A fala e a imagem: manifestações violentas?

O fenômeno da violência presente na sociedade atual ocorre de maneira dinâmica e complexa. Nesse artigo debateremos sobre as manifestações violentas a partir das noções elencadas por Michel Maffesoli, em seu livro “Dinâmica da violência” de 1987. Para o autor, esse fenômeno é apresenta diversas manifestações e funções dentro da coletividade.

Para o Maffesoli (1987) o fenômeno da violência ocorre através de embates entre mentalidades, modos de agir e se comportar. Esses embates podem ser físicos como verbais, sendo de grandes proporções como também podendo se manifestar nas banalidades do cotidiano.  O autor discute sobre situações mundanas, como a fala, a imagem e a música e suas respectivas relações com o fenômeno da violência. A fala, incluindo aqui a comunicação verbal, escrita, televisiva e das mais variadas formas, se caracterizam como potentes formas de violências anômicas e banais, através dela é realizada a mediação entre as pessoas e circula imaginários que buscam romper com regras e poderes já estabelecidos. Exemplos disso podem ser observados nos grafites que estavam presentes em Nova York no ano de 1968, retratando a situação vivida na cidade naquela época e motivando uma reestruturação social. Vale lembrar que a fala também pode ser usada para manter um poder estabelecido, o que se debate como a “fala sendo o monopólio do chefe”, mas ela é um processo dificultoso de ser controlado devido ao fato de que a comunicação circula por varias pessoas e não pode ser dominada apenas por uma.

A violência é um fenômeno complexo e dinâmico, se manifestando tanto por embates físicos ou verbais como de maneiras mais cotidianas, como a fala, a música e as imagens. Os atos mundanos do dia-a-dia também podem carregar forças subversivas e questionadoras, desequilibrando e incitando transformações sociais.

Referências bibliográficas:

MAFFESOLI, Michel. A dinâmica da violência. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 1987.

Publicado
Visualizações
817