A Doutrina da Justificação pela Fé – Capítulos 7 e 8

  John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

 

Capítulo 7.

Imputação, e a Natureza disso; com a Imputação da Justiça de Cristo em Particular

O primeiro registro exato da justificação de qualquer pecador é de Abraão. Outros foram justificados antes dele desde o início, e há o que se afirma deles que os evidencia suficientemente para terem sido; mas esta prerrogativa foi reservada para o pai dos crentes, que sua justificação, e a maneira expressa dela, devem ser inseridas pela primeira vez no registro sagrado. Assim é, Gênesis 15: 6: "Ele creu no Senhor, e foi-lhe contado para a justiça". H; b, v] j] Yæwæ, - foi "considerado" ou "imputado" a ele, por justiça. jElogi> sqh, foi "contado, calculado, imputado". E "Ora, não é só por causa dele que está escrito que lhe foi imputado; mas também por causa de nós a quem há de ser imputado, a nós os que cremos naquele que dos mortos ressuscitou a Jesus nosso Senhor.", Romanos 4 : 23,24. Portanto, a primeira declaração expressa da natureza da justificação na Escritura afirma que é por imputação, - a imputação de algo para a justiça; e isso (é) feito nesse lugar e instância que é registrada de propósito, como precedente e exemplo de todos aqueles que devem ser justificados. Como ele foi justificado, também nós. No Novo Testamento, havia uma necessidade de uma declaração mais completa e clara da doutrina da justificação; pois está entre as primeiras e principais partes desse mistério celestial da verdade que deveria ser trazido à luz pelo evangelho. E, além disso, havia desde o início oposição forte e perigosa feita a ele; Para essa questão de justificação, a doutrina dela e o que necessariamente pertence a ela, foi aquilo em que a igreja judaica rompeu com Deus, recusou Cristo e o evangelho, perecendo nos seus pecados; como é expressamente declarado, em Romanos 9:31; 10: 3,4. E, da mesma forma, uma aversão a ela, uma oposição a ela, foi e sempre será, um princípio e causa da apostasia de qualquer igreja professante de Cristo e do evangelho que se enquadra no poder e engano deles; como caiu depois nas igrejas dos gálatas. Mas neste estado a doutrina da justificação foi totalmente declarada e vindicada, pelo apóstolo Paulo, de maneira peculiar. E ele faz isso especialmente afirmando e provando que temos a justiça segundo a qual e com a qual somos justificados por imputação, ou que nossa justificação consiste na não imputação do pecado e na imputação da justiça. No entanto, embora a primeira instância registrada de justificação, e que foi assim registrada para que pudesse ser um exemplo e representar a justificação de tudo o que deveria ser justificado até o fim do mundo, - é expressa por imputação e justiça imputada, e a doutrina dela, naquele grande caso em que o bem-estar eterno da igreja dos judeus, ou a sua ruína, estava preocupado, é tão expresso pelo apóstolo; ainda está tão caído em nossos dias, que nada na religião é mais caluniado, mais reprovado, mais desprezado, do que a imputação da justiça a nós, ou uma justiça imputada. "Uma justiça imputativa, é a sombra de um sonho, uma fantasia, uma quimera, uma imaginação," dizem alguns entre nós. Uma opinião, "execranda, pernitiosa, detestanta", diz Socinus. E surge a oposição a cada dia de uma grande variedade de princípios; para aqueles por quem é oposto e rejeitado não pode de modo algum concordar com o que configurar no lugar dela. No entanto, o peso e a importância desta doutrina são por todas as mãos reconhecidas, sejam elas verdadeiras ou falsas. Não é uma disputa sobre noções, termos e especulações, em que a prática cristã é pouco ou nada preocupada (de que natureza muitos são inutilmente discutidos); mas que tem uma influência imediata em todo o nosso presente dever, com nosso eterno bem-estar ou ruína. Aqueles por quem essa imputação da justiça é rejeitada, afirmam que a fé e a doutrina dele derrubam a necessidade da obediência evangélica, da justiça pessoal e das boas obras, trazendo antinomianismo e liberalismo na vida. Aqui, deve, necessariamente, ser destruidor da salvação naqueles que acreditam nela e se conformam à sua prática. E aqueles, por outro lado, por quem se acredita, vendo que eles julgam impossível que qualquer homem seja justificado diante de Deus de qualquer outro jeito senão pela imputação da justiça de Cristo, julgam que, sem ele, ninguém pode ser salvo. "Até agora da imputação da justiça de Cristo; sem a qual nenhum homem foi salvo, nem pode ser assim." Eles não pensam nem julgam que são excluídos da salvação todos aqueles que não podem apreender ou negar a doutrina da imputação da justiça de Cristo, como por eles declarado; mas eles julgam que eles são pessoas a quem essa justiça não é realmente imputada; nem podem fazer de outra forma, enquanto fazem dela o fundamento de toda a sua própria aceitação com Deus e a salvação eterna. Essas coisas são muito diferentes. Acreditar na doutrina dela, ou não acreditar, como assim ou assim explicado, é uma coisa; e apreciar a coisa, ou não apreciá-la, é outra. Eu não tenho dúvida, que muitos homens recebem mais graça de Deus que eles entendem ou serão próprios, e terão uma eficácia maior neles do que no acreditam. Os homens podem ser realmente salvos por aquela graça que, doutrinariamente, eles negam; e podem ser justificados pela imputação dessa justiça que, em opinião, negam ter-lhes sido imputada; porque a fé está incluída na aceitação geral que eles dão à verdade do evangelho e tal adesão a Cristo pode existir, apesar do erro deles quanto ao entendimento do caminho pelo qual eles são salvos por ele, não os defraudará de um interesse real. E, por minha parte, devo dizer que, apesar de todas as disputas que vejo e leio sobre a justificação (algumas das quais estão cheias de ofensa e escândalo), não acredito, senão que os autores deles (se eles não são Socinianos por toda parte, negando todo o mérito e satisfação de Cristo) confiam realmente na mediação de Cristo para o perdão de seus pecados e aceitação com Deus, e não em suas próprias obras ou obediência; nem acreditam o contrário, até que expressamente o declarem. Da oposição, por outro lado, quanto ao perigo da doutrina da imputação da justiça de Cristo, em referência à necessidade da santidade e das obras da justiça, devemos tratar depois. O juízo das igrejas Reformadas aqui é conhecido para todos, e deve ser confessado, a menos que tenhamos intenções de aumentar e perpetuar contenções. Especialmente a igreja da Inglaterra está em sua doutrina expressa como a imputação da justiça de Cristo, tanto ativa como passiva, como geralmente se distingue. Isso foi tão plenamente manifestado por seus escritos autênticos, isto é, os artigos da religião, e os livros de homilias e outros escritos publicamente autorizados, - que é completamente desnecessário dar mais demonstração disso. Aqueles que se fingem serem de outra maneira, são de tal maneira que não contenderei; porque com que finalidade é disputar com os homens que negarão que o sol brilhe, quando eles não podem sentir o calor de seus feixes de luz?

A primeira coisa que devemos considerar é o significado dessas palavras, imputar e atribuir; pois, de uma simples declaração simples, aparecerá que várias coisas carregadas em uma suposição da imputação que invocamos são inúteis e infundadas, ou a própria carga é assim. bçæj, a palavra usada pela primeira vez para este propósito, significa pensar, estimar, julgar ou referir algo ou matéria a qualquer um; para imputar ou ser imputado para o bem ou para o mal. Veja Levítico 7:18; 17: 4 e Salmo 106: 31. - "E foi contado, comprovado, imputado a ele por justiça", para julgar ou estimar isso ou aquilo que o bem ou o mal pertencem a ele, para ser dele. A Septuaginta o expressa por logizw e logizomai, como também os escritores do Novo Testamento; e estas são processadas por "reputare, imputare, acceptum ferre, tribuere, assignare, ascribere". Mas há uma significação diferente entre essas palavras: em particular, ser imputado ao justo e ter a justiça imputada, diferem, como causa e efeito; para que qualquer um possa ser considerado justo, isto é, ser julgado ou estimado para ser, - deve haver um fundamento real dessa reputação, ou é um erro, e não um juízo correto; como um homem pode ter a reputação de ser sábio, que é um tolo, ou que tem fama de ser rico, que é um mendigo. Portanto, o que é reputado justo deve ter uma justiça própria, ou outra imputada anteriormente para ele, como o fundamento dessa reputação. Portanto, para imputar a justiça a alguém que não a tem dele próprio, não é para considerá-lo ser justo quando é injusto; mas é comunicar-lhe uma justiça, para que ele seja justamente estimado, julgado ou reputado justo. "Imputare" é uma palavra que a língua latina possui no sentido em que é usada pelos teólogos. Em seu sentido, imputar qualquer coisa a outra é, se for má, cobrar sobre ela, carregar sobre ela. É dito: "Nós imputamos nossas próprias faltas à terra, ou carregamos sobre isso". Se for bom, é atribuir a ele como dele, seja originalmente ou não." Isto é "reputare" corretamente; "Imputare" inclui um ato antecedente a esta contabilidade ou estimar uma coisa para pertencer a qualquer pessoa. Mas onde Como isso pode ser imputado a nós, que é realmente nosso antecedente para essa imputação, a palavra deve ter um duplo sentido, como tem nos casos que os autores latinos já mencionaram. E, - 1. Para imputar-nos o que era realmente nosso antecedente a essa imputação, inclui duas coisas nisso: - (1.) Um reconhecimento ou julgamento de que o bem assim imputado é realmente e verdadeiramente nosso, ou em nós. Aquele que busca a sabedoria ou aprende de qualquer homem, em primeiro lugar, reconhece que ele é sábio ou culto. (2) Um trato com eles de acordo com eles, seja bom ou mal. Então, quando, em julgamento, um homem é absolvido porque ele é encontrado justo; primeiro, ele é julgado e estimado justo, e então tratado como pessoa justa, - sua justiça é imputada a ele. Veja isso exemplificado, em Gênesis 30:33. 2. Agora, para nos imputar o que não é o nosso antecedente para essa imputação, inclui também nisso duas coisas: - (1.) Uma concessão ou doação da própria coisa para nós, para ser nossa, em algum fundamento justo; uma coisa deve ser feita nossa antes que possamos ser tratados de maneira justa de acordo com o que é exigido por conta disso. (2.) A vontade de lidar conosco, ou um tratamento real conosco, de acordo com o que é assim feito nosso; pois, neste assunto de que tratamos, o Deus que é completamente santo e justo não justifica ninguém, isto é, absolve-os do pecado, pronuncia-os justos, e concede-lhes direito e título para a vida eterna, senão sobre a intervenção de uma verdadeira e completa justiça, verdadeiramente e completamente feita a justiça daqueles que devem ser justificados em ordem de natureza antes de sua justificação. Mas essas coisas serão ainda mais esclarecidas por instâncias; e é necessário que eles sejam assim. (1.) Há uma imputação para nós daquilo que é realmente nosso, inerente a nós, realizado por nós, antes dessa imputação, e isso se é mau ou bom. A regra e a natureza são dadas e expressas, Ezequiel 18:20: "A justiça dos justos estará sobre ele, e a perversidade dos ímpios estará sobre ele." Instâncias que temos de ambos os tipos. Primeiro, na imputação do pecado quando a pessoa culpada é julgada e reconhecida como pecadora a ser tratada em conformidade. Esta imputação Simei desaprovou, 2 Samuel 19:19. Ele disse ao rei: "Que o meu Senhor não me impute a iniquidade," - wO [; Ynidoaæ yliAbv; j \ yæAlaæ, a palavra usada na expressão da imputação da justiça, Gênesis 15: 6, "nem se lembre do que o teu servo fez perversamente; porque o teu servo sabe que pecou". Ele era culpado, e reconheceu sua culpa; mas deprecia a imputação dela em tal sentença a respeito dele como seu pecado merecia. Então, Estêvão depreciou a imputação do pecado aos que o apedrejaram, dos quais eles eram realmente culpados, Atos 7:60: "Senhor, não lhes imputes este pecado." - não imputá-los a eles; como, do outro lado, Zacarias, o filho de Joiada, que morreu na mesma causa e o mesmo tipo de morte como Estevão, orou para que os pecados dos que o mataram fossem carregados sobre eles, 2 Crônicas 24:22. Portanto, imputar o pecado é impô-lo à carga de qualquer um, e lidar com eles de acordo com a sua transgressão. Imputar o que é bom a qualquer um, é julgá-lo e reconhecer que é dele conforme o seu respeito à lei de Deus. A "justiça dos justos estará sobre ele". Então, Jacó providenciou que sua "justiça devesse responder por ele", Gênesis 30:33. E nós temos um exemplo disso no trato de Deus com os homens, Salmo 106: 30,31: "Então se levantou Fineias, que executou o juízo; e cessou aquela praga. E isto lhe foi imputado como justiça, de geração em geração, para sempre." Apesar de que parecia que ele não tinha garantia suficiente para o que ele fez, ainda assim Deus, que conhecia o coração dele e a orientação do seu próprio Espírito em que ele estava, aprovou seu ato como justo e deu-lhe uma recompensa testemunhando essa aprovação. Sobre esta imputação deve-se observar que, qualquer que seja nosso antecedente, que é um ato de Deus sobre isso, nunca pode ser imputado a nós para nada mais ou menos do que é realmente por esta imputação que consiste em duas partes, ou duas coisas em concordância: - Primeiro, um julgamento do que é nosso, estar em nós ou pertencer a nós. Em segundo lugar, uma vontade de lidar conosco, ou um tratamento real conosco, de acordo com isso. Portanto, na imputação de qualquer coisa a nós que é nossa, Deus estima que não seja diferente do que é. Ele não estima que seja uma justiça perfeita e que é imperfeita. Portanto, se, como alguns dizem, nossa própria fé e obediência nos são imputados para a justiça, visto que eles são imperfeitos, devem ser imputados a nós por uma justiça imperfeita, e não por aquilo que é perfeito em nós; para que julgamento de Deus que é conforme a verdade esteja nesta imputação. E deve-se observar que essa imputação é um mero ato de justiça, sem qualquer mistura de graça; como o apóstolo declara, Romanos 11: 6. Pois é composto destas duas partes: - Primeiro, um reconhecimento e julgamento que está em nós, que é verdadeiramente assim; em segundo lugar, uma vontade de lidar conosco de acordo com ele: ambos, que são atos de justiça. (2.) A imputação para nós daquilo que não é o nosso antecedente para essa imputação, pelo menos não da mesma maneira que é posterior, também é variável, como para os motivos e as causas em que prossegue. Somente deve-se observar que nenhuma imputação deste tipo é a de contabilizar a quem é imputado qualquer coisa para fazer as próprias coisas que lhes são imputadas. Isso não seria imputar, mas errar no julgamento, e, de fato, completamente para derrubar toda a natureza da imputação graciosa. Mas é para fazer com que isso seja nosso por imputação que não era nosso antes, para todos os fins a que teria servido se tivesse sido nosso sem essa imputação. É, portanto, um erro manifesto próprio que alguns fazem o fundamento de uma acusação sobre a doutrina da imputação. Porque eles dizem: "Se nossos pecados fossem imputados a Cristo, então ele deve ser estimado por ter feito o que fizemos mal, e assim ser o maior pecador que jamais existiu", e do outro lado, "se a sua justiça é imputada a nós, então, somos estimados a ter feito o ele que fez e, portanto, não precisamos do perdão do pecado.". Mas isso é contrário à natureza da imputação, que não procede de tal julgamento; mas, pelo contrário, que nós mesmos não fizemos nada do que nos foi imputado, nem Cristo nada do que lhe foi imputado. (Nota do tradutor: porque a imputação não opera qualquer transformação naquele a quem é feita. Trata-se meramente de uma declaração formal e forense da condição em que somos considerados a ter direito.)

Essa imputação, pode ser: 1. "Ex justitia;" ou, 2. "Ex voluntaria sponsione;" ou, 3. "Ex injuria; ou 4. "Ex gratia;" - tudo o que deve ser exemplificado. Não os coloco tão distintamente, como se eles não tivessem alguma concordância com a mesma imputação, o que eu devo manifestar que eles fazem. 1. As coisas que não são nossas próprias originalmente, pessoalmente, inerentemente, ainda podem ser imputadas a nós "ex justitia", pelo governo da justiça. E isso pode ser feito com uma dupla relação com os que são: - (1.) Federal. (2.) Natural. (1.) As coisas feitas por alguém podem ser imputadas aos outros, "propter relationshipem federalem", - por causa de uma relação de aliança entre eles. Então o pecado de Adão foi e é imputado a toda a sua posteridade; como devemos depois declarar mais plenamente. E o fundamento aqui é que nós ficamos todos na mesma aliança com ele, que era nossa cabeça e representante nele. A corrupção e a depravação da natureza que derivamos de Adão são imputadas a nós com o primeiro tipo, de imputação, ou seja, daquilo que é nosso antes daquela imputação; mas seu pecado real nos é imputado como aquele que se torna nosso nessa imputação; o que antes não era. Por isso, diz o próprio Bellarmine, "Peccatum Adami ita posteris omnibus imputatur, ac si omnes idem peccatum patravissent", De Amiss. Grat., Lib. 4 cap. 10; - "O pecado de Adão é tão imputado a toda a sua posteridade, como se todos tivessem cometido o mesmo pecado". E ele nos dá aqui a verdadeira natureza da imputação, que ele combate ferozmente em seus livros sobre justificação. Porque a imputação desse pecado a nós, como se tivéssemos cometido, o que ele reconhece, inclui tanto uma transcrição desse pecado para nós, quanto um trato conosco como se tivéssemos cometido; que é a doutrina do apóstolo, Romanos 5. (2.) Há uma imputação do pecado aos outros, "ex justitia propter relationshipem naturalem", - por conta de uma relação natural entre eles e aqueles que realmente contraíram a culpa disso. Mas isso é tão somente com respeito a alguns efeitos temporários. Então, falado de Deus sobre os filhos dos israelitas rebeldes no deserto: "e vossos filhos serão pastores no deserto quarenta anos, e levarão sobre si as vossas infidelidades,", Números 14:33; - "Seu pecado será imputado até agora aos seus filhos, por sua relação com você, e seu interesse neles, como eles sofrerão por eles em condições aflitivas no deserto".

E isso foi apenas por causa da relação entre eles; como o mesmo procedimento da justiça divina é frequentemente declarado em outros lugares da Escritura. Então, onde há um devido fundamento, a imputação é um ato de justiça. 2. A imputação pode resultar justamente "ex voluntaria sponsione", quando alguém se compromete livremente e voluntariamente a responder por outro. Um exemplo que ilustra isso, temos na passagem do apóstolo a Filemom em favor de Onésimo, versículo 18, "E, se te fez algum dano, ou te deve alguma coisa, lança-o minha conta." (ej. Ejmoi ejllo> gei) "imputa-o a mim, coloca-o em minha conta.” Ele supõe que Filemom pode ter uma dupla ação contra Onésimo. (1.) "Injuriarum", de erros: Eij de> ti hJdi> khse> se - Se ele tratou injustamente com você, ou por você, se ele te injuriou de modo a se tornar sujeito ao castigo. "(2.)" Damni ", ou de perda: \ H ojfei> lei - "Se ele é um devedor a você", o que o tornou sujeito a pagamento ou restituição.

Nesse estado, o apóstolo se interpõe por meio de um patrocínio voluntário, para agir em favor de Onésimo: "Eu, Paulo, escrevi com minha própria mão", jEgw <ajpoti> sw apotisoo - "Eu, Paulo, responderei pelo todo". E isso ele fez pela transcrição de ambos os débitos de Onésimo para si mesmo; pois o crime era da natureza que poderia ser castigado, não sendo capital. E a sua imputação foi feita apenas pelo seu compromisso voluntário com eles. "Conta-me", diz ele, "com o a pessoa que fez essas coisas; e farei satisfação, para que nada seja cobrado a Onésimo." Então Judá se comprometeu voluntariamente com Jacó para a segurança de Benjamim, e se obrigou à culpa perpétua em caso de falha, Gênesis 43: 9, "Eu serei fiador por ele; da minha mão o requererás. Se eu to não trouxer, e o não puser diante de ti, serei réu de crime para contigo para sempre." “Eu vou pecar", ou "ser sempre pecador diante de ti", sendo culpado. Então ele se expressa novamente a José, capítulo 44:32. Parece que esta é a natureza e o ofício de uma fiança, de uma garantia; o que ele se compromete é justamente necessário em sua mão, como se ele estivesse originalmente e pessoalmente preocupado com isso. E esse patrocínio voluntário foi um fundamento da imputação de nossos pecados a Cristo. Ele tomou sobre ele a pessoa de toda a igreja que pecou, ​​para responder pelo que fizeram contra Deus e a lei. Daí que a imputação foi "fundamentaliter ex compacto, ex voluntaria sponsione"; - teve sua base no seu compromisso voluntário. Mas, em suposição, era realmente "ex justitia", sendo justo que ele deveria responder por isso e fazer o bem que ele havia empreendido, porque a glória da justiça e da santidade de Deus é muito envolvido aqui. 3. Há uma imputação "ex injuria", quando isso é imposto à acusação de qualquer parte de que ele não é culpado; então, Bate-Seba diz a Davi: "Doutro modo sucederá que, quando o rei meu senhor dormir com seus pais, eu e Salomão meu filho seremos tidos por ofensores." (pecadores), 1 Reis 1:21; - "serão tratados como infratores, como pessoas culpadas; o pecado nos foi imputado, por uma pretensão ou outra, para a nossa destruição. Nós devemos ser pecadores, ser estimados assim, e ser tratados de acordo." E podemos ver que, na frase da Escritura, a denominação dos pecadores segue a imputação, bem como a adesão do pecado; que dará luz à afirmação do apóstolo: "Ele foi feito pecado por nós", 2 Coríntios 5:21. Esse tipo de imputação não tem lugar no julgamento de Deus. Está longe dele que os justos sejam como os ímpios. 4. Existe uma imputação "ex mera gratia", de mera graça e favor. E isto é, quando o que antecedentemente desta imputação não era nosso, não inerente a nós, não realizado por nós, à qual não tivemos direito, é concedido a nós, feito nosso, de modo que somos julgados tratados de acordo com isso. Esta é essa imputação, em ambos os ramos, negativa na não imputação do pecado, e positiva na imputação da justiça, que o apóstolo tão veementemente invoca, e frequentemente afirma, Romanos 4; pois ambos afirmam a coisa em si, e declara que é de mera graça, sem respeito a qualquer coisa dentro de nós mesmos. E se esse tipo de imputação não pode ser totalmente exemplificado em qualquer outra instância, mas somente nisso em que tratamos, é porque o fundamento disso, na mediação de Cristo, é singular e o que não há nada paralelo em nenhum outro caso entre homens.

A partir do que foi discursado sobre a natureza e os motivos da imputação, várias coisas são evidenciadas, que contribuem com muita luz para a verdade que invocamos, pelo menos para o entendimento correto e a afirmação do assunto em discussão. Como, - 1. A diferença é clara entre a imputação de qualquer obra própria e a imputação da justiça da fé sem obras.

Para a imputação de obras para nós, sejam elas o que forem, seja fé em si mesmo como uma obra de obediência em nós, é a imputação daquilo que antes era essa imputação; mas a imputação da justiça da fé, ou a justiça de Deus que é pela fé, é a imputação daquilo que é feito nosso em virtude dessa imputação. E estas duas imputações diferem em todo o seu tipo. Aquela que é um julgamento do que esteja em nós, o que de fato é assim, e é nosso antes que esse julgamento seja aprovado a respeito disso; a outra é uma comunicação disso para nós que antes não era nosso. E ninguém pode entender o discurso do apóstolo, isto é, ele não consegue entender nada disso - se ele não reconhece que a justiça de que ele trata é feita nossa por imputação, e não foi nossa antes disso. 2. A imputação das obras, do que quer que sejam, da fé como obra e de toda a obediência da fé, é "ex justitia" e não "ex gratia", de certo e não de graça. No entanto, a fé em nós e a obediência em nós, pode ser de graça, mas a imputação a nós, como em nós e como nosso, é um ato de justiça; porque essa imputação, como foi demonstrado, não é senão um julgamento que tais e tais coisas estão em nós, ou são nossas, que verdadeiramente e realmente são assim, com um tratamento de nós de acordo com elas. Este é um ato de justiça, como aparece na descrição dada dessa imputação; mas a imputação da justiça, mencionada pelo apóstolo, é "ex mera gratia", de mera graça, como ele declara completamente, - dwreariti aujtou. E, além disso, ele declara que esses dois tipos de imputação são inconsistentes e não são capazes de qualquer composição, de modo que qualquer coisa deva ser em parte daquele, e em parte do outro, Romanos 11: 6, "Mas se é pela graça, já não é pelas obras; de outra maneira, a graça já não é graça." Esta é uma imputação "ex justitia", de obras; e assim o que é de mera graça as obras não podem ter lugar. Assim, a imputação a nós do que está em nós é exclusiva da graça, no sentido do apóstolo. 3. Aqui, ambos os tipos de imputação concordam, isto é, na medida em que o que nos é imputado, é imputado pelo que é, e não pelo que não é. Se for uma justiça perfeita que nos é imputada, então é estimado e julgado ser; e, portanto, devemos ser tratados, mesmo como aqueles que têm uma justiça perfeita; e se o que é imputado como justiça a nós fosse imperfeito, então, como tal, deve ser julgado quando é imputado; e devemos ser tratados como aqueles que têm uma justiça imperfeita, e não de outra forma. E, portanto, enquanto a nossa justiça inerente é imperfeita, se isso nos fosse imputado, não podemos ser aceitos por conta disso como perfeitamente justos, sem um erro de julgamento. 4. Portanto, a verdadeira natureza dessa imputação que invocamos (que tantos não podem ou não entendem) é manifesta, e que tanto negativa quanto positivamente; porque, - (1.) Negativamente. Primeiro, não é um julgamento ou estima que são justos, aqueles que de verdade e realmente não são assim. Tal julgamento não é redutível em nenhum dos motivos de imputação antes mencionados. Em segundo lugar, não é uma pronúncia ou declaração nua de qualquer um ser justo, sem um fundamento justo e suficiente para o julgamento de Deus declarado nele. Deus não declara que nenhum homem seja justo, senão aquele que é assim, em toda a questão de como é que ele vem a ser assim. Em terceiro lugar, não é a transmissão ou a transfusão da justiça de outro nos que devem ser justificados, para que eles se tornem perfeitos e inerentemente justos por isso; pois é impossível que a justiça de alguém seja transfundida para outra, para se tornar subjetivamente e inerentemente; mas é um grande erro, por outro lado, dizer que, portanto, a justiça de alguém não pode ser feita a justiça de outro; que é negar toda a imputação. Portanto, - (2.) Positivamente. Esta imputação é um ato de Deus "ex mera gratia", de seu mero amor e graça; segundo o qual, na consideração da mediação de Cristo, ele faz uma concessão efetiva e uma doação de uma justiça verdadeira, real e perfeita, mesmo a de Cristo para todos os que creem; e contabilizando como deles, em seu próprio ato gracioso, por ambos os absolve do pecado e lhes concede direito e título para a vida eterna. Por isso, - 5. Nesta imputação, a própria coisa é primeiramente imputada a nós, e não qualquer dos efeitos disso, mas eles são feitos nossos em virtude dessa imputação. Digamos que a justiça de Cristo, isto é, sua obediência e sofrimentos, - são imputados a nós apenas quanto aos seus efeitos, é dizer que temos o benefício deles, e não mais; mas a própria imputação é negada.

Que a justiça de Cristo nos é imputada quanto aos seus efeitos, tem esse sentido são nela, ou seja, que os seus efeitos são feitos nos nossos motivos por essa imputação. É tão imputado, tão comprovado para nós de Deus, como ele realmente nos comunica todos os efeitos. Mas dizer que a justiça de Cristo não é imputada a nós, mas apenas seus efeito, é realmente derrubar toda imputação; pois (como veremos) os efeitos da justiça de Cristo não podem ser ditos adequadamente para nos serem imputados; e se a própria justiça não é assim, a imputação não tem lugar aqui, nem pode ser entendido por que o apóstolo deve tão frequentemente afirmá-lo como ele faz, Romanos 4.

Tudo o que pretendemos demonstrar é apenas que a justiça do próprio Cristo é imputada a nós, ou não há imputação na questão da nossa justificação; que, seja ou não, é outra questão, depois a ser falada. Pois, como foi dito, os efeitos da justiça de Cristo não podem ser ditos adequadamente para nos serem imputados mas que são consequência da justificação. Por exemplo, o perdão do pecado é um grande efeito da justiça de Cristo. Os nossos pecados são perdoados na sua conta. Deus por amor de si mesmo, nos perdoa todos os nossos pecados. Mas não se pode dizer que o perdão do pecado seja imputado a nós, nem é assim. A adoção, a justificação, a paz com Deus, toda graça e glória, são efeitos da justiça de Cristo; mas que essas coisas não são imputadas a nós, nem podem ser assim, é evidente por sua natureza. Mas somos feitos participantes de todos eles em consideração à imputação da justiça de Cristo a nós, e não de outra forma.

Capítulo 8.

Imputação dos Pecados da Igreja a Cristo - Fundamentos disso - A Natureza da sua Segurança - Causas Da Nova Aliança - Cristo e a Igreja uma Pessoa Mística – Consequências disso

Os que acreditam na imputação da justiça de Cristo aos crentes, para a justificação da vida, também professam unanimemente que os pecados de todos os crentes foram imputados a Cristo. E isso eles fazem em muitos testemunhos da Escritura testemunhando diretamente disso; alguns dos quais serão vindicados depois. No momento, estamos apenas na consideração da noção geral dessas coisas, e a declaração da natureza do que será provado depois. E, em primeiro lugar, devemos investigar o fundamento desta dispensação de Deus, e a equidade dela, ou os motivos em que é realizada; sem uma compreensão de que a coisa em si não pode ser bem apreendida. O principal fundamento disso é: - que Cristo e a igreja, neste desígnio, eram uma pessoa mística; em que estado eles realmente se juntam, através da eficácia do Espírito Santo. Ele é a cabeça, e os crentes são os membros dessa única pessoa, como o apóstolo declara, 1 Coríntios 12: 12,13. Por isso, como ele fez foi imputado a eles, como se fosse feito por eles; então o que eles mereciam por conta do pecado foi carregado sobre ele. "Ouvimos a voz do corpo da boca da cabeça. A igreja sofreu nele quando sofreu pela igreja; como ele sofre na igreja quando a igreja sofre por ele. Porque como ouvimos a voz da igreja em Cristo sofrendo: “Meu Deus, meu Deus, por que me desamparaste?", então ouvimos a voz de Cristo na igreja sofredora "Saulo, Saulo, por que me persegues?" Mas podemos ainda olhar um pouco para trás e mais longe no sentido da igreja antiga aqui. Irineu, disse: "A alma do primeiro Adão era a alma de Cristo, é carregada sobre ele". E Cipriano, Epist. 62, sobre a administração do sacramento da eucaristia, "Nos omnes portabat Christus; qui et peccata nostra portabet "; - "Ele nos deu a luz", ou sofreu em nossa pessoa, "quando ele descobriu nossos pecados". Atanásio afirma: "Nós sofremos nele." Eusébio fala muitas coisas para este propósito, Demonstrate.Evangeli. lib. 10 cap. 1. Explicando as palavras do salmista: "Cura a minha alma, pois eu pequei contra ti", e aplicando-as a nosso Salvador em seus sofrimentos, ele diz assim, "Porque ele tomou nossos pecados para si mesmo", comunicou nossos pecados para si mesmo, tornando-os seus próprios.

Assim, portanto, ele fala: "Como, então, ele fez nossos pecados serem seus, e como ele suportou nossas iniquidades? Não é daí que se diz que é seu corpo? como o apóstolo fala: "Você é o corpo de Cristo, e membros um do outro". E, quando um membro sofre, todos os membros sofrem; de modo que os muitos membros que pecam e sofrem, ele, de acordo com as leis da simpatia no mesmo corpo (vendo que, sendo a Palavra de Deus, tomaria a forma de um servo e se uniria à habitação comum de todos nós da mesma natureza), tomou as dores ou o trabalho dos membros sofredores sobre ele e fez todas as suas enfermidades próprias; e, de acordo com as leis da humanidade (no mesmo corpo), nossa tristeza e trabalho para nós. E o Cordeiro de Deus não só fez essas coisas para nós, mas sofreu tormentos e foi castigado por nós; ao que ele não estava de nenhum modo exposto por si mesmo, mas nós fomos assim pela multidão de nossos pecados; e, assim, ele se tornou a causa do perdão de nossos pecados - ou seja, porque ele sofreu a morte, os açoites, as censuras, traduzindo a coisa que devemos ter merecido para si mesmo, e foi feito uma maldição para nós, levando consigo mesmo a maldição que nos foi devida; para o que ele era (um substituto para nós) um preço de redenção para nossas almas. Em nossa pessoa, portanto, o oráculo fala: enquanto se unindo livremente a nós, e a nós mesmos, e fazendo nossos (pecados seus): "Eu disse: Senhor, seja misericordioso comigo; cure minha alma, porque eu pequei contra ti." Para que nossos pecados fossem transferidos para Cristo e se fizessem seus, que sobre ele sofreu o castigo que nos era devido, e que o fundamento de onde, para a sua equidade, é resolvido, é a união entre ele e nós, é totalmente declarada neste discurso. Então diz o errado e patético autor das Homilias em Mateus 5, nas obras de Crisóstomo, hom. 54, "In carne sua omemem carnem suscepti, crucifixus, omnem carnem crucifixit em si". Ele fala da igreja. Então eles falam com frequência, que "ele nos deu a luz", que "ele nos levou com ele na cruz", que "nós fomos todos crucificados nele", como, "Não é salvo pela cruz de Cristo, aquele que não é crucificado em Cristo." Isto, então, digo, é o fundamento da imputação dos pecados da igreja a Cristo, isto é, que ele e é uma pessoa; ps motivos dos quais devemos indagar. Mas, além disso, diversos discursos, e várias pesquisas são feitas, - o que é uma pessoa? Em que sentido, e em quantos sentidos, essa palavra pode ser usada? Qual é a verdadeira noção disso? O que é uma pessoa natural? Qual é a pessoa legal, civil ou política? Na explicação do que alguns cometeram erros. E se devemos entrar neste campo, não precisamos temer suficiente debate e altercação. Mas devo dizer que essas coisas não pertencem à nossa ocasião presente; nem para ilustrar a união de Cristo e a igreja, que seria obscurecida por eles. Porque Cristo e os crentes não são nem uma pessoa natural, nem uma pessoa jurídica ou política, nem qualquer pessoa que as leis, costumes ou usos dos homens conheçam ou permitam. Eles são uma pessoa mística; do que, embora possa haver algumas semelhanças imperfeitas encontradas em uniões naturais ou políticas, mas a união de onde essa denominação é tomada entre ele e nós é dessa natureza, e surge de tais razões e causas, uma vez que nenhuma união pessoal entre os homens (ou a união de muitas pessoas) tem algum interesse. E, portanto, quanto à sua representação para nossos fracos entendimentos, incapazes de compreender a profundidade dos mistérios celestiais, é comparada a uniões de diversos tipos e naturezas. Assim é representado pelo homem e pela esposa; não quanto às afeições mútuas que lhes dão apenas uma união moral, mas da extração da primeira mulher da carne e do osso do primeiro homem e da instituição de Deus para a sociedade individual da vida sobre ela. Disto o apóstolo fala em geral, em Efésios 5: 25-32: de onde conclui, que da união assim representada: "Somos membros de seu corpo, de sua carne e de seus ossos", versículo 30; ou ter uma relação tal com ele quanto Eva tinha com Adão, quando ela foi feita de sua carne e osso, e assim era uma carne com ele. Então, também, é comparado com a união da cabeça e membros do mesmo corpo natural, 1 Coríntios 12:12; e também a uma união política, entre uma decisão ou um chefe político e seus membros políticos; mas nunca exclusivamente para a união de uma cabeça natural e seus membros compreendidos na mesma expressão, Efésios 4:15; Colossenses 2:19. E também a diversas coisas na natureza, como uma videira e seus galhos, João 15: 1,2. E é declarado pela relação que estava entre Adão e sua posteridade, pela instituição de Deus e a lei da criação, Romanos 5:12, etc. E o Espírito Santo, ao representar a união que existe entre Cristo e os crentes por essa variedade de semelhanças, em coisas que concordam apenas na noção comum ou geral de união, em vários fundamentos, manifestava suficientemente que não é nem pode ser reduzido a qualquer um deles. E isso ainda será tornado mais evidente pela consideração das causas e os motivos em que é realizado. Mas considerando que exigiria muito tempo e diligência para lidar com eles em geral, que a menção deles aqui, sendo ocasional, não admitirei, só devo me referir brevemente aos principais deles: 1. A primeira fonte ou causa dessa união e de todas as outras causas disso, reside naquele conselho eterno que estava entre o Pai e o Filho no que se refere à restauração e salvação da humanidade caída. Aqui, entre outras coisas, como os seus efeitos, a concepção da nossa natureza (o fundamento desta união) foi feita. A natureza e os termos deste conselho e acordo, eu declaro em outro lugar; e, portanto, não devo voltar a insistir nele. Mas a relação entre Cristo e a igreja, procedente daí, e sendo assim um efeito de sabedoria infinita, no conselho do Pai e do Filho, para ser efetiva pelo Espírito Santo, deve ser distinguida de todos os outras uniões ou relações, independentemente de . 2. O Senhor Jesus Cristo, como a natureza que ele deveria assumir, foi aqui predestinado à graça e à glória. Ele foi "predestinado", "antes da fundação do mundo", 1 Pedro 1:20; isto é, ele era assim, como para o seu ofício, para toda a graça e glória exigida, e consequente sobre isso. Toda a graça e a glória da natureza humana de Cristo foi um efeito de preordenação divina gratuita. Deus escolheu desde toda a eternidade para a participação de tudo o que seria recebido no tempo. A nenhuma outra causa a gloriosa exaltação da parte da nossa natureza pode ser atribuída. 3. Esta graça e glória a que ele foi preordenado era dupla: (1.) O que era peculiar a si mesmo; (2) O que foi comunicado, por e através dele, à igreja. (1.) Do primeiro tipo foi a graça da união pessoal; esse único efeito da sabedoria divina (de que não há sombra nem semelhança em nenhuma outra obra de Deus, seja da criação, da providência ou da graça), que sua natureza foi preenchida: "Cheio de graça e verdade". E todo a sua glória pessoal, poder, autoridade e majestade como mediador, em sua exaltação à direita de Deus, que é expressivo de todos eles, pertencem aqui. Estas coisas eram peculiares para ele, e todos os efeitos de sua eterna predestinação. Mas, - (2.) Ele não estava assim predestinado absolutamente, mas também com respeito a essa graça e glória que, nele e por ele, deveria ser comunicada à igreja. E ele era assim, - [1.] Como o padrão e causa exemplar de nossa predestinação; porque somos "predestinados a ser conformes à imagem do Filho de Deus, para que ele seja o primogênito entre muitos irmãos", Romanos 8:29. Por isso, ele deve "mudar o nosso corpo vil, para que seja feito como seu corpo glorioso", Filipenses 3:21; para que quando ele aparecer, possamos ser todos como ele, 1 João 3: 2. [2.] Como meio e causa de comunicar-nos toda graça e glória; Pois somos "abençoados com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestes em Cristo; como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; e nos predestinou para sermos filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade.", Efésios 1: 3-5. Ele foi projetado como a única causa de busca de todas as bênçãos espirituais nas coisas celestiais para aqueles que são escolhidos nele. Portanto, - [3.] Ele foi predestinado como a cabeça da igreja; sendo o desígnio de Deus reunir todas as coisas em uma cabeça nele, Efésios 1:10. [4.] Todos os eleitos de Deus eram, em seu propósito eterno e desígnio, e na aliança eterna entre o Pai e o Filho, cometidos a ele, serem libertados do pecado, da lei e da morte, e ser trazidos para o gozo de Deus: "Eram teus, e tu mos deste; e guardaram a tua palavra.", João 17: 6. Daí foi o amor dele aos que amava, e se entregou por eles, antes de qualquer bem ou amor neles, Efésios 5: 25,26; Gálatas 2:20; Apocalipse 1: 5,6. [5.] Na perseguição desse desígnio de Deus, e na realização da aliança eterna, na plenitude dos tempos ele tomou sobre si a nossa natureza, ou levou a subsistência pessoal consigo mesmo. A relação especial que se seguiu entre ele e os filhos eleitos, o apóstolo declara em geral, Hebreus 2: 10-17. [6.] Nestes fundamentos, ele comprometeu-se a garantir a nova aliança, Hebreus 7:22, "Jesus foi o fiador de um melhor testamento". Somente isso, de todas as considerações fundamentais da imputação de nossos pecados a Cristo, eu devo insistir, com o propósito de evitar ou remover alguns erros sobre a natureza de sua segurança e o respeito ao pacto de que ele era a garantia. A palavra "egguov" não é encontrada em nenhuma parte na Escritura, senão apenas neste lugar; mas a vantagem que alguns fariam a partir daí, a saber, que ser apenas um lugar em que o Senhor Jesus Cristo é chamado de fiador (garantia), não é de muita força, ou muito a ser insistido, - é tanto irracional quanto absurdo; porque, - 1º. Este lugar é de revelação divina; e, portanto, é da mesma autoridade com vinte depoimentos com o mesmo propósito. Um testemunho divino torna a nossa fé não menos necessária, nem tampouco é impedido de ser enganado do que cem. 2º. A significação da palavra é conhecida pelo uso dela, e o que ela significa entre os homens; de modo que nenhuma questão pode ser feita de seu sentido e importância, embora seja uma vez usada: e isso, em qualquer ocasião, elimina a dificuldade e o perigo. 3º. A própria coisa pretendida é tão plenamente declarada pelo apóstolo neste lugar, e tão abundantemente ensinada em outros lugares da Escritura, que o uso único desta palavra pode adicionar luz, mas não pode prejudicar isso. Qualquer coisa pode ser falada da significação da palavra egguov, que dará luz ao seu significado. A "palma da mão"; daí é egguov, ou eijv to gualon, - "entregar na mão". Por isso, ser uma garantia é interpretada apertando a mão, Provérbios 6: 1, "Filho meu, se ficaste por fiador do teu próximo, se apertaste a mão de um estranho." Então, temos também Provérbios 17:18; 20:16; Neemias 5: 3 em que a palavra bræ; cujo significado original é misturar, ou uma mistura de qualquer coisa ou pessoa; e daí, a partir da conjunção e mistura há uma garantia e aquele para quem ele é uma fiança, pela qual eles se juntam em uma pessoa, como para os fins desse fato, é usado para garantir ou dar garantia.

Aquele que, por sua própria iniciativa, se compromete voluntariamente por outro, em que fundamentos, razões ou considerações o que faz, é a sua garantia. E isso, o Senhor Jesus Cristo fez em favor da igreja; porque quando foi dito: "Sacrifícios e ofertas não quiseste... não te deleitaste em holocaustos e oblações pelo pecado.” "Eis que eu venho fazer a tua vontade, ó Deus", Hebreus 10: 5,7. Ele voluntariamente, por sua abundante bondade e amor, tomou sobre ele para fazer expiação por nós; em que ele era nossa garantia. E, consequentemente, este compromisso é atribuído ao amor que ele exerceu aqui, Gálatas 2:20; 1 João 3:16; Apocalipse 1: 5. E ali também havia isso que ele tomou sobre ele a nossa natureza ou a semente de Abraão; em que ele era nossa garantia. Para que, apesar de não poder, nem pudéssemos nomeá-lo para ser assim, ele o fez por nós como se o tivéssemos projetado para o seu trabalho, quanto ao verdadeiro motivo de sua garantia. Por isso, apesar das transações antecedentes que estavam entre o Pai e ele nesta matéria, foi o envolvimento voluntário de si mesmo a nossa garantia, e ele tomou a nossa natureza sobre si para esse fim.

O apóstolo já havia declarado em grande parte quem e o que era a garantia de Deus nesta matéria da aliança e como era impossível que ele tivesse algum outro. E este estava sozinho, interpondo-se por seu juramento; pois, nesta causa, "porque ele não poderia jurar por nada maior, ele jurou por si mesmo", Hebreus 6: 13,14. Portanto, se Deus daria qualquer outra garantia além de si mesmo, deveria ser uma maior que ele. Assim sendo impossível, ele apenas jura sozinho. Muitas maneiras que ele pode e usa para declarar e testemunhar sua verdade para nós, para que possamos conhecer e acreditar que seja sua palavra; e assim o Senhor Jesus Cristo na sua ministração era o testemunho principal da verdade de Deus. Mas outra garantia ele não pode ter nenhuma. E, portanto, - 4. Quando ele nos faria nesta matéria, não somente que houvesse a garantia da fé em relação às suas promessas, mas também a uma forte consolação nele, resolve-se totalmente na imutabilidade de seu conselho, declarando por sua promessa e juramento, capítulo 6: 18,19. 5. Nós, em todas as contas, precisamos de uma garantia para nós, ou em nosso favor. Nem, sem a interposição de tal garantia, qualquer aliança entre Deus e nós seria firme e estável, ou uma aliança eterna, ordenada em todas as coisas, e com certeza. Na primeira aliança feita com Adão, não havia garantia, mas Deus e os homens eram as partes imediatas da aliança; e embora estivéssemos em estado e condição capazes de executar e responder a todos os termos da aliança, ainda assim foi quebrada e desativada. Se isso acontecesse pelo fracasso da promessa de Deus, era necessário que, ao fazer uma nova aliança, ele devesse ter certeza de empreender para ele, para que a aliança fosse estável e eterna; mas isso é falso e blasfemo para se imaginar. Foi o homem sozinho que falhou e quebrou essa aliança: por isso, era necessário que, ao fazer a nova aliança, e com um desígnio e propósito que nunca deveria ser desativado, como foi a primeira, devemos ter garantia – um fiador para nós; pois se essa primeira aliança não fosse firme e estável, porque não havia nenhuma garantia a assumir para nós, apesar de toda a habilidade que tivemos para responder aos termos dela, quanto menos pode ser outra, agora (isso) nossa natureza que se tornou depravada e pecadora! Por isso, nós somos capazes de uma garantia, propriamente assim chamada, para nós; nós só precisamos dele; e sem ele a aliança não poderia ser firme e inviolável da nossa parte. A garantia, portanto, desta aliança, está assim com Deus para nós. 6. É o sacerdócio de Cristo que o apóstolo trata neste lugar, e só isso: por isso, ele é uma garantia como ele é sacerdote e naquele cargo; e, portanto, é assim com Deus em nosso nome.

Nosso Senhor, como nosso fiador: - Primeiro, Ele responde por nossas transgressões contra a primeira aliança; em segundo lugar, sua compra e aquisição da graça na nova: "ele foi feito uma maldição para nós... para que a benção de Abraão pudesse vir sobre nós.". Gálatas 3: 13-15. (1.) Ele assumiu, como a garantia da aliança, responder por todos os pecados daqueles que devem ser e são feitos participantes dos benefícios disso; - isto é, sofrer o castigo devido aos seus pecados; para fazer expiação por eles, oferecendo-se num sacrifício propiciatório para a expiação de seus pecados, redimindo-os, pelo preço de seu sangue, de seu estado de miséria e escravidão sob a lei, e a maldição dela, Isaías 53: 4-6 , 10; Mateus 20:28; 1 Timóteo 2: 6; 1 Coríntios 6:20; Romanos 3: 25,26; Hebreus 10: 5-8; Romanos 8: 2,3; 2 Coríntios 5: 19-21; Gálatas 3:13: e isso era absolutamente necessário, para que a graça e a glória preparadas na aliança nos fossem comunicadas. Sem a sua realização, a justiça e a fidelidade de Deus não permitiriam que os pecadores - como apostastados dele, desprezando a sua autoridade e se rebelando contra ele, caindo sob a maldição da lei, - devessem ser novamente recebidos em seu favor, e feitos participantes da graça e da glória; por isso, o Senhor Jesus Cristo tomou sobre si mesmo, ser a garantia da aliança. (2) Que aqueles que foram levados a esta aliança devem receber graça, permitindo-lhes cumprir os termos, cumprir as suas condições e produzir a obediência que Deus exigiu nela; pois, pela ordenação de Deus, ele procuraria, e mereceria e procuraria para eles, o Espírito Santo e todos os suprimentos necessários de graça, para torná-los criaturas novas e permitir que eles obtivessem obediência a Deus de um novo princípio da vida espiritual, e que fielmente até o fim: assim fosse ele a garantia deste melhor testamento.

Para clarear a verdade aqui, devemos considerar as várias noções e causas da nova aliança, com o verdadeiro e real respeito pela morte de Cristo a esse respeito. E é várias vezes representado para nós: - [1.] Na designação e preparação de seus termos e benefícios no conselho de Deus. E isso, embora tenha a natureza de um decreto eterno, ainda não é o mesmo com o decreto de eleição, como alguns supõem: pois isso respeita adequadamente aos assuntos ou pessoas para quem a graça e a glória são preparadas; isto, a preparação dessa graça e glória quanto ao modo e maneira de sua comunicação. Alguns homens sábios julgam que esse conselho e propósito da vontade de Deus para dar graça e glória em Jesus Cristo aos eleitos, no caminho e, por meio dele preparado, é formalmente a aliança da graça, ou pelo menos que a substância da aliança está incluída nele; mas é certo que é necessário mais para completar toda a natureza de uma aliança. Nem este propósito ou conselho de Deus chamou a aliança na Escritura, mas apenas é proposto como a fonte dela, Efésios 1: 3-12. Para a exemplificação completa da aliança da graça, é necessária a declaração deste conselho da vontade de Deus, acompanhada dos meios e poderes de sua realização, e da prescrição do meio em que nos interessamos, e nos fizemos participantes dos benefícios disso: mas no inquérito após a causa provadora da nova aliança, é a primeira coisa que deve ser considerada; pois nada pode ser a causa provadora da aliança que não é tão desta fonte dela, dessa ideia na mente de Deus, da preparação de seus termos e benefícios. Mas isso não é em nenhuma parte da Escritura afirmado para ser o efeito da morte ou mediação de Cristo; e atribuí-lo a isso é derrubar toda a liberdade de graça e amor eternos. Nem qualquer coisa que seja absolutamente eterna, como é este decreto e conselho de Deus, é o efeito ou a aquisição de qualquer coisa que seja externa e temporal. [2.] Pode ser considerado com respeito às transações federais entre o Pai e o Filho, a respeito da realização deste conselho de sua vontade. O que estes foram, onde eles consistiram, eu declaro em geral, Exercitat., Vol. 2. Nem eu chamo isso de aliança de graça absolutamente; nem é assim chamado na Escritura. Mas, no entanto, alguns não distinguirão entre a aliança do mediador e a aliança da graça, porque as promessas da aliança são absolutamente referidas a Cristo, Gálatas 3:16; e ele é o primeiro detentor, ou primeiro sujeito de toda a graça disso. Mas na aliança do mediador, Cristo está sozinho para si mesmo, e compromete-se sozinho, e não como representante da igreja; mas ele está na aliança da graça. Mas é isso que tem seu estabelecimento projetado, como a todos os caminhos, meios e fins de sua realização; e todas as coisas estão tão dispostas que podem ser eficazes, para a glória eterna da sabedoria, da graça, da justiça e do poder de Deus. Portanto, a aliança de graça não poderia ser adquirida por nenhum meio ou causa, mas aquilo que foi a causa dessa aliança do mediador, ou de Deus Pai com o Filho, como empreendeu o trabalho de mediação. E, como isso não está atribuído à morte de Cristo na Escritura, para afirmar que é contrário a toda razão e entendimento espiritual. Quem pode conceber que Cristo pela sua morte deve buscar o acordo entre Deus e ele de que ele deveria morrer? [3.] Com respeito à declaração dele por revelação especial. Isso podemos chamar de a criação de Deus, se quisermos; apesar de fazer a aliança na Escritura ser aplicado principalmente, se não só, a sua execução ou aplicação real às pessoas, 2 Samuel 23: 5; Jeremias 32:40. Esta declaração da graça de Deus e a provisão na aliança do mediador para torná-la eficaz para a sua glória, geralmente é chamada de aliança de graça. E isso é duplo: primeiro. No caminho de uma promessa singular e absoluta: assim foi declarado primeiro e estabelecido com Adão, e depois com Abraão. A promessa é a declaração do propósito de Deus antes da declaração, ou a determinação livre e conselho de sua vontade, quanto ao seu lidar com os pecadores sobre a suposição da queda e a perda de seu primeiro estado da aliança. A graça e a vontade de Deus foram a única causa, Hebreus 8: 8. E a morte de Cristo poderia não ser o meio de sua aquisição; pois ele mesmo, e tudo o que ele deveria fazer por nós, era a substância dessa promessa. E esta promessa - como é declarativo do propósito ou conselho da vontade de Deus para a comunicação da graça e da glória aos pecadores, na e pela mediação de Cristo, de acordo com os caminhos e os termos preparados e dispostos na sua sabedoria e prazer soberanos, - é formalmente a nova aliança; ainda que algo ainda seja adicionado para completar sua aplicação para nós. Agora, a substância da primeira promessa, em que toda a aliança de graça foi praticamente composta, diretamente respeitada e expressou sua entrega pela recuperação da humanidade do pecado e da miséria por sua morte, Gênesis 3:15. Portanto, se ele e todos os benefícios da sua mediação, a sua morte e todos os seus efeitos, estão contidos na promessa da aliança, isto é, na própria aliança, então não foi sua morte a causa provadora dessa aliança, nem a ela a devemos. 2º. Na prescrição adicional do caminho e meio pelo qual é a vontade de Deus que devemos entrar em um estado da aliança com ele, ou estar interessado nos benefícios disso. Este ser virtualmente compreendido na promessa absoluta (para cada promessa de Deus exige tacitamente fé e obediência em nós), é expressado em outros lugares por meio da condição exigida por nossa parte. Esta não é a aliança, mas a constituição dos termos da nossa parte, sobre a qual somos feitos participantes. Nem a constituição destes termos é o efeito da morte de Cristo, nem é obtida por ela; é um mero efeito da graça soberana e da sabedoria de Deus. As próprias coisas, tal como nos foram concedidas, comunicadas a nós, operadas em graça, em nós, todas elas são efeitos da morte de Cristo; mas a constituição dos termos e condições da aliança, é um ato de mera sabedoria e graça soberana. "Deus amou o mundo de tal maneira que enviou seu Filho unigênito para morrer", não que fé e arrependimento possam ser o meio da salvação, mas para que todos os seus eleitos possam crer, e que todos os que creem "não pereçam, mas tenham vida eterna". Contudo, é concedido que a constituição destes termos da aliança respeitem à transação federal entre o Pai e o Filho, onde foram ordenados ao louvor da glória da graça de Deus; e assim, embora sua constituição não fosse a aquisição de sua morte, ainda que sem ela, não teria sido. Portanto, a única causa de Deus fazer a nova aliança foi a mesma de dar o próprio Cristo para ser nosso mediador, isto é, o propósito, o conselho, a bondade, a graça e o amor de Deus, como está em toda parte expressado na Escritura. [4.] A aliança pode ser considerada como a aplicação real da graça, benefícios e privilégios da mesma para qualquer pessoa individual, por meio da qual são feitos participantes reais deles ou são levados a uma aliança com Deus; e isso sozinho, na Escritura, é pretendido por Deus fazer uma aliança com qualquer um. Não é uma revelação geral, ou declaração dos termos e da natureza da aliança (que alguns chamam de uma aliança condicional universal, em que fundamentos eles conhecem melhor, ver a natureza muito formal de fazer uma aliança com qualquer um inclui a aceitação real e a participação dos benefícios dela por eles), mas uma comunicação da graça dela, acompanhada de uma prescrição de obediência, que é Deus fazendo sua aliança com qualquer um; como todos os casos disso na Escritura declaram. Pode ser, portanto, indagado: qual é a relação da aliança da graça com a morte de Cristo, ou qual influência ela tem nela? Respondo, supondo o que se fala de ser ele a garantia, tem um triplo respeito a isso: - 1º. Na medida em que a aliança, como a graça e a glória dele, foram preparadas no conselho de Deus, como os termos dele foram consertados na aliança do mediador, e como foi declarado na promessa, foi confirmado, ratificado e feito. irrevogável. Nisto o apóstolo insiste em grande parte, Hebreus 9: 15-20; e ele compara seu sangue, na sua morte e sacrifício de si mesmo, aos sacrifícios e ao seu sangue pelo qual a antiga aliança foi confirmada, purificada, dedicada ou estabelecida, versículos 18,19. Agora, esses sacrifícios não procuraram essa aliança, nem prevaleceram com Deus para entrar nela, mas só a ratificaram e confirmaram; e isso foi feito na nova aliança pelo sangue de Cristo. Em segundo lugar. Ele sofreu e executou tudo o que, na justiça e sabedoria de Deus, era exigido; que os efeitos, frutos, benefícios e graça, destinados, projetados e preparados na nova aliança, possam ser eficazmente realizados e comunicados aos pecadores. Por isso, embora ele não tenha adquirido a aliança para nossa morte, ele era, em sua pessoa, a mediação, a vida e a morte, a única causa e meio pelo qual toda a graça da aliança é efetiva para nós. Porque, - 3º. Todos os benefícios disso foram adquiridos por ele; - isto é, toda a graça, a misericórdia, os privilégios e a glória, que Deus preparou no conselho de sua vontade, que foram consertados no caminho dessa comunicação na aliança do mediador e propostos nas promessas dela, são comprados, merecidos e adquiridos por sua morte; e efetivamente se comunicou ou aplicou a todos os aliançados em virtude disso, com outros de seus atos mediadores. E isso é muito mais uma aquisição eminente da nova aliança do que é pretendido sobre a aquisição de seus termos e condições; pois se ele não tivesse mais adquirido isso, isto é, se devemos isso somente à sua mediação, que Deus criaria, ou fizesse, conceder e estabelecer esta regra, lei e promessa, para que todo aquele que crer deve ser salvo, é possível que ninguém seja salvo desse modo; sim, se ele não fazia mais nada, considerando nosso estado e condição, era impossível que qualquer um devesse ser salvo. Para dar a soma dessas coisas, é indagado com respeito a qual destas considerações da nova aliança afirma-se que foi obtido pela morte de Cristo. Se se diz que é com respeito à comunicação real de toda a graça e glória preparada na aliança, e proposto a nós nas promessas dela, é verdade. Toda a graça e a glória prometidas na aliança foram compradas para a igreja por Jesus Cristo. Nesse sentido, por sua morte ele adquiriu a nova aliança. Esta é a Escritura inteira, desde o início dela na primeira promessa até o fim disso, testemunha; pois é nele que "Deus nos abençoa com todas as bênçãos espirituais nas coisas celestiais". Que todas as coisas boas mencionadas ou prometidas na aliança, expressamente ou por justa consequência, sejam resumidas, e não será difícil questão de demonstrar a respeito de todos eles, e que ambos juntos e solidariamente, que todos foram adquiridos para nós pela obediência e morte de Cristo. Mas isso não é o que se destina; porque a maior parte desta opinião nega que a graça da aliança, na conversão a Deus, a remissão dos pecados, a santificação, a justificação, a adoção e outras coisas semelhantes, são os efeitos ou aquisições da morte de Cristo. E eles, por outro lado, declaram que é a criação de Deus da aliança que eles pretendem, isto é, a disposição dos termos e condições, com sua proposta para a humanidade para sua recuperação. Mas aqui existe deve ser considerado que: - (1.) O próprio Senhor Jesus Cristo, e todo o trabalho de sua mediação, como a ordenança de Deus para a recuperação e a salvação dos pecadores perdidos, é a primeira e principal promessa da aliança; de modo que a sua exposição na carne, a sua obra de mediação, com a nossa libertação, foi o sujeito da primeira promessa, que praticamente continha essa aliança inteira: então foi de renovação para Abraão, quando foi confirmada solenemente pelo juramento de Deus, Gálatas 3: 16,17. (2.) A realização desta aliança está em toda parte na Escritura atribuída (como também é o envio do próprio Cristo para morrer) ao amor, graça e sabedoria de Deus somente. Que todos os lugares sejam considerados, onde seja feita a entrega da promessa, o envio de Cristo ou a realização da aliança, seja expressa ou virtualmente, e em nenhuma delas são atribuídos a qualquer outra causa senão à graça, amor e sabedoria de Deus sozinhos; tudo para ser efetivo para nós pela mediação de Cristo. (3.) A atribuição do único fim, da morte de Cristo para ser a aquisição da nova aliança, no sentido defendido, evacua de fato toda a virtude da morte de Cristo e da própria aliança; porque, - Primeiro, a aliança que eles pretendem não é senão a constituição e a proposta de novos termos e condições de vida e salvação para todos os homens. Agora, enquanto a aceitação e o cumprimento dessas condições dependem das vontades dos homens, de nenhuma maneira determinada por graça efetiva, era possível que, apesar de Cristo ter feito tudo por sua morte, ainda assim nenhum pecador poderia ser salvo desse modo, mas que todo o fim e desígnio de Deus ali poderia ser frustrado. Em segundo lugar, considerando que a vantagem substancial dessas condições está aqui , que Deus agora, por causa de Cristo, aceita uma obediência inferior à exigida na lei, e assim a graça de Cristo não levanta todas as coisas para a conformidade e o cumprimento da santidade e vontade de Deus declarada ali, mas acomoda todas as coisas à nossa condição presente, nada pode ser inventado com maior desonra para Cristo e para o evangelho; porque o que faz é senão fazer de Cristo o ministro do pecado, anular a santidade que a lei exige, ou a obrigação da lei, sem qualquer provisão do que possa responder ou entrar no tribunal dela, mas o que é incomparavelmente menos digno? Nem é consistente com a sabedoria, a bondade e a imutabilidade divinas, para designar a uma lei de obediência, e lançá-los todos sob a pena mais severa sobre a transgressão dela, quando ele poderia em justiça e honra lhes dar uma lei de obediência, cuja observância pode consistir em muitas falhas e pecados; pois, se ele tem feito isso agora, ele poderia ter feito isso antes: o quão longe ele reflete sobre a glória das propriedades divinas pode ser facilmente manifestado. Tampouco esse tipo de imaginação cumpre os testemunhos da Escritura, que o Senhor Jesus Cristo não veio para destruir a lei, mas para cumpri-la, que ele é o fim da lei; e que, pela fé, a lei não é revogada, mas estabelecida. Ultimamente, o Senhor Jesus Cristo foi o mediador e a garantia da nova aliança, e por quem foi ratificada, confirmada e estabelecida: e, portanto, por ele, a constituição foi não adquirida; pois todos os atos de seu ofício pertencem a essa mediação, e não pode ser bem percebido como qualquer ação de mediação para o estabelecimento da aliança, e tornando-a eficaz, deve procurá-la. 7. Mas para retornar dessa digressão. Aquele em que todas as causas precedentes da união entre Cristo e os crentes, de onde se tornam uma pessoa mística, fazem centro, e por meio das quais são criados um fundamento completo da imputação de seus pecados e da sua justiça para eles. comunicação de seu Espírito, o mesmo Espírito que habita nele, para eles, permanecer, animar e guiar, todo o corpo místico e todos os seus membros. Mas isso já foi muito falado, pois não devo mais mencionar isso. Nas considerações que se insistiram, - pelas quais o Senhor Jesus Cristo se tornou uma pessoa mística com a igreja, ou descobriu a pessoa da igreja em que Ele fez como mediador, na santa e sábia disposição de Deus como autor da lei, o reitor supremo ou governador de toda a humanidade, quanto aos seus interesses temporais e eternos, e por seu próprio consentimento, - os pecados de todos os eleitos foram imputados a ele. Assim, tendo sido a fé e o idioma da igreja em todas as idades, e que derivou e fundou em testemunhos expressivos da Escritura, com todas as promessas e resignações de sua exibição na carne desde o início, não pode agora, com qualquer modéstia, ser negado expressamente.

Os hebreus não têm outra palavra para significar culpa ou culpado, mas eles usam a mesma palavra para o pecado, e a culpa dele, o castigo devido a ele e um sacrifício por isso. Falando sobre a culpa do sangue, eles não usam nenhuma palavra para significar a culpa, mas apenas dizem, wOl μD; , - "É sangue, para ele." Então Davi ora, "Livra-me" μymiD; mi, "do sangue"; que nós traduzimos "culpa de sangue", Salmo 51:14. E isso ocorreu porque, pela constituição de Deus, aquele que era culpado de sangue deveria morrer pela mão do magistrado, ou do próprio Deus. Mas μv; a; (ascham) não é utilizado para culpa, mas significa a relação do pecado que se destina à punição. E outras significações serão buscadas em vão no Antigo Testamento. No Novo Testamento, aquele que é culpado é dito ser uJpodikov, Romanos 3:19; isto é, desagradável para o julgamento ou a vingança pelo pecado, Atos 28: 4, "a quem a vingança não deixará ficar impune"; - e em 1 Coríntios 11:27, temos uma palavra da mesma significação; - Mateus 23:18, devendo estar em dívida com a justiça. por ser desagradável, sujeito à justiça, vingança, punição pelo pecado, é ser culpado. Aquele que é "criminoso desagradável", ou "poenae propter crimen", ou "voti debitor", ou "promissi", ou "officii ex sponsione", é chamado de "réu".

Culpa, na Escritura, é o relativo ao pecado para a sanção da lei, pela qual o pecador se torna desagradável ao castigo; e ser culpado é ser uJpo dikov tw Qew  - sujeito ao castigo pelo pecado contra Deus, como o supremo legislador e juiz de todos.

Isso, portanto, que afirmamos aqui é que nossos pecados foram tão transferidos para Cristo, que assim ele se tornou μvea; , uJpodikov tw Qew "Réu", - responsável por Deus e desagradável ao castigo na justiça de Deus por eles. Ele era "alienae culpa reus" - perfeitamente inocente em si mesmo; mas tomou nossa culpa sobre ele, ou nossa desobediência ao castigo pelo pecado. E assim dele pode ser dito, o maior devedor do mundo, que nunca tomou emprestado nem devolveu um centavo por sua própria conta, se ele se tornou garantia da maior dívida dos outros: então Paulo tornou-se um devedor para Filemom em cima de seu compromisso com Onésimo, que antes não lhe devia nada.

E duas coisas concordaram com esta imputação do pecado a Cristo, primeiro, o ato de Deus imputá-lo. Em segundo lugar, o ato voluntário do próprio Cristo no empreendimento, ou admitindo a acusação. (1.) O ato de Deus, nesta imputação da culpa de nossos pecados a Cristo, é expressado por "colocar todas as nossas iniquidades sobre ele", "fazer ser pecado por nós, aquele que não conhece pecado" e do mesmo jeito. Para, - [1.] Como o governador supremo, o legislador e o juiz de todos, a quem pertence cuidar que sua santa lei fosse observada, ou os criminosos punidos, ele admitiu, após a transgressão, o patrocínio e garantia de Cristo para responder pelos pecados dos homens, Hebreus 10: 5-7. [2.] Para este fim, ele o fez sob a lei, ou deu-lhe a lei, o exigiu e lhe impunha a penalidade que era devida aos pecados deles, Gálatas 3: 13; 4: 4,6. [3.] Para a declaração da justiça de Deus neste estabelecimento de Cristo para ser uma propiciação e suportar nossas iniquidades, a culpa de nossos pecados foi transferida para ele em um ato do juízo justo de Deus, aceitando e estimando ele como culpado. (2.) O pagamento voluntário do Senhor Jesus Cristo sob o estado e a condição de ser uma caução, ou fiança para a igreja, para comparecer perante o trono da justiça de Deus para eles, para responder o que foi colocado à sua carga, foi requerido; e isso ele fez absolutamente. Houve uma concordância de sua própria vontade em e para todos os atos divinos pelos quais ele e a igreja foram constituídos uma pessoa mística; e de seu próprio amor e graça ele, como nossa garantia, está em nosso lugar diante de Deus, quando fez a inquisição pelo pecado; - Ele tomou sobre si mesmo, quanto ao castigo que merecia. Assim, tornou-se justo que ele deveria sofrer, "o justo pelos injustos, para nos levar a Deus". Pois, se não for assim, eu desejaria saber o que se tornaria a culpa dos pecados dos crentes; se não fosse transferida para Cristo, permaneceria imóvel sobre si mesmo, ou não é nada. Diz-se que a culpa é levada pelo livre perdão do pecado.

Adão em seu pecado pessoal comunicou uma natureza viciosa, depravada e corrompida a toda a sua posteridade; e, além disso, a culpa de seu pecado real lhes é imputado, como se tivesse sido cometido por cada um deles; mas, no entanto, seu pecado particular pessoal nunca mais, nem jamais poderia, tornar-se o pecado pessoal de qualquer um deles qualquer outra coisa que não seja pela imputação de sua culpa a eles. Portanto, nossos pecados nem são nem podem ser tão imputados a Cristo, que devem tornar-se subjetivamente seus, como são transgressão da parte receptiva da lei. Uma tradução física ou transfusão de pecado é, neste caso, natural e espiritualmente impossível; e, no entanto, em uma suposição, sozinhos, dependem as consequências horríveis mencionadas. Mas a culpa do pecado é um respeito externo a ele, apenas em relação à sanção da lei. Isso é separável do pecado; e se não fosse assim, nenhum pecador poderia ser perdoado ou salvo. Pode, portanto, ser feito outro por imputação, e, no entanto, esse outro não é formalmente um pecador. Isto foi o que foi imputado a Cristo, pelo qual ficou desobediente à maldição da lei; pois era impossível que a lei devesse pronunciar qualquer um maldito, senão o culpado, nem o faria, Deuteronômio 27: 26. Segundo, há uma grande diferença entre a imputação da justiça de Cristo e a imputação de nossos pecados a Cristo; de modo que ele não pode, da mesma forma, ser considerado pecador por aquele quando somos feitos justos pelo outro. Pois nosso pecado foi imputado a Cristo apenas como ele era nosso fiador por um tempo, - para este fim, para que ele pudesse tirá-lo, destruí-lo e aboli-lo. Nunca foi imputado a ele, de modo a fazer qualquer alteração absolutamente em seu estado e condição pessoal. Mas a sua justiça nos é imputada para permanecer com a gente, ser nossa sempre e fazer uma mudança total em nosso estado e condição, como a nossa relação com Deus. Nosso pecado lhe foi imputado apenas por uma temporada, não também ultimamente, mas como uma garantia e para o fim especial de destruí-lo; e tomou-o nesta condição, para que a sua justiça devesse ser nossa para sempre. Todas as coisas estão de outra forma na imputação de sua justiça para nós, o que nos respeita absolutamente, e não sob uma capacidade temporária, permanece conosco para sempre, muda nosso estado e relação com Deus e é um efeito de graça superabundante. seja dito que se nossos pecados, quanto à culpa deles, fossem imputados a Cristo, então Deus deve odiar a Cristo; porque odeia o culpado. Não sei bem como venho mencionar estas coisas, que, de fato, vejo como cavilhas, como os homens podem se multiplicar se quiserem contra qualquer parte dos mistérios do evangelho. Mas ver isso é mencionado, pode ser falado; e, em primeiro lugar, é certo que o Senhor Jesus Cristo que assumiu a culpa dos nossos pecados foi um grande ato de obediência a Deus, Hebreus 10: 5,6; e pelo qual o "Pai o amava", João 10: 17,18. Não havia, portanto, nenhuma razão para que Deus odiasse a Cristo por ter assumido a nossa dívida, e o pagamento dela, em um ato de obediência máxima à sua vontade. Em segundo lugar, Deus nesta matéria é considerado reitor, governante e juiz. Agora, não é exigido do juiz mais severo, que, como juiz, ele deve odiar o culpado, não, embora ele seja culpado originalmente por prisão e não por imputação. Como tal, ele não tem mais a fazer senão considerar a culpa e pronunciar a sentença de punição. Mas, em terceiro lugar, suponha que uma pessoa, por uma generosidade heroica da mente, se torne um fiador para outro, para seu amigo, para um bom homem, para responder por ele com a vida dele, como Judá se comprometeu a ser por Benjamim quanto à sua liberdade - que, quando um homem perdeu, ele está morto civilmente e "capite diminutus" - o tirano mais cruel do céu, que deveria tirar sua vida, nesse caso o odiaria? Não preferiria admirar seu valor e sua virtude? Como tal, foi que Cristo sofreu, e não de outra forma. Em quarto lugar, toda a força desta exceção depende da ambiguidade da palavra ódio; pois pode significar aversão ou aborrecimento da mente, ou apenas uma vontade de punição, como em Deus, na sua maioria, faz. No primeiro sentido, não havia motivo para que Deus odiasse a Cristo sobre essa imputação de culpa a ele, pelo qual ele se tornou "não proprie sed alienae culpae, reus". O pecado inerente torna a alma poluída, abominável e o único objeto de divina aversão; mas para aquele que era perfeitamente inocente, santo, inofensivo, imaculado em si mesmo, que não cometeu pecado, tampouco havia engano encontrado em sua boca, para assumir a culpa de outros pecados, para cumprir o desígnio de Deus para a manifestação de sua glória e sabedoria infinita, graça, bondade, misericórdia e justiça, até a expiação e destruição do pecado, - nada poderia torná-lo mais glorioso e adorável diante de Deus ou do homem. Mas por uma vontade de punir em Deus, onde o pecado é imputado, ninguém pode negar, mas eles devem com isso desautorizar abertamente a satisfação de Cristo o principal de alguns dos argumentos com que a verdade que afirmamos é confirmado deve fechar este discurso: 1. A menos que a culpa do pecado fosse imputada a Cristo, o pecado não lhe seria imputado em nenhum sentido, pois a punição do pecado não é pecado; nem os que de outra forma estão de acordo declaram o que é de pecado que é imputado. Mas a Escritura é clara, que "Deus colocou sobre ele a iniquidade de todos nós", e "fez com que ele fosse pecado por nós", o que não poderia ser senão por imputação. 2. Não pode haver castigo, senão com respeito à culpa do pecado pessoalmente contraído ou imputado. É a única culpa que dá o que é materialmente mau e aflitivo à natureza formal do castigo, e nada mais. 3. Cristo foi feito uma maldição para nós, a maldição da lei, como é expressamente declarado, Gálatas 3: 13,14. Mas a maldição da lei respeita apenas à culpa do pecado; de modo que, quando isso não aconteça, não pode acontecer em nenhum sentido, e, quando isso aconteça, é inseparável, Deuteronômio 27:26. 4. Os expressos testemunhos da Escritura para este propósito não podem ser evadidos, sem um abandono aberto de suas palavras e sentido. Então, de Deus é dito "fazer com que todas as nossas iniquidades se encontrem nele", e ele as descobriu como seu fardo; pois assim a palavra significa, Isaías 53: 6, "Deus colocou sobre ele" WnL; Ku wO [\ tae, "a iniquidade", (isto é, a culpa) "de todos nós"; versículo 11, lBos] yi AWh μt; nOwO [\ wæ, "e seu pecado ou culpa ele suportará." Porque essa é a intenção de wO [; onde se juntou com qualquer outra palavra que denota o pecado: como é nesses lugares, Salmos 32: 5, "Tu perdoas" por causa da injustiça do pecado, isto é, a culpa dele, que é o único que é removido pelo perdão; que "a sua alma foi feita uma oferta para a culpa do pecado", que "ele foi feito pecado", que "o pecado foi condenado em sua carne", etc. 5. Isto foi representado em todos os sacrifícios do Antigo Testamento, especialmente no dia da expiação, com a ordenança do bode expiatório; como já foi declarado. 6. Sem uma suposição disso, não se pode entender como o Senhor Jesus Cristo deve ser o nosso fiador, ou sofrer muitas vezes, em nosso lugar.

Publicado
Visualizações
84