A Doutrina da Justificação pela Fé – Capítulo 11

  John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

 

Capítulo 11.

A Natureza da Obediência que Deus Exige de Nós - A Obrigação Eterna da Lei

A natureza da obediência ou justiça necessária para a justificação - Origem e causas da lei da criação - A substância e o fim dessa lei - A imutabilidade dela, considerada absolutamente, e como foi o instrumento da aliança entre Deus e o homem - Argumentos para prová-la inalterável; e sua obrigação para a justiça primeiro exigida perpetuamente em vigor – Portanto, não revogada, não dispensada, mas realizada - Somente por Cristo e a imputação de sua justiça para nós.

Nosso segundo argumento deve ser retirado da natureza daquela obediência ou justiça que Deus exige de nós para que possamos ser aceitos e aprovados por ele. Este sendo um assunto amplo, se for totalmente tratado, será reduzido segundo o nosso presente interesse em algumas cabeças ou observações especiais; -

Deus sendo o agente mais perfeito e, portanto, o mais livre, toda a sua atuação para a humanidade, todas as suas relações com eles, todas as suas constituições e leis a respeito deles, devem ser resolvidos em sua própria vontade e prazer soberanos. Nenhuma outra razão pode ser dada à origem de todo o sistema deles. Isto testemunha a Escritura, Salmo 115: 3; 135: 6; Provérbios 16: 4; Efésios 1: 9,11; Apocalipse 4:11. O ser, a existência e as circunstâncias naturais de todas as criaturas são o efeito do conselho e do prazer gratuitos de Deus, tudo o que lhes pertence deve ser resolvido em seu conjunto.

Com a suposição de alguns atos livres da vontade de Deus, e a execução do tema que constitui uma ordem nas coisas que são dele e seu mútuo respeito um para o outro, algumas coisas se tornam necessárias neste estado relativo, cujo ser não era absolutamente necessário em sua própria natureza. A ordem de todas as coisas e o respeito mútuo delas dependem da constituição livre de Deus, de forma  absoluta. Mas, após uma suposição dessa constituição, as coisas têm nessa ordem uma relação necessária uma à outra, e todas elas a Deus.

Por isso, -

Foi um ato livre e soberano da vontade de Deus, criar ou produzir uma criatura como o homem; isto é, de uma natureza inteligente, racional, capaz de obediência moral, com recompensas e punições. Mas, sob uma suposição, o homem, tão livremente feito, não poderia ser governado de outra maneira, senão por um instrumento moral de lei ou de domínio, influenciando as faculdades racionais de sua alma para a obediência e guiando-o nela. Ele não poderia, naquela constituição, estar contido sob o domínio de Deus por uma mera influência física, assim como todas as criaturas irracionais ou brutas. Porque supô-lo, é negar ou destruir a faculdade e os poderes essenciais com os quais ele foi criado. Por isso, na suposição de seu ser, era necessário que uma lei ou uma regra de obediência lhe fosse prescrita e fosse o instrumento do governo de Deus em direção a ele.

Esta lei necessária, tão longe como fosse necessário, resultou imediatamente e inevitavelmente na constituição de nossa natureza em relação a Deus. Supondo a natureza, o ser e as propriedades de Deus, com as obras da criação, por um lado; e supondo que o ser, a existência e a natureza do homem, com a sua relação necessária com Deus, por outro; e a lei de que falamos não é senão a regra dessa relação, que não pode ser preservada sem ela. Por isso, esta lei é eterna, indispensável, não admite nenhuma outra variação do que a relação entre Deus e o homem, que é uma exortação necessária de suas naturezas e propriedades distintas. (Nota do tradutor: Esta lei aqui referida não é propriamente e ainda aquela que foi registrada em tábuas de pedra nos dias de Moisés, mas a lei espiritual e moral relativa à criação do homem como um ser moral e espiritual à semelhança de Deus, ou seja, em tudo o que esta lei da criação se resume, é naquilo em que consiste a própria natureza santa, moral e espiritual de Deus, sendo portanto determinado por esta lei da criação que o homem deve ter esta mesma perfeição santa, moral e espiritual, conforme ela se encontra em Deus.)

A substância desta lei era, aquele homem, aderindo a Deus de forma absoluta, universal, imutável, ininterrupta, em confiança, amor e temor, como o principal bem, o primeiro autor de seu ser, de todas as vantagens presentes e futuras de que foi capaz, devendo obedecer-lhe, com respeito à sua infinita sabedoria, justiça e poder todo-poderoso para proteger, recompensar e punir, em todas as coisas conhecidas por sua vontade e prazer, seja pela própria luz da mente ou revelação especial feita a ele. E é evidente que não é necessário mais para a constituição e o estabelecimento desta lei, senão que Deus seja Deus, e o homem seja homem, com a relação necessária que deve surgir entre eles. Por isso, -

Esta lei obriga eterna e imutavelmente a todos os homens a obedecer a Deus, a obediência que Ele requer e da maneira em que o exige; tanto quanto a substância do que requer, e a maneira de sua realização, como medidas e graus, são igualmente necessárias e inalteráveis, com base nas suposições estabelecidas. Pois Deus não pode negar a si mesmo, nem a natureza do homem mudada como a essência dele, para o que só se tem respeito nesta lei, por qualquer coisa que possa cair. E ainda que Deus pudesse superar as obrigações originais desta lei naqueles mandatos arbitrários que lhe agradou, como não necessariamente procedeu ou surgiu a partir da relação entre ele e nós, o que poderia ser e continuar sem eles; ainda assim seriam resolvidos nesse princípio desta lei, que Deus em todas as coisas seria absolutamente confiável e obedecido. "Conhecidas de Deus são todas as suas obras desde a fundação do mundo". Na constituição desta ordem das coisas, ele tornou possível e previu o que seria no futuro, que o homem se rebelaria contra o poder receptivo da lei e perturbaria aquela ordem das coisas em que ele foi colocado sob seu domínio moral. Isso deu ocasião a esse efeito da infinita justiça divina, ao constituir o castigo que o homem deveria receber, quanto à transgressão desta lei. Nem este foi um efeito de vontade arbitrária e prazer, mais do que a própria lei. Com a suposição da criação do homem, a lei mencionada era necessária, ter todas as propriedades divinas da natureza de Deus; e sob a suposição de que o homem transgrediria a lei, Deus sendo agora considerado como seu governante e governador, a constituição do castigo devido ao seu pecado e a transgressão da lei era um efeito necessário da justiça divina. Nisso não teria sido a lei em si mesma arbitrária; mas isso era necessário, assim como a pena de sua transgressão. Portanto, a constituição desta penalidade não é mais mudança, alteração ou revogação do que a própria lei, sem uma alteração no estado e relação entre Deus e o homem. Esta é a lei que nosso Senhor Jesus Cristo veio "não para destruir, mas para cumprir", para que ele seja "o fim da lei para a justiça para os que creem". Esta lei ele não revogou, nem poderia fazê-lo sem uma destruição da relação que existe entre Deus e o homem, decorrente ou subsequentemente inerente de seus seres e propriedades distintas; mas, como isso não pode ser destruído, o Senhor Jesus Cristo chegou a um fim contrário, a saber, repará-lo e restaurá-lo onde foi enfraquecido. Por isso, esta lei, a lei da obediência sem pecado e perfeita, com a sentença da punição da morte em todos os transgressores, o faz e deve permanecer em vigor para sempre neste mundo; pois não há mais necessidade aqui, senão que Deus seja Deus, e o homem seja homem. Ainda assim, isso será mais provado: - (1). Não há nada, nem uma palavra, na Escritura, intimando qualquer alteração ou revogação desta lei; de modo que qualquer coisa não deve ser um dever, ou qualquer coisa deve ser um pecado, tanto quanto à matéria ou graus, senão aquilo que é devido como dever ou pecado pela lei,  e somente deve ser merecido ou não merecido como castigo o que for ameaçado ou declarado na sanção da lei: "O salário do pecado é a morte". Se algum testemunho da Escritura pode ser produzido para qualquer um desses propósitos, ou seja, que qualquer coisa não é pecado, na forma de omissão ou comissão, na questão ou maneira de sua atuação, que é feita por essa lei, ou que tal pecado ou qualquer coisa que fosse pecado o é por esta lei. É, portanto, em força universal para toda a humanidade. Não há alívio neste caso, senão "Eis o Cordeiro de Deus". Em exceção, é alegado que, quando foi dada pela primeira vez a Adão, era a regra e o instrumento de uma aliança entre Deus e o homem. aliança de obras e obediência perfeita; mas, na entrada do pecado, deixou de ter a natureza de uma aliança para qualquer um. E é tão cessado que, em uma suposição impossível de que qualquer um cumprisse a justiça perfeita dela, ainda assim ele não seria justificado, ou obteria o benefício da aliança por esse meio. Por conseguinte, não se torna ineficaz para nós como uma aliança em virtude da nossa fraqueza e deficiência para realizá-la, mas é cessada em sua própria natureza; mas essas coisas, como elas não são para nosso propósito atual, também não são totalmente comprovadas. Porque, - (1.) Nosso discurso não é sobre o adjunto federal da lei, mas apenas sobre sua natureza moral. Basta que, como uma lei, continue a obrigar toda a humanidade a uma perfeita obediência, sob sua penalidade original. Para isso, inevitavelmente seguirá, e a menos que os comandos sejam perfeitamente cumpridos, a penalidade cairá em todos os que os transgredirem. E aqueles que concedem que esta lei ainda está em vigor, como sendo a sua regra de obediência, ou quanto ao que exige de nós, devem saber que ela não requer obediência, senão a que fez na sua constituição original, isto é, sem pecado e perfeito; e não requer nenhum dever, nem proíbe qualquer pecado, como condição para a justificação, senão apenas prescreve a pena da morte após a desobediência. (2). É verdade, que aquele que já é pecador, se ele devesse, depois, ter toda a obediência perfeita a Deus nos termos em que a lei exige, não poderia contudo obter o benefício da promessa da aliança. Mas a única razão disso é, porque ele é antecedentemente um pecador, e tão desagradável para Deus e apropriado para a maldição da lei; e ninguém pode ser desagradável com a sua maldição e ter direito à sua promessa ao mesmo tempo. Mas, de modo a colocar a suposição, que a mesma pessoa é, por qualquer meio, livre da maldição devido ao pecado e, em seguida, negar que, na realização da obediência perfeita e sem pecado que a lei exige, ele deve ter direito à promessa da vida, portanto, é negar a verdade de Deus e refletir a maior desonra em sua justiça. O próprio Jesus Cristo foi justificado por esta lei; e é imutavelmente verdade, que aquele que faz as suas obras, por elas viverá. (3). É concedido que o homem não continuou na observação desta lei, como se deu o rompimento da aliança entre Deus e ele. A aliança não era, senão a regra disso; que foi superada ao seu ser como uma lei. Pois a aliança compreendeu coisas que não eram parte de um resultado da relação necessária de Deus e do homem. Por isso, o homem, por seu pecado quanto ao demérito, pode quebrantar essa aliança e, como qualquer benefício para si mesmo, para a anular. Também é verdade que Deus nunca renovou formalmente e absolutamente novamente essa lei como um pacto uma segunda vez. Também não havia necessidade de que assim fizesse, a menos que fosse declarativamente apenas, pois assim foi renovado no Sinai; pois a totalidade da mesma é uma emanação do direito e da verdade eternos, e permanece, e deve permanecer, em pleno vigor para sempre. Portanto, é tão quebrantado como uma aliança, que toda a humanidade pecou contra as suas ordens, e, por culpa, com a impotência para a obediência que se seguiu sobre ela, derrotou-se em qualquer interesse em sua promessa e possibilidade de alcançar tal interesse, eles não podem ter nenhum benefício por ele. Mas, quanto ao seu poder de obrigar toda a humanidade à obediência e à verdade imutável de suas promessas e ameaças, ela permanece como foi desde o princípio. (2) Retire esta lei, e não há padrão de justiça para a humanidade, sem fronteiras certas do bem e do mal, mas as colunas sobre as quais Deus fixou a Terra são deixadas para se moverem e flutuarem para cima e para baixo como a ilha de Delos no mar. Alguns dizem que a regra do bem e do mal para os homens não é esta lei na sua constituição original, mas a luz da natureza e os ditames da razão. Se eles querem se referir àquela luz que havia originalmente e concretizada com nossa natureza, e aqueles ditados do certo e do errado, o motivo originalmente sugerido e melhorado, eles apenas dizem, em outras palavras, que esta lei ainda é a regra inalterável da obediência a toda a humanidade. Mas se eles se referem à luz restante da natureza que continua em cada indivíduo neste estado depravado, em razão do pecado original, e que, sob tais privações adicionais como tradições, costumes, preconceitos e luxúrias de todos os tipos, afixaram-se até o máximo, não há nada mais irracional; e é o que não tem mais inconveniente do que não deixa limites certos do bem e do mal. O que é bom para um, será, por este motivo, em sua própria natureza, o mal para outro, e assim pelo contrário; e todos os idólatras que já existiram no mundo poderiam ser desculpados por essa pretensão (3). A consciência é testemunha disso. Não há nenhum bem nem o mal requerido ou proibido por esta lei, que, ao descobri-lo, qualquer homem no mundo pode persuadir-se ou subornar a sua consciência para não cumpri-lo no julgamento, quanto à sua preocupação. Acreditará e desculpará, condenará e libertará, de acordo com a sentença desta lei, faça o que ele puder em contrário. Em breve, reconhece-se que Deus, em virtude de seu domínio supremo sobre todos, pode, em alguns exemplos, mudar a natureza e a ordem das coisas, de modo que os preceitos da lei divina não devem operar na sua eficácia ordinária. Assim foi no caso de seu mandamento a Abraão para matar seu filho, e aos israelitas para despojarem os egípcios. Mas, sob a suposição da continuidade daquela ordem de coisas de que esta lei é a preservação, tal é a natureza intrínseca do bem e do mal comandados e proibidos nela, que não é assunto de dispensação divina; como até mesmo os alunos geralmente concedem. Pelo que temos discursado, duas coisas inevitavelmente se seguem: - (1). Enquanto toda a humanidade, pelo pecado, caíra sob a pena que ameaçava a transgressão desta lei, e o sofrimento desta pena, que é a morte eterna, sendo inconsistente com a aceitação diante de Deus, ou o gozo da bem-aventurança, - é absolutamente impossível que qualquer pessoa individual da posteridade de Adão seja justificada à vista de Deus, aceita com ele ou seja abençoada por ele, a menos que esta pena seja respondida e sofrida por eles. A "dikaioma tou Theou" – Justiça de Deus -  não deve ser abolida aqui, mas estabelecida. (2.) Que para o mesmo fim de aceitação com Deus, justificação diante dele e benção dele, a justiça desta lei eterna deve ser cumprida em nós de tal maneira que, no juízo de Deus, que é conforme a verdade, possamos ser estimados por ter cumprido, e ser tratado em conformidade. Pela hipótese de uma falha aqui, a sanção da lei não é arbitrária, de modo que a pena pode ou não ser infligida, mas necessária, da justiça de Deus como o governador supremo de todos. Sobre o primeiro, a nossa controvérsia é apenas para os socinianos, que negam a satisfação de Cristo e a necessidade disso. No que diz respeito a isso, eu tratei em outro lugar, e espero não ver uma resposta ao que eu disputei sobre esse assunto. Quanto ao último deles, devemos indagar como podemos supor cumprir a regra e responder à justiça dessa lei inalterável, de cuja autoridade não podemos ser de qualquer maneira isentos. E o que imploramos é que a obediência e a justiça de Cristo nos sejam imputadas, - a sua obediência como a garantia da nova aliança, concedida a nós, e feita pela constituição graciosa, compromisso soberano e doação de Deus – Jesus é Aquele em que somos julgados e estimados como tendo respondido à justiça da lei. "Com a obediência de um, muitos são feitos justos", Romanos 5:19. "Para que a justiça da lei seja cumprida em nós", Romanos 8: 4. E, portanto, argumentamos: - Se não houver outro caminho pelo qual a justiça da lei possa ser cumprida em nós, sem a qual não podemos ser justificados, mas devemos inevitavelmente cair na pena que ameaça a transgressão, senão apenas a justiça de Cristo que nos é imputada, então é a única justiça pela qual somos justificados diante de Deus. Mas o primeiro é verdadeiro, e assim, portanto, é o último. Na suposição desta lei, e sua obrigação original para a obediência, com suas sanções e ameaças, não pode haver senão uma das três maneiras pelas quais podemos ser justificados diante de Deus, nós que pecamos, ​​e não podemos ser capaz em nós mesmos de realizar a obediência que se exige. E cada um tem um respeito a um ato soberano de Deus com referência a esta lei. O primeiro é a revogação, a que não deve mais nos obrigar, nem a obediência, nem a punição. Isso nos provou impossível; e enganarão com pesar suas próprias almas aqueles que confiarão nela. A segunda é a transferência de sua obrigação, para o fim da justificação, em uma garantia ou agente de mortificação comum. Isto é o que invocamos, como a substância do mistério do evangelho, considerando a pessoa e a graça deste agente de mortificação ou garantia. E aqui todas as coisas tendem para a exaltação da glória de Deus em todas as propriedades sagradas de sua natureza, com o cumprimento e estabelecimento da própria lei, Mateus 5:17; Romanos 3:31; 8: 4; 10: 3, 4. O terceiro caminho é por um ato de Deus em direção à lei, e outro para nós, pelo qual a natureza da justiça que a lei exige é alterada; que devemos examinar como a única reserva contra o nosso argumento atual. Dizem, portanto, que, por nossa própria obediência pessoal, respondemos à justiça da lei, na medida em que é exigida de nós. Mas, enquanto que nenhuma pessoa sóbria pode imaginar que podemos, ou que qualquer um em nossa condição caduca tenha conseguido, produz em nossas próprias pessoas uma obediência perfeita e sem pecado a Deus que é exigida de nós na lei da criação, duas coisas são supostamente, que nossa obediência, tal como é, pode ser aceita com Deus como se fosse sem pecado e perfeita. Pois, embora alguns não permitam que a justiça de Cristo nos seja imputada pelo que é, ainda afirmam que nossa própria justiça é imputada a nós pelo que não é. Nestas coisas, a primeira pessoa respeita à lei, e a outra à nossa obediência. O que respeita à lei não é a revogação dela. Pois, embora isso pareça o caminho mais expedito para a reconciliação dessa dificuldade, - a saber, que a lei da criação é totalmente revogada pelo evangelho, tanto quanto a sua obrigação de obediência e punição, e nenhuma lei deve continuar em vigor senão a que exige apenas obediência sincera de nós, em que há, como deveres e o modo de sua atuação, não qualquer regra ou medida absoluta, - ainda que isso não seja por muitos pretendido. Eles não dizem que essa lei é tão revogada que não deve ter o poder e a eficácia de uma lei em nossa direção. Nem é possível que seja assim; nem pode ser dada qualquer pretensão de como deveria ser assim. É verdade, foi quebrada pelo homem, e é assim por todos nós, e com respeito ao seu fim principal de nossa sujeição a Deus e dependência dele, de acordo com o seu domínio; mas é tolo pensar que a culpa daqueles a quem uma justa lei é justamente dada deve abater ou destrancar a própria lei. Uma lei que é boa e que só pode cessar e expirar como qualquer poder de obrigação, na cessação ou expiração da relação que respeitou; então o apóstolo nos diz que "quando o marido de uma mulher está morto, ela está livre da lei do marido", Romanos 7: 2. Mas a relação entre Deus e nós, que foi constituída em nossa primeira criação, nunca pode cessar. Mas uma lei não pode ser revogada sem uma nova lei dada e feita pelo mesmo ou um poder igual que a fez, ou revogando-a expressamente, ou impondo coisas inconsistentes com ela e contraditórias à sua observação. Desta forma, a lei das instituições mosaicas foi revogada e desativada. Não houve nenhuma lei positiva para tirar isso; senão a constituição e a introdução de um novo modo de adoração pelo evangelho, inconsistente e contrário a isso, privou-a de todo seu poder e eficácia obrigatórios. Mas por nenhuma dessas maneiras Deus despojou a obrigação da lei original de obediência, seja como deveres ou recompensas. Nem há nenhuma lei direta feita para sua revogação; nem deu nenhuma nova lei de obediência moral, seja inconsistente ou contrária a ela: e sim, no evangelho que é declarado estabelecido e cumprido. É verdade, como já foi observado anteriormente, que essa lei foi feita como instrumento de uma aliança entre Deus e o homem; e por isso há outro motivo disso, pois Deus realmente introduziu outra aliança inconsistente com ela, e contrariamente a ela. Mas ainda assim não faz isso instantaneamente, e "ipso facto", liberta todos os homens da lei, no caminho de uma aliança. Pois, de acordo com a obrigação de uma lei, não há mais necessidade senão que a questão é justa; que ela seja dada ou feita apenas por aquele que tem autoridade para dar ou fazê-la; e seja suficientemente declarada aos que devem ser obrigados a ela. Daí a promulgação de uma nova lei "ipso facto" revoga qualquer lei anterior que seja contrária a ela, e liberta todos os homens da obediência àquela à qual estavam antes obrigados. Mas em uma aliança não é assim. Porque uma aliança não opera por mera autoridade soberana; não se torna um pacto sem o consentimento daqueles com quem é feita. Portanto, nenhum benefício se acumula para qualquer, ou a liberdade da antiga aliança, pela constituição da nova, a menos que ele tenha realmente a cumprido, tendo escolhido e estando interessado nisso.  

A primeira aliança feita com Adão, nós a fizemos nele consentindo e aceitando. E a esta devemos  obedecer, isto é, sob a obrigação da mesma para o dever e o castigo, até que, pela fé, sejamos feitos participantes da nova. Não se pode dizer, portanto, que não estamos preocupados com o cumprimento da justiça desta lei, porque é revogada.    

Nem se pode dizer que a lei recebeu uma nova interpretação, segundo a qual é declarado que não obriga, nem deve ser construído para o futuro obrigar, qualquer obediência sem pecado e perfeita, e que pode ser cumprida em termos muito mais fáceis. Pois a lei nos foi dada quando não estávamos sem pecado e, se de propósito, continuamos e nos preservamos nessa condição de pecado, é absurdo dizer que não nos obrigou à obediência sem pecado; o que seria uma simples depravação de seu sentido e significado. Tampouco há tal coisa uma vez intimada no evangelho. Sim, os discursos de nosso Salvador sobre a lei são absolutamente destrutivos de tal imaginação. Pois, enquanto os escribas e os fariseus haviam tentado, por suas falsas interpretações, acomodar a lei às inclinações e desejos dos homens (um curso perseguido tanto a nível nacional como praticamente, como todos os que projetam para sobrecarregar as consciências dos homens com os seus próprios mandamentos esforçam-se constantemente para recompensá-los por uma indulgência com respeito aos mandamentos de Deus), ele, ao contrário, rejeita todas as pretensas acomodações e interpretações, restaurando a lei à sua coroa primitiva, como a tradição dos judeus diz que o Messias deve fazer.

Nem pode um relaxamento da lei pode ser pretendido, se houver qualquer coisa na regra; porque se houver, isto diz respeito a todo o ser da lei e consiste quer na suspensão de toda a sua obrigação, pelo menos por uma temporada, ou pela substituição de outra pessoa para responder às suas exigências, quem não estava na obrigação original. Pois alguns dizem que o Senhor Jesus Cristo tinha feito sob a lei para nós um ato de relaxamento da obrigação original da lei; quão propriamente, "ipso viderint". Mas aqui, em nenhum senso, isto pode ter lugar.

 O ato de Deus em relação à lei, neste caso, é uma derrogação do seu poder obrigatório quanto à obediência. Pois, antes que originalmente obrigou à obediência perfeita e sem pecado em todos os deveres, tanto quanto à sua substância e ao modo de sua realização, será permitido nos obrigar ainda a obedecer, mas não ao que é absolutamente o mesmo, especialmente não quanto à completude e perfeição; pois se assim também isto é cumprido na justiça de Cristo para nós, ou nenhum homem vivo pode ser justificado aos olhos de Deus. Portanto, por meio de um ato de derrogação de seu poder original, é provido que nos obrigará até a obediência, mas não ao que é absolutamente sem pecado e perfeito; mas, embora seja realizada com menos intensão de amor a Deus, ou em menor grau do que exigiu em primeiro lugar, por isso é sincero e universal como para todas as partes dela, é tudo o que a lei agora exige de nós. Isto é tudo o que agora exige, como está adaptado ao serviço da nova aliança, e fez o governo da obediência de acordo com a lei de Cristo. Aqui é a parte receptiva, na medida em que estamos preocupados com isso, respondemos e cumprimos. Se essas coisas são assim ou não, veremos imediatamente em poucas palavras.

Daí resulta que o ato de Deus com respeito à nossa obediência não é um ato de julgamento de acordo com qualquer domínio ou lei própria; mas uma aceitação, ou uma estimativa, contabilística, aceitando isso como perfeito, ou na estimativa daquilo que é perfeito, o que realmente e na verdade não é assim.

Acrescenta-se que ambos dependem, e são as aquisições da obediência, sofrimento e méritos de Cristo. Pois, em sua conta, é que nossa obediência fraca e imperfeita é aceita como se fosse perfeita; e o poder da lei, para exigir a obediência absolutamente perfeita, é retirado. E estes são os efeitos da justiça de Cristo, que a justiça, por sua conta, é dita imputada a nós.

Mas, apesar dos grandes empreendimentos que foram usados ​​para dar uma cor de verdade a essas coisas, são ambas, senão ficções e imaginação de homens, que não têm fundamento na Escritura, nem cumprem a experiência daqueles que acreditam. Para tocar um pouco sobre o último, em primeiro lugar, não há um verdadeiro crente, senão aquele que tem essas duas coisas consertadas em sua mente e consciência, -

(1). Que não há nada em princípios, hábitos, qualidades ou ações, em que ele tenha uma pequena perfeita conformidade com a santa lei de Deus, ainda que esta exija obediência perfeita, mas que esta obediência possui nela a natureza do pecado, e que, por si só, merece a maldição anexada originalmente à violação dessa lei. Eles, portanto, não apreendem que sua obrigação seja removida, enfraquecida ou derrogada em qualquer coisa.   

(2). Que não há alívio para ele, com respeito ao que a lei exige ou ao que ameaça, senão somente pela mediação de Jesus Cristo, que de Deus foi feito justiça para ele. Portanto, eles não descansam nem aceitam sua própria obediência, como é, para responder à lei, mas confiam somente em Cristo para sua aceitação com Deus.

Ambos são doutrinariamente falsos; para o primeiro, - (1.) Não está escrito. Não há insinuação na Escritura de qualquer dispensação de Deus com referência à lei original de obediência. Muito se fala de nossa libertação da maldição da lei por Cristo, mas da diminuição de seu poder receptivo nada. (2) É contrário à Escritura; pois é claramente afirmado que a lei não deve ser abolida, mas cumprida; para não ser anulada, mas para ser estabelecida; que a justiça dela deve ser cumprida em nós (3). É uma suposição tanto irracional quanto impossível. Porque, - (1). A lei foi uma representação para nós da santidade de Deus e sua justiça no governo de suas criaturas. Não pode haver nenhuma alteração feita aqui, visto que no próprio Deus não há variação nem sombra de mudança (2). Não deixaria nenhum padrão de justiça, senão apenas uma regra adulterada, que se volta e se aplica à luz e às habilidades dos homens, e estabelece pelo menos tantas medidas de justiça quanto há crentes no mundo. (3.) Inclui uma variação no centro de toda religião, que é a relação natural e moral dos homens com Deus; pois assim deve haver, se tudo o que antes era necessário, ainda não continua para ser. (4) É desonroso para a mediação de Cristo; pois faz o principal fim dele, que Deus deve aceitar uma justiça para nossa justificação inexprimivelmente abaixo do que é exigido na lei da nossa criação. E isso, em certo sentido, o torna o ministro do pecado, ou que ele adquiriu uma indulgência para ele; não pelo caminho da satisfação e do perdão, pelo qual ele tira a culpa da igreja, mas tirando da sua natureza e demérito, de modo que o que originalmente não deveria continuar a ser ou, pelo menos, não merecer o castigo foi ameaçado pela primeira vez (5). Reflete sobre a bondade de Deus mesmo; pois, nesta suposição, ele reduziu sua lei a esse estado e ordenou que fosse satisfeita por uma observação tão fraca, tão imperfeita, acompanhada de tantas faltas e pecados, como é com a obediência dos melhores homens neste mundo, que razão pode ser dada, consistente com a sua bondade, por que ele deve dar uma lei em primeiro lugar de perfeita obediência, e que um pecado colocou toda a humanidade sob pena de sua ruína?

Todas essas coisas, e outras diversas do mesmo tipo, seguem também a segunda suposição, de uma aceitação ou uma estimativa imaginária de ser perfeito aquilo que é imperfeito, como sem pecado aquilo que é atendido com pecados inumeráveis. Mas o julgamento de Deus é conforme a verdade; nem ele reconhecerá que há em nós uma  perfeita justiça diante dele, que à sua vista é tão imperfeita que é como trapos de imundícia, que especialmente nos prometeu vestes de justiça e vestes de salvação. O que necessariamente segue esses discursos é: que não existe nenhuma outra maneira pela qual a lei original e imutável de Deus possa ser estabelecida e cumprida com respeito a nós, senão pela imputação da perfeita obediência e justiça de Cristo, que é o fim da lei para a justiça de todos os que creem.

Publicado
Visualizações
245