Fundamentos e Evidências do Evangelho

  John Owen (1616-1683)

 

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

 

 

A obtenção dos confortos espirituais dos crentes nesta vida é uma questão de maior importância para a glória de Deus e sua própria vantagem pelo evangelho. Pois Deus está disposto a que todos os herdeiros da promessa recebam um forte consolo, e ele providenciou meios para a comunicação dele; e a participação dele é o principal interesse dos crentes neste mundo, e é muito estimado por eles. Mas o seu aproveitamento efetivo desses confortos sofre oposição de diversas maneiras do poder dos resquícios do pecado em sua natureza, em conjunto com outras tentações. Por isso, apesar do direito e do título que eles têm pelo evangelho, muitas vezes estão realmente desprovidos de um gracioso sentido desse direito e título e, consequentemente, do alívio que eles são adequados para propiciar em todos os seus deveres, provações e aflições. Agora, a raiz em que todos os confortos reais crescem, de onde eles brotam e se levantam, é a fé verdadeira e salvadora, - a fé dos eleitos de Deus. Portanto, eles normalmente respondem, e mantêm a proporção com as evidências que qualquer um tem dessa fé em si mesmo; pelo menos, eles não podem ser mantidos sem tais evidências. Portanto, para que possamos ser um pouco úteis para o estabelecimento ou a recuperação desse consolo que Deus deseja tão abundantemente que todos os herdeiros da promessa desfrutem, eu devo perguntar: quais são os principais atos e operações de fé, por meio dos quais irá evidenciar a sua verdade e sinceridade no meio de todas as tentações e tempestades que podem acontecer com os crentes neste mundo? E devo insistir tão somente quanto ao mais severo escrutínio da Escritura e da experiência. E, - a principal atuação genuína de fé salvadora em nós, inseparável disso, sim, essencial para tal atuação, consiste em escolher, abraçar e aprovar o caminho de Deus para salvar pecadores, pela mediação de Jesus Cristo, confiando nisso, com uma renúncia de todos os outros modos e meios que visem ao mesmo fim da salvação. Isto é o que devemos explicar e provar. A fé é nossa "crença no testemunho que Deus nos deu de seu Filho", 1 João 5: 10: "E este é o testemunho, que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho", versículo 11. Este é o testemunho que Deus dá, aquela grande e santa verdade que ele próprio testemunha, isto é, que ele preparou livremente a vida eterna para os que acreditam, ou forneceu uma caminho de salvação para eles. E o que Deus assim prepara, diz ele, por causa da certeza de sua comunicação. Assim, a graça foi prometida e dada aos eleitos em Cristo Jesus antes do início do mundo, 2 Timóteo 1: 9; Tito 1: 2. E isso deve ser comunicado a eles, na mediação de seu Filho Jesus Cristo e que é o único caminho pelo qual Deus dará vida eterna a qualquer um; que está, portanto, inteiramente nele, e por ele deve ser obtido, e dele para ser recebido. Após a nossa aquiescência neste testemunho, na nossa aprovação deste modo de salvar pecadores, ou a nossa recusa disso, nossa segurança eterna ou ruína dependem absolutamente. E é razoável que seja assim: pois, ao recebermos este testemunho de Deus, "estabelecemos o nosso selo de que Deus é verdadeiro", João 3:33; atribuímos-lhe a glória da sua verdade e de todas as outras propriedades sagradas de sua natureza, o dever mais eminente de que somos capazes neste mundo; e por uma recusa disso, o que está em nós, fazemos dele um mentiroso, como neste lugar, 1 João 5:10, que é praticamente renunciar ao seu ser. E a solenidade com que este testemunho é inscrito é muito notável, versículo 7, "Há três que dão testemunho no céu, o Pai, a Palavra e o Espírito Santo; e estes três são um." A trindade das pessoas divinas, agindo de forma distinta na unidade da mesma natureza divina, dá esse testemunho: e eles fazem isso por aquelas operações distintas pelas quais eles agem desta maneira e trabalham a salvação dos pecadores por Jesus Cristo; as quais são declarados em grande parte no evangelho. E há um testemunho que é imediatamente aplicável às almas dos crentes, deste testemunho soberano da Santíssima Trindade; e este é o testemunho da graça e de todas as ordenanças sagradas: "Há três que dão testemunho na terra, o espírito, a água e o sangue; e estes três concordam em um" versículo 8. Eles não são essencialmente o mesmo em uma e a mesma natureza, como são o Pai, a Palavra e o Espírito Santo, mas todos concordam absolutamente no mesmo testemunho; e eles fazem isso com essa eficácia especial que eles têm sobre as almas dos crentes para garantir-lhes essa verdade. Neste testemunho, tão solenemente, tão gloriosamente dado e proposto, a vida e a morte estão diante de nós. O recebimento e o abraço deste testemunho, com uma aprovação do caminho da salvação atestada, é aquela obra da fé que nos assegura da vida eterna. Nestes termos, há reconciliação e concordância feita e estabelecida entre Deus e os homens; sem o qual os homens devem perecer para sempre. Portanto, nosso Salvador bendito afirma: "Esta é a vida eterna, que eles te conheçam a ti" (o Pai) "o único Deus verdadeiro e Jesus Cristo a quem enviaste", João 17: 3. Conhecer o Pai como o único Deus verdadeiro, conhecê-lo como ele enviou Jesus Cristo para ser o único meio e caminho para a salvação dos pecadores, e conhecer Jesus Cristo como enviado por ele para esse fim, é essa graça e dever que nos concede o direito à vida eterna, e nos inicia na posse dela: e isso inclui a escolha e a aprovação do caminho de Deus para a salvação dos pecadores dos quais falamos. Mas essas coisas devem ser mais abertas: 1. A grande diferença fundamental na religião diz respeito ao caminho e aos meios pelos quais os pecadores podem ser salvos. Das diferentes apreensões dos homens surgiram todas as outras diferenças sobre a religião; e a primeira coisa que envolve os homens em qualquer interesse na religião, é uma indagação em suas mentes como os pecadores podem ser salvos, ou o que eles devem fazer para serem salvos: "O que devemos fazer? O que devemos fazer para sermos salvos?" "Qual o caminho da aceitação com Deus?" é essa consulta que dá aos homens a primeira iniciação na religião. Veja Atos 2:37; Atos 16:30; Miquéias 6: 6-8. Esta pergunta foi levantada uma vez na consciência, e uma resposta deve ser dada a ela. "Considerarei", diz o profeta, "o que responderei quando eu for reprovado", Habacuque 2: 1. E há toda a razão no mundo que os homens considerem bem uma boa resposta, sem a qual eles devem perecer para sempre; pois se eles não podem responder a si mesmos aqui, como eles esperam responder a Deus a seguir? Portanto, sem uma resposta suficiente sempre pronta para esta indagação, ninguém pode ter nenhuma esperança de uma eternidade abençoada. Agora, a verdadeira resposta que os homens dão, eles próprios são de acordo com a influência que suas mentes estão sob um ou outro dos dois pactos divinos, - o das obras ou o da graça. E estes dois pactos, tomados absolutamente, são inconsistentes e dão respostas neste caso que são diretamente contraditórias entre si: assim o apóstolo declara, Romanos 10: 5-9. O pacto de obras diz: "O homem que faz as obras da lei viverá por elas”; esta é a única maneira pela qual você pode ser salvo; o pacto da graça renuncia totalmente a isto, e coloca tudo na fé em Cristo Jesus. Portanto, há grande diferença e variedade nas respostas que os homens dão a si mesmos nesta investigação; pois suas consciências nem ouvem nem falam nada além do que cumpre com a aliança a que pertencem. Essas coisas são reconciliadas apenas no sangue de Cristo; e como, declarou o apóstolo, Romanos 8: 3. A maior parte dos pecadores convencidos parece aderir ao testemunho da aliança das obras; e perecem para sempre. Nada nos resistirá a este assunto, nada nos salvará, senão a resposta de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo, 1 Pedro 3:21. 2. O caminho que Deus preparou para a salvação dos pecadores é um fruto e produto da sabedoria infinita e poderosamente eficaz até o fim. Como tal, deve ser recebido, ou é rejeitado. Não basta que possamos admitir as noções dele declaradas, a menos que sejamos sensíveis da sabedoria divina e do poder nele, de modo que possamos confiar de maneira segura. Aqui, com a proposta dele, cai a diferença eternamente distinta entre os homens. Alguns abraçam-no como o poder e a sabedoria de Deus; outros realmente o rejeitam como sendo insensato e fraco. O apóstolo dá uma conta em grande, em 1 Coríntios 1: 18-24:

“18 Porque a palavra da cruz é deveras loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus.

19 porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a sabedoria o entendimento dos entendidos.

20 Onde está o sábio? Onde o escriba? Onde o questionador deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo?

21 Visto como na sabedoria de Deus o mundo pela sua sabedoria não conheceu a Deus, aprouve a Deus salvar pela loucura da pregação os que creem.

22 Pois, enquanto os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria,

23 nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos,

24 mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus.”

E isso é misterioso na religião: - a mesma verdade divina é da mesma maneira e significado, ao mesmo tempo, proposta a diversas pessoas, todos na mesma condição, nas mesmas circunstâncias, todos igualmente preocupados com o que se propõe nela: alguns deles aqui recebem, abraçam, aprovam e confiam nela para a vida e a salvação; outros desprezam, rejeitam, não valorizam, não confiam nisso. Para uma pessoa é a sabedoria de Deus, e o poder de Deus; para outra, fraqueza e tolice: como deve, necessariamente, ser um ou outro, - não é capaz de um estado intermediário ou consideração. Não é um bom caminho, a menos que seja o único caminho; não é seguro, não é o melhor caminho, se houver algum outro; pois é eternamente inconsistente com qualquer outro. É a sabedoria de Deus, ou é pura loucura. E aqui, depois de todas as nossas disputas, devemos recorrer à eterna graça soberana, estabelecendo uma distinção entre aqueles a quem o evangelho é proposto, e o poder poderoso da graça real na cura da incredulidade que cega as mentes dos homens, que podem ver nada além de loucura e fraqueza no caminho de Deus da salvação dos pecadores. E essa incredulidade ainda funciona na maioria daqueles a quem este caminho de Deus é proposto no evangelho; eles não o recebem como um efeito da sabedoria infinita, e tão poderosamente eficaz para o seu próprio fim. Alguns são perdidos no serviço às suas concupiscências e não consideram isso; a quem pode ser aplicado, que no dizendo do profeta: "Vede, ó desprezadores, e espantai-vos e desaparecei". Alguns estão sob o poder das trevas e da ignorância, de modo que não apreendem, não entendem o mistério do evangelho; porque "a luz brilha nas trevas e a escuridão não a compreende". Alguns são cegados por Satanás, como ele é o Deus deste mundo, preenchendo suas mentes com preconceito e seus corações com o amor das coisas presentes, para que a luz do glorioso evangelho de Cristo, que é a imagem de Deus, não possa iluminá-los. Alguns misturariam com eles suas próprias obras, caminhos e deveres, como pertencendo à primeira aliança; que são eternamente irreconciliáveis ​​com este caminho de Deus, como ensina o apóstolo, Romanos 10: 3,4. A incredulidade arruína eternamente as almas dos homens. Eles não podem aprovar o caminho de Deus para salvar os pecadores proposto no evangelho, como um efeito da infinita sabedoria e poder, para que eles possam confiar de maneira segura, em oposição a todos os outros meios, que aparentam ser úteis para o mesmo fim; e isso nos dará luz sobre a natureza e a ação da fé salvadora, sobre a qual indagamos. 3. Toda a Escritura e todas as instituições divinas desde o início, testificam, em geral, que este caminho de Deus para a salvação dos pecadores é por comutação, substituição, expiação, satisfação e imputação. Este é o idioma da primeira promessa, e todos os sacrifícios da lei fundados sobre a mesma; esta é a linguagem da Escritura: "Há um caminho pelo qual os pecadores podem ser salvos, - um caminho que Deus revelou e designou." Agora, sendo a lei em que os pecadores estão preocupados, a regra de todas as coisas entre Deus e eles parece ser pelo que eles podem fazer ou sofrer com respeito a essa lei. "Não", diz a Escritura, "não pode ser assim; "Porque, segundo as obras da lei, nenhum homem vivo será justificado aos olhos de Deus". Salmo 143: 2; Romanos 3:20; Gálatas 2: 16. Não será por sua resposta pessoal da pena da lei que eles quebraram; porque eles não podem fazê-lo, mas devem perecer eternamente: porque "Se tu, Senhor, observares iniquidades, ó Senhor, quem permanecerá?" Salmo 130: 3. Portanto, deve haver outro caminho, de natureza diferente, para a salvação dos pecadores, ou não há uma devida revelação feita na mente de Deus na Escritura. Mas é assim, e o que há, é o principal desígnio dele para declarar: e isto é pela substituição de um mediador pelo qual os pecadores devem ser salvos, o qual deve suportar a pena da lei que eles transgrediram, e cumprir aquela justiça que não puderam alcançar. Isto é, em geral, o caminho de Deus para salvar os pecadores, quer os homens gostem ou não: "Porquanto o que era impossível à lei, visto que se achava fraca pela carne, Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança da carne do pecado, e por causa do pecado, na carne condenou o pecado. para que a justa exigência da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito.", Romanos 8: 3,4. E também Hebreus 10: 5-10: “Pelo que, entrando no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste, mas um corpo me preparaste; não te deleitaste em holocaustos e oblações pelo pecado. Então eu disse: Eis-me aqui (no rol do livro está escrito de mim) para fazer, ó Deus, a tua vontade. Tendo dito acima: Sacrifício e ofertas e holocaustos e oblações pelo pecado não quiseste, nem neles te deleitaste (os quais se oferecem segundo a lei); agora disse: Eis-me aqui para fazer a tua vontade. Ele tira o primeiro, para estabelecer o segundo. É nessa vontade dele que temos sido santificados pela oferta do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez para sempre.” E 2 Coríntios 5;21: "Ele o fez pecado por nós, que não conhece pecado; para que sejamos feitos a justiça de Deus nele." A incredulidade prevaleceu com muitos nesta última era para rejeitar a glória de Deus; mas nós vindicamos a verdade contra eles suficientemente em outros lugares. 4. Há diversas coisas anteriormente necessárias para nos dar uma visão clara da glória de Deus nesta maneira de salvar pecadores: tais são, uma devida consideração da natureza da queda de nossos primeiros pais e da nossa apostasia de Deus. Eu não posso demorar aqui para mostrar o agravamento e a natureza deles; nem podemos conceituá-los corretamente, muito menos expressá-los. Só digo que, a menos que tenhamos apreensões do medo e do terror deles, da invasão feita sobre a glória de Deus, e a confusão trazida sobre a criação por eles, nunca podemos discernir o motivo e a glória de rejeitar o caminho de justiça pessoal e estabelecer esta maneira de mediação por Jesus Cristo para a salvação dos pecadores. O devido senso de nossa distância infinita presente de Deus, e a impossibilidade de que se trate de alguém se aproximando dele é da mesma consideração; assim também é a nossa total incapacidade de fazer qualquer coisa que possa responder à lei, ou à santidade e justiça de Deus nela, - da nossa inconformidade universal em nossas naturezas, corações e sua atuação, à natureza, santidade e vontade de Deus. A menos que, eu digo, tenhamos um senso dessas coisas em nossas mentes e em nossas consciências, não podemos acreditar de maneira correta, não podemos compreender a glória desse novo modo de salvação. E considerando que a humanidade teve uma noção geral, embora nenhuma apreensão distinta dessas coisas, ou de algumas delas, muitos dentre eles apreenderam que há necessidade de algum tipo de satisfação ou expiação, para que os pecadores possam ser libertados do descontentamento de Deus; mas quando o caminho de Deus foi proposto a eles, foi, e é geralmente rejeitado, porque "a mente carnal é inimizade contra Deus". Mas quando essas coisas são consertadas na alma por convicções afiadas e duradouras, elas a iluminarão com a devida apreensão da glória e da beleza do modo de Deus de salvar pecadores. 5. Este é o evangelho, este é o trabalho dele, ou seja, uma declaração divina do caminho de Deus para a salvação dos pecadores, através da pessoa, da mediação, do sangue, da justiça e da intercessão de Cristo. Isto é o que revela, declara, propõe e oferece aos pecadores, - há um caminho para a salvação deles. Como esta está contida na primeira promessa, então a verdade de cada palavra na Escritura depende da suposição dela. Sem isso, não poderia haver mais relações entre Deus e nós do que entre ele e demônios. Novamente, declara que esta maneira não é pela lei ou suas obras, - pela primeira aliança, ou suas condições - por nossa própria ação ou sofrimento; mas é uma maneira nova, descoberta e procedente da infinita sabedoria, amor, graça e bondade, isto é, pela encarnação do eterno Filho de Deus, sua realização do ofício de mediador, fazendo e sofrendo tudo o que fosse necessário para a justificação e a salvação dos pecadores, para a sua própria glória eterna.

“23 Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;

24 sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus,

25 ao qual Deus propôs como propiciação, pela fé, no seu sangue, para demonstração da sua justiça por ter ele na sua paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos;

26 para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus.

27 Onde está logo a jactância? Foi excluída. Por que lei? Das obras? Não; mas pela lei da fé.” (Romanos 3: 23-27).

Veja também Romanos 8: 3, 4; 2 Coríntios 5: 19-21, etc. Além disso, o evangelho acrescenta, que o único meio de se interessar por essa bênção de salvação de pecadores pela substituição de Cristo, como garantia do pacto, e a imputação de nossos pecados a ele, e a sua justiça para conosco, é por fé nele. Aqui vem esse julgamento de fé que investigamos. Este modo de salvar os pecadores que nos é proposto e oferecido no evangelho, a fé verdadeira e salvadora o recebe, o aprova, repousa nele, renuncia a todas as outras esperanças e expectativas, repousando nele a sua confiança. Por isso não é proposto para nós meramente como uma noção de verdade, para ser consentido ou negado, em que sentido todos acreditam no evangelho que se chamam cristãos, - eles não o consideram uma fábula; mas é proposto para nós como aquele com que devemos nos fechar praticamente, para que confiemos somente nele para ter vida e salvação. E falarei brevemente duas coisas:

I. Como a fé salvadora aprova esse caminho? Em que contas e para o que aponta?

II. Como isso faz evidências e se manifesta por meio do presente para o conforto dos crentes. Como a fé salvadora aprova esse caminho? Em que conta e para qual fim?    Primeiro, a fé aprova esse caminho, como aquele que mostra Deus concedendo e propondo: assim fala o apóstolo, em Hebreus 2:10: "Porque convinha que aquele, para quem são todas as coisas, e por meio de quem tudo existe, em trazendo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse pelos sofrimentos o autor da salvação deles."

Isso mostra que Deus, é digno dele, pertence a ele, que responde à sua infinita sabedoria, bondade, graça, santidade e justiça, e nada mais. Essa fé discerne, julga e determina sobre este caminho, a saber, que é de todo jeito digno de Deus e responde a todas as propriedades sagradas de sua natureza. Isto é chamado de "a luz do conhecimento da glória de Deus na face de Jesus Cristo", 2 Coríntios 4: 6. Esta descoberta da glória de Deus desta maneira é feita somente pela fé, e só por ela é abraçada. O não discernimento e a falta de aquiescência disso, é aquela incredulidade que arruína as almas dos homens. A razão pela qual os homens não abraçam o caminho da salvação oferecido no evangelho, é porque eles não veem nem compreendem quão cheio está de glória divina, como manifesta Deus, é digno dele e responde a todas as perfeições de sua natureza. Suas mentes são cegas, para que a luz do glorioso evangelho de Cristo, que é a imagem de Deus, não lhes brilha, 2 Coríntios 4: 4. E assim eles lidam com esse caminho de Deus como se fosse fraqueza e insensatez. Aqui consiste a essência e a vida de fé: vê, discerne e determina que o caminho da salvação dos pecadores por Jesus Cristo proposto no evangelho, é tal que revela Deus e todas as suas excelências divinas sendo nomeadas e propostas a nós. E aqui é apropriada para dar glória a Deus, que é seu trabalho peculiar e excelência, Romanos 4:20; Aqui, repousa e se refrigera. Em particular, a fé aqui se regozija na manifestação da infinita sabedoria de Deus. Uma visão da sabedoria de Deus atuando por seu poder nas obras da criação (pois, em sabedoria, ele as criou a todos), é a única razão de atribuir glória a ele em toda adoração natural, pela qual o glorificamos como Deus; e uma devida apreensão da infinita sabedoria de Deus na nova criação, no caminho de salvar pecadores por Jesus Cristo, é o fundamento de toda a atribuição espiritual e evangélica da glória a Deus. Foi o desígnio de Deus, de uma maneira peculiar, manifestar e glorificar sua sabedoria neste trabalho. Cristo crucificado é o "poder de Deus e a sabedoria de Deus", 1 Coríntios 1:24; e "todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão escondidos nele", Colossenses 2: 3. Todos os tesouros da sabedoria divina são guardados em Cristo, e são colocados sobre ele, para serem manifestados pela fé e pelo evangelho que ele criou aqui para dar a conhecer sua "múltipla sabedoria", Efésios 3: 9,10. Portanto, de acordo com a nossa apreensão e admiração da sabedoria de Deus na constituição deste modo de salvação é pela nossa fé e não de outra forma; e onde isso não nos aparece, onde nossas mentes não são afetadas com isso, não há fé. Não posso demorar neste ponto para contar as instâncias especiais da sabedoria divina aqui. Um pouco eu tentei em relação a outros escritos; e só digo no momento que o fundamento de toda essa obra e caminho, na encarnação do eterno Filho de Deus, é um efeito tão glorioso da sabedoria infinita, que toda a criação abençoada admira a eternidade. Isto por si só revela este caminho e trabalha divino. Aqui a glória de Deus brilha na face de Jesus Cristo. Isto é somente de Deus; é isso que o revela; o que nada além de sabedoria infinita poderia ser. Enquanto a fé vive em uma devida apreensão da sabedoria de Deus nisto, e toda a superação desta maneira, nesta base é segura. Bondade, amor, graça e misericórdia são outras propriedades da natureza divina, em que é gloriosamente amável. "Deus é amor", não existe nenhum Deus senão ele. A graça e a misericórdia estão entre os principais títulos que ele assume em todos os lugares para si mesmo e foi o seu desígnio manifestá-los todos ao máximo nesta obra e modo de salvar os pecadores por Cristo, como está em toda parte declarado na Escritura. E tudo isso está aberto ao olho da fé aqui: vê bondade, amor e graça infinitas, dessa forma, como revela Deus, de modo que não pode residir senão nele; em quem, portanto, descansa e se alegra, 1 Pedro 1: 8. Na aderência e aprovação deste modo de salvação, como expressivo dessas perfeições da natureza divina, a fé atua continuamente. Onde a incredulidade prevalece, a mente não tem visão da glória que está nesta maneira de salvação, que é tão reveladora de Deus e de todas as suas propriedades sagradas, como o apóstolo declara, 2 Coríntios 4: 4. E, quando é assim, o que quer que seja fingido, os homens não podem recebê-lo cordialmente e abraçá-lo; porque eles não conhecem o motivo pelo qual deve ser abraçado: eles não veem nenhuma forma nem é agradável em Cristo, que é a vida e centro deste caminho, "nenhuma beleza pela qual ele deveria ser desejado", Isaías 53: 2. Assim, a primeira pregação disso, era "para os judeus uma pedra de tropeço e loucura para os gregos", porque, por causa de sua incredulidade, eles não podiam ver, o que é, "o poder de Deus e a sabedoria de Deus ", e assim deve ser estimado ou ser considerado uma loucura. Sim, da mesma incredulidade é que neste momento a própria noção da verdade aqui é rejeitada por muitos, mesmo aqueles que são chamados Socinianos e todos os que se aderem a eles na descrença de mistérios sobrenaturais. Não podem ver uma conveniência nesta maneira de salvação para a glória de Deus, como nenhum incrédulo pode; e, portanto, aqueles que não se opõem diretamente à doutrina dele, ainda não fazem uso disso até o seu fim. Muito poucos deles, comparativamente, que professam a verdade do evangelho, têm uma experiência do seu poder para sua própria salvação. Mas, aqui, a verdadeira fé é invencível, por isso evidenciará sua verdade e sinceridade no meio de todas as tentações, e os conflitos mais sombrios que tem com eles; sim, contra o poder desconcertante e a carga do pecado que surgem. Desta fortaleza não será afastada; enquanto a alma pode exercer fé aqui, ou seja, escolhendo, abraçando e aprovando o caminho de Deus para salvar os pecadores por Jesus Cristo, como aquele em que ele será eternamente glorificado, porque é adequado e responde a todas as perfeições da sua natureza, e é aquilo a que todos os caminhos se voltam, - e nos libertará em todas as nossas provações. Para isso é a fé, isso é uma fé salvadora, que não nos faltará. A fé que opera na alma uma persuasão graciosa da excelência deste caminho, pela visão da glória da sabedoria, do poder, da graça, do amor e da bondade de Deus nele, de modo a ficar satisfeito com ele, como o melhor, o único caminho para chegar a Deus, com uma renúncia a todos os outros caminhos e meios para esse fim, evidenciará em todos os momentos sua natureza e sinceridade. E isso é o que dá à alma descanso e satisfação, como a sua entrada na Glória, após sua saída deste mundo. É uma grande coisa, apreender de uma maneira justa que uma alma pobre que tenha a culpa muitos pecados, deixando o corpo, pode ser, sob grande dor e angústia, seja por violência externa, deva ser imediatamente admitido e recebido na gloriosa presença de Deus, com todos os santos atendentes do seu trono, para desfrutar o descanso e a benção para sempre. Mas aqui também a fé discerne e aprova esta grandeza, desta operação inefável e divina, como aquela que revela a grandeza infinita daquela sabedoria e graça que a desenhou pela primeira vez, a gloriosa eficácia da mediação de Cristo e a excelência da santificação do Espírito Santo, sem qualquer expectativa de nada em si, como causa meritória de admissão para esta glória. Nem qualquer homem sabe o que é, ou o deseja de maneira devida, que procurou qualquer deserção dele em si mesmo, ou concebeu qualquer proporção entre ele e o que ele é ou fez neste mundo. Daí alguns dos que não têm essa fé inventaram outro estado, depois que os homens saíram deste mundo, para que eles se encontrem para o céu, que eles chamam de purgatório; mas por que motivo um homem deve esperar uma entrada na glória, na sua saída deste mundo, eles não entendem. Deixe que aqueles que são exercitados com tentações e abatimentos tragam a fé para este julgamento; e este é o caso, em vários graus, de todos nós: - Primeiro, então, examine estritamente a Palavra se esta é uma descrição verdadeira da natureza da fé salvadora. Diversas coisas são supostas ou afirmadas nele; como, - 1. Que o modo de salvar os pecadores por Jesus Cristo é o principal efeito da sabedoria divina, do poder, da bondade, do amor e da graça. 2. Que o desígnio do evangelho é o de manifestar, declarar e testemunhar que é desta forma, e assim dá a conhecer a glória de Deus neles. 3. Que a fé salvadora é aquele ato, dever e trabalho da alma, por meio da qual recebemos o testemunho de Deus sobre essas coisas, e atribuímos a glória de todos a ele, como a descobrimos no caminho da vida que nos foi proposto. 4. Que, em seguida, procedemos a uma renúncia a todos os outros caminhos, meios, esperanças, em oposição a este modo, ou em conjunto com ele, para a aceitação com Deus na vida e salvação. Eu digo, em primeiro lugar, examine estas coisas estritamente com a Palavra; e se eles parecem ser (como são) verdades santas, evangélicas e fundamentais, não se afastem deles, não sejam abalados nelas, por qualquer tentação. E, no próximo lugar, traga sua fé para o julgamento nesses princípios: o que você julga sobre o caminho de Deus para salvar pecadores por Jesus Cristo, como proposto no evangelho? Você está satisfeito nisso, que revela a Deus e responde a todos os atributos gloriosos de sua natureza? Você teria alguma outra maneira proposta em vista? Você pode, encomendar o bem-estar eterno de sua alma à graça e fidelidade de Deus desta maneira, de modo que você não deseje ser salvo por outra? Será que a glória de Deus, em qualquer medida, brilha para você na face de Jesus Cristo? Você encontra uma alegria secreta em seu coração com a satisfação que tem em aceitar a proposta desse caminho do evangelho? Você, em todos os seus medos e tentações, em todas as abordagens da morte, renuncia a todas as outras reservas e relevos, e se volta com toda a sua confiança somente na representação de Deus nele? Aqui está a fé e o seu exercício, que será uma âncora para as suas almas em todas as suas provações. E este é o primeiro e principal motivo, ou razão, em que a fé, divina e salvadora, aceita, abraça e aprova a maneira de os pecadores serem salvos por Deus em Jesus Cristo, isto é, porque é como ele se tornou, e todos os meios respondem a todas as propriedades sagradas de sua natureza, que se manifestam e são glorificadas nele. E onde a fé o aprova por esse motivo e razão, prova-se ser verdadeiramente evangélica, para o apoio e o conforto daqueles em quem está. Em segundo lugar, faz isso aprovando esse caminho como aquilo que se considera adequado para todo o desígnio e todos as necessidades de uma alma iluminada. Assim, quando nosso Senhor Jesus Cristo compara o reino de Deus (que é este caminho de salvação) a um tesouro e uma pérola preciosa, ele afirma que aqueles que os encontraram tiveram grande alegria e a mais alta satisfação, como tendo alcançado o que se adequava aos seus desejos e deu descanso às suas mentes. Uma alma iluminada com o conhecimento da verdade e sensível à sua própria condição por convicção espiritual tem dois desejos e objetivos predominantes, por meio dos quais é totalmente regulada, - o primeiro é que Deus seja glorificado; e o outro, que ele mesmo possa ser eternamente salvo. Nem pode renunciar a nenhum desses desejos, nem são separáveis ​​em nenhuma alma iluminada. Nunca pode cessar em nenhum desses desejos, e isso até o mais alto grau. O mundo inteiro não pode despojar uma mente esclarecida de qualquer um deles. Os pecadores preocupados não têm interesse no primeiro; não, nem mesmo aqueles que estão sob convicções legais, se eles não possuíam luz espiritual. Eles seriam salvos; mas para a glória de Deus nele, - eles não estão preocupados com isso: porque o que eles querem dizer com salvação não é senão a liberdade da miséria externa. Eles o teriam, se Deus fosse glorificado ou não; mas do que é salvação verdadeiramente, eles não têm nenhum desejo. Mas o primeiro feixe de luz espiritual e graça instam um desejo infatigável da glória de Deus nas mentes e almas daqueles em quem está. Sem isso, a alma não sabe como desejar a sua própria salvação. Posso dizer que não seria salvo de uma maneira em que Deus não deveria ser glorificado; pois sem isso, seja qual for o seu estado, não seria o que chamamos salvação. A exaltação da glória de Deus pertence essencialmente a isso; consiste na contemplação e gozo dessa glória. Esse desejo, portanto, é fixado na mente e na alma de todas as pessoas iluminadas; ele não pode admitir nenhuma proposta de coisas eternas que seja incompatível com isso. Mas, além disso, em todas essas pessoas há um desejo dominante de sua própria salvação. É natural para ele, como uma criatura feita para a eternidade; é inseparável dele, pois ele é um pecador convencido do seu pecado. E quanto mais clara for a luz de qualquer um na natureza desta salvação, mais esse desejo é aumentado e confirmado nele. Então, há o inquérito, isto é: como esses dois desejos prevalentes podem ser reconciliados e satisfeitos na mesma mente? Pois, como somos pecadores, parece haver uma inconsistência entre eles. A glória de Deus, na sua justiça e santidade, exige que os pecadores morram e pereçam eternamente. Assim fala a lei; este é o idioma da consciência e a voz de todos os nossos medos: por isso, para que um pecador deseje, em primeiro lugar, que Deus seja glorificado. É desejar que ele mesmo possa ser condenado. De qual desses desejos o pecador se afastará? A qual deles, ele deve dar a preeminência? Ele eliminará todas as esperanças e desejos de sua própria salvação e se contentará em perecer para sempre? Isso ele não pode fazer; Deus não exige isso dele - ele lhe deu o contrário no comando enquanto ele está neste mundo. Desejará, então, que Deus se separe e perca a sua glória, de modo que, de uma maneira ou de outra, ele possa ser salvo? Será trazido a uma indiferença quanto a isso? Isso não pode ser mais uma mente iluminada do que pode deixar de desejar sua própria salvação. Mas, como reconciliar essas coisas em si mesmo, é o que um pecador não encontra. Aqui, portanto, a glória deste modo se representa para a fé de todo crente. Não só traz esses desejos em perfeita consistência e harmonia, mas faz com que eles aumentem e se promovam. O desejo da glória de Deus aumenta o desejo de nossa própria salvação; e o desejo de nossa própria salvação aumenta e inflama o desejo de glorificar a Deus. Essas coisas são trazidas para uma perfeita consistência e subserviência mútua no sangue de Cristo, Romanos 3: 24-26; por isso é o que Deus descobriu, na sabedoria infinita, para se glorificar na salvação dos pecadores. Não existe qualquer coisa em que a glória de Deus consiga ou possa consistir, mas assim é reconciliada e consistente com a salvação do principal dos pecadores. Não há propriedade de sua natureza, mas é gloriosamente exaltada por ela. É dada uma resposta a todas as objeções da lei contra a consistência da glória de Deus e a salvação dos pecadores. Ele invoca sua verdade em sua ameaça, na sanção da lei, com a maldição anexada; - invoca a sua justiça, santidade e severidade, todos comprometidos para destruir os pecadores; - invoca o exemplo do trato de Deus com os anjos que pecaram e chama o testemunho da consciência para testemunhar a verdade de todas as suas alegações: mas há uma resposta completa e satisfatória dada a todo esse argumento da lei desta maneira de salvação. Deus declara nele, e por isso, como ele providenciou a satisfação de todas essas coisas, e a exaltação da sua glória nelas; como veremos imediatamente. A fé verdadeira se consertará em todas as suas angústias. "Seja como for", diz a alma, "seja meu estado e condição, sejam quais forem meus medos e perplexidades, quaisquer oposições com as quais me encontro, mas vejo em Jesus Cristo, no espelho do evangelho, que não há inconsistência entre a glória de Deus e a minha salvação. Essa dificuldade, de outra forma insuperável, imposta pela lei no caminho da minha vida e conforto, é completamente removida. "Enquanto a fé mantém essa aliança na alma, com uma aprovação constante deste modo de salvação por Cristo, como o que dá tal consistência para ambos os seus desejos governantes, para que não precise renunciar a nenhum deles, - porque se contentar com a condenação de que Deus seja glorificado, como alguns falaram, ou desejar salvação sem o devido respeito à glória de Deus, - será uma âncora para manter a alma em todas as suas tempestades e angústias. Alguns benefícios que certamente ocorrerão aqui, podemos mencionar brevemente. 1. A alma será preservada de se arruinar em desespero, em todas as angústias que possam acontecer. O desespero não passa de uma apreensão predominante da mente de que a glória de Deus e a salvação de um homem são inconsistentes; - que Deus não pode ser justo, verdadeiro ou santo, se aquele em quem essa apreensão está for salvo. Tal pessoa conclui que sua salvação é impossível, porque, de uma maneira ou de outra, é inconsistente com a glória de Deus. Por isso, surge na mente uma aversão absoluta a Deus, com pensamentos vingativos contra ele por ser o que ele é. Isso corta todos os esforços de reconciliação, sim, gera um aborrecimento de todos os meios, como aqueles que são fracos, tolos e insuficientes. Tais são Cristo e sua cruz para os homens sob tais apreensões; eles os julgam incapazes de conciliar a glória de Deus e a salvação deles. Então é uma alma em uma entrada aberta para o inferno. Mas desse quadro amaldiçoado e arruinado, a alma é preservada com segurança pela manutenção da fé na mente e no coração, e uma devida persuasão da consistência e harmonia que está entre a glória de Deus e sua própria salvação. Embora esta persuasão seja prevalecente nela, embora não possa obter uma certeza confortável de um interesse especial nela, ainda não pode deixar de amar, honrar, valorizar e se unir a esse caminho, adorando a sabedoria e a graça de Deus nele; que é um ato e prova de uma fé salvadora. Veja Salmo 130: 3,4. Sim, - 2. Ele preservará a alma de desânimo de coração. Muitos em suas tentações, escuridões, medos, surpresas pelo pecado, embora não tenham caído em desespero, mas caem sob medos tão desanimados e vários desânimos, como para mantê-los fora de um esforço vigoroso por uma melhora e, por falta do devido exercício da graça, eles ficam mais fracos e mais em trevas todos os dias, e estão em perigo de abater seus pecados. Mas onde a fé mantém a alma constante para a aprovação do modo de Deus de salvar os pecadores, como aquilo em que a glória de Deus e a sua própria salvação não são apenas reconciliadas, mas tornadas inseparáveis, moverão todas as graças a um exercício devido e à diligência de todos os deveres, pelo que poderá obter um senso refrescante de interesse pessoal nisso. 3. Ele manterá o coração cheio de bondade para com Deus; de onde o amor e a graciosa esperança surgirão. É impossível, porém, que uma alma dominada pela sensação de pecado, e aí se enche de autocondenação, mas se tem uma visão da consistência da glória de Deus com a sua libertação e salvação, através de uma disposição livre de sabedoria infinita e graça, deve ter tanta gentileza para ele, pensamentos tão graciosos dele, que gerará e amadurecerá muito amor quanto a esperança, como em Miquéias 7: 18-20; Salmo 85: 8; 1 Timóteo 1:15. 4. Uma continuação constante na aprovação do caminho de salvação de Deus, na razão mencionada, conduzirá a mente a esse exercício de fé que declara sua natureza e é a fonte de todos os benefícios que recebemos por ela. Agora, essa é uma luz espiritual e uma descoberta da revelação e declaração feita no evangelho, da sabedoria, amor, graça e misericórdia de Deus em Cristo Jesus, e o modo de comunicação do efeito deles a pecadores por ele, pois a alma os encontra adequados e capazes de perdão de seus próprios pecados, sua justiça e salvação; de modo que entregue toda confiança e esperança para esses fins. Essa é a própria vida de fé, por meio da qual somos justificados e salvos, e por meio da qual evidencia sua verdade e sinceridade contra todas as tentações, e devo insistir um pouco na explicação da descrição agora dada. E há três coisas nela, ou que são requeridas: - (1.) Uma luz espiritual e descoberta da revelação e declaração feita no evangelho da sabedoria, amor, graça e misericórdia de Deus em Cristo Jesus. Não é um mero consentimento para a verdade da revelação ou autoridade do revelador; - isso, de fato, é suposto e incluído nela; mas acrescenta a isso um discernimento espiritual, percepção e compreensão das coisas reveladas e declaradas; sem o qual, um desprezo à verdade da revelação não é de nenhuma vantagem. Isto é chamado de "A luz do conhecimento da glória de Deus na face de Jesus Cristo", 2 Coríntios 4: 6; o aumento que o apóstolo pede sinceramente, a todos os crentes, Efésios 1: 15-20. Então discernimos as coisas espirituais de maneira espiritual; e, portanto, surge "a plena garantia de compreensão, para o reconhecimento do mistério de Deus, e do Pai, e de Cristo", Colossenses 2: 2; ou um sentido espiritual do poder, da glória e da beleza das coisas contidas neste mistério: para conhecer Cristo como para saber "o poder de sua ressurreição e a comunhão de seus sofrimentos", Filipenses 3: 10. A fé afeta a mente com um sentido inefável, gosto, experiência e reconhecimento da grandeza, da glória, do poder, da beleza das coisas reveladas e propostas desta maneira de salvação. A alma nela é capaz de ver e entender que todas as coisas que lhe pertencem são revelar Deus, sua sabedoria, bondade e amor; como foi declarado antes. E uma luz espiritual que possibilita o dom é a essência da fé salvadora; e a menos que esta esteja em nós, não podemos dar glória a Deus em qualquer consentimento à verdade. E a fé é a graça que Deus preparou, ajustou e adequou, para lhe dar a glória que é devida na obra de nossa redenção e salvação. (2) Sobre esta luz espiritual para esta revelação de Deus e sua glória, desta maneira de salvar pecadores, a mente pela fé encontra e vê que todas as coisas nele se adequam à sua própria justificação e salvação em particular, e que o poder de Deus está neles para torná-los eficazes para esse fim. Este é aquele ato e obra de fé de que todo o evento abençoado depende. Não aproveitará a um homem ver todos os tipos de iguarias e provisões, se não forem adequados ao seu apetite; nem será para a vantagem espiritual de um homem ter uma visão das excelências do evangelho, a menos que ele os ache adequado à sua condição. E este é o trabalho mais difícil que a fé tem que realizar. A fé não é uma garantia especial da própria justificação e salvação de um homem por Cristo; mas a fé é uma persuasão satisfatória de que o caminho de Deus proposto no evangelho está preparado, adequado e capaz de salvar a alma em particular que acredita, não só que é uma maneira abençoada de salvar os pecadores em geral, mas que é uma maneira de salvá-lo. Assim é o assunto afirmado pelo apóstolo, 1 Timóteo 1:15: "Esta é uma palavra fiel, e digna de toda aceitação, "ou aprovação", de que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal." Sua fé não permanece aqui, nem se limita a isto, que Jesus Cristo veio ao mundo para salvar os pecadores, que este é o caminho santo e abençoado de Deus para a salvação dos pecadores em geral; mas ele coloca para o seu interesse particular dessa maneira: "É o caminho de Deus, equipado e adequado, e capaz de me salvar, que sou o principal dos pecadores". E, como foi dito, é o maior e o mais difícil trabalho da fé; porque supomos sobre a pessoa que acredita, [1.] Que ele está realmente e efetivamente convencido do pecado da nossa natureza, da nossa apostasia de Deus, da perda de sua imagem e dos efeitos terríveis que a isto se segue. [2.] Que ele tem apreensões da santidade e severidade de Deus, da sanção e da maldição da lei, com um entendimento correto sobre a natureza do pecado e sua falta de mérito. [3.] Que ele tem plena convicção de seus próprios pecados, com todos os seus agravamentos, da grandeza, do número deles e de todo tipo de circunstâncias. [4.] Que ele tem uma sensação de culpa de pecados secretos ou desconhecidos, que foram multiplicados por essa continuada tendência ao pecado que ele encontra trabalhando nele. [5.] Que ele considere seriamente o que é comparecer perante o tribunal de Deus, para receber uma sentença para a eternidade, com todas as outras coisas de natureza semelhante, inseparáveis ​​dele como um pecador. Quando é realmente assim com qualquer homem, ele achará a coisa mais difícil do mundo, acreditar que o caminho da salvação que lhe foi proposto é adequado, ajustado e de todas as maneiras capaz de salvá-lo em particular. Mas isto é, em segundo lugar, que a fé dos eleitos de Deus fará: permitirá que a alma discirna e se satisfaça de que existe, assim, de Deus, tudo o que é necessário para a sua própria salvação. E isso será feito em uma compreensão espiritual e devida consideração, - [1.] O infinito daquela sabedoria, amor, graça e misericórdia, que é a causa original ou soberana de todo o caminho, com ampla declaração e confirmação feitos deles no evangelho. [2.] Do caminho e meios gloriosos para nos buscar e comunicar-nos todos os efeitos dessa sabedoria, graça e misericórdia, isto é, a encarnação e mediação do Filho de Deus, em sua oblação e intercessão. [3.] Da grande multidão e variedade de promessas preciosas, engajando a verdade, a fidelidade e o poder de Deus, pela comunicação da justiça e da salvação das suas origens, por esse meio. Eu digo, com a consideração justa dessas coisas, com todos os outros incentivos com que são acompanhados, a alma conclui pela fé em que há salvação para si mesma em particular, para ser alcançada dessa maneira. (3.) O último ato de fé, na ordem da natureza, é a aquiescência da alma, e confiança neste modo de salvação para si e sua própria condição eterna, com uma renúncia de todos os outros meios para esse fim. E porque Jesus Cristo, em sua pessoa, a mediação e justiça, é a vida e centro deste caminho, como aquele somente no qual Deus glorificará a sua sabedoria, amor, graça e misericórdia, - como aquele que comprou, adquiriu e causou toda esta salvação para nós, - cuja justiça é imputada a nós para nossa justificação, e quem, na execução de seu ofício, realmente nos confere, - é o objeto de fé apropriado e imediato, neste ato de confiança e amizade. Isto é o que é chamado na Escritura acreditar em Cristo, ou seja, confiando-se a ele sozinho para a vida e salvação, como toda a sabedoria e graça divina é administrada por ele para esses fins. Para isso, chegamos a ele, nós o recebemos, nós acreditamos nele, nós confiamos nele, nós permanecemos nele; com todos os outros meios pelos quais a nossa fé nele é expressada. E este é o segundo fundamento ou razão pela qual a fé se aproxima, abraça e aprova o caminho de Deus para salvar os pecadores; por meio do qual se evidenciará, para o conforto daqueles em quem está, no meio de todas as suas provações e tentações. Terceiro, a fé aprova esse caminho, como aquilo que produz a glória de Deus, na entrega e na sanção da lei, para ser tão eminentemente conspícua como se tivesse sido perfeitamente cumprida por cada um de nós em nossas próprias pessoas. A lei era uma representação justa da justiça e da santidade de Deus; e o fim para o qual foi dado era que pudesse ser o meio e instrumento da exaltação eterna de sua glória nessas propriedades sagradas de sua natureza. Não imagine que Deus tenha deixado de lado esta lei, como uma coisa de não mais uso; ou que ele suportará uma diminuição dessa glória, ou qualquer parte dela, que ele projetou na entrega da mesma. O céu e a terra passarão, mas nenhum jota ou til da lei o fará. Nenhum crente pode desejar, ou estar satisfeito com sua própria salvação, a menos que a glória de Deus projetada pela lei seja assegurada. Ele não pode desejar que Deus renuncie a alguma parte de sua glória para que ele possa ser salvo. Sim, isto é, pelo fato de que ele se alegra principalmente em sua própria salvação, ou seja, que é aquilo em que Deus será absolutamente, universalmente e eternamente glorificado. Agora, dessa maneira de salvar pecadores por Jesus Cristo, por misericórdia, o perdão e a justiça de um Outro (de tudo o que a lei não conhece), a fé vê e compreende como toda a glória que Deus projetou na entrega da lei é eternamente segura e preservada inteira, sem eclipse ou diminuição. A maneira pela qual isso é feito é declarada no evangelho. Veja Romanos 3: 24-26; 8: 2-4; 10: 3, 4. Aqui a fé é capaz de responder a todos os desafios e acusações da lei, com todos os seus apelos para a reivindicação da justiça divina, da verdade e da santidade; tem isso para oferecer no que lhe dá a maior satisfação em todos os seus apelos para Deus: assim é essa resposta gerenciada, Romanos 8: 32-34. E este é o primeiro caminho pelo qual a fé dos eleitos de Deus evidencia-se nas mentes e consciências dos que creem, no meio de todas as suas competições com o pecado, suas provações e tentações, para o alívio e o conforto, ou seja, o fechamento e a aprovação do modo de Deus de salvar os pecadores por Jesus Cristo, como os motivos e as razões que foram declarados.

Publicado
Visualizações
368