A Mente de Deus nas Escrituras

  John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

 

Meios a serem usados para a compreensão correta da mente de Deus nas Escrituras - Aquilo que é prescrito em uma maneira de dever.

Os meios para serem usados ​​para a compreensão e interpretação corretas das Escrituras são de duas maneiras: - I. O que é geral e absolutamente necessário. II. Aquilo em que consiste a sua devida aplicação.

I. O primeiro é a leitura diligente da Escritura, com uma consideração tranquila e racional do que lemos. Nada nos é mais recomendável; e, para não insistir em testemunhos particulares, todo o 119º Salmo é gasto na declaração deste dever e dos benefícios que são atingidos por esse meio. Aqui consiste o primeiro exercício natural de nossas mentes para a compreensão disso. Assim, o eunuco leu e ponderou sobre a profecia de Isaías, embora ele não pudesse alcançar o entendimento do que leu, Atos 8.30,31. Ou a leitura, ou aquilo que é equivalente lá, é aquela em que fazemos, e sem a qual é impossível que possamos, aplicar nossas mentes para saber o que está contido nas Escrituras; e isso é o que todos os outros meios são projetados para tornar útil. Agora, por esta leitura eu compreendo o que é restritivo e considerável, com respeito ao fim visado; a leitura atendida com uma devida consideração das coisas lidas, investigando-as, meditando sobre elas, com respeito ao desígnio e alcance do lugar, com todas as outras vantagens para a devida investigação da verdade.

Leitura frequente da Palavra de forma mais geral e superficial, em que todos os cristãos devem ser treinados desde a sua juventude, 2 Tim 3. 15, e que todas ao famílias devem estar familiarizadas com isso, Deut 6. 6-9, é de grande utilidade e vantagem; e, por conseguinte, devo nomear alguns benefícios particulares que podem ser recebidos assim:

1. Aqui as mentes dos homens são trazidas para um conhecimento geral da natureza e desígnio do livro de Deus; que alguns, para sua atual vergonha e futura ruína, são prodigiosamente ignorantes.

2. Os que são exercitados aqui, conhecem claramente o que é tratado nos livros e passagens particulares; enquanto outros que vivem em negligência com esse dever escassamente sabem o que são os livros históricos, quais são os proféticos ou os que são doutrinários em toda a Bíblia.

3. Com isso eles se exercitam em pensamentos das coisas celestiais e uma santa conversa com Deus; se eles trazem consigo, como deveriam, corações humildes e sensíveis à sua autoridade na Palavra.

4. Suas mentes são insensivelmente memorizadas com as devidas concepções sobre Deus, coisas espirituais, e suas memórias com expressões próprias se encontram em condições para serem usadas sobre elas em oração ou de outra forma.

5. Deus muitas vezes toma ocasião aqui para influenciar suas almas com a eficácia da verdade divina em particular, no caminho da exortação, repreensão ou instrução; do qual todos os que atendem diligentemente a esse dever têm experiência.

6. Eles vêm, por "razão de uso", a ter "seus sentidos exercitados para discernir o bem e o mal", de modo que, se algum senso nocivo ou corrupto de qualquer lugar da Escritura lhes for sugerido, eles estão prontos para opor-se a ele por outros lugares de onde eles são instruídos na verdade.

E há muitas outras vantagens que os homens podem colher da leitura constante da Escritura; que, portanto, considero como um meio geral de chegar ao conhecimento da mente de Deus nela. Mas isso não é o que atualmente eu pretendo em particular. Por isso,

Por esta leitura da Escritura, quero dizer, estudar a mesma, no uso dos meios, para chegar a uma devida compreensão em lugares particulares; pois é sobre os meios da interpretação da Escritura que agora perguntamos. Aqui, digo, é necessário o estudo geral do todo e, em particular, os lugares a serem interpretados. Pode parecer completamente desnecessário e impertinente dar essa direção para a compreensão da mente de Deus na Escritura, a saber, que devamos ler e estudar para esse fim; porque quem pode imaginar como deve ser feito de outra forma? Mas eu desejo que a prática de muitos, talvez seja, da maior parte, não tornou essa direção necessária; pois, no seu desígnio, chegam ao conhecimento das coisas espirituais, e o estudo direto e imediato da Escritura é ao que eles menos se aplicam. Outros escritos que lerão e estudarão com diligência; mas a leitura das Escrituras é, na sua maioria, superficial, sem essa intenção de mente e espírito, que usa e aplica-se a meios necessários para sua compreensão. É o estudo imediato das Escrituras a que viso. E, a este respeito, eu me refiro, - 1. Uma consideração devida da analogia da fé sempre deve ser mantida; 2. Uma análise devida do desígnio e do escopo do texto; 3. Uma observação diligente dos antecedentes e das consequências; com todas as regras gerais que normalmente são dadas como direções na interpretação da Escritura. Isto, portanto, no exercício diligente de nossas mentes e razões, é o primeiro meio geral de conhecer a mente de Deus na Escritura e sua interpretação.

II. Os meios projetados para a aplicação adequada disto, ou nosso uso lucrativo, são de três tipos: - 1. Espiritual; 2. Disciplinar; 3. Eclesiástico. Algumas instâncias em cada cabeça ficarão mais claras no que eu pretendo.

1. A primeira coisa necessária como meio espiritual é a oração. Refiro-me à oração fervorosa e sincera pela ajuda do Espírito de Deus, revelando a mente de Deus, como em toda a Escritura, de que modo, em particular, livros e passagens dela. Eu provei antes que isso seja ordenado e comandado por nós pela prática dos profetas e apóstolos. E isso também, a propósito, prova de forma inventiva que a devida investigação da mente de Deus na Escritura é um trabalho acima da máxima aplicação da razão natural, com todas as vantagens externas; pois éramos suficientes de nós mesmos, sem ajuda e assistência divina imediata, por esse trabalho, por que oramos por eles? Com qual argumento a antiga igreja instou perpetuamente com os Pelagianos quanto à necessidade da salvação pela graça. E pode ser justamente suposto que nenhum homem que se professasse cristão pode ser tão abandonado de toda sobriedade como uma vez para questionar se este é o dever de todo aquele que deseja ou projeta alcançar qualquer conhecimento real da vontade de Deus na Escritura. Mas a negligência prática deste dever é a verdadeira razão pela qual tantos que são hábeis o suficiente nos meios disciplinares do conhecimento ainda são estranhos ao verdadeiro conhecimento da mente de Deus. E esta oração é de dois tipos:

(1) A que diz respeito ao ensinamento do Espírito em geral, pelo qual trabalhamos em nossas orações para que ilumine nossas mentes e nos guie nos conhecimentos da verdade, de acordo com o trabalho antes descrito. A importância desta graça para a nossa fé e obediência, as promessas multiplicadas de Deus a respeito disso, a nossa necessidade da nossa fraqueza natural, ignorância e trevas, deve tornar-se uma parte principal de nossas súplicas diárias. Especialmente isso incumbe aos que são chamados de maneira especial a "pesquisar as Escrituras" e a declarar a mente de Deus nelas aos outros. E são excelentes as vantagens que uma conscienciosa execução deste dever, com uma devida reverência de Deus, traz consigo. Os preconceitos, as opiniões preconcebidas, os compromissos por vantagens seculares, falsas confidências, autoridade dos homens, influências de partidos e sociedades, serão todos estabelecidos diante dele, pelo menos gradualmente serão exterminados das mentes dos homens assim. E o quanto o descarte de todo esse "fermento velho" tende a preparar a mente e a dar uma boa compreensão das revelações divinas, já foi provado antes.

Não tenho dúvida, porém, que a ascensão e a continuação de todos os enormes erros que tanto infestam a religião cristã, e que muitos buscam tão sedutoramente para confirmar a própria Escritura, devem, em grande medida, ser atribuídos aos afetos corruptos, com o poder de tradição e influências de vantagens seculares; que não podem firmar sua posição nas mentes daqueles que são constantes e sinceros suplicantes junto ao trono da graça para serem ensinados por Deus, o que é o que ele é e a sua mente, e em sua Palavra, porque inclui uma resolução predominante e sincera para receber o que somos tão instruídos em qualquer efeito que possa ter sobre o homem interior ou externo. E esta é a única maneira de preservar nossas almas sob as influências dos ensinamentos divinos e a irradiação do Espírito Santo; sem o qual não podemos aprender nem conhecer nada como devemos. Suponho que, portanto, isso pode ser consertado como um princípio comum do cristianismo, a saber, que a oração constante e fervorosa para a ajuda divina do Espírito Santo é um meio tão indispensável para alcançar o conhecimento da mente de Deus na Escritura pois, sem isso, todos os outros não estarão disponíveis.

Também não creio que qualquer um que possa orar assim como deveria, em um estudo consciencioso da palavra, jamais será deixado para a prevalência final de qualquer erro pernicioso ou a ignorância de qualquer verdade fundamental. Nenhum erro absoluto na busca da mente de Deus, senão aqueles que são pervertidos por suas próprias mentes corruptas. Seja qual for a aparência, há sinceridade e diligência na busca da verdade, se os homens falharem nisso, é muito mais seguro julgar que eles o fazem, seja pela negligência desse dever ou indulgência com alguma corrupção de seus corações e mentes, daquilo em que Deus está querendo revelar-se para aqueles que o buscam diligentemente. E há motivos infalíveis dessa garantia; porque, - [1] A fé exercitada neste dever resolverá tudo o que for "imundície e superfluidade da maldade", o que nos impedirá de "receber com mansidão a Palavra enxertada", para "salvar nossas almas." [2. ] Vai trabalhar na mente aquelas graciosas qualificações de humildade e mansidão, para as quais os ensinamentos de Deus são prometidos de maneira especial, como mostramos. E [3] Nosso Salvador nos assegurou que seu Pai celestial "dará o Espírito Santo aos que lhe pedem", Lucas 11. 13. Também nenhuma súplica para o Espírito Santo é mais aceitável para Deus do que aquela que projeta o conhecimento de sua mente e a vontade de fazê-los. [4.] Todas essas graças que tornam a mente ensinável e se encontram para a recepção das verdades celestiais são mantidas por um exercício devido delas. Se não nos enganarmos nessas coisas, não podemos ser enganados; pois, no cumprimento deste dever, essas coisas são aprendidas em seu poder, da qual temos a noção apenas em outros meios de instrução. E, por conseguinte, tudo o que aprendemos está tão fixo em nossas mentes, e as possui com tal poder, transformando-as na sua semelhança, pois estão preparadas para a comunicação de luz maior e aumentarem os graus de conhecimento.

Nem pode ser concedido, por outro lado, que qualquer verdade sagrada seja aprendida de forma devida, qualquer diligência seja usada em sua aquisição, ou que possamos conhecer a mente de Deus na Escritura em qualquer coisa como devemos, quando a gestão de todos os outros meios que utilizamos para esse fim não está comprometida com este dever. O apóstolo, desejando sinceramente que aqueles a quem ele escreveu, e a quem ele instruiu nos mistérios do evangelho, pudessem ter uma devida compreensão espiritual da mente de Deus, como revelado e ensinado neles, ora com toda "fervor de espírito para que eles possam ter uma comunicação do "Espírito de sabedoria e revelação" de cima, para permitir isso a eles, Efésios 1. 16-19, 3. 14-19; pois sem isso ele sabia que não poderia ser alcançado. O que ele fez por eles, somos obrigados a fazer por nós mesmos. E quando isso é negligenciado, especialmente considerando que os suprimentos do Espírito para este propósito estão confinados aos que o buscam, não há motivo de expectativa de que alguém possa aprender o conhecimento salvador da mente de Deus de maneira devida.

Devo, portanto, fazer essa afirmação como uma verdade sagrada: quem, no estudo diligente e imediato da Escritura, conheça a mente de Deus nela para praticá-la, permanece em fervorosas súplicas, em e por Jesus Cristo, por provisões do Espírito de graça, para levá-lo a toda a verdade, revelar e dar a conhecer a verdade como está em Jesus, dar-lhe um entendimento das Escrituras e da vontade de Deus nelas, deve ser preservado de erros perniciosos e atingir esse grau de conhecimento que seja suficiente para a orientação e preservação da vida de Deus em toda a sua fé e obediência. E mais segurança da verdade há aqui do que nos homens se entregarem a qualquer outra conduta neste mundo, seja o que for. A bondade de Deus, a sua fidelidade em ser o "recompensador daqueles que o buscam diligentemente", o comando desse dever para este fim, as promessas anexadas a ele, com toda a natureza da religião, nos dão a maior segurança aqui. E, embora esses deveres não possam deixar de ser acompanhados de um cuidado consciente e medo de erros, as pessoas que neles se encontram não têm motivos de pensamentos incômodos ou suspeitas terríveis de que eles serão enganados ou falharão no fim a que eles apontarem.

(2.) A oração se refere às ocasiões particulares, ou lugares especiais da Escritura, cuja exposição ou interpretação indagamos. Este é o grande dever de um intérprete fiel, o que, com e depois, o uso de todos os meios, ele se desenvolve. Uma experiência de orientação e assistência divina aqui é aquilo que para alguns é inestimável, no entanto, por outros, é desprezado. Mas devemos pensar que é estranho para um cristão, quando, pode ser, depois do uso de todos os outros meios, que ele se encontre em uma perda sobre o verdadeiro significado e intenção do Espírito Santo em qualquer lugar ou texto da Escritura, para se dirigir de maneira mais comum a Deus pela oração, que ele, por meio de seu Espírito, ilumine, guie, ensine e assim lhe revele a verdade? Ou devemos achar estranho que Deus ouça tais orações e instrua essas pessoas nos segredos de sua aliança? Deus não permita que haja pensamentos ateístas nas mentes de quem seria estimado cristão! Sim, devo dizer que, para que um homem realize a interpretação de qualquer parte da Escritura de uma maneira solene, sem a invocação de Deus para ser ensinado e instruído pelo seu Espírito, é uma alta provocação dele; nem espero a descoberta da verdade de qualquer pessoa que tão orgulhosa e ignorantemente se dedica a uma obra muito acima de sua capacidade de gerir. Eu falo isso de interpretações solenes e declaradas; pois, de outra forma, um "escriba preparado para o reino de Deus" pode, como ele tem ocasião, da luz espiritual e da compreensão com que ele é dotado, e as revelações que ele já recebeu, declarar a mente de Deus para a edificação dos outros. Mas este é o primeiro meio para tornar nosso estudo das Escrituras útil e eficaz até o fim visado.

Isto, como foi dito, é a âncora de um fiel observador da Escritura, que ele se desenvolve em todas as dificuldades; nem pode ele sem ela ser levado a uma satisfação confortável em que ele tenha alcançado a mente do Espírito Santo em qualquer revelação divina. Quando todas as outras ajudas falham, como  deve ocorrer em muitos lugares em que ele o achará, se ele estiver realmente atento à inquirição da verdade, isso lhe renderá seu melhor alívio. E enquanto isso for atendido, não precisamos ter medo de interpretações mais úteis da Escritura, ou das várias partes dela, que até agora foram alcançadas pelos esforços dos outros; pois os depósitos da verdade contidos nela são inesgotáveis ​​e, por este meio, serão abertas para aqueles que delas se incumbem com humildade e diligência.

Os trabalhos daqueles que foram antes de nós são de excelente uso aqui, mas ainda estão longe de ter descoberto as profundezas desse veio de sabedoria; nem os nossos melhores esforços prescreverão limites para aqueles que vierem depois de nós. E a razão pela qual a generalização dos expositores passa na mesma trilha um após o outro, raramente passando além do caminho trilhado de empreendimentos anteriores, a menos que seja em algumas excursões de curiosidade, é a falta de darem a si mesmos à conduta do Espírito Santo no desempenho diligente deste dever.

2. A prontidão para receber impressões das verdades divinas, tal como nos foi revelado, conformando nossas mentes e corações para a doutrina conhecida, é outro meio para o mesmo fim. Este é o primeiro fim de todas as revelações divinas, de todas as verdades celestiais, a saber, gerar a imagem e a semelhança de si mesmas na mente dos homens, Rom. 6. 17; Cor. 3. 18; e sentimos nosso objetivo se não for a primeira coisa que pretendemos no estudo das Escrituras. Não é para aprender a forma da doutrina da piedade, mas para obter o poder de implantação em nossas almas. E este é um meio eminente de fazer um progresso no conhecimento da verdade. Porque procurar por simples noções de verdade, sem um esforço por uma experiência de seu poder em nossos corações, não é o modo de aumentar nossa compreensão nas coisas espirituais. Está sozinho em uma postura para aprender de Deus aquele que despede a mente, a consciência e as afeições do poder do que lhe é revelado. Os homens podem ter no seu estudo da Escritura outros fins também, como o lucro e a edificação de outros; mas se esta conformidade de suas próprias almas com o poder da palavra não for fixada em primeiro lugar em suas mentes, eles não lutarão legitimamente nem serão coroados. E se, a qualquer momento, quando estudamos a Palavra, não temos expressamente esse desígnio em nossas mentes, ainda que, pela descoberta de qualquer verdade, nos esforçamos para não ter a semelhança de nós  esmos em nossos próprios corações, perdemos nossa principal vantagem disso.

3. A obediência prática no curso de nossa caminhada diante de Deus é outro meio para o mesmo fim. O evangelho é a "verdade que é conforme a piedade", Tito 1. 1; e não permanecerá por muito tempo com aqueles que não seguem a piedade de acordo com suas orientações e direção. Por isso, vemos tantos perderem o próprio entendimento que eles tinham das doutrinas dela, quando uma vez começaram a desistir de vidas ímpias. A verdadeira noção de verdades sagradas e evangélicas não vai viver, pelo menos não florescer, onde elas são separadas de um comportamento santo. À medida que aprendemos a praticar, aprendemos muito com a prática. Não há ciência prática que possamos fazer qualquer grande melhoria sem uma prática assídua de seus teoremas; muito menos deve a sabedoria, com a compreensão dos mistérios da Escritura, ser aumentada, a menos que um homem seja praticamente familiarizado com as coisas que ela dirige.

E, por este meio, podemos chegar à certeza de que o que conhecemos e aprendemos é, de fato, a verdade. Portanto, nosso Salvador nos diz que "se alguém fizer a vontade de Deus, ele saberá se a doutrina é de Deus", João 7. 17. Enquanto os homens aprendem a verdade apenas na noção dela, qualquer que seja a convicção de seu ser, de modo que seja acompanhada, nunca alcançarão a sua estabilidade em relação a ela, nem a certeza completa de entendimento, a não ser que a pratiquem continuamente em sua própria obediência, fazendo a vontade de Deus. Isto é o que lhes dará uma persuasão satisfatória. E, por este meio, eles serão conduzidos continuamente em mais graus de conhecimento; pois a mente do homem é capaz de receber suprimentos contínuos no aumento da luz e do conhecimento enquanto est neste mundo, se assim for, eles são melhorados até o seu fim em obediência a Deus. Mas sem isso, a mente será rapidamente recheada com noções, de modo que nenhum fluxo possa descer nela a partir da fonte da verdade.

4. Um desígnio constante para o crescimento e um progresso no conhecimento, por amor à verdade e experiência de sua excelência, é útil, sim, necessário, para a compreensão correta da mente de Deus nas Escrituras. Alguns são rapidamente aptos a pensar que sabem o suficiente, tanto quanto seja necessário para eles; alguns, que sabem tudo o que deve ser conhecido, ou têm uma compreensão suficiente de todos os conselhos de Deus revelados na Escritura ou, como eles julgam, de todo o corpo da divindade, em todas as suas partes, que eles podem ter dispostos em um método exato com grande precisão e habilidade. Nenhuma grande descoberta ou útil da mente de Deus espero de tais pessoas. Outro quadro de coração e espírito é exigido daqueles que projetem ser instruídos na mente de Deus, ou para aprender no estudo da Escritura. Tais pessoas consideram isso como um tesouro de verdades divinas, absolutamente insondável por qualquer entendimento criado. As verdades que recebem desde então, e compreendem segundo a sua medida, julgam amável, excelente e desejável acima de todas as coisas terrenas; porque encontram o fruto, o benefício e a vantagem delas, fortalecendo a vida de Deus neles, ajustando suas almas a ele, e comunicando-lhes a luz, o amor, a graça e o poder.

Isso os faz com o propósito de coração pressionar continuamente, no uso de todos os meios, para aumentar essa sabedoria, - crescer no conhecimento de Deus e nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Eles estão pressionando continuamente para aquela medida de perfeição que nesta vida é alcançável; e cada novo feixe de verdade em que suas mentes são iluminadas orienta-os para novas descobertas. Este estado de espírito está sob a promessa do ensino divino: Oseias 6. 3 "Conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor". Provérbios 2. 3-5, "sim, se clamares por discernimento, e por entendimento alçares a tua voz; se o buscares como a prata e o procurares como a tesouros escondidos; então entenderás o temor do Senhor, e acharás o conhecimento de Deus.” Quando os homens vivem uma santa admiração e complacência em Deus, como o Deus da verdade, como a primeira verdade essencial infinita, em cujo gozo está a verdadeira plenitude de toda luz e conhecimento satisfatórios; quando adoram a plenitude das revelações em si mesmas que, com infinita sabedoria, tem atestado nas Escrituras; quando eles acham pela experiência uma excelência, poder e eficácia no que alcançaram; e, por um profundo senso da pequenez de suas medidas, da maldade de suas conquistas e de quão pouca parte é que eles conhecem de Deus, vivendo em um propósito constante para permanecer com fé e paciência no estudo contínuo da Palavra e indagações sobre a mente de Deus neles, - então estão no caminho de serem ensinados por ele, e aprendendo de sua mente para todos os fins próprios de sua revelação.

5. Existem diversas ordenanças de adoração espiritual que Deus ordenou como meio de nossa iluminação, - um atendimento religioso que é exigido daqueles que pretendem "crescer em graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo".

E esta é a primeira forma de meios para a devida melhoria de nossos esforços na leitura e no estudo das Escrituras, para que possamos chegar a uma compreensão correta da mente de Deus nelas e poder interpretá-las para o uso e benefício dos outros. Qual é o trabalho do Espírito Santo aqui, qual é o auxílio e assistência que ele contribui com isso, é tão manifesto pelo que discordamos, especialmente em relação a suas operações em nós como Espírito de graça e súplica (ainda não divulgado) que não deve ser aqui insistido.

Pode ser que esses meios sejam desprezados por alguns, e a proposta deles para este fim pareça tão fraca e ridícula, se não extremamente fantasiosa; pois é suposto que essas coisas não são pressionadas para nenhum outro fim, senão para decodificar o aprendizado, o estudo e o uso da razão na interpretação das Escrituras, o que reduzirá rapidamente toda a religião ao entusiasmo. Se há alguma coisa de verdade nesta sugestão deve ser imediatamente descoberta. Nem aqueles por quem essas coisas são pressionadas, têm o menor motivo para recusar o uso da aprendizagem, ou qualquer meio racional em seu devido lugar, como se eles estivessem conscientes de uma deficiência neles com respeito àqueles por quem são tão altamente, e na verdade, na maior parte, em vão, fingidos.

Mas, no assunto em questão, devemos lidar com alguma confiança. Aqueles por quem essas coisas são criticadas, por quem elas são negadas como meios necessários para a compreensão correta da mente de Deus nas Escrituras, renunciam claramente aos princípios principais da religião cristã; pois, embora a Escritura tenha muitas coisas em comum com outros escritos em que as artes seculares e as ciências são declaradas, ainda assim, suponhamos que possamos atingir o sentido e a mente de Deus nos mesmos pelo simples uso de tais formas e meios que aplicamos na investigação das verdades de outras naturezas é excluir toda consideração de Deus, de Jesus Cristo, do Espírito Santo, do fim das próprias Escrituras, da natureza e do uso das coisas que lhes são entregues; e, consequentemente, derrubar toda religião. Veja Prov. 28. 5.

E este primeiro tipo de meios que até agora apresentamos são deveres em si mesmos, bem como meios para fins mais distantes; e todos os deveres sob o evangelho são meios em que as graças de Deus são exercidas; pois, como nenhuma graça pode ser exercida, senão em uma maneira de dever, então nenhum dever é evangélico ou aceito com Deus, a não ser que graça especial seja exercida. Como a Palavra é a regra segundo a qual eles são guiados, direcionados e medidos, então a ação da graça neles é a maneira pela qual eles são vivificados; sem os quais os melhores deveres são obras mortas. Materialmente são deveres, mas formalmente são pecados. Na sua performance, portanto, como deveres do evangelho, e como são aceitos com Deus, há uma ajuda e assistência especial do Espírito Santo. E, por essa razão, há assim na interpretação das Escrituras; pois se, sem a sua assistência, não podemos fazer uso correto dos meios de interpretação da Escritura, não podemos interpretar as Escrituras sem eles. A verdade é que eles devem dizer que esses deveres não são necessários para aqueles que "pesquisaram as Escrituras" e descobriram a mente de Deus para sua própria edificação, ou para expor os oráculos de Deus aos outros, ou que possam ser realizados de uma maneira aceitável para Deus e útil para este fim, sem a assistência especial do Espírito Santo, e agem impiedosamente, com o que está neles, pervertendo toda a doutrina do evangelho e a sua graça.

O que, no próximo lugar, pode ser insistido é a consideração das regras especiais que foram ou ainda podem ser dadas para a correta interpretação das Escrituras. Tais são aqueles que dizem respeito ao estilo da Escritura, sua fraseologia especial, os tropos e as figuras que ela usa, o modo de argumentar; os tempos e as ocasiões em que foi escrita, ou as várias partes dela; as ocasiões sob a orientação do Espírito de Deus dadas a ela; o desígnio e alcance de escritores particulares, com o que é peculiar a eles em sua maneira de escrever; a comparação de vários lugares quanto à sua diferença em coisas e expressões; a reconciliação de contradições aparentes, com outras coisas de natureza semelhante. Mas como a maior parte destes pode ser reduzida ao que foi falado antes sobre a disposição e a perspicácia da Escritura, então eles já foram manipulados por muitos outros em geral, e, portanto, não devo insistir aqui neles, mas apenas falar o significado geral que deve ser aplicado ao mesmo fim.

Publicado
Visualizações
305