pelo menos em relação à sua permanência com estes e aqueles; com aqueles para uma temporada, mas para estes, ele diz: "Eu os desposarei para sempre." O deleite de Deus com os fiéis é o fato de ele levá-los a uma aliança de casamento consigo mesmo, para lidar com eles na ternura, fidelidade e proteção de um marido. Ele se refere à igreja. Não vou seguir a consideração desta relação que Deus se agrada em levar consigo as almas dos santos. A utilidade e a consolação eminentes e preciosas que dela decorrem estão prontas para atraí-lo para fora, mas devo atender àquilo que eu principalmente aponto, isto é, demonstrar que Deus se comprometeu com o fato de ele e os fiéis terem e permanecerem nessa relação até o fim, que ele sempre será um marido para eles, e que, em oposição ao seu lidar com a igreja carnal dos judeus, a quem ele estava desposado quanto a ordenanças, mas rejeitou-os e disse que não era seu marido quanto à graça peculiar. A quem Deus continua a ser marido, para eles continua a bondade amorosa, boa vontade e proteção de um marido, - o mais intenso, útil e frutífero que se possa imaginar. Isso, então, ele fará aos crentes, e isso para sempre. 3. Agora, porque várias objeções podem ser cobradas contra a realização deste compromisso de Deus, com base na nossa instabilidade e retrocesso, o Senhor acrescenta a maneira de entrar neste compromisso conosco, evitando, prevenindo ou removendo todas as objeções possíveis, seja o que for. que é o terceiro ponto proposto à consideração, ou seja, o engajamento das propriedades de Deus para o cumprimento desta promessa. As primeiras propriedades que o Senhor menciona aqui, para nos assegurar de sua constância neste empreendimento de sua graça e da firmeza da aliança a que ele levou seu povo; e elas são, "justiça, juízo longanimidade misericórdia e fidelidade, cuja eficácia, também, em referência à sua permanência com aquele a quem ele prometeu a si mesmo, ele menciona no final do versículo 20: "Tu", diz ele, "conhecerás o Senhor." Não vou insistir na importância particular das várias expressões pelas quais o Senhor estabeleceu a si próprio e a sua bondade aqui. É claro que todos eles são mencionados para o mesmo fim e propósito, ou seja, dar-nos a garantia da inalterabilidade desta obra de sua graça e evitar as objeções que os medos de nossos corações incrédulos, a partir da consideração de nossas fraquezas, caminhos e caminhadas, tentações, provações e problemas, aumentariam sobre ela. O Senhor, quando ele prometeu a si mesmo, vê e sabe o que somos, o que seremos e como vamos provocar os olhos de sua glória. Ele vê que se devêssemos ser deixados para nós mesmos, nós descartaríamos completamente todo conhecimento dele e obediência a ele. "Por isso”, diz ele, "eu vou te desposar em justiça e juízo, permitindo a medida total para todas as tuas fraquezas, para que não dissolvam a união que eu pretendo." Como se um príncipe fosse levar para ele em casamento uma pobre e deformada mendiga, que ficou espantada com a bondade dele, e temendo muito que ele tenha se enganado, e apresenta-se de outra forma do que realmente é, que quando é descoberta será a sua ruína, ela claramente diz que é pobre , deformada e não tem nada no mundo que possa responder à sua expectativa e, portanto, não pode deixar de temer que, quando a conheça completamente, ele a expulsará completamente; mas ele responde: "Não tema isso; o que eu faço, faço em justiça e juízo, conscientemente de ti e da tua condição, e assim também. Eu aceitarei isso." Talvez, como alguns pensam, por esse "nos tomar em justiça", o Senhor pode intimar a sua concessão de justiça, sim, a tornar-se em Jesus Cristo a nossa justiça, a fornecer essa vontade total que está em nós daquilo que é aceitável para ele, Isaías 45:24 – “De mim se dirá: Tão somente no senhor há justiça e força. A ele virão, envergonhados, todos os que se irritarem contra ele.” Agora, para que ele não possa justamente nos expulsar para sempre, ele nos diz mais longe que ele nos prometeu a si mesmo "com bondade e misericórdia", sabendo que ao entrar nesta aliança conosco, ele faz o trabalho para as mais delicadas intenções da compaixão, da sua piedade e da misericórdia. Na sua continuação nesta relação, qualquer que seja a sua bondade, paciência e perdão de misericórdia, que ele possa realizar. Mas o Senhor, quando perdoa uma e outra vez, não será cansado por nossas inumeráveis ​​provocações, para nos expulsar para sempre? "Não", diz ele; "Isto farei com fidelidade". Ele duplica a expressão de sua graça e acrescenta uma propriedade de sua natureza que o levará a cumprir seu primeiro amor ao máximo. Sua firmeza, constância e verdade, em todos os seus caminhos e promessas, ele usará nesta obra de sua graça, Deuteronômio 32: 4. Mas, talvez, apesar de tudo isso, o coração ainda não está calado, mas teme a si mesmo e sua própria traição, para que não se afaste desse amoroso marido; por isso, no fim de tudo, Deus comprometeu-se com eles também, que nenhum escrúpulo possa permanecer por que nossas almas não devem estar satisfeitas com o leite sincero que flui deste seio de consolação. "Tu”, diz ele, "conhecerás o Senhor". Isto, de fato, é necessário, que, sob a realização desta graciosa promessa, conhecerás o Senhor, isto é, acreditarás e confiarás e obedecerás ao Senhor; e disse: "Você fará isso. Eu, por minha graça, manter-me-ei vivo em seu coração (como fruto do amor com o qual eu tenho prometido a mim mesmo) esse conhecimento, fé e obediência, que eu exijo de você". Isso é, então, parte daquilo que nessa promessa, o Senhor nos abraça e nos assegura. Não obstante a sua rejeição dos judeus carnais, ainda assim, para os seus eleitos, tanto os judeus quanto os gentios, ele os levará a uma aliança de casamento consigo mesmo, para que permaneça para sempre um marido para eles, empreendendo também que continuem com fé e obediência , conhecendo-o todos os dias. E, de tudo isso, ele assegura-os efetivamente no relato de sua justiça, juízo, bondade amor, misericórdia e fidelidade. Não posso deixar de acrescentar que, se não houvesse outro lugar da Escritura em todo o livro de Deus para confirmar a verdade que nós temos em mãos, mas só isso, eu não deveria duvidar (o Senhor ajudando) em fechar com isso. O sinal de sintonia dado a ele, apesar de todas as oposições enganosas que são feitas para o mesmo.

João 10: 27-29 fecha esse discurso. "As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem; eu lhes dou a vida eterna, e jamais perecerão; e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai." No versículo que precede, nosso Salvador apresenta uma razão pela qual o fariseu apesar de toda sua pregação a eles e dos milagres que ele fez entre eles, ainda não creram, quando vários outros, a quem a mesma dispensação de meios externos foram oferecidos, ouviu sua voz e cedeu obediência a ela; e isso ele nos dizia porque não eram de suas ovelhas, como lhe foram dadas por seu Pai, e para quem, como o bom Pastor, recebe do seu pai, versículos 14 e 15. Ao fim deste discurso, ele descreve a condição atual de sua ovelha, e sua preservação nessa condição, do poder de si mesmo e seu Pai envolvido. Ele colocou o seu respeito com ele como sua ovelha sobre a onipotência de Deus; que, em função da constância de seu amor em relação a eles, ele exercerá, conforme necessário, em seu favor. Há muitas expressões enfáticas tanto da sua continuação na obediência da fé quanto da sua tarefa de preservação. O último que eu apenas pretendo aqui. Disse ele: 1. "Conheço-os"; 2. "Eu lhes dou vida eterna"; 3. "Eles nunca morrerão;" 4. "Ninguém os arrancará da minha mão;" 5. "Meu Pai é onipotente e tem soberania sobre todos, e ele cuida deles, e ninguém os tirará da mão dele." Não é fácil lançar essas palavras em qualquer outra forma de argumentação do que aquela em que elas se encontram, sem perder muito dessa prova convincente que está nelas. Isto pode levar pela soma de sua influência na verdade em mãos: Aqueles a quem Cristo possui como para assumir sobre eles para dar-lhes a vida eterna, e pelo seu poder e o de seu Pai para preservá-los, - qual poder não pode prevalecer contra, de modo que o fim que se destina a cumprir nele não deve ser alterado, - aqueles que certamente serão mantidos para sempre em favor e amor de Deus, nunca serão expulsos dele. Tal é o caso de todos os crentes; pois são todos ovelhas de Cristo, todos ouvem a sua voz e seguem-no. Algumas coisas, para arrancar essa graciosa garantia dada aos crentes da eterna vontade de Deus e de Cristo, são tentadas pelo Sr. Goodwin, cap. 10 sec. 37, p. 203. 1. Ele afirma que há um envolvimento do "poderoso poder de Deus para a salvaguarda dos santos, como tal ou permanecer assim, contra todos os poderes adversos, mas em nenhum lugar para os obrigar ou exigir a perseverar e continuar como se existisse alguma coisa assim na Escritura". A soma é: "Se eles continuarem como santos, Deus cuidará que, apesar de toda oposição, eles serão santos ainda". Muito bem, se assim for, eles serão assim; mas "que eles continuarão a ser assim, isso não é prometido". Não dizemos que Deus, por seu poder, compunja os homens a perseverar; isto é, levá-los a fazê-lo, quer queiram ou não. A perseverança sendo uma graça habitual em suas vontades, é uma contradição grosseira uma vez imaginar que os homens deveriam ser obrigados a isso. Mas isto dizemos que, pelo poder todo-poderoso de seu Espírito e graça, ele confirma seus santos em um ser voluntário com ele todos os dias. Tornando-os um povo disposto no dia do poder de Cristo para com eles, ele os preservou até o fim. Também não estão envolvidos pelo poder de Deus em tal necessidade de perseverança, como deve obstruir a liberdade de sua obediência, a necessidade que os considera naquela condição, respeitando apenas à questão e ao fim das coisas, e não ao seu modo de apoio no seu cumprimento com Deus. E não é fácil conjecturar por que o Sr. Goodwin deve tão cuidadosamente evitar a concessão, de uma promessa de perseverança final nessas palavras, que, em sua próxima observação sobre elas, afirmam que "a perseverança final diz respeito ao estado dos santos no céu e não aos que estão na terra", quero dizer, parte dessas palavras que expressam sua preservação e salvaguarda pelo poder de Deus. Para que isso seja imaginado, talvez, até ser a condição dos santos no céu, que Deus os conservará enquanto continuem com os santos, mas que se eles não o fizerem, não há nenhuma garantia dada. É maravilhoso, se assim for, que, em tão grande e vasto espaço de tempo, nunca ouvimos falar de nenhum dos santos que foram expulsos de sua herança, ou que perdeu seu gozo. Mas deixe-nos ouvir o que está mais longe afirmado. Ele acrescenta, a título de resposta, - 2. "A segurança para a qual o nosso Salvador envolve a grandeza do poder de seu Pai para as suas ovelhas ao prometer-lhes, não para a realização ou aquisição de sua perseverança final, mas sim por meio de recompensa". Mas qual é o título, por favor, em todo o contexto para intimidar isso? Que insinuação de tal condição? "Eles ouvem minha voz, e eles me seguem", isto é, "eles acreditam em mim e produzem os seus frutos acreditando na obediência adequada", como estas palavras de "ouvir" e "seguir" implicam. Disse o nosso Salvador: "Estes não devem perecer, o poder de meu Pai os preservará". Isto é, diz o Sr. Goodwin, "no caso de perseverarem até o fim, então Deus os preservará". Claramente, nosso Salvador afirma que os crentes não perecerão, e que seu poder e seu Pai estão engajados para esse fim; que é tudo o que afirmamos ou precisamos fazer. 3. "Que esta promessa de segurança feita a suas ovelhas por Cristo não se relaciona com seu estado ou condição neste mundo presente, mas com a do mundo vindouro." As minhas ovelhas ouvem a minha voz e me seguem", nas quais as palavras de "ouvir" e "segui-lo" intimam ou incluem a sua perseverança, conforme as palavras que seguem imediatamente: "E eu lhes dou a vida eterna". Isto, confesso, é para o propósito, se for verdade; mas sendo tão contrário ao que foi recebido (eu quase disse universalmente) sobre a mente de Cristo neste lugar, que precisávamos de razões evidentes para impor a verdade desse brilho ou interpretação. Por enquanto, eu vou apresentar alguns incentivos ou persuasões por que parece completamente inadequado para a mente de nosso Salvador bendito, que este engajamento do poder de seu Pai e dele próprio deve ser excluído de tomar qualquer lugar no reino da graça: - 1. Observe que existe uma grande oposição a ser feita contra os santos na condição em que são prometidos para serem preservados. Isto é suposto na palavra: "Ninguém deve arrancá-los da minha mão. Meu Pai é maior que todos; e nenhum homem pode arrancá-los da mão do meu pai", como se ele tivesse dito: "É verdade, muitos inimigos que eles têm, grande oposição haverá e se levantará contra eles em todas as mãos, mas eles devem ser preservados no meio de todos eles." Mas agora, quais inimigos, que oposição haverá e se levantarão contra os santos no céu? O Espírito Santo nos diz: "O último inimigo é a morte", e que na ressurreição que será "totalmente engolida em vitória", que nunca levantará a cabeça; lá descansam dos seus trabalhos os que morrem no Senhor. Sim, é extremamente ridículo supor que os santos necessitam de garantir o engajamento da onipotência de Deus por sua salvaguarda no céu contra toda oposição, quando eles não têm certeza de que em nada mais serão ali sujeitos à menor oposição ou obstrução em seu gozo de Deus para toda a eternidade. 2. Nosso Salvador aqui descreve a condição presente de suas ovelhas de modo a opor-se àqueles que não são suas ovelhas; ouvem sua voz, as outras não; e os seus devem ser preservados quando os outros perecerem. Os fariseus não acreditavam e, como ele lhes dizia: "Eles morreriam em seus pecados", sua ovelha o ouviu e foi preservada em sua obediência. É, evidentemente, a representação de Cristo em direção a suas ovelhas no mundo, e seu cuidado, em uma contradição para aqueles que não são suas ovelhas, entre os quais vivem, que é aqui estabelecido. 3. O próprio contexto das palavras impõe esse sentido: "Eles me seguem, e eu lhes dou a vida eterna"; "eu faço isso; esse é o trabalho que tenho na mão." Pegue a "vida eterna" no sentido mais abrangente, para o que deve ser apreciado no céu (embora, sem dúvida, compreenda também a vida de graça que aqui desfrutamos, João 17: 3), o que o nosso Salvador se compromete a dar aos crentes, e que eles possam ter certeza de que serão preservados para o gozo? Quando ele lhes diz que não devem perecer, é que não perecem para não serem expulsos do céu quando forem para lá, - não se privem da vida eterna depois de terem entrado na plenitude dela? Ou melhor, que eles não falharão ou ficarão fracos, e assim perecerão? E isto é o que o poder do Pai e do Filho está comprometido para realizar, - a saber, que os crentes não perecerão o mínimo da vida eterna que é o negócio de Cristo para dar-lhes. Se algum dos motivos de peso ou importância que a menor gravidez com a verdade seja oferecida ao contrário, e devemos renunciar e sacudir o poder das razões anteriores em que insistimos; embora sem oferecer a maior violência imaginável para a verdade em si, não pode ser feito. Dizem que "com estas palavras: "Eles ouvem minha voz e me seguem", Cristo dá a entender ou inclui a sua perseverança". Dizer que uma coisa é "intimada ou incluída" é de pequeno poder contra tantos motivos expressos como nos induziram ao contrário. Mas isso será concedido, que, onde quer que os santos digam ouvir a voz de Cristo, a perseverança é incluída? - Devemos rapidamente ter um novo fornecimento de provas das Escrituras para a demonstração da verdade em mãos. Mas que tentativa é feita para a prova disso? É assim porque as palavras imediatamente a seguir são: "Dou-lhes a vida eterna", o que pressupõe sua perseverança final, e isso deve ser assim, porque é dito assim. "Eu lhes dou a vida eterna", é uma indicação do que ele faz para o presente, dando-lhes uma vida espiritual, ou uma promessa que ele fará com relação à vida eterna consumada no céu, cuja promessa está em todo lugar feito para crer; e é uma promessa de perseverança, não dada pela perseverança. Nem há nada acrescentado nas palavras que seguem para confirmar esta afirmação do nosso Salvador, mas apenas a afirmação é repetida: "que Deus os defenda no céu contra toda oposição". Aqui, onde suas oposições são inumeráveis, eles podem mudar para si mesmos; mas quando eles vierem ao céu, onde eles certamente não se encontrarão com nenhuma oposição, ali o Senhor envolveu seu poder todo-poderoso para sua segurança contra todo o que se levantar contra eles. E isto é, como se disse, a "disposição natural e clara do contexto neste lugar". Há diversos outros textos das Escrituras que mais claramente e evidentemente confirmam a verdade que temos em mãos, que valem a nossa consideração para o nosso consolo e confirmação, como também uma questão de nossa diligência, entre os quais temos 1 Coríntios 1: 8,9; Filipenses 1: 6; 1 Tessalonicenses 5:24; João 5:24.

Publicado
Visualizações
448