A Doutrina da Justificação pela Fé – Capítulos 12 e 13

  John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

 

Capítulo 12

A Imputação da Obediência de Cristo à Lei, Declarada e Indicada

Do argumento geral anterior, outro em particular, com respeito à imputação da obediência ativa ou da justiça de Cristo a nós, como parte essencial da justiça sobre a qual somos justificados diante de Deus. E é o seguinte: "Se fosse necessário que o Senhor Jesus Cristo, como nossa garantia, devesse sofrer a pena da lei para nós, ou em nosso lugar, porque todos pecamos, então também foi necessário que, como nossa garantia, ele devesse também obedecer também à parte receptiva da lei; e se a imputação da primeira fosse necessária para a nossa justificação diante de Deus, então a imputação desta última também é necessária para o mesmo fim e propósito. "Por que era necessário, ou por que Deus faria isso assim, que a Senhor, como garantia do pacto, deve submeter-se à maldição e à pena da lei, em que somos culpados pelo pecado, para que possamos ser justificados à sua vista? Não era que a glória e a honra de sua justiça, como o autor da lei, e o governador supremo de toda a humanidade, não poderiam ser violadas na absoluta impunidade dos infratores? E se fosse necessário para a glória de Deus que a pena da lei fosse sofrida por nós, ou sofrida por nossa garantia em nosso lugar, porque pecamos, portanto, não é necessário para a glória de Deus que a parte preceptiva da lei seja cumprida para nós, na medida em que a obediência é exigida de nós?

E como não somos mais capazes de cumprir a lei de maneira a obedecer do que sofrer a pena, de modo que possamos justificar-nos; portanto, nenhuma razão pode ser dada por que Deus não está tão preocupado, em honra e glória, que o poder preceptivo da lei seja cumprido com uma perfeita obediência, como que a sanção dela seja estabelecida passando por pena. Sobre os mesmos motivos, portanto, que o sofrimento do Senhor Jesus Cristo sob a pena da lei para nós era necessário para sermos justificados aos olhos de Deus, e que a satisfação que ele (poderia) ter assim imputada, como se nós mesmos fizéssemos satisfação a Deus, para a glória e honra do Legislador e supremo Governador de todos pela lei, - que ele cumprisse a parte preceptiva dela, em sua perfeita obediência; que também deve nos ser imputado para nossa justificação.

Que a obediência de Cristo, o mediador, nos é imputado, será posteriormente provado em particular por testemunhos da Escritura. Aqui eu pretendo apenas focar na reivindicação do argumento como antes estabelecido, o que nos levará um pouco mais de tempo do que o comum. Pois não há nada em toda a doutrina da justificação que se encontre com uma oposição mais feroz e variada; Mas a verdade é grande e prevalecerá.

As coisas que geralmente são invocadas e veementemente invocadas contra a imputação da obediência de Cristo para nossa justificação, podem ser reduzidas a três cabeças –

I. Que é impossível.

II. Que é inútil.

III. Que é pernicioso acreditar nisso.

E se os argumentos utilizados para a execução dessas objeções forem tão convincentes como a condenação em si é feroz e severa, eles inevitavelmente derrubarão suas persuasões nas mentes de todas as pessoas sóbrias. Mas há muitas vezes uma grande diferença entre o que é dito e o que é provado, como aparecerá no presente caso: 

I. É implicitamente impossível, neste único fundamento, - a saber, "Que a obediência de Cristo à lei fosse devido a ele por sua própria conta, e executado por ele para si mesmo, como um homem que viveu sob a lei." Agora, o que era necessário para si mesmo, e feito para si mesmo, não pode ser feito para nós, de modo a nos ser imputado.

II. Daí, aparenta ser inútil, porque todos "nossos pecados de omissão e comissão sendo perdoados em nossa justificação por conta da morte e satisfação de Cristo, somos assim feitos completamente justos; de modo que não haveria a menor necessidade ou uso da imputação da obediência de Cristo a nós."

III. Ímpios também dizem que é, como o que tira "a necessidade de nossa própria obediência pessoal, introduzindo o antinomianismo, o liberalismo e todo tipo de males". Para esta última parte da acusação, aponto para o lugar certo; pois, embora seja invocado por alguns contra esta parte da doutrina da justificação de uma maneira peculiar, ainda é administrado por outros contra tudo aquilo. E, embora devamos conceder que a obediência de Cristo à lei não nos é imputada para nossa justificação, ainda não seremos libertados da perturbação por esta falsa acusação, a menos que renunciemos a toda a satisfação e mérito de Cristo também; e pretendemos não comprar nossa paz com o mundo inteiro a uma taxa tão estimada. Por isso, eu devo, em seu devido lugar, dar a devida atenção a esta parte da acusação, pois reflete toda a doutrina da justificação e todas as suas causas, em que acreditamos e professamos.

A primeira parte desta acusação, referente à impossibilidade da imputação da obediência de Cristo a nós, é insistida por Socinus - de Servat., Parte 3, cap. 5. E não houve nada desde que invocou o mesmo propósito, senão o que foi derivado dele, ou pelo menos, ele não impediu as invenções de outros homens que viveram antes deles. E ele faz dessa consideração o mecanismo principal com o qual ele se esforça para derrubar de toda a doutrina do mérito de Cristo; pois ele supõe que, se tudo o que ele fizesse de uma forma de obediência fosse devido de si mesmo por sua própria conta, e era apenas o dever que ele devia a Deus por si próprio em suas circunstâncias, como um homem neste mundo, não pode ser meritório para nós, nem de qualquer maneira imputado a nós. E, da mesma forma, para enfraquecer a doutrina de sua satisfação e a sua imputação, ele afirma que Cristo ofereceu como sacerdote para si mesmo, naquela espécie de oferta que ele fez na cruz, parte 2, cap. 22. E sua opinião real era que tudo o que era para se oferecer ou sacrificar na morte de Cristo, era para si mesmo; isto é, foi um ato de obediência a Deus, que o agradou, como o aroma de um sacrifício de cheiro suave. Sua oferta para nós é apenas a apresentação de si mesmo na presença de Deus no céu; agora ele não tem mais a fazer por si mesmo em uma maneira de dever. E a verdade é que, se a obediência de Cristo só tivesse respeito a si mesmo, isto é, se ele a cedeu a Deus sobre a necessidade de sua condição e não a fez por nós, - não vejo nenhum fundamento para afirmar sua mérito mais do que eu para a imputação disso aos que creem. O que afirmamos é que o Senhor Jesus Cristo cumpriu toda a lei para nós; ele não só sofreu a pena por causa dos nossos pecados, mas também cedeu a obediência perfeita que exigia. E aqui não devo me imolar no debate da distinção entre a obediência ativa e passiva de Cristo; pois ele exerceu a maior obediência ativa em seu sofrimento, quando se ofereceu a Deus através do Espírito eterno. E toda a sua obediência, considerando a sua pessoa, foi misturada com o sofrimento, como parte de sua humilhação; de onde se diz que "embora ele fosse um Filho, aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu". E, no entanto, o fazer e o sofrimento estão em várias categorias de coisas, mas os testemunhos das Escrituras não devem ser regulados por artifícios e termos filosóficos. E deve-se dizer que os sofrimentos de Cristo, como eram puramente penais, são imperfeitamente chamados de sua justiça passiva; porque toda justiça está em hábito ou em ação, de que sofrimento não é; nem qualquer homem é justo, nem assim estimado, porque sofre. Nem os sofrimentos dão satisfação aos mandamentos da lei, que exigem apenas obediência. E, portanto, isso inevitavelmente se seguirá, que precisamos de mais do que meramente dos sofrimentos de Cristo, por meio dos quais podemos ser justificados diante de Deus, se assim for exigido qualquer justiça; Mas o conjunto do que pretendo é que o cumprimento de Cristo pela lei, em obediência aos seus mandamentos, não nos é menos imputado para nossa justificação do que o que o que ele sofreu com a pena. Não posso deixar de julgar que isso soa mal nos ouvidos de todos os cristãos: "Que a obediência de nosso Senhor Jesus Cristo, como nosso mediador e garantia, para toda a lei de Deus, fosse para si próprio e não para nós", ou que o que ele fez não era que ele pudesse ser o fim da lei para a justiça para os que creem, nem um meio para cumprir a justiça da lei em nós; - especialmente considerando que a fé da igreja é, que ele nos foi dado, nasceu para nós; que para nós homens e para a nossa salvação, ele desceu do céu, e fez e sofreu o que lhe era exigido. Mas enquanto alguns que negam a nossa justificação e a imputação de Cristo, insistem principalmente no segundo assunto mencionado, ou seja, na inutilidade disso, - devo sob esta parte da acusação considerar apenas a argumentação de Socinus; qual é o conjunto do que alguns atualmente se esforçam para confundir a verdade. Para este propósito é o discurso dele, parte 3 do cap. 5. De Servat.  A substância de sua súplica é, - que nosso Senhor Jesus Cristo foi para si mesmo, ou por sua própria conta, obrigado a toda a obediência que ele realizou. E isso ele se esforça para provar com esse motivo: "Porque se fosse de outra forma, ele poderia, se ele quisesse, ter negligenciado toda a lei de Deus, e quebrado isso em seu deleite." Porque ele esqueceu de considerar, que se ele não fosse obrigado a isso por sua própria conta, mas era assim nossa, cuja causa ele havia empreendido, a obrigação com ele para a mais perfeita obediência era igual ao que teria sido se tivesse sido originalmente obrigado por sua própria conta. No entanto, daí ele infere "Que o que ele fez não poderia ser para nós, porque era assim por si mesmo; nada mais do que o que qualquer outro homem é obrigado a cumprir por si próprio pode ser estimado ter sido feito também por outro." Porque ele não mostrará nenhuma dessas considerações da pessoa de Cristo que fazem o que ele fez e sofreu de outra natureza e eficácia do que o que pode ser feito ou sofrido por qualquer outro homem. Tudo o que ele acrescenta no processo de seu discurso é: "Que tudo o que Cristo fez, que não era exigido pela lei em geral, era sobre o comando especial de Deus, e assim fez para si mesmo; de onde não pode ser imputado a nós. E, por este meio, ele exclui a igreja de qualquer benefício pela mediação de Cristo, mas somente o que consiste na doutrina, no exemplo e no exercício de seu poder no céu para o nosso bem; qual era o objetivo que ele pretendia. Mas devemos considerar aqueles que também fazem uso de seus argumentos, embora ainda não abertamente para todos os seus fins. Para clarear a verdade aqui, as coisas que se seguem devem ser observadas: 1. A obediência que tratamos foi a obediência de Cristo o mediador: mas a obediência de Cristo, como "mediador da aliança", era a obediência de sua pessoa; pois "Deus redimiu sua igreja com seu próprio sangue", Atos 20:28. Foi realizado na natureza humana; mas a pessoa de Cristo foi o que a executou. Como na pessoa de um homem, alguns de seus atos, quanto ao princípio imediato da operação, são atos do corpo, e alguns são da alma; no entanto, em seu desempenho e realização, eles são os atos da pessoa: de modo que os atos de Cristo na sua mediação, quanto à sua operação imediata, foram a atuação de suas naturezas distintas, - alguns da divina e alguns da humanas, imediatamente; mas, quanto à eficácia perfeita deles, eram os atos de toda a sua pessoa, seus atos cujo poder de operação era propriedade de sua pessoa. Portanto, a obediência de Cristo, que pedimos por nós, foi a obediência do Filho de Deus; mas o Filho de Deus nunca foi feito de modo nenhum por meio de lei, - nem poderia ser formalmente obrigado por isso. Ele era, de fato, como testemunhas do apóstolo, feito assim em sua natureza humana, onde realizou essa obediência: "nascido de mulher, nascido debaixo de lei", Gálatas 4: 4. Ele foi tão longe feito sob a lei, como ele era feito de uma mulher; pois em sua pessoa ele era "Senhor do sábado", Marcos 2:28; e, portanto, de toda a lei. Mas a própria obediência era a obediência daquela pessoa que nunca foi, nem jamais poderia absolutamente ser, feita sob a lei em toda a sua pessoa; pois a natureza divina não pode ser submetida a uma obra externa própria, como a lei é, nem pode ter um poder autoritário e comandante sobre ela, como deve ser se fosse feito "sob a lei ". Assim, o apóstolo argumenta que" Levi pagou os dízimos em Abraão", porque ele estava em seus lombos, quando Abraão pagou os dízimos a Melquisedeque, Hebreus 7. E daí provou que ele era inferior ao Senhor Jesus Cristo, de quem Melquisedeque era um tipo. Mas não se responda, então, que não menos o Senhor Jesus Cristo estava nos lombos de Abraão do que Levi? "Na verdade", como o mesmo apóstolo fala, "ele tomou sobre si a semente de Abraão." É verdade, portanto, que ele era assim em relação à sua natureza humana; mas como ele foi tipificado e representado por Melquisedeque em toda a sua pessoa, "sem pai, sem mãe, sem genealogia, sem começo de dias ou fim de vida", então ele não estava absolutamente nos lombos de Abraão e estava isento de oferecer dízimos nele. Por isso, a obediência de que tratamos, não sendo a obediência da natureza humana, de forma alguma realizada em e pela natureza humana; mas a obediência da pessoa do Filho de Deus, no entanto, a natureza humana estava sujeita à lei (em que sentido e a que finalidades serão declarados depois); não era por ele mesmo, nem poderia ser para si mesmo; porque toda a sua pessoa não era obrigada a isso. Por conseguinte, é uma coisa igual, comparar a obediência de Cristo com a de qualquer outro homem, cuja pessoa inteira está debaixo da lei. Pois, embora isso não seja para si e para os outros (o que, no entanto, mostraremos que, em alguns casos, pode), mas isso pode, sim, deve ser para os outros e não para ele. Isso, então, devemos segurar estritamente. Se a obediência que Cristo cedeu à lei fosse para si mesmo, enquanto que era o ato de sua pessoa, toda a sua pessoa e a natureza divina nele, eram "feitos sob a lei", o que não pode ser. Pois, embora seja reconhecido que, na ordenação de Deus, a sua excelência deveria preceder a sua gloriosa e majestosa encarnação, conforme a testemunha das Escrituras, Filipenses 2: 9; Lucas 24:26; Romanos 14: 9; ainda que a sua glória fosse imediatamente consequente da união hipostática, Hebreus 1: 6; Mateus 2: 11.

2. Como nosso Senhor Jesus Cristo não devia em sua própria pessoa esta obediência por si mesmo, em virtude de qualquer autoridade ou poder que a lei tinha sobre ele, então ele projetou e não o pretendia para si mesmo, mas para nós. Isto, acrescentado à consideração anterior, dá prova completa da verdade invocada; pois, se ele não fosse obrigado por ele mesmo, - a pessoa que cedeu não estar debaixo da lei, e se não o pretendia por si próprio; então deve ser para nós, ou ser inútil. Foi em nossa natureza humana que ele realizou toda essa obediência. Agora, a suspeição de nossa natureza era um ato voluntário próprio, com referência a algum fim e propósito; e o que foi o fim da assunção da nossa natureza era, da mesma forma, o fim de tudo o que ele fez nela. Agora, foi para nós, e não para si mesmo, que ele assumiu nossa natureza; nem lhe foi acrescentado qualquer coisa. Por isso, na questão da sua obra, ele propõe isso apenas a si mesmo, para que ele seja "glorificado com aquela glória que teve com o Pai antes do mundo", pela remoção daquele véu que foi colocado sobre ele em sua encarnação. Mas foi por nós que ele assumiu nossa natureza, é o fundamento da religião cristã, como é afirmado pelo apóstolo, Hebreus 2:14; Filipenses 2: 5-8.

O Senhor Jesus Cristo estava de todos os jeitos pronto para todo o trabalho de mediação, pela inefável união da natureza humana com a divina, que a exaltou com dignidade, honra e valor, acima de qualquer coisa ou de todas as coisas que se seguiram. Pois ele se tornou em toda a pessoa o objeto de toda adoração divina e honra; pois "quando ele trouxe o primogênito para o mundo, ele disse: "Que todos os anjos de Deus o adorem." Mais uma vez, o que é um efeito da pessoa do Mediador, tal como constituído, não é uma qualificação necessária até a sua constituição; isto é, o que ele fez como mediador não concordou com o fato de ele se encontrar assim para ser. Mas desta natureza era toda a obediência que cedeu à lei; para tal, "tornou-se ele para cumprir toda a justiça". Considerando que, portanto, ele não foi feito homem nem da posteridade de Abraão para si mesmo, mas para a igreja, ou seja, tornar-se assim a garantia da aliança e representante do todo, - a sua obediência como homem à lei em geral, e como um filho de Abraão sob a lei de Moisés, era para nós, e não para si mesmo, tão concebido, tão realizado; e, sem um respeito à igreja, não serviria de nada para si mesmo. Ele nasceu para nós e nos foi dado; viveu para nós e morreu por nós; obedeceu por nós e sofreu por nós, - para que "pela obediência de um muitos poderiam ser feitos justos". Esta foi a "graça de nosso Senhor Jesus Cristo", e esta é a fé da igreja universal. E o que ele fez por nós é imputado a nós. Isso está incluído na própria noção de fazê-lo por nós, o que não pode ser falado em nenhum sentido, a menos que o que ele fez assim foi imputado. E eu acho que os homens devem ter cuidado com o fato de não fazer, por distinções e estudar evasões, a defesa de suas próprias opiniões privadas, sacudir os alicerces da religião cristã. E estou certo de que será mais fácil para eles, como é no provérbio, arrancar o clube da mão de Hércules, do que despojar as mentes dos verdadeiros crentes dessa persuasão: "O que o Senhor Jesus Cristo fez em obediência para Deus, de acordo com a lei, ele criou em seu amor e graça para fazê-lo por eles." Ele não precisava de obediência para si mesmo, não se aproximou da obediência para si mesmo, mas para nós; e, portanto, para nós foi que ele cumpriu a lei em obediência a Deus, de acordo com os termos dela. A obrigação que estava nele para a obediência não era originalmente menos para nós, não menos necessária para nós, nada mais para si mesmo, não mais necessário para ele, do que a obrigação estava sobre ele, como a garantia do pacto, ou sofrer a pena da lei, era um ou outro.

3. Deixando de lado a consideração da graça e do amor de Cristo, e o pacto entre o Pai e o Filho quanto à sua tarefa para nós, o que inegavelmente prova tudo o que ele fez na busca deles para ser feito por nós e não para ele mesmo; eu digo, deixando de lado a consideração dessas coisas, e a natureza humana de Cristo, em virtude de sua união com a pessoa do Filho de Deus, tinha direito a, e poderia ter sido imediatamente admitido, a maior glória disso era capaz, sem qualquer obediência antecedente à lei. E isso é aparente a partir daí, na medida em que, desde o primeiro instante dessa união, toda a pessoa de Cristo, com a nossa natureza existente nele, era objeto de todo culto divino dos anjos e dos homens; em que consiste a maior exaltação daquela natureza. É verdade, havia uma glória peculiar em que ele realmente deveria ser participante, com respeito à sua obediência e sofrimento antecedentes, Filipenses 2: 8,9. A posse real desta glória deveria, na ordenação de Deus, ser consequente à sua obediência e sofrimento, não para si mesmo, mas para nós. Mas quanto ao direito e capacidade da própria natureza humana, toda a glória de que era capaz era devido a ela desde o momento da sua união; pois estava lá exaltado acima da condição de que qualquer criatura seja capaz de mera criação. O verdadeiro fundamento do todo foi colocado na união de sua pessoa; de onde ele ora para que o Pai o glorifique (como a manifestação) com aquela glória que ele tinha com ele antes que o mundo fosse criado.

O Senhor Jesus Cristo, em sua obediência, não era uma pessoa privada, mas pública. Ele obedeceu como ele era a garantia da aliança, como o mediador entre Deus e o homem. Isto, suponho, não será negado. Ele pode, sem nenhuma imaginação, ser considerado fora dessa capacidade. Mas o que uma pessoa pública faz como pessoa pública, isto é, como um representante dos outros e um empresário para eles, - seja qual for o seu interesse, não faz isso por ele mesmo, mas por outros.

É concedido que o Senhor Jesus Cristo, com uma natureza humana, que era uma criatura, deveria estar sujeito à lei da criação; pois existe uma relação que necessariamente surge e depende dos seres de um criador e de uma criatura. Toda criatura racional é eternamente obrigada, da natureza de Deus, e sua relação, a amá-lo, obedecer-lhe, depender dele, submeter-se a ele e fazer dele seu fim, bem-aventurança e recompensa. Mas a lei da criação, assim considerada, não respeita ao mundo e a esta vida apenas, mas também ao futuro estado do céu e da eternidade; e esta lei da natureza humana de Cristo está sujeita ao céu e à glória, e não pode deixar de ser assim, enquanto é uma criatura, e não Deus, isto é, enquanto ele tem seu próprio ser. Tampouco os homens consideram uma transfusão de propriedades divinas na natureza humana de Cristo, como deve ser auto subsistente e, por si só, absolutamente imenso; pois isso o destruirá abertamente. No entanto, ninguém diria que ele é agora "hupo nomon", - "sob a lei", no sentido pretendido pelo apóstolo. Mas à lei, no sentido descrito, a natureza humana de Cristo estava sujeita, por sua própria conta, enquanto ele estava neste mundo. E isso é suficiente para responder à objeção de Socinus, mencionada na entrada deste discurso, - a saber, que se o Senhor Jesus Cristo não fosse obrigado a obedecer por si mesmo, então ele poderia, se ele quisesse, negligenciar toda a lei ou infringi-la; pois, além disso, é uma imaginação tola em relação a essa "coisa santa" que foi unida ao Filho de Deus e, assim, tornada incapaz de qualquer desvio da vontade divina, a lei eterna e indispensável do amor, da adesão e da dependência de Deus, sob a qual a natureza humana de Cristo estava, e está, como criatura, dá segurança suficiente contra tais suposições. Mas há outra consideração da lei de Deus, isto é, como é imposta às criaturas por dispensa especial, para algum tempo e por certo fim, com algumas considerações, regras e ordens que não pertencem essencialmente à lei; como descrito anteriormente. Esta é a natureza da lei escrita de Deus, que o Senhor Jesus Cristo foi feito, não necessariamente, como criatura, mas por dispensa especial. Pois a lei, sob esta consideração, nos é apresentada como tal, não de modo absoluto e eterno, mas enquanto estamos neste mundo, e com esse fim especial, que, pela obediência, possamos obter a recompensa da vida eterna. E é evidente que a obrigação da lei, sob esta consideração, cessa quando chegamos ao gozo dessa recompensa. Isso não nos obriga mais formalmente por seu comando: "Faça isso e viva", quando a vida prometida é já obtida. Nesse sentido, o Senhor Jesus Cristo não foi sujeito à lei por si mesmo, nem cedeu obediência a si mesmo; pois ele não foi obrigado por isso em virtude de sua condição criada, quanto à sua natureza humana. No primeiro instante da união de sua natureza, sendo "santo, inocente, imaculado e separado dos pecadores", ele pode, apesar da lei a que foi sujeito, ser declarado em glória; pois ele, que era objeto de todo culto divino, não precisava de nenhuma nova obediência para adquirir um estado de bem-aventurança. E, naturalmente, simplesmente, em virtude de ser uma criatura, sujeito à lei neste sentido, ele deve ter sido tão eternamente, o que ele não é; pois as coisas que dependem unicamente da natureza de Deus e da criatura são eternas e imutáveis. Portanto, como a lei neste sentido nos foi dada, não absolutamente, mas com respeito a um futuro estado e recompensa, assim o Senhor Jesus Cristo se sujeitou voluntariamente a nós e por nós; e a sua obediência foi para nós, e não para si mesmo.

II. A segunda parte da objeção ou acusação contra a imputação da obediência de Cristo a nós é: "Que seja inútil para as pessoas que devem ser justificadas; pois enquanto eles têm em sua justificação o perdão de todos os seus pecados, eles são justos, e têm direito ou título para a vida e a bem-aventurança; pois aquele que é assim perdoado como não ser considerado culpado de qualquer pecado de omissão ou comissão não lhe falta nada que seja necessário para isso; pois ele deveria ter feito tudo o que deveria, e nada deve ser exigido dele em uma maneira de dever. Por isso, ele não se torna injusto; e não ser injusto é o mesmo que ser justo; como o que não está morto está vivo. Tampouco existe, nem pode haver, nenhum estado intermediário entre a morte e a vida. Portanto, aqueles que têm todos os seus pecados perdoados têm a benção da justificação; e não há necessidade nem uso de qualquer imputação posterior de justiça para eles". E outras coisas da mesma natureza são instadas no mesmo propósito, que serão todas apresentadas no discurso subsequente, ou respondidas em outro lugar.

Resposta. Esta causa é de maior importância e, mais evidentemente, é declarada nas Escrituras, do que para ser transformada em tantas noções, que têm mais de subtileza filosófica do que a solidez teológica nelas. Esta exceção, portanto, pode ser descartada sem uma resposta mais longa do que o que nos é dado na regra conhecida, que uma verdade bem estabelecida e confirmada não deve ser questionada, muito menos renunciada, em cada sofisma emaranhado, embora pareça insolúvel; mas, como veremos, não há tal dificuldade nessas discussões, senão o que pode ser facilmente discutido. E porque a questão da súplica contida neles é feita por diversas pessoas instruídas, que ainda concordam conosco na substância da doutrina da justificação, a saber, que é somente por fé, sem obras, por meio da imputação do mérito e da satisfação de Cristo, - devendo, tão brevemente quanto possível, descobrir os erros que dela procede. 1. Inclui uma suposição, que aquele que é perdoado de seus pecados de omissão e comissão, é estimado ter feito tudo o que lhe é exigido e não ter cometido nada que seja proibido; pois, sem essa suposição, o perdão do pecado não constituirá nem denominará qualquer homem justo. Mas isso está longe de outra forma, nem tal coisa está incluída na natureza do perdão: pois, no perdão do pecado, nem Deus nem o homem julgam que o que pecou não pecou; o que deve ser feito, se o que é perdoado seja estimado ter feito tudo o que deveria, e não ter feito nada que não devesse fazer. Se um homem for levado a julgamento por qualquer ato maligno e, sendo legalmente condenado, e lhe é dado perdão soberano, é verdade que, à vista da lei, ele é encarado como um homem inocente, como a castigo que lhe era devido; mas ninguém pensa que ele é feito justamente assim, ou é estimado não ter feito o que realmente ele fez e pelo que ele foi condenado. Joabe e Abiatar, o sacerdote, ficaram ao mesmo tempo culpados pelo mesmo crime. Salomão ordena que Joabe seja morto por seu crime; Mas, a Abiatar, ele perdoa. Ele agiu declarando Abiatar justo? Ele expressa o contrário, afirmando que ele é injusto e culpado, apenas ele remitiu o castigo de sua culpa, 1 Reis 2:26. Portanto, o perdão do pecado libera o culpado de ser responsável ou desagradável pela ira ou castigo devido ao seu pecado; mas não supõe, nem infere, no mínimo, que ele é, ou deveria, ser estimado ou julgado não ter feito nenhum mal e ter cumprido toda a justiça. Alguns dizem que o perdão dá uma justiça de inocência, mas não de obediência. Mas não pode dar uma justiça de inocência absolutamente, como Adão tinha antes da Queda; pois ele realmente não fez nenhum mal.

Só remove a culpa, que é relativa ao pecado quanto ao castigo, resultando na sanção da lei. E essa suposição, que é um erro evidente, anima toda essa objeção.

Pode-se dizer o seguinte sobre o que é de forma semelhante, ou seja, que é ser injusto, que um homem está no perdão do pecado, é o mesmo por ser justo. Pois, se não ser injusto, ser tomado de forma privativa, é o mesmo que ser justo; pois isso supõe que aquele que é assim fez todo o dever que lhe é exigido para que ele seja justo. Mas não é injusto negativamente, como a expressão aqui é usada, não faz isso: pois, na melhor das hipóteses, não supõe mais que um homem ainda não fez nada realmente contra a regra da justiça. Agora, talvez seja quando ele não realizou nenhum dos deveres que lhe são exigidos para o constituir justo, porque os tempos e ocasiões deles ainda não são chegados. Prossegue nesta suposição, que a lei, no caso do pecado, não obriga a punição e obediência completa, de modo que não seja satisfeita ou cumprida, a menos que seja respondida com respeito a ambos ; pois, se assim for, o perdão do pecado, que só nos liberta da pena da lei, deixa ainda necessário que a obediência seja realizada, a tudo o que ela exige. Mas isto, a meu ver, é um erro evidente, e que tal não "estabelece a lei, mas a invalida". E isto devo demonstrar: - (1.) A lei tem duas partes ou poderes: - Primeiro, sua parte preceptiva, comandando e exigindo obediência, com uma promessa de vida anexada: "Faça isso e viva". Em segundo lugar, a sanção na suposição de desobediência, vinculando o pecador ao castigo ou uma recompensa: "No dia em que comeres morrerás." E toda lei, propriamente assim chamada, prossegue sobre essas suposições de obediência ou desobediência, de onde seu poder de comando e punição se separa de sua natureza. (2.) Esta lei, da qual falamos, foi dada pela primeira vez ao homem na inocência, e, portanto, o primeiro poder disso foi apenas em ação; obrigou-se apenas à obediência; porque uma pessoa inocente não podia ser desagradável com a sua sanção, que continha apenas uma obrigação de punição, na suposição de desobediência. Não poderia, portanto, obrigar os nossos primeiros pais a obedecer e castigar ambos, visto que a obrigação de punição não poderia ser na força real, mas sim na suposição de desobediência real. Uma causa moral e motivação para a obediência, e teve influência na preservação do homem contra o pecado. Para esse fim, foi-lhe dito: "No dia em que comeres, certamente morrerás". A negligência aqui e a influência dominante que deveria ter nas mentes de nossos primeiros pais abriram a porta para a entrada do pecado. Mas isso implica uma contradição, que uma pessoa inocente deve estar sob uma obrigação real de punição da sanção da lei. Ligue apenas a obediência, como todas as leis, com penas, fazem antes da transgressão. Mas, - (3.) Sobre a comissão do pecado (e é assim com todo aquele que é culpado de pecado), o homem estava sujeito a uma obrigação real de punição. Isso não é mais questionável do que a princípio, ele estava sob a obrigação de obediência. Mas, então, a questão é se a primeira intenção e obrigação do direito à obediência deixa de afetar o pecador, ou continua, ao mesmo tempo, a obrigá-lo à obediência e punição, e se seus poderes estão em ação para ele? E aí eu digo, - [1.] Se o castigo ameaçado tivesse sido infligido imediatamente até o máximo do que estava nele contido, isso não poderia ser uma questão; pois o homem morreu imediatamente, tanto temporariamente como eternamente, e foi expulso desse estado, onde sozinho ele poderia estar em alguma relação com o poder receptivo da lei. Aquele que é finalmente executado cumpriu a lei, de modo que não lhe deve mais obediência. Mas, [2] Deus, na sua sabedoria e paciência, descartou as coisas. O homem continuou ainda, no caminho para o seu fim, e não totalmente declarado em sua condição eterna e imutável, em que nem promessas nem ameaças, recompensas e punições, poderiam ser propostas para ele. Nesta condição, ele cai sob uma dupla consideração: - Primeiro, de uma pessoa culpada, e por isso é obrigado à punição total que a lei ameace. Isso não é negado. Segundo, de um homem, uma criatura racional de Deus, ainda não trazida para o seu fim eterno. [3.] Neste estado, a lei é o único instrumento e meio da continuação da relação entre Deus e ele. Portanto, sob esta consideração, não pode, porém, obrigá-lo a obedecer, a menos que digamos que, por seu pecado, ele se isentou do governo de Deus. Portanto, é por lei que a regra e o governo de Deus sobre os homens são continuaram enquanto estão em "statu viatorum", por cada desobediência, toda transgressão de sua regra e ordem, quanto ao seu poder dominante, nos molda de novo e mais longe sob o seu poder de obrigar à punição. Também não podem ser essas coisas. Nem qualquer homem que vive, nem o pior dos homens, escolha, mas julgue-se, enquanto ele está neste mundo, obrigado a obedecer à lei de Deus, de acordo com os avisos de que ele tem por luz da natureza ou de outra forma. Um servo perverso que é castigado por sua culpa, se for com tal castigo ainda continua seu ser e seu estado de servidão, não é por sua punição liberado de uma obrigação de dever, de acordo com a regra; sim, sua obrigação para o dever, com respeito ao crime pelo qual ele foi punido, não é dissolvida até que seu castigo seja capital, e assim acabe com seu estado. Portanto, vendo que, com o perdão do pecado, somos liberados somente da obrigação ao castigo, é necessário, além disso, a nossa justificação para uma obediência ao que a lei exige. E isso fortalece muito o argumento em cuja reivindicação estamos envolvidos; por sermos pecadores, nós somos desagradáveis ​​tanto para o comando como para a maldição da lei. Ambos devem ser respondidos, ou não podemos ser justificados. E como o Senhor Jesus Cristo não conseguiu, pela sua mais perfeita obediência, satisfazer à maldição da lei: "comendo morrerás", então, pelo máximo de seu sofrimento, ele não poderia cumprir o comando da lei: "Faça isso e viva". A paixão, como paixão, não é obediência, - embora possa haver obediência no sofrimento, como havia naquele de Cristo até o auge. Portanto, quando imploramos que a morte de Cristo nos seja imputada para nossa justificação, negamos que ela seja imputada a nós pela nossa justiça. Pois, pela imputação dos sofrimentos de Cristo, nossos pecados são remidos ou perdoados, e somos libertados da maldição da lei, que ele sofreu; mas não somos estimados tão justos, o que não podemos ser sem respeito ao cumprimento dos mandamentos da lei, ou à obediência exigida por ela.

Toda a questão é expressa de forma excelente por Grotius nas palavras antes alegadas: "Cum duo nobis peperisse Christum dixerimus, impunitatem et praemium, illud satisfctioni, merito favorito Christi distinto tribuit vetus ecclesia. Satisfactio consistit in meritorum translatione, meritum in perfectissimae obedientiae pro nobis praestitiae imputatione ". (4.) A objeção mencionada prossegue também nesta suposição, que o perdão do pecado dá título à benção eterna no gozo de Deus; pois a justificação faz isso, e, de acordo com os autores desta opinião, nenhuma outra justiça é necessária para isso, mas o perdão do pecado. Essa justificação dá direito e título para adoção, aceitação com Deus e a herança celestial, eu suponho que não será negado, e já foi provado. O perdão do pecado depende unicamente da morte ou sofrimento de Cristo: "Em quem temos a redenção pelo seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da sua graça", Efésios 1: 7. Mas o sofrimento pela punição dá direito e título a nada, só satisfaz para alguma coisa; nem merece qualquer recompensa: em nenhum lugar é dito: "sofra e viva", mas "faça isso e viva". Essas coisas, eu confesso, estão inseparavelmente ligadas à ordenança, nomeação e aliança de Deus. Todo aquele que tem seus pecados perdoados é aceito com Deus, tem direito à benção eterna. Essas coisas são inseparáveis; mas eles não são um e o mesmo. E, devido à sua relação inseparável, eles são juntos pelo apóstolo, Romanos 4: 6-8, "Assim como Davi também descreve a bem-aventurança do homem a quem Deus imputa a justiça sem as obras: Bem-aventurados aqueles cujas iniquidades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos: bendito é o homem a quem o Senhor não imputa o pecado." É a imputação da justiça que dá direito à benção; mas o perdão do pecado é inseparável disso, e um efeito disso, ambos opostos à justificação pelas obras ou a uma justiça interna nossa. Mas é uma coisa ser liberado de ser passível de morte eterna, e outra ter direito e título para uma vida abençoada e eterna. É uma coisa ser redimido de acordo com a lei, isto é, da maldição dela; e outra, receber a adoção de filhos; - uma coisa é ser libertado da maldição; e outra, que a benção de Abraão venha a nós: como o apóstolo distingue estas coisas, Gálatas 3: 13,14; 4: 4,5; e também o nosso Senhor Jesus Cristo, Atos 26:18, "para que eles possam receber perdão de pecados e herança" e "entre aqueles que são santificados pela fé em mim". O que temos pela fé em Cristo, é apenas uma destituição do pecado de ser suplicável à nossa condenação; sobre o qual "não há condenação para os que estão em Cristo Jesus". Mas um direito e um título para a glória, ou a herança celestial, não dá. Pode-se supor que todos os grandes e gloriosos efeitos da graça presente e da bem-aventurança futura devem seguir-se necessariamente e ser o efeito do simples perdão do pecado? Não podemos ser perdoados, mas devemos, portanto, ser feitos filhos, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo? O perdão do pecado é por Deus, com respeito ao pecador, um ato gratuito e livre: "Perdão do pecado através das riquezas de sua graça." Mas com respeito à satisfação de Cristo, é um ato em julgamento. Pois, quanto à sua consideração, como imputado a ele, Deus absolve o pecador em seu julgamento. Mas perdoa em um julgamento jurídico, em que consideração a ser concedida, não dá direito nem título a qualquer favor, benefício ou privilégio, mas apenas libertação. É uma coisa ser absolvido diante do trono de um rei de crimes impostos a qualquer homem, que pode ser feito por clemência ou por outras considerações; e outra ser feito seu filho por adoção, e herdeiro de seu reino. E estas coisas são representadas para nós na Escritura como distintas, e dependendo de causas distintas: assim estão na visão sobre Josué, o sumo sacerdote, Zacarias 3: 4,5, "Então falando este, ordenou aos que estavam diante dele, dizendo: Tirai-lhe estes trajes sujos. E a Josué disse: Eis que tenho feito com que passe de ti a tua iniquidade, e te vestirei de trajes festivos. Também disse eu: Ponham-lhe sobre a cabeça uma mitra limpa. Puseram-lhe, pois, sobre a cabeça uma mitra limpa, e vestiram-no; e o anjo do Senhor estava ali de pé." Geralmente, foi concedido que aqui tenhamos uma representação da justificação de um pecador diante de Deus. E a remoção de roupas sujas é exposta pela morte da iniquidade. Quando as roupas sujas de um homem são tiradas, ele não está mais contaminado com elas; mas ele não está vestido assim. Esta é uma graça adicional e favorece, a saber, vestir-se com a mudança de vestuário. E o que esse vestido é, é declarado, Isaías 61:10: "Ele me vestiu com as vestes da salvação, ele me cobriu com a túnica da justiça", a que o apóstolo faz alusão, Filipenses 3: 9. Portanto, estas coisas são distintas, isto é, a remoção das roupas sujas e a nossa roupa, com troca de roupa; ou o perdão do pecado e a túnica da justiça. Pelo que somos liberados da condenação; por outro lado, temos razão para a salvação. E o mesmo é representado de maneira semelhante, Ezequiel 16: 6-12.

É verdade que o direito à vida eterna triunfa para se libertar da culpa da morte eterna: "Para que eles possam receber o perdão dos pecados e uma herança entre os santificados". Mas não faz por uma necessidade na natureza das coisas, mas apenas na livre constituição de Deus. Os crentes têm o perdão do pecado e um direito e título imediatos para o favor de Deus, a adoção de filhos e a vida eterna. Mas há outro estado na natureza das próprias coisas, e isso pode ter sido tão real. isso parecia bom para Deus; pois quem não vê que existe um "status" ou "conditio personae", em que ele não está sob a culpa da condenação nem tem um direito imediato e um título para a glória no caminho da herança? Deus poderia ter perdoado os homens todos os seus pecados, e os colocado em estado e condição de buscar a justiça para o futuro pelas obras da lei, para que pudessem ter vivido; pois isso responderia ao estado original de Adão. Mas Deus não fez isso. Verdade; mas enquanto ele poderia ter feito isso, é evidente que a disposição dos homens nesse estado e condição de justo para vida e salvação, não depende nem provém do perdão do pecado, mas tem outra causa; isto é, a imputação da justiça de Cristo para nós, como ele cumpriu a lei para nós. E, na verdade, esta é a opinião da maioria dos nossos adversários nesta causa: pois contestam, que estão acima da remissão do pecado, que alguns deles dizem é absoluto, sem qualquer respeito ao mérito ou satisfação de Cristo, outros se referem a eles; todos afirmam que há, além disso, uma justiça de obras necessárias para nossa justificação; - só eles dizem que esta é a nossa justiça incompleta e imperfeita que nos foi imputada como se fosse perfeita; isto é, pelo que não é, e não a justiça que Cristo nos imputou. Do que foi discursado, é evidente que, para nossa justificação antes que Deus seja requerido, não só que nos libertem do condenado sentença da lei, que somos pelo perdão do pecado, mas, além disso, "que a justiça da lei seja cumprida em nós", ou que temos uma justiça que responda à obediência que a lei exige; sobre o qual a nossa aceitação com Deus, através das riquezas da sua graça e do nosso título para a herança celestial, depende. Isso não temos em nós mesmos nem podemos alcançar; como provado. Portanto, a obediência perfeita e a justiça de Cristo são imputadas a nós, ou aos olhos de Deus, nunca podemos ser justificados.

Todas as coisas aqui dependem da ordenação de Deus. É a sua ordenança, que como "através da ofensa de um”, todos morrem, então "a graça, e o dom da justiça, por um só homem, Cristo Jesus, tem abundado para muitos" e "como pela ofensa de um o juízo veio sobre todos os homens para a condenação, de modo que, pela justiça de um, o dom gratuito veio sobre todos para a justiça da vida", e "pela obediência de um muitos são feitos justos", como o apóstolo argumenta, em Romanos 5. Porque "Deus enviou seu próprio Filho à semelhança da carne pecadora e do pecado, para que a justiça da lei seja cumprida em nós", capítulo 8: 3, 4; pois ele era "o fim da lei" (todo o fim), "para a justiça para os que acreditam", capítulo 10: 4. Esta é a nomeação da sabedoria, da justiça e da graça de Deus, para que toda a justiça e obediência de Cristo sejam aceitas como nossa justiça completa diante dele, imputada por sua graça, e aplicada a nós através da fé; e, consequentemente, a todos os que acreditam. E se o pecado real de Adão é imputado a todos nós, que derivamos nossa natureza dele, a condenação, embora ele não pecou em nossas circunstâncias e relações, é estranho que a obediência real de Cristo seja imputada aos que derivam uma natureza espiritual dele, para a justificação da vida? Além disso, tanto a satisfação como a obediência de Cristo, como relacionadas a sua pessoa, eram, em certo sentido, infinitas, isto é, de um valor infinito, e assim não podem ser consideradas em partes, como se uma parte dela fosse imputada para um, e outra para outro, mas o todo é imputado a todo aquele que acredita; e se os israelitas podiam dizer que Davi "valia dez mil deles", 2 Samuel 18: 3, podemos dizer que o Senhor Jesus Cristo, e assim o que ele fez e sofreu, vale muito mais do que todos nós e tudo o que podemos fazer e sofrer. Há também diversos outros erros que concordam com a parte da acusação contra a imputação da justiça de Cristo para nós, que agora consideramos. Eu digo da sua justiça; porque o apóstolo neste caso, usa essas duas palavras, dikai> wma e uJpakoh>, "justiça" e "obediência", como ijsodunamou ~ nta, - da mesma significação, Romanos 5: 18,19. Tais são estes: - que a remissão do pecado e a justificação são as mesmas, ou essa justificação consiste apenas na remissão do pecado; - que a própria fé, como nosso ato e dever, a vê como condição da aliança, nos é imputada para justiça; - ou que possamos ter uma justiça pessoal e inerente nossa, de uma maneira ou de outra é nossa justiça antes da justificação de Deus; seja uma condição ou uma disposição para ela, ou tenha uma congruência em merecer a graça da justificação, ou um justo mérito de sua dignidade; pois todas estas são apenas várias expressões do mesmo, de acordo com a variedade das concepções das mentes dos homens sobre isso. Mas todos foram considerados e removidos em discursos anteriores. Para fechar esse argumento, e nossa reivindicação disso, e para evitar uma objeção, reconheço que a nossa bem-aventurança e a vida eternas são, nas Escrituras, sempre atribuídas à morte de Cristo.

O que Cristo, o mediador e a garantia da aliança, fez em obediência a Deus, na execução de seu ofício, que ele fez por nós; e isso é imputado a nós. Isso já foi provado, e tem uma ótima evidência de verdade a ser negada. Ele foi "nascido para nós, dado a nós", Isaías 9: 6; para "o que a lei não podia fazer, na medida em que era fraca através da carne, Deus enviando seu próprio Filho à semelhança da carne pecadora, e pelo pecado, condenou o pecado na carne; para que a justiça da lei seja cumprida em nós.", Romanos 8: 3,4. O que é falado da graça, amor e propósito de Deus ao enviar ou dar o seu Filho, ou do amor, graça e condescendência de o Filho em vir e realizar a obra da redenção projetada para ele, ou do próprio ofício de um mediador ou garantia, dá testemunho dessa afirmação; sim, é o princípio fundamental do evangelho e da fé de todos os que realmente acreditam. Por isso, o que ele fez foi investigar. E, - O Senhor Jesus Cristo, nosso mediador e garantia, foi, em sua natureza humana, feito por você, "sob a lei", Gálatas 4: 4. Que ele não era tão para si mesmo, pela necessidade de sua condição, provamos antes. Foi, portanto, para nós. Mas, conforme a lei, ele obedeceu ela; isso, portanto, foi para nós, e nos é imputado.

Capítulo 13.

A Natureza da Justificação Provada pela Diferença das Alianças

O que invocamos em terceiro lugar para o nosso propósito é a diferença entre os dois pactos. E aqui pode ser observado, - 1. Que, pelas duas alianças, eu entendo aquelas que foram absolutamente entregues a toda a igreja, e todos "eijv teleio> thta", para um estado completo e perfeito; isto é, o funcionamento da aliança da lei de nossa criação como nos foi dada, com promessas e ameaças, ou recompensas e punições, anexadas a ela; e a aliança de graça, revelada e proposta na primeira promessa. Quanto à aliança do Sinai e ao novo testamento confirmado na morte de Cristo, com todos os privilégios espirituais emergentes e as diferenças entre eles, não pertencem ao nosso argumento atual. 2. Toda a natureza da aliança das obras consistiu nisso, - que, em nossa obediência pessoal, de acordo com a lei, devemos ser aceitos por Deus e recompensados ​​por ele. Aqui, consistiu a essência; e qualquer que seja a aliança que prosseguir nestes termos, ou tenha a natureza deles, no entanto, pode variar com adições ou alterações, é a mesma aliança, e não outra. Como na renovação da promessa em que a essência da aliança da graça estava contida, Deus, às vezes, fez outras adições a ela (como a Abraão e Davi), mas ainda era a mesma aliança na substância, e não outra; então, as variações ou adições podem ser feitas à dispensação da primeira aliança, desde que esta regra seja retida: "Faça isso e viva", ainda é a mesma aliança na substância e essência dela. 3. Daí duas coisas pertenceram a esta aliança de obras: - Primeiro, que todas as coisas foram tratadas imediatamente entre Deus e o homem. Não havia mediador nisso, ninguém para empreender nada, nem por parte de Deus ou do homem, entre eles; para o todo, dependendo da obediência pessoal de cada um, não havia lugar para um mediador. Em segundo lugar, que nada além de obediência perfeita e sem pecado seria aceita com Deus, ou preservaria a aliança em seu estado e condição primitiva. Não havia nada para perdoar o pecado, nenhuma provisão para qualquer defeito na obediência pessoal. 4. Portanto, esta aliança, uma vez estabelecida entre Deus e o homem, não poderia haver uma nova aliança feita, a menos que a forma essencial dela fosse de outra natureza - a saber, que nossa própria obediência pessoal não é a regra e a causa da nossa aceitação e justificação diante de Deus; pois enquanto isso é assim, como já foi observado, a aliança ainda é a mesma, porém a aplicação pode ser reformada ou reduzida para se adequar ao nosso estado e condição presentes. Que a graça seja introduzida nela, não poderia ser assim porque excluiu todas as obras como a causa de nossa justificação. Mas se uma nova aliança for feita, tal graça deve ser providenciada, como é absolutamente inconsistente com as nossas obras, como nos primeiros fins da aliança; como o apóstolo declara, Romanos 11: 6. 5. Portanto, a aliança da graça, supondo uma nova, verdadeira e absoluta aliança, e não uma reforma da dispensação da antiga, ou uma redução da mesma ao uso de nossa condição atual (como alguns imaginam que seja) , deve diferir, na essência, substância e natureza dela, a partir dessa primeira aliança de obras. E isso não pode ser feito se quisermos ser justificados diante de Deus em nossa obediência pessoal; em que consistiu a essência da primeira aliança. Se, portanto, a justiça com a qual somos justificados antes que Deus seja nosso, nossa própria justiça pessoal, ainda estamos sob a primeira aliança e nenhuma outra. 6. Mas as coisas na nova aliança são de fato completamente diferentes; porque, - Primeiro, é de graça, que exclui totalmente obras; isto é, da graça, pois nossas próprias obras não são os meios de justificação diante de Deus; como nos lugares antes alegados. Em segundo lugar, tem um mediador e garantia; que é construído sozinho nesta suposição, que o que não podemos fazer em nós mesmos, que originalmente era exigido de nós, e o que a lei da primeira aliança não pode nos permitir executar, que deve ser realizada por nosso mediador e garantia (fiador). E se isso não for incluído na primeira noção de um mediador e de uma garantia, ainda assim é de um mediador ou de uma garantia que se interponha voluntariamente, com um reconhecimento aberto de que aqueles para quem ele se comprometeu eram totalmente insuficientes para realizar o que era exigido deles; - sobre o qual depende toda a verdade da Escritura.

É uma das primeiras noções da religião cristã, que o Senhor Jesus Cristo nos foi dado, nascido para nós; que ele veio como um mediador, para fazer para nós o que não poderíamos fazer por nós mesmos, e não apenas para sofrer o que mereceríamos. E aqui, em vez da nossa própria justiça, temos a "justiça de Deus", em vez de ser justos em nós mesmos diante de Deus, ele é "O SENHOR, nossa Justiça". E nada além de uma justiça de outro tipo e natureza, para justificação diante de Deus, poderia constituir outra aliança. Portanto, a justiça pela qual somos justificados é a justiça de Cristo imputada a nós, ou ainda estamos debaixo da lei, sob a aliança das obras. Será dito que nossa obediência pessoal é por não afirmar que seja a justiça com a qual somos justificados diante de Deus, da mesma maneira que era sob a aliança das obras; mas o argumento não fala como a maneira pela qual é assim, mas para a própria coisa. Se assim for, de qualquer maneira ou forma, sob as qualificações necessárias, ainda estamos sob essa aliança. Se for de qualquer maneira, não é de graça. Mas é acrescentado que as diferenças são tão suficientes para constituir convênios efetivamente distintos: como, - 1. "A obediência perfeita e sem pecado era necessária na primeira aliança; mas na nova, o que é imperfeito e acompanhado de muitos pecados e falhas, é aceito." Isso é "dito livre", e levanta a pergunta. Nenhuma justiça para justificação antes que seja ou possa ser aceito por Deus, senão o que é perfeito. 2. "A graça é a fonte original e causa de toda a nossa aceitação diante de Deus na nova aliança". Era também na antiga. A criação do homem na justiça original foi um efeito da graça divina, da benignidade e da bondade; e a recompensa da vida eterna no gozo de Deus era de mera graça soberana; ainda assim, o que era de obras não era de graça; - não há mais neste momento. 3. "Teria então um mérito de obras, que agora está excluído". Tal mérito, que surge de uma igualdade e proporção entre obras e recompensas, pelo domínio da justiça comutativa, não teria sido nas obras da primeira aliança; e, em nenhum outro sentido, é agora rejeitado por aqueles que se opõem à imputação da justiça de Cristo. 4. "Tudo está agora resolvido no mérito de Cristo, segundo o qual a nossa própria justiça pessoal é aceita diante de Deus para nossa justificação". A questão não é, em que conta, nem por que razão, é tão aceito? Mas, seja ou não? - ver que o seu ser é efetivamente constitutivo de uma aliança de obras.

Publicado
Visualizações
328