A Doutrina da Justificação pela Fé – Capítulo 18

  John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

 

Capítulo 18.

A Natureza da Justificação como Declarada nas Epístolas de Paulo, Especialmente Romanos 3,4,5,10; 1 Coríntios 1:30; 5:21; Gálatas 2:16; Efésios 2: 8-10; Filipenses 3: 8,9

Que o caminho e o modo de nossa justificação diante de Deus, com todas as causas e seus meios, são projetados pelo apóstolo na Epístola aos Romanos, cap. 3,4,5, como também reivindicado por objeções, de modo a conferir ao seu discurso sobre o devido lugar desta doutrina, e de onde é principalmente aprendida, não pode ser modestamente negado. As afirmações recentes de alguns, de que esta doutrina de justificação pela fé sem obras é encontrada apenas nos escritos de Paulo, e que seus escritos são obscuros e intrincados, são falsas e escandalosas para a religião cristã, de modo que, nesse lugar, não devemos dar-lhes a menor consideração. Ele escreveu "movido pelo Espírito Santo". E como toda a questão que lhe foi dada era a verdade sagrada, que imediatamente exige nossa fé e obediência, então o caminho e modo em que ele declarou que era como o Espírito Santo julgou mais conveniente para a edificação da igreja. E, como ele disse de si mesmo com confiança, que, se o evangelho que ele pregava, e como foi pregado por ele, estava escondido, de modo que não conseguiram entender nem compreender o mistério dele, que estava "escondido para os que estão perdidos", para que possamos dizer que, se o que ele oferece em particular sobre a nossa justificação diante de Deus parecer obscuro ou difícil para nós, isto é resultante de nossos preconceitos, afeições corruptas ou fraqueza de entendimento na melhor das hipóteses, que nos torna incapazes de compreender a glória deste mistério da graça de Deus em Cristo, e não de qualquer defeito no seu caminho e modo de revelação. Rejeitando, portanto, todas essas insinuações perversas, em um devido sentido de nossa própria fraqueza, e reconhecer que, no melhor dos casos, conhecemos, senão em parte, investigaremos humildemente a revelação abençoada deste grande mistério da justificação de um pecador diante de Deus, como por ele declarado nos capítulos de sua gloriosa Epístola aos Romanos; e devo fazê-lo com todo o brilho possível.

A primeira coisa que ele faz é provar que todos os homens estão sob o pecado e são culpados diante de Deus. Isso ele dá como conclusivo em seu discurso anterior, do cap. 1:18, ou no que evidentemente demonstrou, cap. 3: 19,23. Aqui surge uma indagação, como qualquer um pode ser justificado diante de Deus? E considerando que a justificação é uma sentença sobre a consideração de uma justiça, sua grande investigação é, o que é a justiça, sobre a consideração de que um homem pode ser justificado?

E a respeito disso, ele afirma expressamente que não é a justiça da lei, nem as suas obras; pelo que ele pretende, o que em parte, foi antes declarado, e será mais manifestado no processo do nosso discurso. Portanto, em geral, ele declara que a justiça pela qual somos justificados é a justiça de Deus, em oposição a qualquer justiça nossa, cap. 1:17; 3: 21,22. E ele descreve esta justiça de Deus por três propriedades: - 1. Que é "sem a lei", versículo 21; separada em todas as suas preocupações da lei; não é possível por ela, nem quaisquer obras dela, sobre a qual elas não têm influência. Não é nossa obediência à lei, nem alcançável por isso. Nem qualquer expressão pode ser mais separada e excluir as obras de obediência à lei de qualquer preocupação nela do que isso. Portanto, tudo o que é ou pode ser realizado por nós mesmos em obediência à lei, é rejeitado por qualquer interesse nesta justiça de Deus, ou para que a sua aquisição seja feita nossa. 2. Que ainda, esta justiça é "testemunhada pela lei", versículo 21: "pela lei e os profetas".

O apóstolo, por esta distinção dos livros do Antigo Testamento em "a lei e os profetas", manifesta que, pela "lei", ele entende os livros de Moisés. E neles é dado testemunho a esta justiça de Deus de quatro maneiras: - (1.) Por uma declaração das causas da sua necessidade para nossa justificação. Isto é feito na conta dada por nossa apostasia de Deus, pela perda de sua imagem e pelo estado do pecado que se seguiu; pois assim, um fim foi colocado para toda possibilidade e esperança de aceitação com Deus por nossa própria justiça pessoal. Pela entrada do pecado nossa própria justiça saiu do mundo; de modo que deve haver outra justiça preparada e aprovada de Deus e chamada "a justiça de Deus", em oposição à nossa, ou toda relação de amor e favor entre Deus e o homem deve cessar para sempre. (2.) No caminho da recuperação deste estado, geralmente declarado na primeira promessa da semente abençoada, por quem essa justiça de Deus deveria ser forjada e introduzida; porque somente ele iria "fazer o fim do pecado e trazer a justiça eterna", Daniel 9:24; a justiça de Deus que deveria ser o meio da justificação da igreja em todas as épocas e sob todas as dispensações. (3.) Ao fechar o caminho para qualquer outra justiça, através da ameaça da lei, e aquela maldição de que toda transgressão dela foi atendida. Por isso, foi claramente e totalmente declarado que deve haver tal justiça providenciada para nossa justificação diante dos homens, como responderia e removeria essa maldição. (4.) Na prefiguração e representação desse único caminho e meio pelo qual esta justiça de Deus deveria ser forjada. Isso aconteceu em todos os seus sacrifícios, especialmente no sacrifício do grande dia da expiação anual, em que todos os pecados da igreja foram colocados na cabeça do sacrifício e foram levados. 3. Ele descreve o único modo de nossa participação, o único meio na nossa parte da comunicação a respeito de nós. E isto é somente pela fé: "A justiça de Deus que é pela fé de Jesus Cristo para todos e sobre todos os que creem; porque não há distinção.", Romanos 3: 22. Fé em Cristo Jesus é o único caminho e meio pelo qual esta justiça de Deus vem sobre nós, ou é comunicada a nós, que é assim para todos os que têm essa fé, e apenas para eles; e isso sem diferença na consideração de qualquer outra coisa além disso. E embora a fé, tomada absolutamente, possa ser usada em vários sentidos, ainda assim, tal como especificado e limitado, a fé de Cristo Jesus ou, como ele a chama, "a fé que está em mim", Atos 26:18, ele não pode pretender senão a recepção dele e confiança nele, como a ordenança de Deus para a justiça e a salvação. Esta descrição da justiça de Deus revelada no evangelho, que o apóstolo afirma como único meio e causa de nossa justificação diante de Deus, com o único caminho de sua participação e comunicação a nós, pela fé de Cristo Jesus, confirma plenamente a verdade que afirmamos. Pois, se a justiça com a qual devemos ser justificados diante de Deus não é nossa, mas a justiça de Deus, como estas se opõem diretamente, Filipenses 3: 9; e a única maneira pela qual ele vem sobre nós, ou somos feitos participantes disso, é pela fé de Jesus Cristo; então nossa própria justiça pessoal ou inerente ou obediência não tem interesse em nossa justificação diante de Deus: qual argumento é insolúvel, nem a força dela pode ser renunciada por qualquer distinção, se mantivermos nossos corações para uma devida reverência da autoridade de Deus em sua palavra. Tendo demonstrado plenamente que nenhum homem vivo tem uma justiça própria, por meio da qual eles possam ser justificados, mas estão todos calados sob a culpa do pecado; e tendo declarado que há uma justiça de Deus agora totalmente revelada no evangelho, segundo a qual somente podemos ser assim, deixando todos os homens em si próprios para a própria sorte, na medida em que "todos pecaram e estão sem a glória de Deus", - ele declara a natureza de nossa justificação diante de Deus em todas as suas causas, Romanos 3: 24-26, "sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs como propiciação, pela fé, no seu sangue, para demonstração da sua justiça por ter ele na sua paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus." Aqui é que podemos e devemos, se em qualquer lugar, esperar o interesse de nossa obediência pessoal, sob alguma qualificação ou outra, em nossa justificação a ser declarada. Pois se deveria ser suposto (o que ainda não pode, com qualquer pretexto da razão) que, no discurso anterior, o apóstolo excluísse apenas as obras da lei como absolutamente perfeita, ou como forjado em nossa própria força sem a ajuda de graça; mas, em geral, excluiu todas as obras da nossa justificação, versículo 20, sem distinção ou limitação, poderia ser esperado, e deveria ter sido assim, a partir da declaração completa que ele nos dá da natureza e do caminho de nossa justificação, em todas as causas disso, ele deveria ter designado o lugar e a consideração que nossa própria justiça pessoal tinha em nossa justificação diante de Deus, ou pelo menos mencionar algo É, sob a qualificação de gracioso, sincero ou evangélico, que pode não parecer absolutamente excluído. É claro que o apóstolo não pensou em nada disso, nem se preocupou com qualquer reflexão que pudesse ser feita em sua doutrina, como se derrubasse a necessidade de nossa própria obediência. Tome a consideração do desígnio do apóstolo, com as circunstâncias do contexto, e o argumento de seu total silêncio sobre nossa própria justiça pessoal, em nossa justificação diante de Deus. Mas isso não é tudo devemos encontrar, no nosso progresso, que é expressamente e diretamente excluído por ele. Todas as pessoas sem preconceitos devem pensar, que nenhuma palavra poderia ser usada mais expressiva e enfática para garantir toda a nossa justificação à graça livre de Deus, através do sangue ou da mediação de Cristo, em que é só a fé que nos dá um interesse, do que estes aqui utilizados pelo apóstolo. E, por minha parte, apenas digo que não sei como me expressar neste assunto em palavras e termos mais expressivos ou significativos da concepção da minha mente. E se todos pudéssemos subscrever a resposta aqui dada pelo apóstolo, como, por que meios, em que fundamentos, ou por que causas, somos justificados diante de Deus, isto é, que "somos justificados livremente por sua graça, através da redenção que está em Cristo Jesus, a quem Deus estabeleceu para ser uma propiciação através da fé no seu sangue", etc., pode haver um fim desta controvérsia. Mas as principais passagens deste testemunho devem ser claramente consideradas. Primeiro, a principal causa eficiente é expressada pela primeira vez com uma ênfase peculiar, ou o "sendo justificados livremente por sua graça". Deus é a causa principal e eficiente de nossa justificação, e sua graça é a única causa em movimento. Não devo ficar com a exceção daqueles da igreja romana, isto é, que por essa razão (que a sua tradução torna "por gratiam Dei"), a graça interna e inerente de Deus, que eles fazem a causa formal da justificação, é destinada, pois eles não têm nada para provar isso, senão que que o destrói, isto é, que é acrescentado o "livremente", que era desnecessário, se significasse graça ou favor de Deus: para ambas as expressões, "livre por graça", "livremente pela graça", são reunidos para dar uma maior ênfase a esta afirmação, em que toda a nossa justificação é reivindicada para a graça livre de Deus. Tanto quanto eles são distinguíveis, o primeiro denota o princípio de onde procede a nossa justificação, a saber, a graça, e o outro, a maneira de operar, - funciona livremente. Além disso, a graça de Deus neste assunto faz em todos os lugares constantemente significar a sua bondade, amor e favor; como foi provado inegavelmente por muitos. Veja Romanos 5:15; Efésios 2: 4,8,9; 2 Timóteo 1: 9; Tito 3: 4,5. "Sendo justificado "sem preço", sem mérito, sem causa; - e às vezes é usado para "sem fim", isto é, o que é feito em vão, como "dooreano" (vão) é usado pelo apóstolo, em Gálatas 2:21; - sem preço ou recompensa, Gênesis 29:15; Êxodo 21: 2; 2 Samuel 24:24; - sem causa, ou mérito, ou qualquer meio de aquisição, 1 Samuel 19: 5; Salmo 69: 4; neste sentido, é representado por dwrean (sem causa), em João 15:25. O desígnio da palavra é excluir toda consideração de qualquer coisa em nós que seja a causa ou condição de nossa justificação. “Cariv", favor, graça, absolutamente considerado, pode ter respeito um tanto naquele para quem é mostrado. Por isso, diz-se que José encontrou graça ou favor aos olhos de Potifar, Gênesis 39: 4; mas ele não achou isso sem qualquer consideração ou causa; porque ele viu que o Senhor estava com ele e fez tudo o que fez para prosperar na sua mão, versículo 3. Mas não se pode encontrar palavras para liberar nossa justificação diante de Deus de todo o respeito a qualquer coisa em nós mesmos, senão apenas o que é adicionado expressamente como o meio de sua participação de nossa parte, através da fé em seu sangue, mais enfático do que estes aqui utilizados pelo apóstolo: Dwreariti, - "Livremente pela sua graça". E com quem isso é admitido, como excluindo todas as obras ou obediência nossas, de todas as condições, preparativos e méritos, desespero de expressar inteligentemente as suas concepções sobre isso de maneira inteligível. Tendo afirmado esta justiça de Deus como a causa e o meio de nossa justificação diante dele, em oposição a toda a nossa justiça própria, e declarou-se a causa da sua comunicação por parte de Deus como mera graça livre, soberana, os meios da nossa parte segundo os quais, de acordo com a ordenação de Deus, recebemos, ou somos realmente feitos participantes da justiça de Deus, pela qual somos justificados, é pela fé: Dia <th ~ v pi> stewv ejn aujtou ~ ai [mati, - isto é, "Somente por fé," nada mais é proposto, nada mais é necessário para Este fim. É respondido que não há indícios de que é somente por fé ou que a fé é o meio de nossa justificação exclusivamente para outras graças ou obras. Mas há uma exclusão diretamente incluída na descrição dada dessa fé por meio da qual somos justificados, com respeito ao seu objeto especial: "pela fé no seu sangue", pela fé respeitando ao sangue de Cristo como aquele em que a propiciação foi feita para o pecado, em que apenas o apóstolo afirma que somos justificados por meio de fé, - não admite nenhuma associação com outras graças ou deveres. Nem é parte de sua natureza fixar no sangue de Cristo para justificação diante de Deus; portanto, todos eles estão aqui diretamente excluídos. E aqueles que pensam o contrário podem tentar como podem introduzi-los neste desprezo sem uma corrupção evidente e perversão do seu sentido. Nem a outra exclusão dará aos nossos adversários o menor alívio, isto é, que, pela fé, não se pretende dizer a única graça da fé, mas toda a obediência requerida na nova aliança, fé e obras em conjunto. Pois, como todas as obras, como nossas obras, são excluídas na declaração das causas de nossa justificação por parte de Deus (Dwreariti, - "Livremente – sem causa - pela sua graça"), em virtude desse grande governo, Romanos 11: 6, "Se por graça, então não há mais obras; de outra forma, a graça não é mais graça"; então a determinação do objeto da fé em seu ato ou dever, sobre o qual somos justificados, ou seja, o sangue de Cristo, - é absolutamente exclusivo de todas as obras de interesse nesse dever; porque qualquer coisa que considere o sangue de Cristo para justificação é fé, e nada mais. E quanto ao chamado de um único ato ou dever, remeto o leitor ao nosso discurso anterior sobre a natureza da fé justificadora. Três coisas que o apóstolo infere da declaração que ele fez da natureza e das causas de nossa justificação diante de Deus, todas elas mais ilustrando o significado e o senso de suas palavras: - 1. Que a jactância é excluída: cap. 3:27. Aparente é daí, e do que ele afirma sobre Abraão, cap. 4: 2, que uma grande parte, pelo menos, da controvérsia que ele teve sobre a justificação, foi, se admitiu qualquer vanglória naqueles que estavam justificados. E sabe-se que os judeus colocaram todas as suas esperanças nas coisas das quais pensavam que poderiam se vangloriar, ou seja, seus privilégios e sua justiça. Mas, a partir da declaração feita da natureza e das causas da justificação, o apóstolo infere que todos se vangloriam de tudo o que for completamente fechado à porta, - ejxeklei> sqh. Boasting, em nosso idioma é o nome de um vício; e nunca é usado em um bom senso. Mas kau> chsiv e kau> chma, as palavras usadas pelo apóstolo, são de uma significação indiferente; e, como elas são aplicadas, podem denotar uma virtude e um vício, então eles fazem, Hebreus 3: 6. Mas, sempre, e em todos os lugares, elas se referem a algo que é peculiar em ou para aqueles a quem são atribuídas. Sempre que é atribuído a alguém, o que não é atribuído a outro, com respeito a qualquer fim bom, há um "fundamento para se gabar". Tudo isso, diz o apóstolo, em nossa justificação, é totalmente excluído. Mas, sempre que se relacione a qualquer condição ou qualificação em um mais do que em outro, especialmente se for de obras, dá um fundamento de jactância, como ele afirma, Romanos 4: 2. E parece, comparando esse versículo com isso, que, sempre que houver alguma influência de nossas próprias obras em nossa justificação, há um motivo de jactância; mas, na justificação evangélica, não se admite tal vanglória em qualquer tipo. Portanto, não há lugar para obras em nossa justificação. 2. Ele infere uma conclusão geral: "Que um homem é justificado pela fé, sem as obras da lei", cap. 3:28. O que se entende por "lei", e o que por "as obras da lei", neste discurso do apóstolo sobre nossa justificação, foi declarado anteriormente. E se somos justificados livremente através da fé no sangue de Cristo, a fé que tem a propiciação de Cristo para o seu objeto especial, ou, que não pode levar a nenhuma outra graça nem dever em parceria com ela; e sendo tão justificado que todas essas jactâncias são excluídas como necessariamente resultantes de qualquer graça ou obra diferenciada em nós mesmos, em que todas as obras da lei são excluídas, é certo que é pela fé somente em Cristo que somos justificados. Todas as obras não são apenas excluídas, mas o caminho para o seu retorno está tão calado pelo método do discurso do apóstolo, que todos os reforços que o espírito do homem pode dar a eles nunca os apresentarão em nossa justificação diante de Deus. 3. Ele afirma, daí, que "não anulamos a lei através da graça", mas a estabelecemos, versículo 31; que, como é feito, e como isso pode ser feito, foi declarado antes. Esta é a substância da resolução que o apóstolo dá a essa grande investigação, como um pecador convicto culpado pode ser justificado à vista de Deus. - "A graça soberana de Deus, a mediação de Cristo e a fé no sangue de Cristo, são tudo o que ele requer disso". E quaisquer que sejam as noções que os homens possam ter sobre a justificação em outros aspectos, não será seguro se aventurar em qualquer outra resolução deste caso e inquérito; nem somos mais sábios do que o Espírito Santo. Romanos, cap. 4. No começo do quarto capítulo ele confirma o que ele tinha antes declarado doutrinariamente, por uma instância de sinal; e esta foi a justificação de Abraão, que é o pai dos crentes, a sua justificação é proposta como o nosso padrão, como expressamente declara, versículos 22-24. E alguns temem as coisas que devo observar nesta instância em nossa passagem até o quinto verso, onde eu consertarei o nosso discurso. 1. Ele nega que Abraão foi justificado pelas obras, versículo 2. E, - (1). Essas obras não eram uma referência às da lei judaica, pois eram as obras que ele realizou há centenas de anos antes da entrega da lei no Sinai: por isso são as obras de sua obediência moral a Deus que são aqui referidas. (2). Essas obras devem ser entendidas que Abraão teve então, quando se diz que é justificado no testemunho produzido para esse propósito; mas as obras que Abraão teve então foram obras de justiça, realizadas em fé e amor a Deus, obras de uma nova obediência sob a conduta e auxílio do Espírito de Deus, obras necessárias na aliança da graça. Estas são as obras excluídas da justificação de Abraão. E essas coisas são simples, expressas e evidentes, para não serem eludidas por nenhuma distinção ou evasão. Todas as obras evangélicas de Abraão estão expressamente excluídas de sua justificação diante de Deus. 2. Ele prova com o testemunho da Escritura, declarando a natureza e os fundamentos da justificação de Abraão, que ele era justificado agora de outra maneira, senão o que ele havia declarado anteriormente - isto é, pela graça, pela fé em Cristo Jesus, versículo 3. "Abraão acreditava em Deus" (na promessa de Cristo e sua mediação), "e foi-lhe contado para a justiça", versículo 3. Ele foi justificado pela fé no caminho antes descrito (porque outra justificação pela fé não existe) em oposição a todas as suas próprias obras e justiça pessoal. 3. Do mesmo testemunho, ele declara como ele veio a ser participante dessa justiça sobre o qual ele foi justificado diante de Deus; que foi por imputação: foi-lhe contado ou imputado por justiça. A natureza da imputação foi declarada anteriormente. 4. A natureza especial desta imputação, a saber, que é por graça, sem relação às obras, - afirma e prova, versículo 4, do contrário: "Aquele que trabalha tem a recompensa não como graça, mas como dívida. "Onde as obras são de qualquer consideração, não há espaço para esse tipo de imputação, segundo a qual Abraão foi justificado: porque foi uma imputação graciosa, e isso não é do que é nosso antecedente, mas o que recebemos como nosso por essa imputação; pois o que é nosso não pode ser imputado a nós de uma maneira de graça, mas apenas contado como devido a nós. O que é nosso, com todos os seus efeitos, é devido a nós; e, portanto, os que afirmam que a própria fé nos é imputada, dão uma aparência a uma imputação da graça, dizendo que é imputado não pelo que é, pois então seria considerado dívida, mas pelo que não é. (Nota do tradutor: Sobre a fé deve ser dito que é de fato nossa, exercida por nós, e é o meio pelo qual recebemos o dom de Deus, o que nos está sendo oferecido por Ele gratuitamente. É dito nas Escrituras que a nossa fé é provada para ser refinada e aumentada, isto é, para que a nossa confiança em Deus e em tudo o que Ele nos ordena e promete seja cada vez mais firme e inabalável, assim como uma criança pequena confia plenamente no cuidado e na proteção de seus pais. Assim vemos nos evangelhos, nosso Senhor afirmando em várias passagens e em situações distintas a necessidade de crermos, confiarmos (ter fé) em Deus Pai e nEle próprio para que tenhamos paz e recebermos poder para fazer e sofrer tudo o que Ele nos tem ordenado. Tudo o que se relaciona ao exercício da fé está em que confiemos completamente em Deus e na Sua Palavra.)

No quinto verso, a soma da doutrina do apóstolo, que ele havia defendido e o que ele provou, é expressado: "Mas para aquele que não trabalha, mas crê naquele que justifica os ímpios, a sua fé é contada para justiça." É concedido em todas as mãos, que o fim do verso, "sua fé é contada para a justiça", expressa a justificação da pessoa. Ele é justificado; e o caminho é, sua fé é contada ou imputada. Portanto, as palavras precedentes declaram o sujeito da justificação e sua qualificação, ou a descrição da pessoa a ser justificada, com tudo o que é exigido de sua parte. E, primeiro, diz-se que ele é oJ mh <ejrgazo > menov, - "quem não trabalha". Não é necessário para a sua justificação que ele não deveria trabalhar, que ele não deveria desempenhar qualquer dever de obediência a Deus em qualquer tipo, em que esteja trabalhando; pois cada pessoa no mundo é sempre obrigada a todos os deveres de obediência, de acordo com a luz e o conhecimento da vontade de Deus, pelos meios  que são concedidos a ela; mas a expressão deve ser limitada pelo assunto tratado; - aquele "que não trabalha", com respeito à justificação. Para dizer, o que não trabalha é justificado por acreditar, é dizer que suas obras, seja lá o que for, não têm influência na sua justificação, nem Deus em justificá-lo em qualquer respeito. Por isso, o único que não trabalha é o sujeito da justificação, a pessoa a ser justificada; isto é, Deus não considera as obras de ninguém, os deveres de obediência de ninguém, na sua justificação, visto que somos justificados. Aujtou ~ ca> riti, - "livremente por sua graça". E quando Deus afirma expressamente que ele justifica aquele que não trabalha, e que livremente por sua graça, não consigo entender o lugar que nossa obra ou dever de obediência podem ter em nossa justificação ; por que devemos nos preocupar em inventar a consideração que possam ter em nossa justificação diante de Deus, quando ele mesmo afirma que não é por obras?

Mas o apóstolo acrescenta ainda, na descrição do sujeito da justificação, que Deus "justifica os ímpios". Essa é a expressão que despertou tanta ira entre muitos, e por conta disso, alguns parecem muito desagradados com o próprio apóstolo. Se qualquer outra pessoa se atreve, a dizer que Deus justifica os ímpios, ele é pessoalmente refletido como aquele que, por sua doutrina, derrubaria a necessidade de piedade, santidade, obediência ou boas obras; "porque que necessidade pode haver de qualquer um deles, se Deus justifica os ímpios?". No entanto, esta é uma forma de Deus, dizer através do apóstolo, que ele justifica o ímpio. Esta é a sua prerrogativa e propriedade; como tal, ele será acreditado e adorado, o que acrescenta peso e ênfase à expressão; e não devemos renunciar a este testemunho do Espírito Santo, que fiquem tão bravos quanto quiserem. Mas a diferença é sobre o significado das palavras. Em caso afirmativo, pode ser permitido sem ofensa mútua, embora devêssemos confundir seu próprio senso. Somente, deve ser concedido que Deus "justifica os ímpios". Ou seja, dizem alguns "aqueles que anteriormente eram ímpios, não aqueles que continuam ímpios quando são justificados". E isso é verdade. Todo o que é justificado foi antes ímpio; e todo o que é justificado é, no mesmo instante, feito piedoso. Mas a questão é se eles são piedosos ou impiedosos antes de qualquer momento de sua justificação? Se eles são considerados como piedosos, e são verdadeiros, então as palavras do apóstolo não são verdadeiras, para que Deus justifique os ímpios; pois a proposição contraditória é verdade, Deus não justifica senão o piedoso. Para essas proposições, Deus justifica os ímpios, e Deus não justifica senão os piedosos, são contraditórios; pois aqui são expressamente kata> fasiv e ajpo> fasiv ajntikei> menai, que é ajnti> fasiv. Portanto, embora em e com a justificação de um pecador, ele seja feito piedoso, porque ele é dotado dessa fé que purifica o coração e é um princípio vital de toda a obediência, e a consciência é purgada das obras mortas pelo sangue de Cristo; ainda antes dessa justificação ele é ímpio e considerado como ímpio, como aquele cujos deveres e obediência nada contribuem para a sua justificação. Como ele não trabalha, todas as obras são excluídas da "causa per quam" e, como ele é ímpio, de ser a "causa sine qua non" de sua justificação. A qualificação do sujeito, ou os meios por parte da pessoa a ser justificada, e pelo quais ele se torna efetivamente justificado, é fé ou crer: "Mas crê naquele que justifica os ímpios", isto é, fé somente. Isto é fé sozinha, ou é impossível expressar a fé sozinha, sem o uso literal dessa palavra sozinha. Mas a fé é afirmada em oposição a todas as nossas obras, "ao que não trabalha", e sua natureza especial declarada em seu objeto especial, Deus como "justificando os ímpios", isto é, livremente pela sua graça, através da redenção que está em Cristo Jesus; - nenhum lugar é deixado para que qualquer obra faça a menor aproximação em relação à nossa justificação diante de Deus, sob a forma encoberta de qualquer distinção. E a natureza da fé justificadora também é determinada. Não é um mero consentimento a revelações divinas; não é um assentimento tão firme para elas, como devemos de fato obedecer a todos os preceitos da Escritura, - embora essas coisas estejam incluídas nela; mas acreditar e confia no que justifica os ímpios, através da mediação de Cristo. Sobre essa pessoa, o apóstolo afirma que "a fé dele é contada para a justiça", isto é, ele é justificado no caminho e na maneira antes declarado.

Mas a fé, absolutamente considerada, não é a justiça de Deus; porque, - (1.) Aquele a que a justiça de Deus é revelada, pelo qual a criamos e a recebemos, não é a justiça de Deus; pois nada pode ser a causa ou o meio de si mesmo; - mas a justiça de Deus é "revelada à fé", cap. 1:17; e por esta é "recebida", cap. 3:22; 5:11. (2.) A fé não é a justiça de Deus que é pela fé; mas a justiça de Deus que nos é imputada é "a justiça de Deus que é pela fé", cap. 3:22; Filipenses 3: 9. (3.) Para que a justiça de Deus seja procurada e obtida, não é essa justiça própria; mas tal é fé, Romanos 9: 30,31; 10: 3,4. (4.) A justiça que nos é imputada não é nossa antecedente para essa imputação: "Para que eu possa ser achado nele, sem ter a minha própria justiça", Filipenses 3: 9; mas a fé é própria do homem: "mostra-me a tua fé sem as obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.", Tiago 2:18. (5) "Deus imputa a justiça" a nós, Romanos 4: 6; e a justiça que Deus nos imputa é a justiça pela qual somos justificados, porque nos é imputado que possamos ser justificados; - mas somos justificados pela obediência e pelo sangue de Cristo: "Com a obediência de um, somos justos", cap. 5:19; "Muito mais agora sendo justificado pelo seu sangue", versículo 9; "Ele eliminou o pecado pelo sacrifício de si mesmo", Hebreus 9:26; Isaías 53:11: "Pelo seu conhecimento, o meu servo justo justificará muitos; porque ele carregará suas iniquidades." Mas a fé não é a obediência nem o sangue de Cristo. (6.) A fé, como dissemos antes, é nossa; e o que é nosso pode ser imputado a nós. Mas o discurso do apóstolo é sobre o que não é nosso antecedente para a imputação, mas é feito nosso assim, como provamos; pois é de graça. E a imputação para nós do que é realmente nosso antecedente para essa imputação, não é de graça, no sentido do apóstolo; pois o que é assim imputado é imputado pelo que é, e nada mais. Pois essa imputação é apenas o julgamento de Deus quanto ao assunto imputado, com respeito a quem é. Assim, o ato de Fineias lhe foi imputado por justiça. Deus julgou isso e declarou que era um ato justo e recompensável. Portanto, se nossa fé e obediência são imputadas a nós, essa imputação é apenas o julgamento de Deus que somos crentes e obedientes. "A justiça do justo", diz o profeta, "estará sobre ele, e a perversidade do ímpio estará sobre ele", Ezequiel 18:20. Como a perversidade do ímpio está sobre ele, ou é imputado a ele; então a justiça do justo está sobre ele, ou é imputada a ele. E a perversidade do ímpio está sobre ele, quando Deus o julga perverso como suas obras; assim é a justiça de um homem sobre ele, ou imputado a ele, quando Deus julga a sua justiça como ela é. Por isso, se a fé, absolutamente considerada, é imputada a nós como ela contém em si mesma, ou quando é acompanhada, obras de obediência; então é imputado a nós, quer por uma justiça perfeita, que não é, ou por uma justiça imperfeita, que é; ou a imputação disso é contabilizar aquilo para ser uma justiça perfeita que é imperfeita. Mas nada disso pode ser afirmado: - [1.] Não nos é imputado uma justiça perfeita, a justiça exigida pela lei ; pois assim não é. Episcopius confessa em sua disputa, disputa. 45, seita. 7,8, que a justiça que nos é imputada deve ser "absolutissima et perfectissima", "o mais absoluto e o mais perfeito". E assim ele nos define a imputação da justiça, isto é, "gratiosa" Divinae mentis aestimatio, qua credentem in Filium suum, eo loco reputat ac si perfecte justus esset, ac legi et voluntati ejus per omnia parpessoal ". E nenhum homem irá fingir que a fé é uma justiça tão absoluta e perfeita. A justiça da lei deve ser cumprida em nós, como é por essa justiça que nos é imputada. (Nota do tradutor: por este argumento podemos entender que ao se dizer que a nossa fé nos é imputada para justiça, o que se pretende não é que a própria fé seja a causa ou a própria justiça que recebemos por imputação, mas que recebemos a justiça de Deus por imputação, por meio da nossa fé, uma vez que a justiça de Deus é perfeita, mas a nossa fé nunca é perfeita.)

[2.] Não nos é imputado o que é, - uma justiça imperfeita; pois, primeiro, isso não nos proporcionaria nenhuma vantagem; porque não podemos ser justificados diante de Deus por uma justiça imperfeita, como é evidente na oração do salmista, Salmo 143: 2: "Não entre em juízo com o teu servo, pois na sua presença ninguém será justificado".

Em Romanos 4: 6-8 o apóstolo persegue seu argumento para provar a liberdade de nossa justificação pela fé, sem relação às obras, através da imputação da justiça, na instância de perdão do pecado, que essencialmente pertence a isso. E isso ele faz pelo testemunho do salmista, que coloca a bem-aventurança de um homem na remissão dos pecados. Seu desígnio não é, portanto, declarar a natureza plena da justificação, que ele tinha feito antes, mas apenas para provar a liberdade de qualquer respeito a obras, na instância dessa parte essencial dela. "Assim como Davi também descreve a bem-aventurança do homem a quem Deus imputa a justiça sem as obras" (que foi o único que ele projetou para provar por este testemunho), "dizendo: Bem-aventurados os que são perdoados de suas iniquidades". Ele descreve a sua bem-aventurança por isto; - não que toda a sua bem-aventurança consista, mas isso concorda com que onde nenhum respeito pode ser tido para qualquer trabalho. E ele pode, justamente, descrever a bem-aventurança de um homem, na medida em que a imputação da justiça e a não imputação do pecado (ambos que o apóstolo menciona distintamente), em que toda a sua bem-aventurança como justiça consiste, são inseparáveis. E porque a remissão do pecado é a primeira parte da justificação, e a parte principal dela, e a imputação da justiça sempre o acompanha; e a bem-aventurança de um homem pode ser bem descrita assim; sim, enquanto todas as bênçãos espirituais se juntam em Cristo, Efésios 1: 3, a benção de um homem pode ser descrita por qualquer um deles. Mas, no entanto, a imputação da justiça e a remissão do pecado não são as mesmas, nada mais do que a justiça imputada e o pecado expiado é o mesmo. Nem o apóstolo os propõe como o mesmo, mas os menciona distintamente, ambos sendo igualmente necessários para nossa completa justificação, como foi provado. Romanos 5: 12-21.

"12 Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porquanto todos pecaram.

13 Porque antes da lei já estava o pecado no mundo, mas onde não há lei o pecado não é levado em conta.

14 No entanto a morte reinou desde Adão até Moisés, mesmo sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão o qual é figura daquele que havia de vir.

15 Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa; porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos.

16 Também não é assim o dom como a ofensa, que veio por um só que pecou; porque o juízo veio, na verdade, de uma só ofensa para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação.

17 Porque, se pela ofensa de um só, a morte veio a reinar por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo.

18 Portanto, assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação e vida.

19 Porque, assim como pela desobediência de um só homem muitos foram constituídos pecadores, assim também pela obediência de um muitos serão constituídos justos.

20 Sobreveio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça;

21 para que, assim como o pecado veio a reinar na morte, assim também viesse a reinar a graça pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor."

O apóstolo, cap. 3:27, afirma que, nesta questão de justificação, todos os kauchsiv, ou "que se jactam", são excluídos; mas aqui, no versículo que precede, ele concede uma glória: "E não só isto, mas também nos gloriamos em Deus". Ele exclui a glória em nós mesmos, porque não há nada em nós para procurar ou promover nossa própria justificação. Ele nos permite isto em Deus, por causa da eminência e excelência do caminho e dos meios de nossa justificação que, na sua graça, ele providenciou. E o kauchma, ou "se gloria" em Deus, tem aqui um respeito peculiar ao que o apóstolo tinha em perspectiva ainda mais no discurso. "E não somente isto", inclui o que ele havia tratado principalmente antes sobre nossa justificação, na medida em que consiste no perdão do pecado; pois, embora ele supõe, sim e mencione, a imputação da justiça também para nós, mas principalmente ele declara nossa justificação pelo perdão do pecado e nossa liberdade da condenação, pelo qual todos os que se gloriam em si mesmos são excluídos. Mas aqui ele projeta um progresso mais amplo, como aquilo em que nossa glória em Deus, em um direito e título livremente dados para a vida eterna, depende. E esta é a imputação da justiça e obediência de Cristo à justificação da vida, ou ao reino da graça através da justiça para a vida eterna. Muitas reclamações foram feitas por alguns sobre a obscuridade do discurso do apóstolo neste lugar, por motivo de diversas elipses, e outras figuras do discurso, que estão nele contidas. No entanto, não posso deixar de pensar que, se os homens conhecem os princípios comuns da religião cristã e são sensíveis em si mesmos da natureza e culpa de nossa apostasia original de Deus, sem preconceito lerão esse lugar da Escritura, e eles concederão que o desígnio do apóstolo é o de provar que, assim como o pecado de Adão foi imputado a todos os homens para condenação, de modo que a justiça ou obediência de Cristo é imputada a todos os que creem na justificação da vida.

" Também não é assim o dom como a ofensa, que veio por um só que pecou; porque o juízo veio, na verdade, de uma só ofensa para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação.” A oposição está entre o paraptwma (ofensa), por um lado, e o carisma (dom gratuito) do outro, entre os quais uma contraposição é afirmada, não quanto aos seus efeitos opostos da morte e da vida, mas apenas quanto aos graus de sua eficácia, com respeito a esses efeitos. Paraptwma, a ofensa, a queda, o pecado, a transgressão, isto é, a desobediência de um, daí o primeiro pecado de Adão geralmente é chamado de "queda", - paraptwma. O que se opõe a isso é o carisma -  isto é, Carivtou Qeou kai wreaejn cariti,  "dom gratuito de Deus", como é imediatamente explicado: "A graça de Deus e o dom gratuito pela graça, através de Jesus Cristo". Portanto, embora esta palavra, no versículo seguinte, signifique precisamente a justiça de Cristo, no entanto, até aqui, compreende todas as causas de nossa justificação, em oposição à queda de Adão, e à entrada do pecado no mundo. A consequência e o efeito "da ofensa", a queda, - é, que "muitos estão mortos". Nada mais é pretendido por "muitos", mas apenas que os efeitos dessa ofensa não foram confinados a um; e se perguntarmos quem ou quantos são muitos, o apóstolo nos diz que todos os homens o são universalmente; isto é, toda a posteridade de Adão. Por essa ofensa, porque todos pecaram, nele estão todos mortos; isto é, tornados desagradáveis e passíveis de morte, como o castigo devido a essa ofensa. E, portanto, também parece quão vago é arrancar as palavras do versículo 12, "Na medida em que todos pecaram", para qualquer outro pecado senão o primeiro pecado em Adão, visto que ele é dado como a razão pela qual a morte passou sobre eles; sendo aqui claramente afirmado "que eles estão mortos", ou que a morte passou sobre eles por essa ofensa. A eficácia do "dom gratuito", oposto a isto, é expressado, como aquilo que abundou muito mais. Além da própria coisa afirmada, que é clara e evidente, o apóstolo parece-me argumentar aquela equidade de nossa justificação pela graça, através da obediência de Cristo, comparando-a com a condenação que nos ocorreu pelo pecado e desobediência de Adão. Pois, se fosse justo, se deveria ser equânime, que todos os homens sejam sujeitos à condenação pelo pecado de Adão; é muito mais, que os que acreditam devem ser justificados pela obediência de Cristo, através da graça e da doação gratuita de Deus. Mas, em particular, o dom pela graça abundou em muitos, acima da eficácia da queda para condenar, ele declara depois. E aquilo por meio do qual somos libertados da condenação, mais eminentemente do que nós somos desagradáveis ​​com a queda e o pecado de Adão, por isso somente somos justificados diante de Deus. Mas isto é pela graça de Deus e pelo dom pela graça, somente por Jesus Cristo.

A mesma verdade é mais adiante explicada e confirmada, versículo 17: "Porque, se pela ofensa de um só, a morte veio a reinar por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo." 1. Vale a pena observar com que variedade de expressões o apóstolo estabelece a graça de Deus na justificação dos crentes. Nada é omitido que possa expressar a liberdade, a suficiência e a eficácia da graça para esse fim. E, embora esses termos pareçam alguns deles coincidentes em sua significação, e para ser usado por ele de forma promissora, ainda que todos eles incluam algo peculiar, e todos eles estabeleçam toda a obra da graça. Dikaiwma parece-me ser usado neste argumento para dikaiologhma, que é o fundamento de uma causa em julgamento, o assunto alegou, sobre o qual a pessoa acusada deve ser absolvida e justificada; e esta é a justiça de Cristo, de um Dwrhma, ou uma doação gratuita, exclui todas as condições da nossa parte para recebê-lo; e é por isso que somos livres da condenação e temos direito à justificação da vida. Cariv é a graça livre e o favor de Deus, que é a causa original ou eficiente de nossa justificação, como foi declarado, cap. 3:24. Carisma já foi explicado antes. Perissei a caritov, - "A abundância da graça", é adicionado aos crentes seguros da certeza do efeito. É aí que nada está faltando à nossa justificação. Dwreath  v dikaiosunhv expressa a concessão gratuita da justiça que nos é imputada para a justificação da vida, depois chamada "obediência de Cristo". Sejam os homens tão sábios quanto quiserem, todos devem aprender a pensar e a falar desses mistérios divinos desse abençoado apóstolo, que os conhecia melhor do que todos nós e, além disso, escreveu por inspiração divina.

É claro neste versículo que não é mais necessário de ninguém para a justificação, senão que ele receba a "abundância da graça e o dom da justiça", pois esta é a descrição que o apóstolo dá dos que são justificados, como para qualquer coisa que de sua parte seja necessária. E, como isso exclui todas as obras de justiça que fazemos, - por nenhuma delas recebemos a abundância da graça e o dom da justiça, assim também a imputação da própria fé para a nossa justificação, como é um ato e dever nosso: porque é pela fé que recebemos o dom da justiça pela qual somos justificados. Pois não será negado, que somos justificados pelo dom da justiça, ou pela justiça que nos é dada; pois por isso temos razão e título para a vida. Mas nossa fé não é esse dom; porque o que recebe, e o que é recebido, não são os mesmos. Onde há perissei> a ca> ritov, e ca> riv uperperisseu> susa, - "graça abundante", "graça superabundante", exercida em nossa justificação, não é necessário mais disso; para como se pode dizer que abunda, sim, para superabundar, não só para a nossa libertação da condenação, mas para nos dar um título para a vida, se em qualquer coisa deve ser fornecido e cumprido por obras e deveres nossos? As coisas pretendidas preenchem essas expressões. 4. Há um dom de justiça exigido para nossa justificação, que todos devem receber, que devem ser justificados, e todos são justificados que o recebem; pois os que a recebem devem "reinar em vida por Jesus Cristo". E, portanto, segue: - (1.) Que a justiça pela qual somos justificados diante de Deus não pode ser em nada nossa. Não é inerente a nós, em nada realizado por nós. Pois é o que nos é livremente dado, e esta dádiva é por imputação: "Bem-aventurado o homem a quem Deus imputa a justiça", cap. 4: 6. E pela fé recebemos o que é assim dado e imputado; e, de outra forma, não contribuímos com a nossa participação. Isso deve ser justificado no sentido do apóstolo. (2.) É tal justiça que dá direito e título à vida eterna; pois os que a recebem devem "reinar em vida". Portanto, não pode consistir no perdão do pecado; porque, - (1.) O perdão do pecado não pode, em nenhum sentido tolerável, ser chamado "o dom da justiça". O perdão do pecado é uma coisa e a justiça outra. (2.) O perdão do pecado não dá direito e título à vida eterna. É verdade, que aquele cujos pecados são perdoados herdará a vida eterna; mas não meramente em virtude desse perdão, mas através da imputação da justiça que o acompanha inseparavelmente, e é o fundamento da mesma. A descrição que aqui é dada da nossa justificação pela graça, em oposição à condenação que nos foi responsabilizada pelo pecado de Adão, e na exaltação acima dele, quanto à eficácia da graça acima da do primeiro pecado, na medida em que, assim, nem todos os pecados são perdoados, e não somente assim, mas um direito à vida eterna é comunicado para nós, é isto: "Que recebemos a graça de Deus e o dom da justiça", que nos dá o direito à vida por Jesus Cristo. Mas isso deve ser justificado pela imputação da justiça de Cristo, recebida apenas pela fé. A conclusão do que foi demonstrado, na gestão da comparação insistida, é totalmente expressa e confirmada, no cap. 5:18, 19.

"Portanto, assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação e vida." (verso 18). A ofensa pretendida é a ofensa de um, isto é, de Adão; e a única justiça é a justiça de um, - Jesus Cristo. E a comparação é continuada, porque essas coisas se seguiram da mesma maneira. O que é afirmado de um lado é: "Pela ofensa (ou queda) de um, veio o juízo sobre todos os homens para condenação”. Pelo pecado de um, todos os homens se tornaram culpados, e foram desagradáveis ​​com a condenação. A culpa é imputada a todos os homens; pois, de outra forma, ela pode vir sobre eles para a condenação, de outra forma em que eles não podem ser desobedientes para a morte e ao julgamento sobre a sua conta. Pois demonstramos que, pela morte e condenação, nesta disputa do apóstolo, pretende-se todo o castigo devido ao pecado. Em resposta a este, a dikaiwma (justiça) de um, quanto à causalidade da justificação, se opõe ao paraptwma do outro, como a sua causalidade ou condenação; Di jnomatov, - "pela justiça de um:" isto é, a justiça que é plausível eijv dikai> wsin, para justificação; pois isso é dikaiwma, uma justiça implorada para justificação. Por isso, dizem nossos tradutores, "o dom gratuito veio sobre todos". A tradução síria traduz as palavras sem o auxílio de qualquer suplemento: "Portanto, como pelo pecado de um, a condenação foi para todos os homens, por causa da justiça de um, a justificação para a vida será para todos os homens"; e o sentido das palavras é tão simples, sem o fornecimento de qualquer outra palavra no texto. A justiça de um, Cristo Jesus, é concedida gratuitamente a todos os crentes, à justificação da vida; pois os "todos os homens" aqui mencionados são descritos e limitados para aqueles que "recebem a abundância da graça e o dom da justiça por Cristo", versículo 17.

"Porque, como por desobediência de um homem, muitos foram feitos pecadores, por meio da obediência de um muitos serão feitos justos.", verso 19.

O que ele antes chamou de paraktm (ofensa) e dikaiwma (justiça), ele agora expressa por parakoh (desobediência), e uJpakoh (obediência). O parakoh de Adam, ou a sua desobediência, foi a sua transgressão real da lei de Deus. Por isso, diz o apóstolo, "muitos foram feitos pecadores", os pecadores em tal sentido que são desagradáveis ​​para a morte e a condenação; Para serem condenados à morte, eles não poderiam ser feitos, a menos que fossem primeiro pecadores ou culpados. E isso não poderia ser, senão que eles sejam estimados a ter pecado neles, sobre os quais a culpa de seu pecado lhes foi imputada. Isto, portanto, ele afirma, a saber, que o pecado real de Adão foi assim o pecado de todos os homens, como eles foram feitos pecadores, desagradáveis ​​para a morte e a condenação. O que ele opõe a isto é "a obediência de um", isto é, de Jesus Cristo. E esta foi a obediência real que ele cedeu a toda a lei de Deus. Pois, como a desobediência de Adão era sua transgressão real de toda a lei, a obediência de Cristo era a realização real ou o cumprimento de toda a lei. Isso a antítese exige. Muitos delas são feitos justos. Como? Pela imputação dessa obediência a eles. Pois assim, e de outra forma, os homens são pecadores por meio da imputação da desobediência de Adão. E isso é o que nos dá um direito e um título para a vida eterna, como o apóstolo declara, no versículo 21, "para que como o pecado reinou para a morte, assim também a graça reine pela justiça para a vida eterna". Essa justiça não é outra senão a "obediência de um", isto é, de Cristo, como é chamado, versículo 10. E diz-se que "vem" sobre nós, isto é, para nos ser imputado; porque "bem-aventurado o homem a quem Deus imputa a justiça". E aqui não temos somente a libertação daquela morte e condenação a que somos responsáveis ​​pelo pecado de Adão, mas o perdão de muitas ofensas, isto é, de todos os nossos pecados pessoais - e um direito à vida eterna pela graça de Deus; pois somos "justificados livremente pela sua graça, pela redenção que está em Cristo Jesus".

Em Romanos 9:30, como o apóstolo tinha que propor algo que era estranho, e inadequado para as apreensões comuns dos homens, ele o apresenta com esse interrogatório preliminar, Ti> ou + n ejrou ~ men; (o que ele usa nas ocasiões semelhantes, capítulo 3: 5; 6: 1; 7: 7; 9:14) - "O que devemos dizer então?", isto é, "há nesta matéria" injustiça com Deus? "como versículo 14; ou "O que devemos dizer a estas coisas" ou "Isto é o que deve ser dito aqui". O que aqui afirmamos é: "Que os gentios, que não buscavam a justiça, alcançaram a justiça, mas a justiça que vem da fé. Mas Israel, buscando a lei da justiça, não atingiu esta lei” Nada parece ser mais contrário à razão do que o que aqui é manifestado pelo evento. Os gentios, que viveram em pecado e prazeres, nem uma vez se esforçaram para alcançar qualquer justiça perante Deus, alcançaram-na na pregação do evangelho. Israel, por outro lado, que seguiu após a justiça diligentemente em todas as obras da lei, e os deveres de obediência a Deus, ficou sem isso, não alcançou isso. Todos os preparativos, todas as disposições, todos os méritos, como justiça e justificação, são excluídos dos gentios; pois em todos eles há mais ou menos um seguimento após a justiça, o que é negado a todos. Somente pela fé naquele que justifica os ímpios, eles alcançam a justiça, ou alcançaram a justiça da fé. Porque alcançar a justiça pela fé, e alcançar a justiça que é de fé, são os mesmos.

Portanto, todas as coisas que compõem qualquer maneira de seguir a justiça, como são todos nossos deveres e obras, são excluídas de qualquer influência em nossa justificação. E isso é expresso para declarar a soberania e a liberdade da graça de Deus aqui, - nome, que somos justificados livremente por sua graça, e que, por nossa parte, toda jactância é excluída. Deixe os homens fingirem e disputarem o que quiserem. Os que alcançam a justiça e a justificação perante Deus, quando não seguem a justiça, eles fazem isso pela imputação gratuita da justiça de outro para eles.

Pode ser que seja dito: "É verdade no tempo de seu paganismo que eles não seguiram em absoluto a justiça, mas quando a verdade do evangelho lhes foi revelada, eles seguiram a justiça e a alcançaram. "Mas, - 1. Isto é diretamente contrariar o apóstolo, na medida em que diz que eles não alcançaram a justiça, mas apenas quando eles seguiram a justiça; enquanto ele afirma o contraditório diretamente. 2. Ele tira a distinção que ele colocou entre eles e Israel, ou seja, que aquele seguiu a justiça, e o outro não. 3. Seguir a justiça, neste lugar, é seguir uma justiça própria: "Para estabelecer a própria justiça", cap. 10: 3. Mas isso está tão longe de ser um meio de alcançar a justiça, pois é a obstrução mais efetiva dela.

Se, portanto, aqueles que não têm justiça própria, que estão tão longe disto que nunca se esforçaram para alcançá-lo, ainda por fé recebem a justiça com que são justificados diante de Deus, eles fazem isso pela imputação da justiça de Cristo para eles.

No outro lado da instância, em relação a Israel, alguns devem ouvir, sejam eles ou não, aquilo com que não estão satisfeitos. Três coisas são expressas a eles: - 1. Sua tentativa. 2. Seu sucesso. 3. O motivo disso. 1. Sua tentativa ou esforço foi nisso, que "seguiram a lei da justiça". Diwkw, a palavra pela qual seu esforço é expresso, significa o que é sincero, diligente e sincero. Por isso o apóstolo declarou o que era o seu esforço e o que deveríamos ser, nos deveres e no exercício da obediência evangélica, Filipenses 3:12. Eles não estavam diligentes nessa questão, mas "serviram voluntariamente a Deus dia e noite". "Eles tiveram um zelo de Deus", Romanos 10: 2. E o que eles tentaram depois não foi mov dikaiosunhv, "a lei da justiça" aquela lei que prescreveu uma perfeita justiça pessoal perante Deus, "as coisas que, se o homem as fizer, viverá por elas", capítulo 10: 5.

Portanto, o apóstolo não tem outro respeito para a lei cerimonial neste lugar, mas apenas como foi derivado da lei moral pela vontade de Deus, e como a obediência pertence a ela. Quando ele fala disso separadamente, ele o chama "a lei dos mandamentos contidos nas ordenanças", mas não é chamado de "lei da justiça", a lei cuja justiça se encontra em nós, cap. 8: 9a. Por isso, o seguimento dessa lei de justiça, sua diligência era a realização de todos os deveres de obediência, de acordo com as instruções e preceitos da lei moral. 2. A questão desta tentativa é que eles "não alcançaram a lei da justiça", e não foram os dikaiosu nhv oujk e fqase, isto é, eles não alcançaram justiça diante de Deus por este meio. Embora este fosse o fim da lei, isto é, uma justiça diante de Deus, em que um homem poderia viver, ainda não poderiam alcançá-la. 3. Uma conta é dada pelo motivo de sua falha em alcançar o que eles tão empolgadamente se esforçaram para obter. E isso foi em um duplo erro que eles estavam sob; - primeiro, nos meios de alcançá-lo; em segundo lugar, na própria justiça que devia ser procurada. O primeiro é declarado, cap. 9:32 "Porque não pela fé, mas por assim dizer, pelas obras da lei". A fé e as obras são os dois únicos caminhos pelos quais a justiça pode ser alcançada, e eles são opostos e inconsistentes; para que ninguém faça ou possa buscar a justiça por ambos. Eles não serão misturados e feitos um meio inteiro de alcançar a justiça. Eles se opõem como graça e obras; o que é de um não é do outro, cap. 11: 6. Cada composição deles neste assunto é: "Male sarta gratia nequicquam coit et rescinditur". E a razão é, porque a justiça que a fé procura, ou que é alcançável pela fé, é aquilo que nos é dado, imputado a nós, que a fé apenas recebe. Ela recebe "a abundância da graça e o dom da justiça". Mas o que é alcançável pelas obras é nosso, inerente a nós, causado por nós e não imputado a nós; pois não são mais que essas obras, com respeito à lei de Deus. E se a justiça diante de Deus é obtida somente pela fé, e em contradição com todas as obras, que, se um homem as fizer, de acordo com a lei , "ele deve viver por elas", então é somente por fé que somos justificados diante de Deus, ou, nada mais de nossa parte é requerido para isso. E de que natureza essa justiça deve ser é evidente. Admissão: se a fé e as obras são opostas como contrárias e inconsistentes, quando consideradas como meios para obter justiça ou justificação diante de Deus, como são claramente, então é impossível que sejamos justificados diante de Deus por elas no mesmo sentido e maneira. Portanto, quando o apóstolo Tiago afirma que o homem é justificado pelas obras, e não apenas pela fé, ele não pode pretender a nossa justificação diante de Deus, onde é impossível que ambos concordem; pois não só eles são declarados inconsistentes pelo apóstolo neste lugar, mas isso iria introduzir vários tipos de justiça e justificação, que são inconsistentes e destrutivas umas das outras. Este foi o primeiro erro dos judeus, de onde ocorreu este aborto espontâneo - eles não buscavam a justiça pela fé, mas, por assim dizer, pelas obras da lei. O seu segundo erro era como a justiça sobre a qual um homem poderia ser justificado diante Deus; isso, eles julgaram ser a própria justiça, cap. 10: 3. Sua própria justiça pessoal, consistindo em seus próprios deveres de obediência, consideravam como a única justiça sobre a qual eles poderiam ser justificados diante de Deus. Isto, portanto, eles foram prestes a estabelecer, como o fariseu fez, Lucas 18: 11,12: e esse erro, com seu desígnio sobre eles, "estabelecer sua própria justiça", foi a principal causa que os fez rejeitar a justiça de Deus; como é com muitos neste dia. Tudo o que é feito em nós, ou realizado por nós, como obediência a Deus, é a nossa própria justiça. Embora seja feito com fé e com os auxílios da graça de Deus, ainda assim é subjetivamente nosso, e, na medida em que é uma justiça, é nosso. Mas toda justiça, o que é nosso, é tão diversificada da justiça pela qual devemos ser justificados diante de Deus, como o mais sincero esforço para estabelecê-lo, isto é, torná-lo tal como para podermos ser justificados, - é um meio eficaz para nos fazer recusar uma submissão e uma aceitação de que, por meio do que somente pudermos ser assim. Isso arruinou os judeus e será a ruína de todos o que seguirem seu exemplo em busca de justificação. Assim, o apóstolo insinua naquela expressão: "Eles não se submeteram à justiça de Deus". Essa justiça de Deus é da mesma natureza que a mente orgulhosa do homem não está disposta a se inclinar e se submeter a si mesma; ainda não pode ser alcançado de outra forma, senão por uma submissão ou sujeição da mente que contenha nela uma renúncia total de qualquer justiça nossa. E aqueles que repreendem os outros por afirmar que os homens que se esforçam pela moralidade, ou pela justiça moral, e descansando nela, não são dignos de participar da graça de Deus por Jesus Cristo, ridicularizam expressamente a doutrina do apóstolo; isto é, do Espírito Santo por tal afirmação, pois o  desígnio do apóstolo é simplesmente declarar que não somente a fé e a justiça dela, nem a nossa justiça pelas obras, são inconsistentes, isto é, como a nossa justificação diante de Deus; mas também, que a mistura de nossas próprias obras, na busca da justiça, como meio delas, nos desvia totalmente da aceitação ou submissão à justiça de Deus. Pois a justiça que é de fé não é a nossa; é a justiça de Deus, a que ele imputa a nós. Mas a justiça das obras é nossa, aquilo que é feito em nós e por nós. E, como as obras não têm aptidão nem perfeição em si mesmas para alcançar ou receber uma justiça que, por não ser nossa, é imputada a nós, mas é repugnante a ela, como aquela que as derrubará de sua dignidade legal de ser nossa justiça; de modo que a fé não tem aptidão nem majestade em si mesma para ser uma justiça inerente, ou para ser estimada, ou, como tal, ser imputada a nós, vendo que sua principal faculdade e eficácia, consiste em concentrar toda a confiança, esperança e expectativa da alma, para a justiça e a aceitação com Deus, sobre a outra. Ali estava a ruína daqueles judeus: julgando-o melhor, mais provável, sim, um caminho mais justo e santo para eles, esforçando-se constantemente por uma justiça própria, por deveres de obediência à lei de Deus, do que imaginar que poderiam ser aceitos com Deus pela fé em outro (Jesus). Para dizer-lhes, e como eles, o que você quiser, se eles não tiverem a própria justiça, que possam colocar suas pernas e fazerem frente a Deus, a lei não terá sua realização, e assim condenará para derrubar este último tipo de incredulidade, o apóstolo concede que a lei tenha seu fim, e ele tenha cumprido completamente, ou não há aparência para nós como justo diante de Deus; e com isso mostra-lhes como é feito, e onde sozinho é procurado: porque "Cristo", diz ele, "é o fim da lei para a justiça de todo aquele que crê", Romanos 10: 4. Não precisamos nos preocupar em perguntar em que diferentes sentidos de Cristo pode ser dito ser o amor, o "fim", o complemento, a perfeição, "da lei". O apóstolo determina suficientemente sua intenção, em afirmar não absolutamente que ele é o fim da lei, mas ele é dikaiosu nhn, "para a justiça", para todo aquele que crê. O assunto em questão é uma justiça para justificação diante de Deus. E isso é reconhecido como a justiça que a lei exige. Deus não busca nenhuma justiça de nós, senão o que é prescrito na lei. A lei não é senão a regra da justiça, - a prescrição de Deus de uma justiça e todos os deveres dela para nós. Para que devêssemos ser justos aqui antes que Deus fosse o primeiro e original fim da lei. Seu outro fim, no presente, da convicção do pecado e julgamento ou condenação por ele, foi acidental à sua constituição primitiva. Esta justiça que a lei exige, que é toda e única aquela justiça que Deus exige de nós, a realização deste fim (finalidade) da lei, os judeus procuraram por sua própria realização pessoal das obras e deveres disso. Mas, por este meio, no máximo de seus esforços, eles nunca poderiam cumprir essa justiça, nem alcançar esse fim da lei; que, no entanto, deve ser alcançado, se os homens não devem perecer para sempre. Portanto, o apóstolo declara que tudo isso é feito de outra maneira; que a justiça da lei se cumpre, e o seu fim, como a justiça perante Deus, alcançou; e isso está em e por Cristo. Porque o que a lei exigiu, ele realizou; que é reconhecido por todo aquele que crê. O que não poderíamos fazer, o que a lei não poderia afetar em nós, na medida em que era fraca através da carne, - o que não conseguimos alcançar pelas obras e deveres, - que Cristo fez por nós; e assim é "o fim da lei para a justiça de todo aquele que crê". A lei exige uma justiça de nós; a realização desta justiça é o fim que ela pretende, e que é necessária para nossa justificação diante de Deus. Isso não deve ser alcançado por nenhuma obra nossa, por qualquer justiça nossa. Mas o Senhor Cristo é isto por nós e para nós; que, como ele é ou pode ser senão pela imputação de sua obediência e justiça na realização da lei, não consigo entender; tenho certeza de que o apóstolo não declara. O caminho pelo qual alcançamos esse fim da lei, que não podemos fazer pelo esforço máximo para estabelecer nossa própria justiça, é somente por fé, pois "Cristo é o fim da lei para justiça para todo aquele que crê." Para misturar qualquer coisa com fé aqui, como é repugnante à natureza e trabalho da fé, com respeito à sua aptidão para obtenção de uma justiça, por isso é tão diretamente contraditório ao desígnio expresso e as palavras do apóstolo como qualquer coisa que possa ser inventada. Deixe os homens se agradarem com suas distinções, que eu não entenda (e, no entanto, talvez tenha vergonha de dizer isso, mas que estou convencido de que eles não entendem a eles mesmos por quem eles são usados), ou com escusas, objeções, consequências fingidas, que eu não valorizo; aqui, eu desejo para sempre concentrar minha alma, e aqui aceitar, isto é, que "Cristo é o fim da lei para a justiça para todo aquele quecrê." E suponho que todos os que entendem bem o que é que a lei de Deus exige deles, quão necessário é que seja cumprida, e que o fim dela seja realizado, com a total insuficiência de seus próprios esforços para esses fins, será, pelo menos, quando o tempo da disputa acabou, volte-se para o mesmo refúgio e descanso.

O próximo lugar que considerarei nas epístolas deste apóstolo é: 1 Coríntios 1:30. "Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção." O desígnio do apóstolo nestas palavras é manifestar, que tudo o que nos falta em qualquer conta para agradarmos a Deus, vivermos para ele e chegarmos a desfrutar dele, isto temos somente por Jesus Cristo; e isso por parte de Deus da simples graça livre e soberana, como os versículos 26-29 declaram. E nós temos todas essas coisas em virtude de nossa implantação nele: ejx aujtou ~, - "de", ou "por ele". Ele por sua graça é a causa principal e eficiente disso. E o efeito é que somos "em Cristo Jesus", isto é, inseridos nele, ou unidos a ele, como membros de seu corpo místico; que é o sentido constante dessa expressão na Escritura. E os benefícios que recebemos aqui são enumerados nas palavras seguintes. Mas, primeiro, o caminho pelo qual somos feitos participantes deles, ou para nos serem comunicados, é declarado: "Quem de Deus é feito para nós". É tão ordenado por Deus, que ele mesmo deve ser feito ou tornar-se tudo isto para nós. Mas como Cristo assim nos é feito de Deus, ou que ato de Deus é o que se destina a isso? É por uma instituição especial da graça soberana e da sabedoria de Deus, fazendo Cristo para ser tudo isso por nós e para nós, com imputação real sobre o mesmo, e a nada mais, isso se destina. Seja qual for o interesse, portanto, que temos em Cristo, e qualquer benefício que temos por ele, tudo depende da soberana graça e constituição de Deus, e não de nada em nós mesmos. Considerando que, então, não temos justiça própria, ele é nomeado de Deus para ser nossa "justiça", e é feito para nós, o que não pode ser contrário, mas a sua justiça é feita nossa; porque ele é feito para nós (como ele é igualmente as outras coisas mencionadas), de modo que tudo que se vangloria, isto é em nós mesmos, deve ser totalmente excluído, e que "aquele que se gloria se glorie no Senhor", versículos 29-31. Agora, há tal justiça, ou tal maneira de ser justo, sobre o qual podemos ter um pouco de glória, Romanos 4: 2, e que não exclui a glória, cap. 3:27. E isso não pode ser, senão quando nossa justiça é inerente a nós; porque isso, no entanto, pode ser adquirido ou comprado, ou forjado em nós, e é ainda nosso, tanto quanto qualquer coisa pode ser nossa enquanto somos criaturas. Esse tipo de justiça, portanto, está aqui excluído. E o Senhor Jesus Cristo sendo assim feito a justiça para nós de Deus, para que tudo que se vangloriar e se gloriar de nossa parte, ou em nós mesmos, seja excluído, - sim, sendo feito assim por esse fim, para que assim seja, - pode não existir senão pela imputação de sua justiça a nós; pois assim é a graça de Deus, para a honra de sua pessoa e a mediação exaltada, e todas as ocasiões de gloriar-nos em nós mesmos são totalmente prescindidas. Não necessitamos mais deste testemunho, senão enquanto estamos em nós mesmos destituídos de toda justiça aos olhos de Deus, Cristo é, por meio de um ato gracioso de imputação divina, feito de Deus para nós, de tal maneira que toda a nossa glória deve estar na graça de Deus e na justiça do próprio Cristo. Bellarmine tenta três respostas para este testemunho, os dois primeiros que são coincidentes; e, o terceiro, está no suporte da luz e da verdade, ele confessa e concede tudo o que afirmamos. 1. Ele diz: "Que Cristo é dito ser nossa justiça, porque ele é a causa eficiente disso, como Deus diz que é a nossa força; e assim há nas palavras uma metonímia do efeito para a causa." E eu digo que isso é verdade - que o Senhor Jesus Cristo pelo seu Espírito é a causa eficiente de nossa justiça pessoal e inerente. Porque sua graça é efetuada e forjada em nós; ele renova nossa natureza à imagem de Deus, e sem ele não podemos fazer nada, de modo que nossa justiça habitual e real seja dele. Mas essa justiça pessoal é nossa santificação, e nada mais. E, embora o mesmo hábito interno da graça inerente, com as operações adequadas a isso, às vezes seja chamado de nossa santificação, e às vezes a nossa justiça, com respeito a essas operações, ainda não é distinguida em nossa santificação e nossa justiça. Mas o fato de ele ser feito justiça para nós neste lugar é absolutamente distinto do fato de nos ser feito santificação; a qual é aquela justiça inerente que é operada em nós pelo Espírito e pela graça de Cristo. E a sua justiça pessoal em nós, que é a nossa santificação, e a imputação da sua justiça a nós, por meio da qual somos feitos justos perante Deus, não são apenas consistentes, mas uma não pode ser sem a outra. 2. Ele afirma: "Que Cristo é dito ser feito justiça para nós, como ele é feito redenção. Agora, ele é a nossa redenção, porque ele nos redimiu. Então, dele é dito que nos foi feito justiça, porque por ele nos tornamos justos, ou, como outro fala, porque só ele é justificado." Este é o mesmo apelo com o primeiro, isto é, que existe uma metonímia do efeito da causa em todas essas expressões; ainda, por que elas pretendem ser quem expõe as palavras: "Por ele, somos justificados", eu não entendo. Mas Bellarmine está se aproximando ainda mais da verdade: porque, como Cristo é dito ser feito de Deus redenção para nós, porque pelo seu sangue somos redimidos ou libertados do pecado, da morte e do inferno, pelo resgate que ele pagou por nós, ou tendo redenção através do seu sangue, para o perdão dos pecados; assim, dele é dito ser feito justiça para nós, porque através da sua justiça concedida a nós da parte de Deus (como Deus o faz para ser justiça para nós, e sermos tornados a justiça de Deus nele e a imputação de sua justiça para nós, para que possamos ser justos diante de Deus, é o mesmo), somos justificados. Sua terceira resposta, como antes observada, concede tudo o que afirmamos; pois é o mesmo que ele dá a Jeremias 23: 6: qual lugar ele se conjuga com isso, do mesmo sentido e importância, renunciando a toda a causa em satisfação com eles, nas palavras antes descritas, lib. boné. 10. Socinus preface sua resposta a este testemunho com admiração de que qualquer um deve usá-lo, ou implorá-lo nesta causa, é tão impertinente para o propósito. E, de fato, um fingido desprezo dos argumentos de seus adversários é o principal artifício em que ele faz uso em todas as suas respostas e evasões; em que lamento ver que ele é seguido por muitos deles que, juntamente com ele, se opõem à imputação da justiça de Cristo. E, até tarde, o uso desse testemunho, que reduziu Bellarmine para um estreito tão grande, é admirado no único terreno e motivo com o qual ele é oposto por Socinus. No entanto, as suas exceções a ele, como a que não posso, além disso, um pouco, por outro lado, me perguntar que qualquer homem sábio deve ser incomodado com eles, ou seduzido por eles; porque ele só invoca: "Que, se Cristo é dito que nos foi feito justiça, porque a sua justiça nos é imputada, então ele é dito ser feito sabedoria para nós, porque a sua sabedoria é também imputada e, assim, a sua santificação; que ninguém permitirá: sim, ele deve ser redimido por nós, e a sua redenção será imputada a nós." Mas não há nada de força nem de verdade nesta pretensão: porque é construído somente nesta suposição, que Cristo deve ser feito para nós de Deus todas essas coisas da mesma maneira; considerando que são de natureza tão diferente que é absolutamente impossível, que deveria ser assim. Por exemplo, ele nos é feito santificação, porque por seu Espírito e graça somos livremente santificados; mas não pode ser dito que nos seja redimido, pois por seu Espírito e graça somos livremente redimidos. E se se diz que nos foi feito justiça, porque por meio de seu Espírito e graça, ele opera a justiça inerente em nós, então é claramente o mesmo com o fato de nos ser feito santificação. Ele também não acredita que Cristo nos fez todas essas coisas da mesma maneira; e, portanto, ele não atribui nenhuma maneira especial pela qual ele é feito em tudo o que é dito, mas nubla-o em uma expressão ambígua, que ele se torna tudo isso para nós na providência de Deus. Mas pergunte-lhe em particular, como Cristo é feito santificação para nós, e ele irá dizer-lhe que foi somente com a doutrina e o exemplo, com alguma assistência tão geral do Espírito de Deus como ele permitir. Mas agora, esta não é uma maneira pela qual Cristo se tornou redenção para nós; que é uma coisa externa e não forjada em nós, Cristo não pode ser de outra forma, se nos fez redenção que pela imputação a nós do que ele fez, para que possamos ser redimidos, ou contabilizá-lo em nossa conta; - não que ele tenha sido redimido por nós, enquanto ele cavalga infantilmente, mas que ele fez aquilo por meio do qual somos redimidos. Portanto, Cristo é feito justiça de Deus para nós, de tal maneira que a natureza do objeto exige. Dizem alguns: "É porque por ele somos justificados". Contudo, o texto não diz que por ele somos justificados, mas que ele é de Deus feito justiça por nós; que não é a nossa justificação, mas o fundamento, a causa e a razão da qual somos justificados. A justiça é uma coisa, e a justificação é outra. Portanto, devemos perguntar como chegamos a ter essa justiça por meio da qual somos justificados; e este mesmo apóstolo nos diz claramente por imputação: "Bem-aventurado o homem a quem o Senhor imputa a justiça", Romanos 4: 6. Segue-se, então, que Cristo nos foi feito justiça de Deus, não pode ter outro sentido senão que a sua justiça é imputada a nós, que é o que este texto confirma indubitavelmente. Em 2 Coríntios 5:21 a verdade invocada é ainda mais expressiva: "Aquele que não conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus." A paráfrase de Agostinho sobre estas palavras dá o sentido delas: "Ipse peccatum ut nos justitia, non nostra sed Dei, non in nobis sed in ipso; sicut ipse peccatum non suum sed nostrum, non in se, sed in nobis constitutum", Enchirid. ad Laurent., cap. 4. E as palavras de Crisóstomo sobre isto, no mesmo propósito, foram citadas antes em grande parte para descrever a grandeza da graça de Deus em nossa reconciliação por Cristo, ele o descreve por paráfrase, - "quem não conheceu nenhum pecado" ou "quem não conheceu o pecado". Ele conhecia o pecado na noção ou na compreensão de sua natureza, e ele sabia isso experimentalmente nos efeitos que sofreu; mas ele não conhecia, isto é, era mais distante disso, quanto à sua comissão ou culpa. Porque "ele não conheceu nenhum pecado", não é mais que "ele não cometeu pecado, nem foi encontrado engano em sua boca", como é expresso, em 1 Pedro 2:22; ou que ele era "santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores", Hebreus 7:26. No entanto, há uma ênfase na expressão, que não deve ser negligenciada: pois como é observado por Crisóstomo, como contendo uma auxesis (oujci a <= "" ajmarta = ""> nonta mo> non le> gei ajlla < tode gno> nta aJmarti> an), e por diversos aprendizes depois dele; então, aqueles que desejam aprender a excelência da graça de Deus aqui, terão uma impressão de sensação em suas mentes a partir desta expressão enfática, que o Espírito Santo escolheu para usar para esse fim; e a observação não deve ser desprezada. "Ele o fez pecado", dizem "muitos especialistas", "um sacrifício pelo pecado". "Quemadmodum oblatus est pro peccatis, non immerito peccatum factus dicitur, quia et bestia em lege quae pro peccatis offerabatur, peccatum nuncupatur ", Ambrose. em locum. Assim, o pecado e a oferta de transgressão são frequentemente expressos por taF; jæ e μv; a; - "o pecado" e "transgressão", ou "culpa". E não contenderei sobre esta exposição, porque aquilo que está significado nela é conforme a verdade. Mas há outra significação mais apropriada da palavra: amartia um ser colocado para um jmartwlov, - "pecado", para um "pecador" (isto é, passivamente, não ativamente, não por inerência, mas por imputação); porque isso, a frase de fala e força da antítese parece exigir. Falando em outro sentido, o próprio Estius no lugar acrescenta, como o que ele aprova: "Hic intellectus explicandus est per commentarium Graecorum Chrysostomi et caeterorum; quia peccatum emphaticw ~ v interpretantur magnum peccatorem; ac si dicat apostolus, nostri causa tractavit eum tanquam ipsum peccatum, ipsum scelus, id est, tanquam hominem insigniter sceleratum, ut in quo posuerit iniquitates omnium nostrum ". E se essa é a interpretação dos escolásticos gregos, como é verdade, Lutero não foi o primeiro que afirmou que Cristo foi feito o maior pecador, ou seja, por imputação. Mas devemos permitir a exposição anterior, desde que seja admitida a verdadeira noção de oferta pelo pecado ou de sacrifício expiatório, pois, embora isso não fosse nem poderia consistir na transfusão do pecado inerente da pessoa ao sacrifício, ainda assim, na transmissão da culpa do pecador para ele; como está totalmente declarado, Levítico 16: 20,21. Só devo dizer que concedo essa significação da palavra para evitar disputa; pois alguns dizem que amartia significa pecado e um sacrifício pelo pecado, não pode ser permitido. af; j; , em Kal, significa "errar, pecar, transgredir a lei de Deus". Em Piel tem uma significação contrária, a saber, "limpar do pecado" ou "fazer expiação do pecado". Daí taF; jæ é mais frequentemente usado com respeito à sua derivação da primeira conjugação, e significa "pecado", "transgressão" e " culpa ", mas às vezes com respeito ao segundo, e então significa" um sacrifício pelo pecado, para fazer expiação dele". E assim é processado pela LXX, às vezes por iJlasmov, Ezequiel 44:27, às vezes ejxilasmov, Êxodo 30:10, Ezequiel 43:22, uma "propiciação", um "sacrifício propiciatório", às vezes por um gnisma, Números 19:19, e uma "purificação". Amartia, absolutamente, em nenhum lugar, em qualquer bom autor, nem na Escritura, significa um sacrifício pelo pecado, a menos que seja permitido fazê-lo neste único lugar. Pois, enquanto a LXX traduz taF; jæ constantemente por amartia, onde significa pecado; onde denota oferta para o pecado, e retém essa palavra, eles fazem por peri amartiav, uma expressão elíptica, que eles inventaram para aquilo que eles conheciam de uma parte de si mesma, nem tampouco podia significar, Levítico 4: 3,14,32,35; 5: 6-11; 6:30; 8: 2. E eles nunca omitem a preposição a menos que eles designem o sacrifício; por outro lado, também é observado pelo apóstolo no Novo Testamento; por duas vezes, expressando a oferta pelo pecado por esta palavra, ele usa essa frase peri amartiav, Romanos 8: 3, Hebreus 10: 6; mas em nenhum lugar usa amartia para esse propósito. Se for, portanto, dessa significação neste lugar, é aqui somente. E, enquanto alguns pensam que responde "piaculum" no latim, também é um erro; para a primeira significação de amartia é confessado ser pecado, e eles teriam que supor que daí seja abusado para significar um sacrifício pelo pecado. Mas "piaculum" é propriamente um sacrifício, ou qualquer coisa pela qual o pecado é expiado, ou a satisfação é feita para isso. E muito raramente é abusado denotar tal pecado ou crime que merece expiação púbica, e não deve ser perdoado. Mas não devemos lidar com palavras, enquanto podemos concordar sobre o que se pretende. A única pergunta é, como Deus o fez pecado? "Ele o fez pecado", de modo que um ato de Deus aqui é citado. E isso é em outro lugar expressado por "colocar todas as nossas iniquidades sobre ele", ou fazer com que se encontrem nele, Isaías 53: 6. E isso foi pela imputação de nossos pecados a ele, como os pecados do povo foram colocados na cabeça do bode expiatório, para que não fossem mais deles, mas dele, de modo que ele os levaria para longe deles. Pegue o pecado em qualquer sentido antes mencionado, seja de um sacrifício pelo pecado, seja de um pecador, e a imputação da culpa do pecado diante da punição dele, e para o qual deve ser entendido. Pois, em todo sacrifício pelo pecado, havia uma imposição de pecado ao animal a ser oferecido, antecedente ao sacrifício dele, e ali estava o sofrimento pela morte. Portanto, em cada oferta pelo pecado, aquele que a trouxe deveria "colocar a mão na cabeça dele", Levítico 1: 4. E que a transferência da culpa do pecado para a oferta foi assim significada, é expressamente declarado, Levítico 16:21. Portanto, se Deus fez o Senhor Jesus Cristo uma oferta pelo pecado para nós, foi pela imputação da culpa do pecado a ele antes de seu sofrimento. Nem uma oferenda pode ser feita para o pecado, sem uma transferência típica da culpa do pecado.

Ninguém, na verdade, diz que Cristo foi feito pecado pela imputação do castigo a ele, que não tem sentido próprio; mas eles dizem que o pecado lhe foi imputado como castigo: o que é dizer que a culpa do pecado lhe foi imputada; porque a culpa do pecado é a sua relação com o castigo, ou a obrigação ao castigo que o atende. E que qualquer pessoa deve ser punida por pecado sem a imputação da culpa a ele, é impossível; e, se fosse possível, seria injusto: porque não é possível que alguém seja punido pelo pecado corretamente e, no entanto, esse pecado não seja dele. E se não é o dele pela adesão, não pode ser o seu o de outro senão por imputação. Pode-se sofrer por ocasião do pecado de outro que não é o caminho dele, mas ele não pode ser punido por isso; porque o castigo é a recompensa do pecado por conta de sua culpa. E se fosse possível, onde está a justiça de punir qualquer um para o que de nenhuma maneira pertence a ele? Além disso, a imputação do pecado e a punição, são atos distintos, aquele que precede o outro; e, portanto, o primeiro é apenas a culpa do pecado: por isso, o Senhor Jesus Cristo foi feito pecado por nós, pela imputação da culpa de nossos pecados a ele. Mas diz-se que se a culpa do pecado fosse imputada a Cristo, ele está excluído de toda possibilidade de mérito, pois sofreu, senão o que era devido; e assim todo o trabalho da satisfação de Cristo é subvertido. Isso deve ser assim, se Deus em julgamento o considerasse culpado e um pecador. Mas há uma ambiguidade nessas expressões. Se se significasse que Deus em julgamento o considerava culpado e um pecador inerentemente em sua própria pessoa, não se pretende tal coisa. Mas Deus pôs todos os nossos pecados sobre ele, e no juízo não o poupou, quanto ao que lhes era devido. E então ele não sofreu o que era seu devido por sua própria conta, mas o que era devido ao nosso pecado: o que é impiedade negar; pois, se não fosse assim, ele morreu em vão, e ainda estamos nos nossos pecados. E, como a sua satisfação é aqui contida, nem pode estar sem ela, também não derrama, pelo menos, o mérito dele. Por se supor que a dignidade infinita de sua pessoa, e a sua assunção voluntária de nosso pecado para responder, que não alterou o seu estado e condição, sua obediência foi muito meritória. Em resposta, e em virtude disso, somos feitos "a justiça de Deus nele". Esse foi o fim com que ele foi feito pecado por nós. E por quem somos assim feitos? É pelo próprio Deus: porque "é Deus que justifica", Romanos 8:33; É Deus quem "imputa a justiça", cap. 4: 6. Portanto, é o ato de Deus em nossa justificação a que se destina; e para ser feito, a justiça de Deus deve ser feita justa diante de Deus, embora enfaticamente expressada pelo abstrato para o concreto, para responder o que foi dito antes de Cristo ter sido feito pecado por nós. Para ser feito, a justiça de Deus deve ser justificada; e ser feito assim nele, como ele foi feito pecado por nós, deve ser justificado pela imputação de sua justiça a nós, como nosso pecado lhe foi imputado. Nenhum homem pode atribuir qualquer outro meio pelo qual ele foi feito pecado, especialmente o fato de ser feito por Deus, mas, por Deus, colocando todas as nossas iniquidades sobre ele, isto é, imputando nosso pecado a ele. Como, então, somos feitos a justiça de Deus nele? "Pela infusão de um hábito de graça", dizem os papistas em geral. Então, segundo o domínio da antítese, ele deve ser pecado por nós pela infusão do hábito do pecado; o que seria uma imaginação blasfema. "Por seu mérito, aquisição e compra de justiça para nós", dizem outros. Então, possivelmente, podemos ser feitos justos com ele; mas não podemos ser justos nele. Isso só pode ser por sua justiça quando estivermos nele, ou unidos a ele. Ser justo com ele é ser justo com a sua justiça, como nós somos uma pessoa mística com ele. Portanto, - Ser feito a justiça de Deus em Cristo, como ele foi feito pecado por nós, e porque ele era assim, pode não ser outro senão ser feito justo pela imputação de sua justiça a nós, como nós estamos nele ou unidos a ele. Todas as outras exposições dessas palavras são e forçadas, afastando a mente do primeiro sentido claro e óbvio delas. Além disso, esta interpretação é exclusiva e é o seu primeiro argumento contra a imputação da justiça de Cristo, lib. 2 cap. 7, De Justificação, "Quinto refellitur quoniam si vere nobis imputetur justitia Christi ut per eam justi habeamur ac censeremur, ac si proprie nostra esset intrinseca formalisque justitia, profecto non minus justi haberi et censeri Débito, quim ipse Christus: proinde deberemus dici atque haberi redemptores , e salvatores mundi, quod est absurdissimum." Uma resposta completa foi devolvida aqui e, tão frequentemente, pelos teólogos protestantes, que não o mencionaria, mas que os professantes entre nós se congratulam em emprestá-lo com ele e fazer uso disso. "Porque" dizem eles ", se a justiça de Cristo nos é imputada para que assim seja feita nossa, então somos tão justos quanto o próprio Cristo, porque somos justos com a sua justiça". 1. Essas coisas são claramente afirmadas na Escritura, que, como a nós mesmos e em nós mesmos, "somos todos como coisas impuras, e todas as nossas justiças são trapos imundos", Isaías 64: 6, por um lado; e que "no Senhor temos justiça e força; no Senhor somos justificados e nos gloriaremos", Isaías 45: 24,25, e outro; - que "se dissermos que não temos pecado, nos enganamos a nós mesmos" e, no entanto, somos "a justiça de Deus em Cristo". Portanto, essas coisas são consistentes, seja qual for o espírito que os homens possam suscitar contra elas; e, portanto, devem ser estimadas, a não ser que cumpramos com a regra de interpretação de Socinus, ou seja, que, quando qualquer coisa parece repugnante a nossa razão, embora nunca seja tão expressamente afirmada nas Escrituras, não devemos admitir isso, mas descobrir algum interpretação embora nunca forçado, a trazer o sentido das palavras para o nosso motivo. Portanto, - 2. Não obstante a imputação da justiça de Cristo para nós, e nosso ser feito com justiça com isso, somos pecadores em nós mesmos (o Senhor sabe muito, melhor que nós); e assim não pode ser dito como tão justo como Cristo, mas apenas para ser feito com justiça naquele que é pecador em nós mesmos. 3. Dizer que somos tão justos quanto Cristo, é fazer uma comparação entre a justiça pessoal de Cristo e nossa justiça pessoal, - se a comparação for de coisas do mesmo tipo. Mas isso é tolo e ímpio; pois, apesar de toda a nossa justiça pessoal, somos pecadores; ele não conhecia nenhum pecado. E se a comparação entre a justiça pessoal, a justiça inerente e a justiça de Cristo nos são imputadas, a imersão e a imputação são coisas de diversos tipos, é igual e sem consequências. Cristo foi ativamente justo; nós somos passivamente. Quando nosso pecado lhe foi imputado, ele não se tornou um pecador como somos, ativamente e inerentemente um pecador; mas apenas passivamente, e na estimação de Deus. Como ele foi feito pecado, ainda não conhecia pecado; então somos feitos justos, mas somos pecadores em nós mesmos. 4. A justiça de Cristo, como era pessoalmente, era a justiça do Filho de Deus, em que respeito tinha em si uma perfeição e valor infinitos; mas é imputado a nós apenas com respeito ao nosso ser pessoal, - não como foi satisfatório para todos, mas como nossas almas precisam disso, e são feitas participantes disso. Não existe, portanto, nenhum fundamento para tal comparação. 5. Quanto ao que é acrescentado por Bellarmine, para que possamos dizer-nos que somos redentores e salvadores do mundo, o absurdo da asserção recai sobre si mesma; não estamos preocupados com isso. Por ele afirmar diretamente, lib. 1, De Purgator., Cap. 14, que "um homem pode ser justamente chamado de seu próprio redentor e salvador", que ele tenta provar de Daniel 4. E alguns de sua igreja afirmam que os santos podem ser chamados os redentores dos outros, embora de maneira inadequada. Mas não estamos preocupados com essas coisas; vendo a imputação da justiça de Cristo, segue-se apenas que aqueles a quem é imputado são redimidos e salvos, e não são eles que são redentores e salvadores. Pertence também à reivindicação deste testemunho para mostrar a vaidade de seu sétimo argumento no mesmo caso, porque isso também é usado por alguns entre nós; e é isto: "Se, a justiça de Cristo, nos foi imputada, verdadeiramente seríamos justos e filhos de Deus; então, de Cristo, pela imputação da nossa injustiça, pode ser dito pecador e filho do diabo." 1. O que a Escritura afirma sobre a imputação de nossos pecados a Cristo é que "ele foi feito pecado por nós". Os expositores gregos, Crisóstomo, Theophylact e Oecumenius, com muitos outros, consideram "um pecador". Mas todos afirmam que a denominação deve ser tirada apenas da imputação: ele lhe imputou pecado e sofreu o castigo devido a ele; como temos justiça imputada a nós, e aproveitamos o benefício disso. 2. A imputação do pecado a Cristo não levou consigo qualquer coisa da poluição ou imundície do pecado, para lhe ser comunicado por transfusão, - uma coisa impossível; de modo que não pode surgir qualquer denominação que inclua qualquer respeito a isso. Um pensamento disso é ímpio e desonroso para o Filho de Deus. Mas o fato de ser feito pecado através da imputação da culpa do pecado, é a sua honra e glória. 3. A imputação do pecado dos fornicadores, dos idólatras, dos adúlteros, etc., como os coríntios antes da conversão a Cristo, não o traz sob qualquer denominação desses pecados. Pois eles eram tão em si mesmos ativamente, inerentemente, subjetivamente; e assim foram assim chamados. Mas aquele que não conheceu nenhum pecado, tomou-o voluntariamente para responder pela culpa desses pecados - que nele era um ato de justiça e a maior obediência a Deus – agora, que deveria ser dito idólatra, etc., é uma fúnebre imaginação. A denominação de um pecador do pecado inerente, realmente cometido, contaminando a alma, é um opróbrio e significativo da máxima indignidade; mas mesmo a denominação de um pecador pela imputação do pecado, sem a menor culpa ou impureza pessoal sofrida por aquele a quem é imputado, em um ato de obediência mais elevada e tendendo para a maior glória de Deus, é altamente honrado e glorioso, mas, - 4. A imputação do pecado a Cristo era antecedente de qualquer união real entre ele e os pecadores, sobre o qual ele tomou o pecado sobre ele como ele quisesse, e para o que ele acabaria; mas a imputação de sua justiça aos crentes é consequente, por ordem da natureza, para sua união com ele, pelo qual se torna sua de maneira peculiar: de modo que não há paridade de razão para que ele seja estimado pecador, como eles devem ser considerados justos. E. - 5. Aceitamos isso, que, na imputação do pecado a Cristo, diz-se que "Deus o fez pecado por nós", o que ele não poderia ser, mas, assim, - e ele foi assim por uma ação temporária em seus efeitos, por um tempo apenas, naquele tempo em que sofreu o castigo devido ao pecado; mas na imputação de sua justiça a nós, somos "feitos a justiça de Deus", com uma justiça eterna, que permanece sempre nossa. 6. Ser um filho do diabo pelo pecado, é fazer as obras do diabo, João 8:44; Mas o Senhor Jesus Cristo, ao tomar nossos pecados sobre ele, quando imputado a ele, fez a obra de Deus no mais alto grau de santa obediência, evidenciando-se como Deus de Deus e destruindo as obras do diabo. Tão tolo e ímpio é conceber que aconteceu qualquer mudança absoluta de estado ou relação nele. Por "a justiça de Deus", neste lugar, nossa própria fé e obediência de acordo com o evangelho, como alguns teriam , são destinados, é tão estranho do alcance do lugar e do senso das palavras, já que não devo analisá-lo particularmente. A justiça de Deus é revelada à fé e recebida pela fé; e não é, portanto, a própria fé. E a força da antítese é bastante pervertida por essa presunção; para quem afirme que ele foi feito pecado pela imputação do nosso pecado a ele, e somos feitos justiça pela imputação de nossa própria fé e obediência a nós mesmos? Mas como Cristo não se preocupava com o pecado, mas como Deus o fez pecado, nunca esteve nele intrinsecamente; Portanto, não temos interesse nessa justiça, - não está em nós inerentemente, mas só nos é imputado. Além disso, o ato de Deus em nos tornar justos é o seu justificar para nós. Mas isso não é pela infusão do hábito de fé e obediência, como provamos. E que ato de Deus é destinado por aqueles que afirmam que a justiça de Deus que somos feitos é a nossa justiça, eu não conheço. A constituição do evangelho não pode ser; pois isso não faz justiça a nenhum homem. E as pessoas dos crentes são objeto deste ato de Deus e que, como são consideradas em Cristo.

Gálatas 2:16. A epístola do mesmo apóstolo para os gálatas é totalmente concebida para a reivindicação da doutrina da justificação por Cristo, sem as obras da lei, com o uso e os meios de sua aplicação. A soma de todo o seu desígnio é estabelecida na repetição de suas palavras para o apóstolo Pedro, por ocasião de seu fracasso, relatado no cap. 2:16, "sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, mas sim, pela fé em Cristo Jesus, temos também crido em Cristo Jesus para sermos justificados pela fé em Cristo, e não por obras da lei; pois por obras da lei nenhuma carne será justificada." O que ele afirma aqui, era um princípio tão conhecido, tão fundamental da verdade entre todos os crentes, que a sua convicção e conhecimento disso era o motivo e a ocasião da sua transição e passagem do judaísmo para o evangelho, e fé em Jesus Cristo. E, nas palavras, o apóstolo determina essa grande investigação, como ou por que significa que um homem é ou pode ser justificado diante de Deus? O assunto falado é expresso indefinidamente: "Um homem", isto é, qualquer homem, judeu ou um gentio; um crente ou um incrédulo; o apóstolo que falou e a quem ele falou - os gálatas a quem escreveu, que também há algum tempo creram e fizeram profissão do evangelho. A resposta dada à questão é negativa e positiva, ambas afirmadas com a maior segurança e a fé comum de todos os cristãos, exceto apenas aqueles que foram desviados por sedutores. Afirma que isso não é, não pode ser, "pelas obras da lei". O que se destina por "a lei", nestas disputas do apóstolo, foi antes declarado e demonstrado. A lei de Moisés às vezes é intencionalmente citada, - não absolutamente, mas como foi o exemplo presente da clivagem dos homens para a lei da justiça, e não se submeteram a ela para a justiça de Deus. Mas que a consideração da lei moral e dos deveres dela é neste argumento, exceto por ele, é uma imaginação fraca, sim, exceto a própria lei cerimonial; porque a sua observação, enquanto estava em vigor, era um dever da lei moral. E as obras da lei são as obras e deveres da obediência que esta lei de Deus exige, executada da maneira que prescreve, na fé, e por amor a Deus acima de tudo; como foi comprovado. Diga que o apóstolo exclui apenas obras absolutamente perfeitas, que ninguém jamais fez ou poderia realizar desde a entrada do pecado, é supor que ele disputa, com grande sinceridade e muitos argumentos, contra o que nenhum homem afirmou, e que ele não menciona uma vez em todo o seu discurso. Ou pode-se dizer que exclui apenas obras que são consideradas meritórias, visto que exclui todas as obras, que pode não haver lugar para o mérito em nossa justificação; como também provou. Nem estes Gálatas, a quem ele escreve, e convence-os de seu erro, buscam justificação de qualquer obra, como por exemplo, quando eles eram felizes, quando eram crentes. Para que todos os tipos de obras sejam excluídos de qualquer interesse em nossa justificação. E tanto peso o apóstolo coloca sobre esta exclusão das obras de nossa justificação, como ele afirma que a admissão dela derruba todo o evangelho, versículo 21: "Pois", diz ele, "se a justiça for pela lei, então Cristo morreu em vão", e é perigoso se aventurar em uma cerca tão afiada. Não é esse ou aquele tipo de obras; não é esse ou aquele modo de desempenho delas; não é esse ou aquele tipo de interesse em nossa justificação; mas todas as obras, de qualquer tipo e, no entanto, realizadas, são excluídas de qualquer tipo de consideração em nossa justificação, como nossas obras ou deveres de obediência. Porque esses gálatas, que o apóstolo repreende, não desejavam mais, senão, na justificativa de um crente, obras da lei ou deveres de obediência, podem ser admitidos em uma conjunção ou paridade com a fé em Cristo Jesus; para isso, eles excluíram a fé nele e atribuem a justificação a obras sem ela, nada é intimidado, e é uma imaginação tola. Em oposição a isso, ele atribui positivamente a nossa justificação pela fé somente em Cristo. "Não pelas obras, mas pela fé", é somente pela fé. Que as partículas eja não são excepcionais, mas adversas, não só foi provado inegavelmente pelos teólogos protestantes, mas é reconhecido por aqueles da igreja romana que aparentam qualquer modéstia nesta controvérsia.

A interpretação deste lugar, dada como significado do apóstolo, de que os homens não podem ser justificados por aquelas obras que não podem realizar, isto é, obras absolutamente perfeitas; mas pode ser assim, e são assim, por aqueles que eles podem e realizam, se não em suas próprias forças, ainda por auxílio da graça; e a fé em Cristo Jesus, que o apóstolo se opõe absolutamente a todos os trabalhos, inclui nela todas as obras que ele exclui, e que, com respeito a esse fim ou efeito com respeito a que são excluídos; não pode ser suposto ser adequado à mente do Espírito Santo.

Efésios 2: 8-10. "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie. Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos nelas." A menos que tenha parecido bom ao Espírito Santo ter expressado de antemão todas as evasões e subterfúgios que o espírito do homem em tempos posteriores poderia inventar, para perverter a doutrina de nossa justificação perante Deus e rejeitá-la, é impossível que eles tenham sido mais claramente impedidos do que eles são neste contexto. Se podemos tomar uma pequena consideração desprevenida, eu suponho que o que é afirmado será evidente. Não pode ser negado, senão que o desígnio do apóstolo, desde o início deste capítulo até o final do versículo 11, é declarar o caminho pelo qual os pecadores perdidos e condenados vierem a ser livrados e transformados dessa condição para uma propriedade de aceitação com Deus e salvação eterna. E, portanto, em primeiro lugar, ele descreve completamente seu estado natural, com a sua desobediência à ira de Deus por isso; pois tal era o método deste apóstolo, - para a declaração da graça de Deus em qualquer tipo, ele geralmente costumava, sempre, por premissa, considerar o nosso pecado, miséria e ruína. Outros, agora, não gostam tanto desse método. Embora isso não o impeça, mas que era dele. (Nota do tradutor: esta convicção de que aqueles que seriam salvos para a herança eterna, deveriam ser redimidos pela fé e serem libertados da escravidão do pecado e de Satanás, foi bastante enfatizado por Jesus quando comissionou Paulo para evangelizar os gentios, como se vê em Atos 26.) Para este propósito, ele declara aos Efésios que "estavam mortos em ofensas e pecados", expressando o poder que o pecado tinha nas suas almas quanto à vida espiritual e todas as ações dela; mas com isso, os que viveram e entraram no pecado, e em todas as contas eram "filhos da ira", ou sujeitos e passíveis de condenação eterna, versículos 1-3. O que tais pessoas podem fazer para sua própria libertação, há muitos termos encontrados para expressar, tudo passando meu entendimento, ver todo o desígnio do apóstolo é provar que eles não podem fazer nada. Mas outra causa, ou outras causas disso, ele descobre, e isso em oposição direta e expressa a qualquer coisa que possa ser feita por nós mesmos para esse fim. Isto não é um trabalho para nós empreendermos; não é o que podemos contribuir com: "Mas Deus, que é rico em piedade". O adversário inclui uma oposição a tudo de nossa parte e encerra toda a obra a Deus. Os homens teriam descansado nesta revelação divina, a igreja de Deus fora livre de muitas dessas opiniões perversas e disputas com que tem sido incomodada. Mas eles não se separarão tão facilmente com pensamentos de algum tipo de interesse em serem os autores de sua própria felicidade. Portanto, duas coisas que podemos observar na atribuição do apóstolo das causas de nossa libertação de um estado de pecado e (da nossa) aceitação com Deus: - 1. Que ele atribui toda essa obra à graça, amor e misericórdia, e isso com a exclusão da consideração de qualquer coisa da nossa parte; como veremos imediatamente, versículos 5, 8. 2. Ele magnifica essa graça de maneira maravilhosa. Porque, - Primeiro, ele expressa por todos os nomes e títulos por meio dos quais é significado; como e] leov, ajla> ph, ca> riv, crhsto> thv, - "misericórdia", "amor", "graça" e "gentileza", porque ele teria que olhar somente para a graça aqui. Em segundo lugar, ele atribui tais adjuntos, e dá tais epítetos, a essa misericórdia e graça divinas, que é a única causa de nossa libertação, em e por Jesus Cristo, como tornado singular, e digno de ser adorado: plou> siov ejn eJle> ei, dia <thpthn? uJperza> llwn plou ~ tov th ~ v ca> ritov - "rico em piedade", "grande amor com o qual ele nos amou", "a riqueza excessiva de sua graça em sua bondade", versículos 4-7. Não pode ser negado razoavelmente, senão que o apóstolo concebe profundamente para afetar a mente e o coração dos crentes com um senso da graça e do amor de Deus em Cristo, como a única causa de sua justificação diante de Deus. Eu acho que nenhuma palavra pode expressar essas concepções da mente que esta representação da graça sugere. Aquele que é possuído com uma devida apreensão da graça de Deus, como aqui representado, e sob o sentido de que estava nele o desígnio do Espírito Santo para torná-lo glorioso e único a ser confiado, não será facilmente induzido a preocupação ele mesmo, nesses suprimentos adicionais, de nossas próprias obras e obediência, que alguns sugeririam a ele. Mas podemos ainda olhar mais para as palavras. O caso que o apóstolo afirma, o inquérito que ele tem em mãos, sobre o qual ele determina a verdade em que ele instrui os Efésios, e neles toda a igreja de Deus é, como um pecador perdido e condenado pode ser aceito com Deus e, assim, ser salvo? E este é o único inquérito em que estamos, ou pretendemos nesta controvérsia, estar preocupados. Antes de mais, não procederemos, nem no convite ou provocação de qualquer um. Sobre isso, sua posição e determinação é: "Que somos salvos pela graça". Este primeiro, ocasionalmente, interpõe em sua enumeração dos benefícios que recebemos por Cristo, versículo 5. Mas não contente com isso, ele o afirma novamente, versículo 8 , nas mesmas palavras; pois ele parece ter considerado quão lentos os homens estariam admitindo essa verdade, que de imediato os priva de toda a justiça.

O que é que ele pretende que seja salvo deve ser investigado. Não seria prejudicial, mas sim adiantava a verdade que afirmamos, se, por nossa salvação, a salvação eterna é pretendida. Mas isso não pode ser o sentido disso neste lugar, senão que a salvação está incluída nas suas causas, que são eficazes nesta vida. Também não penso nessa expressão: "Pela graça você é salvo", que não se refere apenas à nossa justificação, embora seja tão importante. (a conversão a Deus e a santificação também estão incluídas. E estas obras se referem não apenas em oposição à graça, mas também em oposição à fé: "pela fé; não de obras". Portanto, ele não apenas rejeita seu mérito, como inconsistente com a graça, mas seu interesse em nossa parte ou subsequente interesse para a fé na obra de justificação diante de Deus. Se somos salvos pela graça, através da fé em Cristo, exclusivamente para todas as obras de obediência, então essas obras não podem ser a totalidade ou parte da nossa justiça para a justificação da vida; por isso, outra justiça devemos ter, ou perecer para sempre. Muitas coisas que eu conheço são oferecidas aqui, e muitas distinções inventadas, para manter algum interesse das obras em nossa justificação diante de Deus. 2. O apóstolo acrescenta uma razão desta exclusão das obras: "Não das obras, para que ninguém se vanglorie". Deus ordenou a ordem e o método de nossa justificação por parte de Cristo da maneira expressa, para que nenhum homem possa ter motivo, razão, ou ocasião para se gloriar ou se orgulhar de si mesmo. Então é expresso, 1 Coríntios 1: 21,30,31; Romanos 3:27. Excluir todas as glórias ou vanglórias da nossa parte é o desígnio de Deus. E isso consiste em uma descrição de algo para nós mesmos que não é nos outros, para a justificação. E é só obras que podem administrar qualquer ocasião desta jactância: "Pois, se Abraão fosse justificado pelas obras, ele tem aquilo para se gloriar", cap. 4: 2. E é excluído apenas pela "lei da fé", cap. 3:27; pois a natureza e o uso da fé é encontrar a justiça em outra base.

O apóstolo dá outra razão por que não pode ser de obras, e obviamente evita uma objeção que poderia surgir do que havia declarado, Efésios 2:10: "Porque somos a obra dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, que Deus antes ordenou que devemos caminhar nelas." E a força de sua razão, que a conjunção causal intima a introdução de tudo consiste em: - que todas as boas obras, aquelas relativas às quais ele trata, obras evangélicas, são os efeitos da graça de Deus nos que estão em Cristo Jesus e, portanto, são verdadeiramente justificadas antes da ordem da natureza a eles. Mas o que ele projetou principalmente nessas palavras foi o que ele ainda está atento, onde quer que ele trate dessa doutrina, - a saber, evitar uma objeção que ele previu que alguns fariam contra ela; e é isso: "Se as boas obras estão assim excluídas de nossa justificação diante de Deus, então, de que uso são? Podemos viver e negligenciá-las completamente, e ainda assim ser justificados." E essa mesma objeção que alguns homens continuam a gerir com grande veemência contra a mesma doutrina. Não encontramos nada nessa causa com mais frequência do que isso "se nossa justificação diante de Deus não for de obras, de uma maneira ou de outra, se não forem previamente requisitadas, caso não sejam uma condição anterior, não há necessidade delas, - os homens podem viver com segurança em toda a negligência de toda obediência a Deus". E sobre este tema, os homens são muito capazes de se exaltar, que de outra forma não dão grandes evidências de sua própria obediência evangélica. Para mim, é maravilhoso que eles não atentem para o partido que eles fazem uma adesão na gestão desta objeção, a saber, o daqueles que eram os adversários da doutrina da graça ensinada pelo apóstolo. Deve ser considerado em outro lugar. Por enquanto, não digo mais que isso, se a resposta aqui dada pelo apóstolo não for satisfatória para eles, - se os fundamentos e os motivos da necessidade e do uso das boas obras aqui declarados não forem julgados por eles suficientes para estabelece-las, em seu devido lugar e ordem, - não devo me estimar obrigado a tentar sua maior satisfação.

Filipenses 3: 8,9. "Sim, na verdade, tenho também como perda todas as coisas pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como refugo, para que possa ganhar a Cristo, e seja achado nele, não tendo como minha justiça a que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé." Este é o último testemunho que devo comentar e, você pode observar que as coisas de que eu observarei e a respeito deste testemunho podem ser reduzidas às seguintes cabeças: 1. O que o apóstolo projeta desde o início deste capítulo e, nesses versículos, é, de maneira especial, declarar o que é sobre a conta de que somos aceitos com Deus, e temos motivos para nos alegrar. Isso ele fixa em interesse geral e participação de Cristo pela fé, em oposição a todos os privilégios e vantagens legais, em que os judeus, a quem ele refletiu, se gabaram e se regozijaram: "Se bem que eu poderia até confiar na carne. Se algum outro julga poder confiar na carne, ainda mais eu.", versículo 3. 4. Ele supõe que, para aquela aceitação diante de Deus em que devemos nos alegrar, há uma justiça necessária; e, seja lá o que for, é o único motivo dessa aceitação. E declara que há uma justiça dupla que pode ser invocada e confiada para este propósito: (1) "Nossa própria justiça, que é da lei". (2.) " A que é através da fé em Cristo, a justiça que é de Deus pela fé." Ele afirma ser o contrário e a inconsistência, como o fim da nossa justificação e aceitação com Deus: "Não tendo a minha própria justiça, mas aquilo que é", etc." E uma justiça intermediária entre estas, ele não reconhece. 4. Colocando a instância em si mesmo, ele declara enfaticamente em todos os seus escritos sobre qual justiça ele aderiu, e colocou sua confiança. E no tratamento deste assunto, havia algumas coisas que envolveram a sua mente sagrada em uma expressão séria na exaltação de uma dessas, isto é, da justiça que é de Deus pela fé; e a depressão da outro, ou sua própria justiça. Como, - (1.) Este foi o ponto de conversão sobre o qual ele e outros haviam abandonado o judaísmo e se entregaram ao evangelho. Isso, portanto, deveria ser garantido como a principal instância, em que a maior controvérsia que já houve no mundo foi debatida. Então ele expressa isso, Gálatas 2: 15,16: "Nós, judeus por natureza e não pecadores dentre os gentios, sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, mas sim, pela fé em Cristo Jesus, temos também crido em Cristo Jesus para sermos justificados pela fé em Cristo, e não por obras da lei; pois por obras da lei nenhuma carne será justificada." (2.) Aqui grande oposição foi feita a esta doutrina pelos judeus em todos os lugares, e em muitos deles as mentes das multidões foram desligadas da verdade e desviadas da simplicidade do evangelho. Isso afetou grandemente a sua alma santa, e ele refletiu isso na maioria de suas epístolas. (3.) O peso da própria doutrina, com aquela falta de vontade que há na mente dos homens, por natureza, para abraçá-la, como aquela que machuca a raiz de todo o orgulho espiritual, exaltação da mente e autoagrado, e o que quer que seja, - de onde inúmeros subterfúgios existiram, e são, procurados para evitar a eficácia dela e para afastar as almas dos homens dessa resignação universal deles mesmos para a graça soberana em Cristo, para a qual eles têm naturalmente tal aversão, - também o afetaram. (4.) Ele próprio foi um grande pecador nos dias da sua ignorância, por uma oposição peculiar a Cristo e ao evangelho. Isto foi profundamente sensível e com a excelência da graça de Deus e a justiça de Cristo, pela qual ele foi lireado. E os homens devem ter alguma experiência do que ele sentiu em si mesmo como pecado e graça, antes que eles possam entender suas expressões sobre eles. Assim, - (1) Por parte de Cristo, a quem ele exaltaria, ele menciona não só o conhecimento dele, mas também para se defender, "a excelência do conhecimento de Cristo Jesus meu Senhor", com ênfase em todas as palavras. E essas outras expressões redobradas, "todas as perdas para ele", "para que eu possa ganhá-lo", "para que eu possa ser achado nele", "para que eu o conheça" - todos argumentam o funcionamento de suas afeições, sob a conduta da fé e da verdade, para uma aquiescência em Cristo, como tudo, e em todos. Um pouco desse estado de espírito é necessário para aqueles que acreditariam em sua doutrina. Aqueles que são estrangeiros absolutos para aquele nunca receberão o outro. (2.) Na sua expressão de todas as outras coisas que são nossas, que não são de Cristo, sejam privilégios ou deveres, por melhores que sejam, úteis, excelentes em si mesmos, ainda, em comparação com Cristo e sua justiça, e com respeito ao fim de nossa posição diante de Deus, e aceitação com ele, com a mesma veemência de espírito, ele o despreza, chamando-lhes Skuzala, - "carne de cachorro",  para serem deixados para quem ele chama "cães", isto é, os obreiros ímpios da circuncisão, ou os judeus iníquos que aderiram pertinentemente à justiça da lei, Filipenses 3: 2. 6. A questão sendo assim declarada, o inquérito é o que qualquer pessoa, que deseja aceitação com Deus, ou uma justiça sobre a qual ele possa ser justificado diante dele, deve voltar-se a uma das formas propostas. Ou ele deve fechar com o apóstolo em sua resolução para rejeitar toda a sua justiça própria, e se voltar para a justiça de Deus, que é somente pela fé em Cristo Jesus, ou descobrir por si mesmo, ou obter alguma coisa para descobrir por si, algumas exceções para a conclusão do apóstolo, ou algumas distinções que possam preparar uma reserva para suas próprias obras, de uma maneira ou de outra, na sua justificação diante de Deus. Aqui, cada um deve escolher por si mesmo. Enquanto isso, argumentamos: - Se a nossa própria justiça e a justiça que é de Deus pela fé, ou aquilo que é através da fé de Cristo Jesus (isto é, a justiça que Deus nos imputa, Romanos 4: 6, ou a abundância da graça e o dom da justiça que recebemos, capítulo 5, 17), são opostos e inconsistentes na obra de justificação perante Deus, então somos justificados somente pela fé através da imputação da justiça de Cristo para nós. O consequente é claro, a partir da remoção de todas as outras formas, causas, meios e condições do mesmo, como inconsistentes com ele. Mas o antecedente é expressado pelo apóstolo: "Não é o meu, mas o de Deus". Ainda, - o qual e com o qual somos "encontrados em Cristo" é aquele em que somente nós somos justificados diante de Deus; porque ser encontrado em Cristo, expressa o estado da pessoa que deve ser justificada diante de Deus; o que se opõe àquilo a ser encontrado em nós mesmos. E, de acordo com esses diferentes estados, o julgamento de Deus passa sobre nós. E quanto aos que são encontrados em si mesmos, sabemos qual será a sua porção. Mas em Cristo somos encontrados somente pela fé. Todos os tipos de evasões são utilizados por alguns para escapar da força desse testemunho. Dizem, em geral, que nenhum homem sóbrio pode imaginar que o apóstolo não desejava ser encontrado na justiça evangélica, ou que por sua própria justiça ele quisesse dizer isso; pois isso só pode nos dar os benefícios da justiça de Cristo. "Nollem ditum." (1.) A censura é muito severa para ser lançada sobre todos os escritores protestantes, sem exceção, que comentaram este texto do apóstolo; e todos os outros, exceto alguns poucos até tarde, influenciados pelo calor da controvérsia em que estão envolvidos. (2.) Se a justiça evangélica destinada é sua própria justiça pessoal e obediência, há uma falta de consideração ao afirmar que ele desejava encontrar-se nela. Naquele em que nos encontramos, sobre isso, devemos ser julgados. Ser encontrado em nossa própria justiça evangélica diante de Deus, é para entrar em julgamento com Deus sobre isso; que aqueles que entendem qualquer coisa corretamente de Deus e de si mesmos não serão livres. E para fazer com que este seja o significado de suas palavras: "Eu desejo não ser encontrado em minha própria justiça que é conforme a lei, mas eu desejo ser encontrado na minha própria justiça que é de acordo com o evangelho", enquanto que, como eles são sua própria justiça inerente, ambos são os mesmos, - não parece uma interpretação adequada de suas palavras; e deve ser imediatamente refutada. (3.) Que a nossa justiça pessoal do evangelho nos dá direito aos benefícios da justiça de Cristo - isto é, como a nossa justificação diante de Deus - é "um ditado gratuito", não é possível produzir um único testemunho da Escritura que dê o menor apoio a tal asserção. Que é contrário a muitos testemunhos expressos, e inconsistente com a liberdade da graça de Deus em nossa justificação, conforme proposto na Escritura, foi provado antes. Nem os lugares que afirmam a necessidade de obediência e boas obras nos crentes, isto é, pessoas justificadas, - para a salvação, de qualquer maneira pertencem à prova dessa afirmação, ou, pelo menos, expressam qualquer coisa; e, em particular, a afirmação é expressamente contraditória com a do apóstolo, Tito 3: 4,5 – “Mas quando apareceu a bondade de Deus, nosso Salvador e o seu amor para com os homens, não em virtude de obras de justiça que nós houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou mediante o lavar da regeneração e renovação pelo Espírito Santo.” Mas eu anseio, e procedo à consideração das respostas especiais que são dadas a este testemunho, especialmente aquelas de Bellarmine, para o qual eu ainda não vi nada acrescentado com qualquer pretensão de razão: 1. Alguns dizem que por sua própria conta a justiça, que o apóstolo rejeita, ele só pretende a sua justiça não seja "minha" ou "pelas obras da lei". Mas esta foi apenas uma justiça exterior e externa, consistente na observação de ritos e cerimônias, sem respeito à condição interna ou obediência do coração. Mas esta é uma imaginação ímpia. A justiça que é pela lei é a justiça que a lei exige, e as suas obras, que, se o homem viver nelas; pois "os praticantes da lei serão justificados", Romanos 2:13. Também Deus nunca deu nenhuma lei de obediência ao homem, senão a que o obrigou a "amar o Senhor, seu Deus, com todo o seu coração e toda a sua alma". E é tão longe de ser verdade, que Deus pela lei exigiu apenas uma justiça externa, que ele frequentemente condena como sendo uma abominação para ele, onde está sozinho. 2. Outros dizem que é a justiça, seja lá o que for, o que ele teve durante o farisaísmo. E, embora lhe fosse permitido, nesse estado, ter "vivido em toda boa consciência, para ter servido a Deus dia e noite", e ter respeitado também as obras internas como externas da lei; contudo, todas essas obras, sendo antes da fé, antes da conversão a Deus, podem ser e devem ser rejeitadas como qualquer concordância para nossa justificação. Mas as obras forjadas na fé, com a ajuda da graça, - obras evangélicas, - são de outra consideração e, juntamente com a fé, são a condição da justificação. 1. Que, em matéria de nossa justificação, o apóstolo opõe-se às obras evangélicas, não só para a graça de Deus, mas também para a fé dos crentes, foi provado na consideração do testemunho anterior. 2. Ele não faz nenhuma distinção como a que aparentou fazer, isto é, que as obras são de dois tipos, das quais uma deve ser excluída de qualquer interesse em nossa justificação, mas não a outra; nem ele em nenhum outro lugar, tratando do mesmo assunto, intima qualquer distinção, mas, pelo contrário, declara que o uso de todos as obras de obediência naqueles que acreditam que é exclusivo da suposição de tal distinção: mas ele expressa diretamente, nesta rejeição, sua própria justiça, isto é, sua justiça pessoal e inerente, seja qual for, e que seja forjada. 3. Ele faz uma clara distinção de sua própria condição, a saber, a de seu judaísmo, em que ele estava antes da conversão, e o que ele tinha pela fé em Cristo Jesus. No primeiro estado, ele considera os privilégios dele e declara o julgamento que ele fez a respeito deles sobre a revelação de Jesus Cristo a ele: hghmai, diz ele, referindo-se ao tempo passado, isto é, em sua primeira conversão "Eu os considerava, com todas as vantagens, ganhos e reputação que eu tinha por eles; mas rejeitei todos por Cristo: porque a estima deles e a continuação neles como privilégios, era inconsistente com a fé em Cristo Jesus". Em segundo lugar, ele procede a dar conta de si mesmo e dos seus pensamentos, como a sua condição atual. Pois pode-se supor que, embora tenha se separado de todos os seus privilégios legais por Cristo, agora, sendo unido a ele pela fé, ele teve algo dele próprio para se alegrar, e por conta de que ele poderia ser aceito por Deus, ou então ele se separou de tudo por nada. Portanto, ele, que não tinha nenhum desígnio para fazer reservas sobre o que ele poderia se gloriar, declara claramente qual é o seu juízo sobre toda a sua justiça presente, e os modos de obediência que ele agora estava envolvido, com respeito aos fins questionados depois, Filipenses 3: 8: jAllamenou nge kai hJgou mai. A revelação do que foi afirmado antes de seus privilégios judaicos neste versículo, é um efeito de uma consideração muito superficial do contexto. Porque, - (1.) Existe um simples auchsiv nessas palavras,  jAllamenou nge kai. Ele não podia expressar mais claramente o aumento do que ele afirmou por um processo para outras coisas, ou a consideração de si mesmo em outro estado: "Mas, além disso, além do que eu já afirmei". (2.) A mudança do tempo expresso por hgmai, (que) respeita ao que foi passado, em hJgou ~ mai, em que ele tem respeito apenas ao que estava presente, não o que ele tinha antes rejeitado e abandonado, evidencia seu progresso para a consideração de coisas de outra natureza. Portanto, para a rejeição de todos os seus antigos privilégios judaicos, ele acrescenta seu julgamento a respeito de sua própria justiça pessoal atual. Mas, embora se possa objetar, que, rejeitando todos os dois, antes e depois da conversão, ele não teve mais nada para se alegrar, gloriar-se, dar-lhe aceitação com Deus; ele nos assegura do contrário, isto é, que ele encontrou todas estas coisas em Cristo e a justiça de Deus que é pela fé. Ele está, portanto, nessas palavras, "Não tendo a minha própria justiça, que é da lei", tão longe de pretender apenas a justiça que ele tinha antes de sua conversão, como ele não pretende em absoluto.

(Nota do tradutor: A justiça como atributo de Deus exige perfeita conformidade à Sua santidade por parte de todos os seres morais, e na falta disto a justiça exige a execução da sentença de condenação e destruição de tudo o que não for perfeitamente santo. Esta é a razão de haver morte física, espiritual e eterna para todos os que são pecadores. Isto responde adequadamente à não participação das nossas obras na justificação, porque nenhuma obra de justiça praticada por nós é suficiente para livrar-nos da condenação devida ao pecado. Dependemos completamente da vida e da obra de Jesus Cristo para sermos salvos desta condição. E o primeiro passo para isto é a justificação, ou seja, a imputação do nosso pecado a Cristo, e a imputação da Sua justiça perfeita a nós. É somente por isto que a culpa do pecado pode ser expiada, de modo que sendo declarados santos e justos à vista de Deus, por meio da fé, podemos ser recebidos, aceitos e adotados por ele como filhos amados. É dito também que Jesus ressuscitou para a nossa justificação (Rom 4.25), disto decorre então que não necessitamos apenas da sua morte para sermos justificados, mas também da sua ressurreição, pois, pela justificação, não bastaria que fôssemos livrados da morte,  mas também que fôssemos feitos participantes da Sua vida, e isto se nos tornou possível porque ele ressuscitou. No batismo temos a ilustração desta verdade, pois ao sermos imergidos, isto significa a morte, a crucificação do nosso velho homem, e ao emergimos somos levantados, ressuscitados, novas criaturas, para vivermos na novidade de vida de Cristo. E tudo isto somente por meio da fé. Sem participação de qualquer obra de nossa parte, as quais se seguirão à nossa justificação, para que além da justiça que nos foi imputada, declarada por Deus, na justificação, também tenhamos a justiça implantada, pela transformação progressiva do nosso caráter e conduta pelo Espírito Santo, na santificação.)

Publicado
Visualizações
99